Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





A pastoral do Santuário Original nas mãos de um brasileiro

Pe. Antônio Bracht fala sobre a nova missão que assumiu.
capa
Pe. Antonio Bracht; Pe. Heinrich Walter, superior geral dos Padres de Schoenstatt; e Pe. Michael Marman, antigo reitor do Santuário Original.
No dia 2 de julho Pe. Antonio Bracht tomou posse como reitor do Santuário Original. Brasileiro, leva consigo as experiências vividas na “terra do Tabor”, compartilhando-as no coração do Movimento Apostólico de Schoenstatt. Num momento de oração, Pe. Michael Marman, antigo reitor, passou a chave do Santuário para Pe. Bracht.
O sacerdote brasileiro pertence ao Instituto dos Padres de Schoenstatt, nasceu em Toledo/PR, foi Superior do Instituto Secular dos Padres de Schoenstatt no Brasil, diretor nacional do Movimento e atualmente participa da direção geral dos Padres de Schoenstatt.
Pe. Antônio Bracht conta sobre a tarefa que assumiu:
Qual é a missão do reitor do Santuário Original?
A missão do reitor do Santuário Original é cuidar de que no Santuário se realize a finalidade do mesmo, ou seja, que os peregrinos sejam bem acolhidos e possam realizar suas devoções ali. Na prática, significa cuidar de que se ofereçam missas, confissões, infraestrutura para a estadia, e outros serviços, coordenando todos os que se empenham diretamente na tarefa pastoral do Santuário.
Como acontece a escolha do reitor?
O portador jurídico toma a iniciativa, neste caso a comunidade dos Padres de Schoenstatt, propõe o reitor, que é aprovado pela Presidência Geral da Obra de Schoenstatt e confirmado pelo bispo diocesano.
Qual o período da atuação de um reitor?
Neste momento o período é de três anos.
Como o senhor acolhe essa missão?
Em primeiro lugar com muita fé. Os caminhos de Deus na minha vida me conduziram até esse momento. Descubro assim a vontade de Deus e por isso assumo nesta fé. Também me sinto um instrumento para que todos possam vivenciar o Santuário Original – que é de todos e está aberto para todos – trazendo para cá a vida que Deus suscita nos diferentes lugares onde Schoenstatt se desenvolve, levando as graças da origem para a realização da sua missão. Me vejo como um elo, facilitador das experiências de abrigo, promotor da força da Aliança de Amor.
Sendo brasileiro, que contribuição do Tabor o senhor levar nessa missão?
Percebi, vivendo aqui, antes mesmo de ser nomeado, que a realidade do Santuário como Tabor não está sempre viva e presente nas pessoas. Por isso sinto que a vida que há no Movimento de Schoenstatt brasileiro pode contribuir aqui no Santuário Original, dando essa dimensão bíblica. O Tabor significa, para a dinâmica da Aliança, a transformação das pessoas em homens novos, pessoas que buscam uma vida elevada, na luz do amor divino, forte, na confiança do amor divino, sacrificada, na fortaleza do amor divino. É bom estar num lugar onde a transformação acontece, revelando a bondade de Deus. Se aqui nos experimentamos filhos, amados, queridos, todos nós, mais facilmente proporcionaremos aos peregrinos a vivência de Família.
O que o senhor espera para este ano?
Uma bonita festa, internacional, de muitas cores, que seja o marco de encontro de cada filho de Schoenstatt e, de todos, com a origem; a renovação para enfrentar os desafios que temos pela frente. Uma concentração que condense a vida e a entregue, contagiando.
FONTE: http://www.maeperegrina.org.br/