Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





25 de Fevereiro - Santa Valburga


Santa Valburga
710-779
Quadro da igreja do palácio de Atinhy - França
Valburga nasceu em Devonshire, na Inglaterra meridional em 710. Era uma princesa dos Kents, cristãos que desde o século III se sucediam no trono. Ela viveu cercada de nobreza e santidade. Seus parentes eram reverenciados nos tronos reais, mas muitos preferiram trilhar o caminho da santidade e foram elevados ao altar pela Igreja, como seu pai, são Ricardo e os irmãos Vilibaldo e Vunibaldo. 

Valburga tinha completado dez anos quando seu pai entregou o trono ao sobrinho, que tinha atingido a maioridade e levou a família para viver num mosteiro. Poucos meses depois, o rei e os dois filhos partiram em peregrinação para Jerusalém, enquanto ela foi confiada à abadessa de Wimburn. Dois anos depois seu pai morreu em Luca, Itália. Assim ela ficou no mosteiro onde se fez monja e se formou. Depois escreveu a vida de Vunibaldo e a narrativa das viagens de Vilibaldo pela Palestina, pois ambos já eram sacerdotes. 

Em 748, foi enviada por sua abadessa à Alemanha, junto com outras religiosas, para fundar e implantar mosteiros e escolas entre populações recém-convertidas. Na viagem, uma grande tempestade foi aplacada pelas preces de Valburga, por ela Deus já operava milagres. Naquele país, foi recebida e apoiada pelo bispo Bonifácio, seu tio, que consolidava um grande trabalho de evangelização, auxiliado pelos sobrinhos missionários. 

Designou a sobrinha para a diocese de Eichestat onde Vunibaldo que havia construído um mosteiro em Heidenheim e tinha projeto para um feminino na mesma localidade. Ambos concluíram o novo mosteiro e Valburga eleita a abadessa. Após a morte do irmão, ela passou a dirigir os dois mosteiros, função que exerceu durante dezessete anos. Nessa época transpareceu a sua santidade nos exemplos de sua mortificação, bem como no seu amor ao silêncio e na sua devoção ao Senhor. As obras assistenciais executadas pelos seus religiosos fizeram destes mosteiros os mais famosos e procurados de toda a região.

Valburga se entregou a Deus de tal forma que os prodígios aconteciam com freqüência. Os mais citados são: o de uma luz sobrenatural que envolveu sua cela enquanto rezava, presenciada por todas as outras religiosas e o da cura da filha de um barão, depois de uma noite de orações ao seu lado. 

Morreu no dia 25 de fevereiro de 779 e seu corpo foi enterrado no mosteiro de Heidenheim, onde permaneceu por oitenta anos. Mas, ao ser trasladado para a igreja de Eichestat, quando de sua canonização, em 893, o seu corpo foi encontrado ainda intacto. Além disso, das pedras do sepulcro brotava um fluído de aroma suave, como um óleo fino, fato que se repetiu sob o altar da igreja onde o corpo foi colocado. 

Nesta mesma cerimônia, algumas relíquias da Santa foram enviadas para a França do Norte, onde o rei Carlos III, o Simples, havia construído no seu palácio de Atinhy, uma igreja dedicada a Santa Valburga. O seu culto, em 25 de fevereiro, se espalhou rápido, porque o óleo continuou brotando. Atualmente é recolhido em concha de prata e guardado em garrafinhas distribuídas para o mundo inteiro. Os devotos afirmam que opera milagres.

Outros santos e beatos:
Beato Adelelmo (†1131) — abade beneditino, fundador do mosteiro de Engelberg, na Suíça.
Santo Ananias e companheiros — martirizados em 298, na Fenícia. Na prisão, o presbítero Ananias converteu o carcereiro e sete soldados, que com ele foram martirizados.
Santo Avertano (†1380) — irmão leigo carmelita francês, falecido em Luca. 
São Cesário de Nazianzo (†369) — irmão de são Gregório de Nazianzo, médico da corte imperial. Foi nomeado chefe de polícia na Bitínia, onde, depois de escapar afortunadamente de um pavoroso terremoto, nele irrompeu uma crise espiritual. Abandonou a vida pública, fez-se batizar e, depois de um longo período como catecúmeno, tornou-se penitente, doando seus bens aos pobres. Tais informações chegaram até nós graças à oração fúnebre pronunciada por seu célebre irmão.
Beato Constâncio de Fabriano — prior dominicano do convento de São Marcos, em Florença; dotado de carisma profético.
Beato Diogo Carvalho — jesuíta martirizado no Japão, em 1624, juntamente com outros 60 companheiros.
Santos Donato, Justo, Irineu e companheiros — martirizados na África, no século III.
Santo Etelberto (560-616) — rei de Kent, batizado pelo evangelizador da Inglaterra, santo Agostinho. Protegeu os missionários e fundou a abadia de Cantuária. 
São Gerlando (†1104) — nascido na França, parente de Roberto Guiscard, foi bispo de Agrigento, após a expulsão dos sarracenos.
Beato Sebastião de Aparício (†1600) — irmão leigo franciscano espanhol. Quando jovem, trabalhou como operário e garçom em Salamanca; depois, emigrou para o México, onde passou a dirigir o serviço postal. Aos 60 anos, quando faleceu a esposa, ingressou no convento, onde viveu durante 26 anos como mendicante. 
Santos Vitorino, Vitório, Nicéforo, Cláudio, Diodoro, Serapião e Pápias — cidadãos de Corinto martirizados em 284.