Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





16 de Fevereiro - Santo Onésimo



Santo Onésimo
Século I e II
Onésimo era o nome do escravo de um importante e rico cidadão chamado Filemon que viveu na Frígia, atual Turquia, na Ásia Menor. Filemon, sua esposa e filho, em certa ocasião ouvindo o apóstolo Paulo se converteram, tocados pela palavra de Cristo. Paulo batizou a toda a família e os dois se tornaram amigos. Este escravo, cujo nome em grego significa útil, roubou dinheiro de seu amo. Assim, temendo ser castigado resolveu fugir.

O castigo para os escravos recapturados era ter a letra "F" marcada em brasa na testa e para os ladrões era a morte. Por isto foi para Roma onde deve ter cometido alguma infração, pois foi preso e algum tempo depois libertado. No cárcere conheceu o apóstolo Paulo que mais uma vez era prisioneiro dos romanos. Ouvindo sua palavra, o escravo foi tocado pela Paixão de Cristo e se arrependeu. Procurando o apostolo, confessou sua culpa e foi perdoado. Assim, Onésimo se converteu e recebeu o batismo do próprio Paulo, que o enviou de volta para o também amigo Filemon com uma carta. 

Nela, o santo apóstolo explicou que estaria disposto a pagar em dinheiro pelo erro do escravo, caso Filemon não o perdoasse, pois estava convencido de que Onésimo estava mudado e se emendara completamente. Narrou a sua conversão e, inspirado pelo Espírito Santo escreveu: "Venho suplicar-te por Onésimo, meu filho, que eu gerei na prisão. Ele outrora não te foi de grande utilidade, mas agora será muito útil, tanto a mim como a ti. Eu envio-o a ti como se fosse o meu próprio coração....Portanto, se me consideras teu irmão na fé, recebe-o como a mim próprio". (Fm 18 e 19)

Sabedor da sinceridade e do poder que Paulo tinha para fazer pessoas se converterem à vida cristã, para dali em diante viverem na honestidade e na caridade, Filemon perdoou Onésimo. Depois, deu total apoio ao seu ex-escravo que passou a trabalhar com a palavra e também com seu próprio exemplo.

Onésimo ficou muito ligado ao apóstolo Paulo, que o enviou à cidade de Colossos como evangelizador. Depois foi consagrado bispo de Efeso, onde substituiu Timóteo. Durante sua missão episcopal, a fama de suas virtudes ultrapassou os limites de sua diocese. Segundo uma tradição antiga, na época do imperador Domiciano foi preso e levado a Roma, onde morreu apedrejado, como mártir cristão.

Embora este acontecimento não tenha total comprovação, a Igreja incluiu Santo Onésimo entre seus santos, porque são fortes os indícios de que seja realmente um mártir do cristianismo dos primeiros tempos.

Outros santos e beatos:
Santo Agano (1050-1100) — abade beneditino de Áriola, na Campânia.
Beato Bernardo Scamacca (†1486) — passou de uma vida de libertino para a de expiação e penitência. Nascido em Catânia, tornou-se monge dominicano depois de ferido em duelo.
santos Elias, Jeremias, Isaías, Samuel e Daniel — martirizados em Cesaréia da Palestina, em 309.
São Fustino (†381) — bispo de Bréscia. 
Santo Honesto — martirizado em Pamplona, na Espanha, em 270.
São Joanito (750-846) — militar, a seguir eremita, próximo ao monte Olimpo. Venerado pelos gregos em razão de sua luta contra os iconoclastas.
Santa Júlia de Mérida — martirizada junto com santa Eulália, em 304.
Santa Juliana — virgem martirizada provavelmente em Cuma ou nas imediações de Nápoles, em época incerta. Costuma ser retratada em luta contra o diabo, representado por um dragão.
São Juliano e companheiros — martirizados no Egito, em época incerta.
Santa Macrina, a Anciã (†340) — avó paterna de são Basílio e de são Gregório de Nissa. Foi exilada e sofreu em virtude da perseguição movida por Diocleciano e Licínio.
Santa Maria (século I) — é apresentada nos Atos dos Apóstolos como a mãe de João Marcos. Os apóstolos reuniam-se em sua casa. 
São Matias de Meaco — terceiro franciscano; martirizado em 1597, com Paulo Miki e companheiros. 
Santos Porfírio e Seleuco — martirizados em 309, em Cesaréia da Palestina. 
Beato Torello (1201-1281) — nascido na Toscana, em Poppi. Após uma vida desregrada, tomou o hábito de eremita do ramo valumbrosano e durante 60 anos viveu enclausurado em sua cela.
Beato Vicente de Sena (†1442) — tornou-se frade menor franciscano; companheiro de viagem de são Bernardino.