Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





13 de Fevereiro - São Martiniano



São Martiniano
Século IV
Martiniano era um monge eremita, mas acabou se tornando um andarilho para que o pecado nunca o achasse "em endereço fixo".

Martiniano era natural da Cesaréia, na Palestina, nasceu no século quatro. Desde a tenra idade decidiu ligar sua vida à Deus e aos dezoito anos ingressou numa comunidade de eremitas, não muito distante da sua cidade, onde se entregou à vida reclusa e viveu durante sete anos. A fama de sua sabedoria percorreu a Palestina e Martiniano passou a ser procurado por gente de todo o país que lhe pedia conselhos, orientação espiritual, a cura de doenças e até a expulsão de maus espíritos. Ganhou fama de santidade e essa fama atraiu Cloé, uma jovem cortesã.

Cloé era milionária, bela e conhecida como uma mulher de costumes arrojados e pouco recomendáveis. Fez uma espécie de aposta em seu círculo de amizades e afirmou que faria o casto monge se perder. Trocou suas roupas luxuosas por farrapos e procurou Martiniano, pedindo abrigo. Ele deixou que entrasse, acomodou-a e foi para os aposentos do fundo da casa, onde rezou entoando cânticos de louvor ao Senhor, antes de se recolher para dormir.

Mesmo assim, Cloé não desistiu. Pela manhã trocara os farrapos por uma roupa muito sensual, aguardando o ingresso do monge nos aposentos internos da casa. O que logo aconteceu, ela então utilizou argumentos espertos tentando seduzir Martiniano, mas, ao invés disso, acabou sendo convertida por ele. Cloé a partir de então, se recolheu ao convento de Santa Paula, em Belém, passando ali o resto de seus dias. E se santificou na vida religiosa consagrada à Deus.

Por sua vez, Martiniano, que chegou a sentir-se tentado, mudou-se dali para uma ilha. Porém, certa vez, naquelas águas que rodeavam a ilha ocorreu um naufrágio de um navio e uma jovem passageira chamada Fotinia que se salvou lhe pediu abrigo. Ele consentiu que ela ficasse, mas para não sentir a tentação novamente abandonou o lugar a nado, apesar do continente ficar muito distante. A tradição diz que ele não nadou, mas que Deus mandou dois delfins para apanhá-lo e levá-lo à terra firme, são e salvo. 

O fato é que, depois disso, tomou uma decisão radical, tornou-se andarilho para nunca mais ter de abrigar ninguém e ser tentado pelo pecado. Vivia da caridade alheia e morreu em Atenas, no ano 400, depois de parar a caminhada numa igreja da cidade. Sabia que o momento chegara, recebeu os sacramentos e partiu para a Casa do Pai serenamente e na santa paz.

Outros santos e beatos:
Santas Fosca e Maura martirizadas em 250.Fosca, adolescente de 15 anos, de Ravena, e Maura, sua ama-de-leite, fizeram parte do seleto escol das valentes mulheres que enfrentaram a sangrenta perseguição movida pelos imperadores Décio e Diocleciano.
Catecúmenas do monge Ermolau, das mãos deste receberam o batismo, apesar da ferrenha oposição do pai de Fosca, que não hesitou em denunciá-las ao prefeito Quinciano. Os homens enviados para levá-las à presença do juiz voltaram de mãos vazias: ao lado das duas mulheres — lê-se na Paixão —, viram um anjo com uma espada flamejante desembainhada!
Mais tarde, Fosca e Maura apresentaram-se espontaneamente ao magistrado, proclamaram sem vacilar sua fidelidade a Cristo e também previram o gênero de morte a que seriam condenadas: a decapitação. 
Seus corpos — sempre de acordo com a tardia Paixão — foram lançados ao mar e milagrosamente aportaram nas longínquas costas da Tripolitânia, onde mãos piedosas os recolheram e sepultaram nos arredores de Sabrata.
Quando, no século VII, a região foi invadida pelos muçulmanos, os restos mortais foram de lá retirados e postos a salvo por um certo Vital, que os trasladou para a ilha veneziana de Torcello, onde se ergue uma igreja em honra das duas mártires.
Santo Ágabo — profeta do século I, mencionado nos Atos dos Apóstolos. 
Santo Aimo (†790) — natural de Milão, fundador do convento feminino de São Vítor.
Beata Arcângela Girlani (1461-1494) — nascida em Monferrato, freira carmelita em Parma, fundadora de um convento em Mântua. 
São Dyfnog — galês, viveu no século VII.
Santo Estêvão de Lião (†512) — bispo, atuou entre os borgonheses arianos. 
Santo Estêvão de Rieti (†590) — abade; são Gregório Magno o define como homem “culto de espírito”, embora “inculto no falar”.
São Fulcrano (†1006) — asceta, bispo de Lodève, na França.
São Gosberto (†859) — bispo beneditino de Osnäbruck. 
Santa Hermenegilda (†700) — filha de santa Sexburga, esposou o rei da Mércia. Ao ficar viúva, juntou-se à mãe no convento de Münster, do qual foi eleita abadessa. 
Beato João Lântrua de Triora (1760-1816) — franciscano martirizado na China, onde trabalhou ativamente como missionário.
São Julião de Lião — martirizado na França, em época incerta.
São Lucínio (†618) — bispo de Angers. 
São Modomnoc ou Dominc (†550) — discípulo de são Davi de Gales, depois eremita e bispo.
São Paulo Loc (1831-1859) — padre martirizado no Vietnã; canonizado em 1988. 
São Polieuto — martirizado em Mitilene, na Armênia; em 259, oficial das tropas romanas sob o governo de Valeriano.
São Tiago de Viterbo (†1308) — eremita agostiniano, teólogo, bispo de Benevento.