Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





07 de Fevereiro - Pio IX


Pio IX
Bem-aventurado
Papa
1792-1878

O Papa Pio IX nasceu na Itália aos 13 de maio de 1792. Seus pais pertenciam à nobreza local e o batizaram com o nome de Giovanni (João) Maria Mastai Ferretti. Em 1809, transferiu-se para Roma a fim de continuar os estudos, sem ter se definido pelo sacerdócio. Sua saúde era muito débil, tanto que, devido a uma enfermidade, teve de abandonar os estudos em 1812, sendo também dispensado do serviço militar obrigatório.

O jovem Mastai teve um encontro com São Vicente Pallotti em 1815, que lhe profetizou o pontificado. Nessa época, João fazia parte da Guarda nobre pontifícia, mas teve que deixá-la por motivo de saúde. A partir daí, a Virgem de Loreto o curou, gradual e definitivamente, da enfermidade.

Mastai resolveu optar pelo estudo eclesiástico em 1816, sendo ordenado sacerdote em 1819. Celebrou sua primeira Missa na igreja de Santa Ana dos Carpinteiros, do Instituto Tata Giovanni, para o qual fora nomeado reitor, permanecendo na função até 1823. Acompanhou o núncio apostólico ao Chile, onde ficou por dois anos. 

Aos trinta e seis anos de idade, o sacerdote Giovanni Maria Mastai foi nomeado Bispo e destinado à arquidiocese da cidade de Espoleto, Itália. Durante os anos 1831 e 1832, ocorreram revoluções nas cidades de Espoleto e Ìmola. O então bispo Mastai não quis derramamento de sangue e reparou, os destruidores efeitos da violência, com a paz, concedendo o perdão para todos os envolvidos.

Foi nomeado Cardeal em 1840. Na tarde do dia 16 de junho de 1946, o cardeal Mastai, que fugia de todas as honrarias, foi eleito Papa escolhendo o nome Pio IX. Começou seu governo com um ato de generosidade: concedeu uma anistia para delitos políticos e, já em 1847, promulgou um decreto de ampla e surpreendente liberdade de imprensa.

Entre as realizações do seu pontificado, podemos destacar o restabelecimento da hierarquia católica na Inglaterra, Holanda e Escócia; a condenação das doutrinas galicanas; a definição solene, a 08 de dezembro de 1854, do dogma da Imaculada Conceição; o envio de missionários ao Pólo Norte, Índia, Birmânia, China e Japão; a criação de um Dicastério para as questões relativas aos orientais; a promulgação do "Syllabus errorum", no qual condenou os erros do Modernismo; a celebração, com particular solenidade, do 18.o centenário do martírio dos Apóstolos Pedro e Paulo; a celebração do Concílio Ecumênico Vaticano I , ápice do seu pontificado, iniciado em 1869 e concluído em 1870.

Com a queda de Roma, em 20 de setembro de 1870, e o fim do poder temporal, Pio IX encerrou-se no Vaticano, por se considerar prisioneiro. No dia 07 de fevereiro de 1878, com a sua piedosa morte, chegou ao fim o pontificado mais longo, e um dos mais difíceis da História da Igreja. Pio IX foi um grande Papa, certamente um dos maiores, cumpriu sua missão de "Vigário de Cristo", responsável dos direitos de Deus e da Igreja, foi sempre claro e direto: soube unir firmeza e compreensão, fidelidade e abertura. Com a comprovação de inúmeras graças por intercessão do Papa Pio IX, Giovanni Maria Mastai Ferretti, foi beatificado no ano 2000 pelo Papa João Paulo II, em Roma.

Outros santos e beatos:
Santo Amolvino (†750) — abade e bispo beneditino de Lobbes.
Santo Anatólio — bispo de Cahors, em época incerta.
Santo Áugulo ou Augúrio — bispo martirizado nas ilhas britânicas, em 303.
São Crisólio — bispo martirizado no século IV. Procedente da Armênia, foi enviado à Gália como missionário, ao tempo de Diocleciano.
Santo Egídio Maria de São José (1729-1812) — nasceu em Tarento; ingressou na Ordem dos Frades Menores franciscanos e viveu a maior parte de sua vida em Nápoles, onde veio a falecer a 7 de fevereiro. Exerceu com serena alegria as humildes funções de porteiro, cozinheiro e mendicante pelas ruas de Nápoles. Foi canonizado a 2 de junho de 1996.
São Fidélis (†570) — bispo de Mérida, na Espanha.
Santa Juliana de Bolonha (†435) — por acordo mútuo, viveu afastada do marido, que se tornou padre. Ela se consagrou aos quatro filhos e às obras de caridade; santo Ambrósio a exaltou como exemplo de vida cristã.
São Lourenço de Siponto (†546) — bispo. A ele se atribui a construção do santuário de São Miguel do Monte Gargano.
São Lucas, o Jovem (†946) — eremita nas cercanias 
de Corinto. Operou muitos milagres, o que lhe valeu o título de taumaturgo.
Beata Maria da Providência (1825-1871) — fundou, por sugestão do cura de Ars, uma congregação feminina em sufrágio das almas do purgatório. Exemplo de paciência nos grandes sofrimentos, foi beatificada em 1957.
São Melânio ou Mellan — bispo irlandês do século VI, eremita na França.
São Moisés (†372) — bispo dos nômades do Sinai.
São Ricardo (†720) — príncipe do Wessex, verdadeiramente rei; segundo antiga lenda, morto em Luca, durante uma peregrinação a Roma. Também seus três filhos são venerados como santos.
São Teodoro, o General — martirizado sob o império de Licínio, de cujo exército era general (= stratelates). Foi torturado e crucificado em Heracléia.
Beato Tomás Sherwood (1551-1578) — londrino; encarcerado e torturado na Torre de Londres. A seguir, executado em Tyburn, sob a acusação de ser fiel à Igreja de Roma e de negar a supremacia da rainha Isabel I.