Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





A rejeição e morte de João são a prefiguração da rejeição e morte de Jesus



Nosso texto do evangelho de hoje é a sequência do relato da transfiguração (Mt 17,1-8).
Tendo contemplado Elias com Moisés (cf. v. 3), os discípulos se perguntam sobre o retorno de Elias (cf. v. 10). A subtração surpreendente do profeta Elias numa carruagem de fogo dará lugar a uma crença popular segundo a qual a sua volta precederia a vinda do Messias: “E eu vos enviarei o profeta Elias, antes que chegue o dia do Senhor, grande e terrível: ele reconciliará pais com filhos, filhos com pais, e assim eu não virei para exterminar a terra” (Ml 3,23-24; Eclo 48,10). Se Elias não voltou, segundo esta crença, Jesus não é o Messias. Mas Jesus responde: “Elias já veio, e não o reconheceram” (v. 12). Jesus identifica a missão de João Batista com a do profeta Elias (cf. v. 13); João Batista não só foi rejeitado, mas maltratado e morto (cf. Mt 14,3-12; Mc 6,17-29; Lc 3,19-20). A rejeição e morte de João são a prefiguração da rejeição e morte de Jesus: “Assim também o Filho do Homem será maltratado por eles” (v. 12).

Carlos Alberto Contieri.