Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Comentário do Evangelho

O medo é falta de fé

Jesus caminha subindo pra Jerusalém, para a sua morte, sua entrega definitiva; caminha decididamente. Os discípulos, por sua vez, iam com medo (v. 32). O medo é falta de fé.
Trata-se do terceiro anuncio da paixão, morte e ressurreição. Cada um dos anúncios provoca uma reação dos discípulos, fruto de sua incompreensão. Aqui são os filhos de Zebedeu, Tiago e João. Querem garantir seu lugar, não qualquer lugar, mas posto de privilégio “na glória”.
Pelos lugares postulados, à direita e à esquerda, querem ainda participar do julgamento de todo o mundo. Ora, o caminho do discípulo é o caminho do Mestre – pois o “discípulo não é maior que o Mestre, basta ser como o Mestre” (Mt 10,24-25). É preciso participação efetiva e afetiva na paixão-morte de Jesus: “Podeis beber o cálice que eu vou beber? Ou ser batizado com o batismo com o qual eu serei batizado?” (v. 38). Essa é a decisão que importa: “Podemos” (v. 39).
É Deus quem dá a recompensa. Aos discípulos compete a tarefa de construírem uma comunidade de serviço gratuito e generoso, à imitação de Jesus, que “não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate de muitos” (v. 45).

Carlos Alberto Contieri