Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Comentário do Evangelho

“Não se perturbe o vosso coração”
 
O discurso do capítulo 14 de João é a sequência do relato da última ceia, em que Jesus lavou os pés dos discípulos e predisse a traição de Judas Iscariotes (13,1-30). Trata-se de um longo discurso de despedida que começa em 13,31 e vai até 14,31. O discurso é interrompido pelas intervenções dos discípulos (vv. 5 [Tomé], 8 [Filipe] e 22 [Judas]), que fazem avançar o discurso. O discurso visa encorajar os discípulos para que não desanimem diante da paixão e morte de Jesus; os versículos 1 e 27 mostram isso: “Não se perturbe o vosso coração”. De fato, o medo, a perturbação, a frustração são ameaças à unidade. O medo dispersa, leva a abandonar os passos, projetos.
À exceção de Maria, mãe de Jesus, Maria Madalena, Maria de Cléofas e o discípulo que Jesus amava (19,25-27), os outros fugiram.
No entanto, só há um meio de vencer o medo, pela fé: “Credes em Deus, crede também em mim” (v. 1). É a fé que permite não esmorecer; é a fé que possibilita manter viva a palavra do Senhor em nós. Somente a fé pode fazer compreender que a partida de Jesus não é abandono. Os discípulos são convidados a fazer uma verdadeira Páscoa: do medo à fé; da perturbação à paz. O que é prometido (cf. v. 3) deve sustentar esse êxodo.

Carlos Alberto Contieri