Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Informação sobre o Santuário Original

O P. Heinrich Walter, superior geral do Instituto dos Padres de Schoenstatt, numa carta datada de 6 de Janeiro - Festa da Epifania em muitos lugares do mundo - partilha connosco as mais recentes notícias sobre o futuro do Santuário Original. Publicamos aqui a carta - simultaneamente em cinco idiomas e nas nossas duas páginas schoenstatt.org e schoenstatt2014.org -, pedindo que a dêem a conhecer a todos os que não têm acesso à Internet.
Schoenstatt, 6 de enero de 2012

Querida Familia de Schoenstatt,

Muitos de vós estão à espera de informação sobre a situação do Santuário Original, especialmente neste ano dedicado à Corrente do Santuário. A relação com o Santuário Original é origem e fonte permanente de renovação desta corrente.
Ficámos muito gratos quando a Sociedade do Apostolado Católico (Padres Palotinos), proprietários do Santuário Original, nos deram a conhecer a sua disponibilidade para entregar a Schoenstatt, a curto prazo, a responsabilidade pelo Santuário. Inicialmente, chegou mesmo a falar-se do dia 1 de Janeiro de 2012.
Ao longo do ano passado tiveram lugar encontros e negociações sobre um contrato de usufruto para o Santuário, a casa  de “Santa Maria” e o recinto dos peregrinos. O Instituto dos Padres de Schoenstatt é aquele que tem conduzido as negociações pelo nosso lado, pois é esta comunidade que terá a titularidade jurídica sobre o Santuário Original quando se processar a respectiva aquisição. Para Schoenstatt, um contrato de usufruto seria um primeiro passo, pois a meta consiste na aquisição, tanto do Santuário Original como da zona de peregrinos.
Até ao presente momento, não foi possível alcançar um acordo aceitável, pelo que no início de 2012 se manterá o actual status quo. Ao longo do corrente ano continuaremos a trabalhar  com a direcção provincial dos Padres Palotinos, cuja última instancia de decisão é a assembleia provincial, que se reúne uma vez por ano, em outubro.
Nestas negociações importa também salvaguardar os interesses dos Padres Palotinos no lugar de Schoenstatt. Estando ainda em curso o processo de elaboração sobre uma história comum que conduziu à separação entre os Palotinos e Schoenstatt, pretendemos que o passo que implica que Schoenstatt assuma a responsabilidade pelo Santuário, se realize com liberdade interior e dignidade de ambas as partes.
Agradeço a todos os que, em todo o mundo, têm acompanhado e continuarão a acompanhar estas conversações, com as suas orações e contribuições.
A nossa vida, com a força activa do santuário em todas as suas dimensões (filial, do lar, do coração) será, no corrente ano, uma boa contribuição para o processo de esclarecimento que se está a dar no lugar de Schoenstatt. As palavras da Acta de Fundação - “demonstrem primeiro que realmente me amam” - continuam a ser condição para a vitalidade do nosso lugar de graças.
É por isso que os remeto para as iniciativas que, no contexto do Ano do Santuário, se apresentam em www.schoenstatt2014.org. Vivemos o tempo de preparação para o nosso Jubileu, que implica a renovação daquelas raízes de que vivemos. Nós percebemos uma união global na Aliança de Amor; esta união será mais perceptível no anseio comum em torno do Santuário Original.
Bênçãos na Festa da Epifania do Senhor.


Frase do Dia

Liturgia Diária

Primeira leitura (1º Samuel 9,1-4.17-19;10,1a)
Salmo (Salmos 20)
Evangelho (Marcos 2,13-17)

Evangelho (Marcos 2,13-17)

 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 13Jesus saiu de novo para a beira do mar. Toda a multidão ia a seu encontro, e Jesus os ensinava. 14Enquanto passava, Jesus viu Levi, o filho de Alfeu, sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe: “Segue-me!” Levi se levantou e o seguiu.
15E aconteceu que, estando à mesa na casa de Levi, muitos cobradores de impostos e pecadores também estavam à mesa com Jesus e seus discípulos. Com efeito, eram muitos os que o seguiam.
16Alguns doutores da Lei, que eram fariseus, viram que Jesus estava comendo com pecadores e cobradores de impostos. Então eles perguntaram aos discípulos: “Por que ele come com os cobradores de impostos e pecadores?”
17Tendo ouvido, Jesus respondeu-lhes: “Não são as pessoas sadias que precisam de médico, mas as doentes. Eu não vim para chamar justos, mas sim pecadores”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus senta-se com os pecadores

Marcos não registra longos discursos de Jesus, mas insiste em que Jesus ensinava as multidões e os discípulos. Ele ressalta mais a prática libertadora de Jesus, coerente com seus ensinamentos. O judaísmo era discriminatório não apenas do ponto de vista racial, mas também do ponto de vista social. Os pobres que, por suas condições precárias de vida, não cumpriam os preceitos legais de purificação eram qualificados como "pecadores" e relegados à exclusão. A mesa de refeição é um lugar de intimidade. As elites e os poderosos reúnem em torno de suas mesas seus sócios. Jesus, após chamar Levi, senta-se à mesa e come com ele e seus amigos publicanos e pecadores. É um gesto concreto de inversão dos valores e dos critérios das sociedades em geral, nas quais os poderosos excluem os pequenos, explorados e empobrecidos, e associam-se a seus comparsas de mesmo nível econômico e social. A mesa de Jesus e de seus discípulos é a mesa dos pobres e dos excluídos.

 
José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Elisabete Ana Bayley Seton

Primeira norte-americana a ser canonizada. Em 1975, sob o pontificado do papa Paulo VI, nasceu nos Estados Unidos, no ano de 1774 dentro de uma família cuja mãe era uma cristã não católica e o pai, conhecido como médico muito atarefado e famoso. A mãe faleceu e, infelizmente, a madrasta fazia sofrer Santa Elisabete. Seu refúgio era a oração e a Palavra de Deus. Era alguém que buscava cumprir os mandamentos do Senhor, responder como Cristo respondeu aos sofrimentos do seu tempo.

Santa Elisabete Ana Bayley Seton chegou a casar-se, teve vários filhos, mas, por falência de seu esposo, tiveram que entrar no ritmo da migração dos Estados Unidos para a Itália. Com as dificuldades da viagem e a fragilidade de seu esposo, ele faleceu. Ela continuou até chegar à Itália e ser acolhida por uma família amiga. Era uma família feliz porque seguiam a Cristo como católicos praticantes. Tudo aquilo foi mexendo com o coração de Santa Elisabete e ela quis se tornar católica. Não se sabe ao certo tornou-se católica ali na Itália ou nos Estados Unidos, mas o fato é que retornou para os Estados Unidos, foi acolhida pela Igreja Católica, mas pelos familiares que eram cristãos não-católicos não foi bem acolhida; foi até perseguida.

De fato, o ecumenismo é uma conquista de cada dia e em todos os tempos. Santa Elisabete Ana Bayley teve uma dificuldade (como uma minoria católica nos Estados Unidos) de tal forma, pois não encontrava espaço para a educação dos filhos, que inspiradamente começou uma obra que chegou a ser uma Congregação das Irmãs de São José, com o objetivo de formar as crianças numa fé cristã e católica.

Santa Elisabete, com apenas 47 anos, faleceu; mas deixou para todos os cristãos católicos do mundo inteiro o testemunho de um coração que buscou, em tudo, a obediência ao Senhor.

Santa Elisabete Ana Bayley, rogai por nós!

Frase do Dia!

Liturgia Diária

Primeira leitura (1º Samuel 8,4-7.10-22a)
Salmo (Salmos 88)
Evangelho (Marcos 2,1-12)

Evangelho (Marcos 2,1-12)



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

1Alguns dias depois, Jesus entrou de novo em Cafarnaum. Logo se espalhou a notícia de que ele estava em casa. 2E reuniram-se ali tantas pessoas, que já não havia lugar, nem mesmo diante da porta. E Jesus anunciava-lhes a Palavra.
3Trouxeram-lhe, então, um paralítico, carregado por quatro homens. 4Mas não conseguindo chegar até Jesus, por causa da multidão, abriram então o teto, bem em cima do lugar onde ele se encontrava. Por essa abertura desceram a cama em que o paralítico estava deitado.
5Quando viu a fé daqueles homens, Jesus disse ao paralítico: “Filho, os teus pecados estão perdoados”. 6Ora, alguns mestres da Lei, que estavam ali sentados, refletiam em seus corações: 7“Como este homem pode falar assim? Ele está blasfemando: ninguém pode perdoar pecados, a não ser Deus”.
8Jesus percebeu logo o que eles estavam pensando no seu íntimo, e disse: “Por que pensais assim em vossos corações? 9O que é mais fácil: dizer ao paralítico: ‘Os teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘Levanta-te, pega a tua cama e anda’?
10Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem, na terra, poder de perdoar pecados, — disse ele ao paralítico: 11eu te ordeno: levanta-te, pega tua cama, e vai para tua casa!”
12O paralítico então se levantou e, carregando a sua cama, saiu diante de todos. E ficaram todos admirados e louvavam a Deus, dizendo: “Nunca vimos uma coisa assim”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

João Batista, no deserto

O núcleo desta narrativa de milagre é a revelação do amor misericordioso de Deus, manifestado na prática de Jesus, que concede o perdão dos pecados. João Batista, no deserto, já anunciava o perdão dos pecados pela prática da justiça. Tal anúncio e tal prática chocam-se frontalmente com o sistema do Templo e das sinagogas, pois aqueles que integravam a casta religiosa se apresentavam como os legítimos e exclusivos representantes de Deus para, mediante ofertas e sacrifícios, perdoar os pecados. A acusação de blasfêmia é a preparação para a condenação de Jesus que ameaça os poderes e privilégios desta casta. A prática da misericórdia liberta os humilhados e oprimidos e restaura-lhes a dignidade e a vida.


José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Hilário de Poitiers

Um dos santos padres da Igreja de Cristo, ele nasceu no ano de 315, em Poitiers, na França. Buscava a felicidade; mas sua família, pagã, vivia segundo a filosofia hedonista, ligada ao povo grego-romano; ou seja, felicidade como sinônimo de prazeres, com puro bem-estar. Então, aquele jovem dado aos estudos, se perguntava quanto ao fim último do ser humano; não podia acabar tudo ali com a morte; foi perseguindo a verdade.

O Espírito Santo foi agindo até ele conhecer as Sagradas Escrituras. O Antigo Testamento o levou proclamar o Deus uno, que merece toda a adoração. Passando para o Novo Testamento, Santo Hilário foi evangelizado e, numa busca constante, ele se viu necessitado do santo batismo, entrar para Igreja de Cristo e se fazer membro deste Corpo Místico. Em 345, foi batizado. Não demorou muito já era sacerdote e, depois, ordenado bispo para o povo de Poitiers.

Ele sofria com as heresias do arianismo. Santo Hilário, pela sua pregação e seus escritos, foi chamado "O Atanásio do Ocidente", porque ele combateu o Arianismo do Oriente. No tempo em que o imperador Constâncio começou a apoiar esta heresia, Santo Hilário não teve medo das autoridades. Se era para o bem do povo, ele anunciava com ousadia até ser exilado, mas não deixou de evangelizar nem mesmo na cadeia. Por conselho, o próprio imperador o assumiu de volta em 360, porque os conselheiros sabiam da grande influência desse santo bispo que não ficava apenas em Poitiers, mas percorria toda a França.

Ele voltou, convocou um Concílio em Paris, participou de tantos outros conselhos no ocidente, mas sempre defendendo essa verdade que é Jesus Cristo, verdadeiro Deus, verdadeiro homem.

Santo Hilário de Poitiers foi se consumindo por essa verdade. Pelos seus escritos que chegam até o tempo de hoje, percebe-se este amor por Jesus Cristo. Não só numa busca pessoal, mas de promover a salvação dos outros. No século IV, ele partiu para a glória.

Santo Hilário de Poitiers, rogai por nós!

Frase do Dia!

Liturgia Diária

Primeira leitura (1º Samuel 4,1-11)
Salmo (Salmos 43)
Evangelho (Marcos 1,40-45)

Evangelho (Marcos 1,40-45)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 40um leproso chegou perto de Jesus, e de joelhos pediu: “Se queres, tens o poder de curar-me”. 41Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele, e disse: “Eu quero: fica curado!” 42No mesmo instante, a lepra desapareceu, e ele ficou curado. 43Então Jesus o mandou logo embora, 44falando com firmeza: “Não contes nada disso a ninguém! Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!”
45Ele foi e começou a contar e a divulgar muito o fato. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade: ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte vinham procurá-lo.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A libertação do leproso

Nas narrativas dos evangelhos, o leproso é apresentado como um "impuro" e não como um doente. A lepra era objeto de severas restrições legais, predominando o aspecto de "impureza" sobre o problema da doença. Implicava a exclusão religiosa e social do leproso. O procedimento do sacerdote em relação à lepra estava detalhadamente determinado no Livro do Levítico, nas regras referentes ao puro e impuro (capítulos 13 e 14). Jesus, por ter se aproximado e tocado no leproso, passou a ser considerado, também, como um impuro e, assim, não podia entrar mais na cidade. Jesus fica fora, em lugares desertos. Porém, as multidões vêm a ele. O deserto é o lugar dos excluídos, em oposição à cidade, que é o centro do poder. Contudo, é no deserto onde se dá o encontro com Jesus, no qual se dá o encontro com Deus. A libertação do leproso de sua impureza exprime a missão de Jesus, e a nossa missão: libertar os excluídos pelos critérios religiosos e sociais, e integrá-los no convívio fraterno.


José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Bernardo

O santo de hoje nasceu no ano de 1605 em Corleone, Sicília, na Itália. Como é belo poder perceber o testemunho de hoje! Como a misericórdia de Deus fez maravilhas a partir do arrependimento!

São Bernado foi crescendo numa vida longe do relacionamento com Deus e com a Igreja. Logo, distante de si e do amor aos irmãos, o orgulho foi tomando conta do seu coração. Então, decidiu entrar para a vida militar; não para servir a sociedade, mas para dominá-la. De fato, ele estava longe de Deus. Resultado: numa das muitas discussões que viraram briga, ele acabou num duelo, ferindo de morte um companheiro seu da vida militar. Foi neste momento trágico de sua história que ele abriu o coração para Deus, pois sua consciência foi pesando. Embora ele tenha fugido e recorrido a um chamado “direito de asilo”, não foi preso, mas estava preso a uma vida de pecado. Quem poderia resgatá-lo? Nosso Senhor Jesus Cristo, o Verbo encarnado que veio nos assumir na nossa fragilidade e nos revelar este amor que redime, que salva e é a nossa esperança.

Assim, arrependeu-se e começou a busca de uma vida em Deus, uma vida de Igreja, sacramental. Discerniu um chamado à vida religiosa, buscou a família franciscana e ali tornou-se irmão religioso, fiel às regras. De fato, se antes expressava arrogância, agora comunicava paz, penitência, luta contra o pecado.

Ele foi se santificando também no serviço ao próximo. "Santidade sem serviço aos outros pode ser apenas um ideal, mas, no concreto, esta luta, este bom combate é para sermos melhores em Deus, melhores uns para os outros".

Religioso, capuchinho, modelo de vida na pobreza, na castidade e na obediência. Este santo do século XVII nos convida, neste novo milênio, a sermos sinais no poder que a misericórdia divina tem de, com a nossa ajuda e nosso sim, fazer-nos santos.

São Bernardo, rogai por nós.

MOSSORÓ SE DESPEDE DE DOM JOSÉ FREIRE,

A Catedral de Santa Luzia, em Mossoró-RN, ficou pequena, na manha desta quarta feira (dia 11 de Janeiro 2012), para o último adeus ao bispo emérito Dom José Freire de Oliveira Neto.



A celebração eucarística das exéquias foi presidida por D. Mariano Manzana, Bispo de Mossoró.
 
Dom José Freire foi sepultado às 11:30 na Catedral de Santa Luzia em clima de comoção dos familiares, amigos, sacerdotes, Bispos, e religiosas .

Frase do Dia!

Liturgia Diária

Primeira leitura (1º Samuel 3,1-10.19-20)
Salmo (Salmos 39)
Evangelho (Marcos 1,29-39)

Evangelho (Marcos 1,29-39)

 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 29Jesus saiu da sinagoga e foi, com Tiago e João, para a casa de Simão e André. 30A sogra de Simão estava de cama, com febre, e eles logo contaram a Jesus. 31E ele se aproximou, segurou sua mão e ajudou-a a levantar-se. Então, a febre desapareceu; e ela começou a servi-los. 32À tarde, depois do pôr do sol, levaram a Jesus todos os doentes e os possuídos pelo demônio. 33A cidade inteira se reuniu em frente da casa. 34Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios. E não deixava que os demônios falassem, pois sabiam quem ele era.
35De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto. 36Simão e seus companheiros foram à procura de Jesus. 37Quando o encontraram, disseram: “Todos estão te procurando”. 38Jesus respondeu: “Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois foi para isso que eu vim”.
39E andava por toda a Galileia, pregando em suas sinagogas e expulsando os demônios.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A sinagoga

Marcos articula a narrativa da expulsão do espírito impuro na "sinagoga" com a narrativa da cura da sogra de Simão (Pedro) na "casa". Esta é a dinâmica da primeira parte do seu Evangelho: Jesus revela que o encontro com Deus se dá não no espaço da sinagoga, mas, sim, no espaço da casa. Este é o sentido da expulsão do espírito impuro e da cura. A sinagoga é o lugar do homem de espírito impuro e de onde Jesus se afasta. A casa, onde se dá a cura da febre da sogra de Simão, é o lugar a ser resgatado para o serviço e para o encontro da comunidade. E é à porta da casa, e não na sinagoga, que se junta "a cidade inteira".
Com Jesus passa-se de uma religião cultual para uma fé de comunhão e serviço à vida.


José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Vital

Viveu entre o século VI e VII, foi monge, ermitão na região de Gaza, na Palestina. São Vital vivia o refúgio em Cristo Jesus, na oração e na penitência. Quanto mais alguém se refugia em Deus, sendo monge ou não, vai criando um coração cada vez mais dilatado pelo amor do Senhor. Por isso, vai se tornando pessoa de compaixão, que não julga, não condena; mas vai ao encontro do outro para ser sinal de Deus.

São Vital, movido de pelo Espírito [Santo], saiu da Palestina e foi para o Egito, instalando-se em Alexandria. A sociedade daquele tempo sofria com a prostituição, mas São Vital não as julgou, não as condenou nem foi buscar a santidade, pois quem, de fato, busca a santidade, busca assemelhar-se àquele. Falando para as autoridades religiosas do seu tempo, ele disse: “Os publicanos e as meretrizes os precedem”. Jesus falou isso (Mateus, 21) e os santos buscaram ser reflexo dessa misericórdia. Denuncie o pecado, mas, sobretudo, anuncie o amor que redime, que salva.

O santo buscava, num período do seu dia, arrecadar fundos e, depois, à noite, ia ao encontro das prostitutas e oferecia o dobro [em dinheiro] apenas pela atenção delas. Ele anunciava Jesus Cristo como em Lucas 15, quando o apóstolo ele demonstra um coração de Deus, como do pastor que é capaz de deixar 99 ovelhas para ir ao encontro daquela que se desgarrou.

São Vital, testemunho da misericórdia que nos converte, converteu muitas mulheres, ao ponto delas o ajudarem. Algumas senhoras “piedosas” foram se queixar desse apostolado com o bispo e São Vital foi preso. No entanto, as mulheres que iam se convertendo foram até a autoridade eclesiástica.

Os fatos foram apurados e viu-se que era uma injustiça contra o santo. Injustiça maior aconteceu quando, já solto, continuou a evangelizar com este método ousado, mas um homem que comercializava as mulheres, o apunhalou pelas costas. São Vital teve forças ainda de deixar, por escrito, esta verdade que é atual para todos nós. Ao povo de Alexandria e dos demais lugares, ele dizia: “Convertei-vos, não deixais a conversão para amanhã”. Por isso, São Vital chamava à atenção para a conversão e, ao mesmo tempo, para o dia do juízo.

São Vital, rogai por nós!

FALECIMENTO DE DOM JOSÉ FREIRE - ATOS RELIGIOSOS

DIOCESE DE MOSSORÓ-RN
VIRGÍLIA FÚNEBRE

Vários Movimentos, Pastorais e Serviços se revezarão velando o corpo de Dom José Freire. Vejamos os horários de cada grupo:


22h30 – Cursilho de Cristandade
23h30 – Comunidades Novas
00h30 – Terço dos Homens
01h30 – Encontro de Casais com Cristo
02h30 – Renovação Carismática Católica
03h30 – Legião de Maria e Apostolado de Mãe Rainha.
04h30 – Focolares e Comunidade Shalom.
05h30 – CEBI / Catequese.
06h30 – Apostolado da Oração / Associação das Teresinhas e Ministros Extraordinários da Eucaristia.
07h30 – Religiosas e Seminaristas.

Dia 11 DE JANEIRO 2012

MISSA EXEQUIAL - 9h.

SEPULTAMENTO - Na Catedral de Santa Luzia - após a Missa Exequial.

Morre Dom José Freire, bispo da era de ouro da Igreja

Morre Dom José Freire de Oliveira Neto, 83 anos, o primeiro bispo filho da diocese, natural do município de Apodi, RN. Ele foi, inicialmente, auxiliar de Dom Gentil Diniz Barreto, e, depois, nomeado pelo papa, bispo da diocese de Mossoró. Governou a diocese durante 20 anos, de 1º de abril de 1984 a 17 de outubro de 2004.

Dom Freire pertence à safra dos bispos de grandes ideais, que marcou a era de ouro da Igreja no Brasil. Ele é da geração dos bispos militantes da Igreja Pós-Conciliar, tinha opções eclesiais claras e causas nobres, ao lado de brilhantes figuras no episcopado, como Aloísio Lorscheider, José Maria Pires, Hélder Camâra, Paulo Evaristo,  Eugênio Sales, Luciano Mendes e outros. O novo jeito de fazer e de ser Igreja, a partir das inovações libertadoras dos documentos pós-conciliares, alimentavam a esperança e o dinamismo pastoral dos bispos.  

Naquela época, 1984, ainda vivendo sob a  ditadura militar, havia no episcopado brasileiro, os bispos que optaram ficar do lado do povo, lutando  pelo resgate da democracia, por justiça social e pela liberdade de expressão. Dom Freire era um deles.

Iniciou seus estudos de padre no seminário de Santa Teresinha em Mossoró, depois continuou no Seminário de São Leopoldo, RS, e, concluiu com o mestrado em catequese, na Universidade Gregoriana de Roma.

Era nostálgico e, ao mesmo tempo, divertido, escutar Dom Freire falando da sua bela história vocacional. Várias vezes, no seminário Santa Teresinha, nós, seminaristas, tivemos a oportunidade de escutá-lo: narrava com detalhes, desde o dia em que chegou de trem em Mossoró pra entrar no seminário menor, suas viagens de navio para São Leopoldo, sua relação de amizade com Sátiro e Américo, que, na época, também eram seminaristas. 

Estudando na Europa, Dom Freire continuou fiel ao modelo de Igreja das comunidades de base, povo de Deus. Vivia com o corpo na Europa e cabeça na Igreja da América Latina. Motivado pela primavera inovadora  que vinha do recente Concílio Vaticano II, Dom Freire ousou escrever sobre Catequese Renovada, que na época, causava um certo tremor e temor nos homens do Vaticano.

Voltando ao Brasil, foi referência nacional na área catequética, proferia  conferências nos regionais e dioceses de todo o país. Dom Hélder Câmara o estimava muito e o chamava de bispo da catequese. Penso que, a catequese no Brasil, especialmente no Regional Nordeste II, tem uma grande dívida com Dom Freire.

Cada um pode descrever características que identificam o episcopado de Dom Freire. Eu, também, tenho as minhas. Hoje, quando recordo a missa dominical das nove horas, na Catedral, transmitida pela rural, rapidamente vem a imagem de Dom Freire. Ainda criança, morando no sítio Bartolomeu, ouvia aquela voz: "meus irmãos e irmãs presentes na catedral de Santa Luzia e ouvintes de casa". 

Chegando em Mossoró pra estudar, passei a entender o porquê de algumas homilias do bispo terem um tom bastante social e profético. Ele denunciava as injustiças, falava ousadamente do descaso administrativo da secular oligarquia rosado; falava da corrupção que imperava/impera nos sistemas públicos. Ele portava no início do seu episcopado a identidade de um pastor, que carrega as dores e as angústias do povo, dos injustiçados, dos preferidos do Reino. Nos últimos anos do seu episcopado, pouco a pouco, ele se distanciou das questões ligadas aos problemas sociais, seu tom profético já não era mais o mesmo. Não sei o que houve. Talvez tenha sido consequência da idade e do peso do cajado. Pena.

Outra característica determinante no episcopado de Dom Freire foi o zelo pelas pastorais sociais: CEAPAC (Centro de Apoio a Projetos Alternativos Comunitário), CPT (Comissão da Pastoral da Terra) Cáritas, Pastoral da Criança, entre outras. Dom Freire entendia que, ser pastor em uma realidade, onde a maioria vive à margem dos direitos humanos básicos, não priorizar a pastoral social, seria como marginalizar na Igreja o próprio Jesus Cristo, ou seja, relativizar o tão sonhado Reino de Deus, revelado por Jesus nas Bem-Aventuranças de Mateus.

As vocações sacerdotais também são uma característica basilar no governo de Dom Freire. Ele dizia que "o seminário é a menina dos olhos do bispo". Sou fruto da sua época. Tínhamos no seminário, semanalmente, dois encontros sagrados com o bispo: na missa, terça-feira, às 6 da manhã e no terço das quartas-feiras, às 7 da noite. O pouco namorico que ainda tenho com Santa Teresinha é culpa de Dom Freire. Nunca vi tanto amor por uma jovem santa, como aquele de Dom Freire com Teresinha de Lisieux. Falava dela como que tivesse crescido e vivido, desde criança, ao seu lado. Conhecia tudo, desde a cor dos sapatos que Teresinha usava, até os tipos de transas que fazia no cabelo. Penso que toda Mossoró já ouviu, pelo menos uma vez, Dom Freire falando, por exemplo, expressões como: "Santa Teresinha, a doutora do amor" ou "Santa Teresinha dizia: quero passar o meu céu, fazendo o bem sobre a terra".

Olhando também os dois grandes amigos contemporâneos de Dom Freire, Mons. Américo e Pe. Sátiro, conseguimos ver algo parecido.  Se para Dom Freire, o seu maior xodó era Santa Teresinha, para Mons Américo, era Santa Luzia, e para Pe. Sátiro, São Francisco e Santa Clara, além de um afeto danado com Santo Agostinho e São João da Cruz. Precisaria perguntar a Sátiro, quem destes citados, ocupa o primeiro lugar.

Medo. Era a emoção que aflorava quando precisava conversar com Dom Freire. Eu nunca tive um bom português e, perto de Dom Freire, pior ainda. Ele era culto no clássico português. No seminário, quando havia reunião ou missa com ele, corrigia publicamente nossos erros gramaticais. Então, ficar calado era a melhor forma para não ser repreendido. 

Todavia, embora Dom Freire revelasse esse lado autoritário de ser, ele tinha também seu lado humano e afetuoso. Era gostoso viajar com ele, visitá-lo em sua casa. Saber escutar e compreensivo eram duas virtudes  que admirava em Dom Freire. 

Hoje, agradeço ao Pai Criador por tudo o que Dom Freire fez por mim. Fui acolhido por ele no seminário, foi quem me ordenou padre em São Miguel. Logo após ser ordenado, mesmo sem experiência  suficiente, ele me confiou a responsabilidade de cuidar da formação dos seminaristas. Enfim, rendo Graças a Deus pelo bem que Dom Freire fez à Igreja de Mossoró e à sociedade em geral. 

Eterna gratidão. Descanse em paz.
Pubblicato da Talvacy - Venha Ver a 06:54
Invia tramite email
Postalo sul blog
Condividi su Twitter
Condividi su Facebook

Frase do Dia!

Liturgia Diária

Primeira leitura (1º Samuel 1,9-20)
Salmo (1º Samuel 2,1s.)
Evangelho (Marcos 1,21b-28)

Evangelho (Marcos 1,21b-28)

 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

21bEstando com seus discípulos em Cafarnaum, Jesus, num dia de sábado, entrou na sinagoga e começou a ensinar. 22Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da Lei.
23Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele gritou: 24“Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus”. 25Jesus o intimou: “Cala-te e sai dele!”
26Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande grito e saiu. 27E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros: “Que é isso? Um ensinamento novo dado com autoridade: Ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!” 28E a fama de Jesus logo se espalhou por toda parte, em toda a região da Galileia.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O "ensinamento novo"

As narrativas de milagres são uma das características dominantes dos evangelhos. Estas narrativas de milagres, em geral, vistas como afirmação de poder, são uma manifestação do amor libertador de Jesus. Com esta narrativa do evangelho, Marcos, após o chamado dos primeiros discípulos, apresenta o primeiro embate entre Jesus e a estrutura religiosa do judaísmo de seu tempo. O destaque, na narrativa, é o "ensinamento novo, com autoridade". Isto significa que o "espírito impuro" é afastado pelo ensinamento de Jesus. É o "espírito impuro" da doutrina presente na sinagoga que discrimina e oprime o povo. Este espírito é afastado pela palavra de Jesus, cheio do Espírito de Deus, com seu novo ensinamento, sempre acompanhado de sua prática acolhedora. A palavra de Jesus é motivo da admiração de todos e da difusão de sua fama em toda a Galileia. O destaque está na palavra libertadora e amorosa e não no poder, e o povo é acolhedor desta palavra.


José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Frei Gonçalo de Amarante

Nasceu no século XIII, em Arriconha, freguesia de Tagilde, próximo a Guimarães, norte de Portugal. Muito cedo, ele se viu chamado ao sacerdócio. Em sua formação humana e cristã, Frei Gonçalo passou pelo Convento Beneditino, depois por Braga, lugar onde foi ordenado pelo Arcebispo. Não demorou muito para ser abade em São Paio.

Frei Gonçalo de Amarante pôde fazer várias peregrinações que muito enriqueceram sua vida espiritual e também apostólica. Ele foi a Roma, visitou os túmulos de São Pedro e São Paulo e tomou um "banho" de Igreja. Visitou a Terra Santa, conheceu os lugares santos por onde Jesus passou. Seu amor foi crescendo cada vez mais por Nosso Senhor.

Depois de voltar dessas peregrinações, ele teve ainda mais ardor para evangelizar. Discerniu sua vida religiosa e entrou para a família dominicana, daí vem o "frei". Quanto ao "Amarante", com seus irmãos de comunidade, ele foi para a cidade de Amarante em missão. Ele ficou conhecido como um segundo fundador dessa cidade, porque o seu amor apostólico o levava a ser um sinal no meio da sociedade.

Em 1262, partiu para a glória, deixando para o povo de Amarante, para todas as gerações ao norte de Portugal, para toda Europa e para todo o mundo, um testemunho de santidade que colabora para uma civilização mais justa.

Frei Gonçalo de Amarante, rogai por nós!

Frase do Dia

Primeira leitura (Isaías 42,1-4.6-7)
Segunda leitura (Atos dos Apóstolos 10,34-38)
Salmo (Salmos 28)
Evangelho (Marcos 1,7-11)

Evangelho (Marcos 1,7-11)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 7João Batista pregava, dizendo: “Depois de mim virá alguém mais forte do que eu. Eu nem sou digno de me abaixar para desamarrar suas sandálias. 8Eu vos batizei com água, mas ele vos batizará com o Espírito Santo”. 9Naqueles dias, Jesus veio de Nazaré da Galileia, e foi batizado por João no rio Jordão. 10E logo, ao sair da água, viu o céu se abrindo, e o Espírito, como pomba, descer sobre ele. 11E do céu veio uma voz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho meu bem-querer”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus realiza o projeto de Deus

Marcos inicia seu evangelho apresentando a figura de João Batista. Todos os quatro evangelistas são testemunhas da sua importância. O fato de Jesus procurar o batismo de João é revelador do sentido da encarnação. Jesus realiza o projeto de Deus, que consiste no resgate e na valorização da dignidade humana, em tudo que há de bom, belo, justo e verdadeiro. João Batista, com sua pregação, abalava as bases da cúpula religiosa sediada em Jerusalém. Proclamando a conversão à prática da justiça como o caminho para a libertação do pecado, ele descartava as observâncias sacrificais templárias redentoras, exigidas pela tradição da Lei. O reconhecimento do valor do batismo de João por Jesus é confirmado pelo Espírito que desce sobre ele e pelo Pai que proclama seu pleno agrado.
Após o batismo de João, Jesus muda seu modo de vida: abandona o quotidiano vivido em sua terra e começa sua missão, reunindo em torno de si seu discipulado e, percorrendo a Galileia, anuncia a chegada do Reino de Deus, no amor, na justiça e na paz. O batismo, que também nós recebemos, é um compromisso de seguimento de Jesus, na transformação deste mundo pelo amor de Deus, infundido em nossos corações, na promoção da vida, na justiça e na fraternidade.


José Raimundo Oliva


A igreja celebra hoje: Santo André Corsini

Nasceu no século XIV, dentro de uma família muito conhecida em Florença: a família Corsini. Nasceu no ano de 1302. Seus pais, Nicolau e Peregrina não podiam ter filhos, mas não desistiam, estavam sempre rezando nesta intenção até que veio esta graça e tiveram um filho. O nome: André.

Os pais fizeram de tudo para bem formá-lo. Com apenas 15 anos, ele dava tanto trabalho e decepções para seus pais que sua mãe chegou a desabafar: “Filho, você é, de fato, aquele lobo que eu sonhava”. Ele ficou assustado, não imaginava o quanto os caminhos errados e a vida de pecado que ele estava levando, ainda tão cedo, decepcionava tanto e feria a sua mãe. Mas a mãe completou o sonho: “Este lobo entrava numa igreja e se transformava em cordeiro”. André guardou aquilo no coração e, sem a mãe saber, no outro dia, ele entrou numa igreja. Aos pés de uma imagem de Nossa Senhora ele orava, orava e a graça aconteceu. Ele retomou seus valores, começou uma caminhada de conversão e falou para o provencial carmelita que queria entrar para a vida religiosa. Não se sabe, ao certo, se foi imediatamente ou fez um caminho vocacional, o fato é que entrou para a vida religiosa na obediência às regras, na vida de oração e penitência. Ele foi crescendo nessa liberdade, que é dom de Deus para o ser humano.

Santo André ia se colocando a serviço dos doentes, dos pobres, nos trabalhos tão simples como os da cozinha. Ele também saía para mendigar para as necessidades de sua comunidade. Passou humilhação, mas sempre centrado em Cristo.

Os santos foram e continuam a ser pessoas que comunicaram Cristo para o mundo. Mas Deus tinha mais para André. Ele ordenou-se padre e como tal continuava nesse testemunho de Cristo até que Nosso Senhor o escolheu para Bispo de Fiesoli. De início, ele não aceitou e fugiu para a Cartuxa de Florença e ficou escondido; ao ponto de as pessoas não saberem onde ele estava e escolher um outro para ser bispo, pela necessidade. Mas um anjo, uma criança apareceu no meio do povo indicando onde ele estava escondido. Apareceu também uma outra criança para ele dizendo-lhe que ele não devia temer, porque Deus estaria com ele e a Virgem Maria estaria presente em todos os momentos. Foi por essa confiança no amor de Deus que ele assumiu o episcopado e foi um santo bispo. Até que em 1373, no dia de Natal, Nossa Senhora apareceu para ele dizendo do seu falecimento que estava próximo. No dia da Epifania do Senhor, ele entrou para o céu.

Santo André Corsini, rogai por nós!

Liturgia Diária

Primeira leitura (Isaías 60,1-6)
Segunda leitura (Efésios 3,2-3a.5-6)
Salmo (Salmos 71)
Evangelho (Mateus 2,1-12)

Evangelho (Mateus 2,1-12)

 
 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

1Tendo nascido Jesus na cidade de Belém, na Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém, 2perguntando: “Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”.
3Ao saber disso, o rei Herodes ficou perturbado, assim como toda a cidade de Jerusalém.
4Reunindo todos os sacerdotes e os mestres da Lei, perguntava-lhes onde o Messias deveria nascer.
5Eles responderam: “Em Belém, na Judeia, pois assim foi escrito pelo profeta: 6E tu, Belém, terra de Judá, de modo algum és a menor entre as principais cidades de Judá, porque de ti sairá um chefe que vai ser o pastor de Israel, o meu povo”.
7Então Herodes chamou em segredo os magos e procurou saber deles cuidadosamente quando a estrela tinha aparecido. 8Depois os enviou a Belém, dizendo: “Ide e procurai obter informações exatas sobre o menino. E, quando o encontrardes, avisai-me, para que também eu vá adorá-lo”.
9Depois que ouviram o rei, eles partiram. E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino.
10Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria muito grande. 11Quando entraram na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Ajoelharam-se diante dele, e o adoraram. Depois abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra.
12Avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para a sua terra, seguindo outro caminho.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus: luz e glória de Deus

Com a festa da Epifania a Igreja celebra a manifestação de Jesus ao mundo. Epifania, palavra de origem grega, significa manifestação externa, aparecimento. No mundo helenista, a palavra era usada para exprimir a chegada de um imperador em visita aos territórios de seu domínio. O uso tradicional desta palavra para indicar esta narrativa do nascimento de Jesus, em Mateus, induz a uma interpretação gloriosa deste nascimento. No evangelho de Lucas (Lc 2,8-20), quem vem contemplar o recém-nascido são os humildes pastores. A narrativa de Mateus, com a adoração dos magos, é feita no estilo do "midraxe" judaico. É uma reconstrução literária de episódios bíblicos antigos, apresentados como que se realizando no tempo do narrador. Mateus narra a visita dos magos no sentido de associar o nascimento de Jesus a uma profecia de Isaías (primeira leitura), segundo a qual as várias nações pagãs trarão tesouros, ouro e incenso ao Templo de Jerusalém. Este texto de Isaías (Terceiro Isaías), marcado por um acentuado reducionismo nacionalista religioso, prenuncia um tempo de glória e domínio mundial para Israel, quando todos os povos estarão a serviço do Templo, onde as riquezas serão acumuladas; as nações que não o servirem serão reduzidas à ruína (Is 60,11-12). Com seu midraxe, Mateus apresenta Jesus como a luz e a glória de Deus para o povo de Israel, sendo a ele que os povos vêm em adoração, em uma perspectiva universalista, a qual está presente também na teologia paulina (segunda leitura). A menção da estrela que guia os magos é uma alusão à estrela de Jacó (Nm 24,17) que, depois, se transformou na estrela de Davi, com seis pontas e doze lados, associando Jesus ao messianismo davídico. Assim também se dá com o nascimento em Belém, que era tida como a terra de origem de Davi. Todos estes acentos messiânicos Mateus os fazia para convencer sua comunidade de cristãos originários do judaísmo que em Jesus se realizavam as suas expectativas messiânicas, conforme a tradição do Antigo Testamento. Além do mais, a narrativa abre espaço para acentuar a crueldade do rei Herodes, o Grande, com o episódio seguinte da matança das crianças de Belém. Do ponto de vista histórico, a manifestação de Jesus ao mundo acontece a partir do início de seu ministério, o que se dá com o seu batismo por João Batista. Com o anúncio da chegada do Reino dos Céus, Jesus revela Deus como Deus do amor para todos os povos, sem exclusões. O encontro com Deus se dá no desapego da riqueza e do poder, e em toda ação a favor da vida e da paz.


José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Severino

O santo de hoje nasceu e faleceu no século V. Nascido na África, inspirado pelo Espírito Santo, ele foi levado para uma outra região no vale do Danúbio. Isso não quer dizer que o lugar que Deus lhe indicou era o melhor. Pelo contrário, desafios econômicos e políticos, falecimento do rei dos Hunos, Átila; destruição naquele lugar por causa das invasões. Enfim, o povo estava perecendo. Para isso que São Severino foi enviado, para ser sinal desse amor de Deus.

Grande influência ele exerceu pela sua vida de virtudes, de oração e penitência. Fundou vários mosteiros e foi sinal de discernimento para tantas pessoas que queriam se consagrar totalmente a Deus. Ele não fugiu do mundo; pelo contrário, retirou-se por causa do amor de Deus e de toda a humanidade. Quantas vezes, São Severino deixou a sua vida monástica para ir ao encontro de reis, porque, se o rei dos Hunos havia falecido, muitas tribos bárbaras queriam invadir aquelas regiões. Em prol da evangelização, São Severino foi se desdobrando, seus mosteiros se tornaram verdadeiros faróis de uma nova cultura, de uma civilização centrada em Deus. Suas armas: oração e diálogo.

São Severino, voz de Deus nos períodos difíceis do povo. Em 482, faleceu, mas deixou um rastro de santidade para os seus filhos espirituais e para as autoridades.

São Severino, rogai por nós!