Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





LITURGIA DIÁRIA


Primeira leitura (Isaías 61,9-11)

Salmo (1º Samuel 2,1.4-8)

Evangelho (Lucas 2,41-51)

Evangelho (Lucas 2,41-51)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

41Os pais de Jesus iam todos os anos a Jerusalém, para a festa da Páscoa. 42Quando ele completou doze anos, subiram para a festa, como de costume. 43Passados os dias da Páscoa, começaram a viagem de volta, mas o menino Jesus ficou em Jerusalém, sem que seus pais o notassem.
44Pensando que ele estivesse na caravana, caminharam um dia inteiro. Depois começaram a pro­curá-lo entre os parentes e conhecidos. 45Não o tendo encontrado, voltaram para Jerusalém à sua procura. 46Três dias depois, o encontraram no Templo. Estava sentado no meio dos mestres, escutando e fazendo perguntas.
47Todos os que ouviam o menino estavam maravilhados com sua inteligência e suas respostas. 48Ao vê-lo, seus pais ficaram muito admirados e sua mãe lhe disse: “Meu filho, por que agiste assim conosco? Olha que teu pai e eu estávamos, angustiados, à tua procura”. 49Jesus respondeu: “Por que me procu­ráveis? Não sabeis que devo estar na casa de meu Pai?” 50Eles, porém, não compreenderam as palavras que lhes dissera. 51Jesus desceu então com seus pais para Nazaré, e era-lhes obediente. Sua mãe, porém, conservava no coração todas estas coisas.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.




Comentário do Evangelho

Jesus entre os doutores do Templo

Lucas, no início de seu evangelho, com as narrativas de infância, apresenta a presença de Jesus em Jerusalém e, no fim, após a ressurreição, apresenta a recomendação da permanência dos discípulos em Jerusalém (Lc 24,49-52). Sua intenção teológica é apresentar o cristianismo como um novo Israel, que se irradia a partir da velha Jerusalém. Para os demais evangelistas é a Galiléia, e não Jerusalém, o centro da retomada da missão depois da ressurreição.
Nesta cena do menino Jesus entre os doutores do Templo vemos a autonomia de Jesus em relação a seus pais e a sua ascendência em relação aos mestres do Templo, no que transparece a paternidade e a sabedoria do Pai celestial.
Maria, guardando estas coisas no coração, ia amadurecendo na compreensão da vocação de seu filho.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Bernardino Realino

Diante da vida do santo de hoje, poderíamos afirmar que nada tinha para chegar aos altares, até que passou a ter tudo, pois decidiu-se por Jesus. Bernardino Realino nasceu em Capri, próximo a Nápoles, em 1530, numa família religiosa que o promoveu para os estudos de Direito, o qual exerceu em Nápoles.

Como era de costume na época, o jovem andava armado com um punhal, até que diante de um desentendimento feriu gravemente um adversário, e por isso fugindo de complicações jurídicas e vingança, foi para o Norte da Itália.

Ao entrar na carreira política e administrativa, Bernardino progrediu, chegando a ser prefeito em muitas cidades. Jesus entrou em sua vida através de um sacerdote jesuíta, que falou sobre a riqueza da vida cristã e seus deveres. Desta maneira, Bernardino começou a rezar com empenho o Santo Terço, que o arrancou de todo indiferentismo religioso.

Durante sua linda caminhada de fé e testemunho, descobriu sua vocação, renunciou a tudo e entrou com 35 anos na Companhia de Jesus. Encaminhou-se ao Sacerdócio, exercendo-o na cidade de Lecce.

Como exemplo e reflexo do Bom Pastor, São Bernardino Realino no confessionário, pregação e direção espiritual salvava almas para Deus e com Deus, que o levou para o Céu com 86 anos.

São Bernardino Realino, rogai por nós!

ENCONTRO DE FORMAÇÃO ESPIRITUAL - TEMA: MISTÉRIOS DE SCHOENSTATT

DIOCESE DE SANTA LUZIA DE MOSSORÓ
MOVIMENTO APOSTÓLICO DE SCHOENSTATT

O Casal Diocesano do Movimento Apostólico de Schoenstatt Francisco Rosado e Leni Fernandes convida todos os ramos: como Missionários, Liga de família, Terço dos Homens, Coordenadores Paroquiais  para participarem neste domingo dia 03 de julho de 2011 às 08:00h do Encontro de Formação Espiritual que acontecerá no Auditório da casa da Mãe Rainha, situado a rua Marechal Hermes, 345 por tras da Igreja de São José.

Sua presença é muito importante para nós e muito agrada o coração de Nossa querida Mãe e Rainha.


PROGRAMAÇÃO:
TEMA: MISTÉRIOS DE SCHOENSTATT

DIA: 03/07/2011 HORÁRIO: 8h as 12h

08h – Abertura do Aprofundamento
- Início da Palestra – Mistérios de Schoenstatt


09h – Intervalo Café
09h30m – Atividade em grupos
(questões para discussão em pequenos grupos) – (30min)
10h - plenária( apresentação dos grupos)
10h 30m – Encerramento e avisos
11h – Celebração Eucarística

LITURGIA DIÁRIA


Primeira leitura (Deuteronômio 7,6-11)

Segunda leitura (1João 4,7-16)

Salmo (Salmos 102)

Evangelho (Mateus 11,25-30)

Evangelho (Mateus 11,25-30)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

25Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos peque­ninos. 26Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 27Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.
28Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. 29Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde­ de coração, e vós encon­trareis descanso. 30Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O fardo suave é o compromisso no seguimento de Jesus

Estas suaves palavras de Jesus apresentam um estilo diferente dos demais textos dos evangelhos sinóticos, assemelhando-se ao estilo do evangelho de João. É um patrimônio da tradição das primeiras comunidades que guardavam a memória de Jesus e que Mateus inseriu em seu evangelho. A primeira parte do texto foi também adaptada no evangelho de Lucas. Os sábios e entendidos são os doutores da Lei e os demais componentes da cúpula político-religiosa dirigente da Judéia, fariseus, sacerdotes e anciãos. Estes, instalados em seu poder e a ele apegados, rejeitam a Jesus. Os pequeninos, cansados e carregados de fardos, são o povo excluído, sem poder, oprimido pela opressão religiosa e pela exploração econômica do Templo e do império romano. O coração de Jesus, manso e humilde é lugar de repouso para seus discípulos. O seu fardo suave é o compromisso no seguimento de Jesus, colocando suas próprias vidas a serviço da construção de um mundo novo de fraternidade, justiça e paz.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Aarão

Pertence aos santos do Antigo Testamento. O santo de hoje era irmão de sangue de Moisés.

Seu testemunho está nas Sagradas Escrituras no Pentateuco, no Salmo 98 e no livro do Eclesiástico.

“Exaltou também a Aarão, santo como ele, seu irmão, da tribo de Levi. Confirmou para ele uma aliança eterna, deu-lhe o sacerdócio do seu povo, encheu-o de felicidade e de glória. Moisés consagrou-lhe as mãos e o ungiu com o óleo santo. Foi-lhe, pois, concedido por aliança eterna, a ele e à sua descendência, enquanto durar o céu: servir ao Senhor e exercer o sacerdócio, e abençoar o povo em seu nome.” (Eclo 45,7-8.18-19)

Aarão é exemplo de fidelidade e de 'sim' a Deus.

Santo Aarão, rogai por nós!

LITURGIA DIÁRIA


Primeira leitura (Gênesis 22,1-19)

Salmo (Salmos 114)

Evangelho (Mateus 9,1-8)

Evangelho (Mateus 9,1-8)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1entrando em um barco, Jesus atravessou para a outra margem do lago e foi para a sua cidade. 2Apresentaram-lhe, então, um paralítico deitado numa cama. Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse ao paralítico: “Coragem, filho, os teus pecados estão perdoados!”
3Então alguns mestres da Lei pensaram: “Esse homem está blasfemando!” 4Mas Jesus, conhecendo os pensamentos deles, disse: “Por que tendes esses maus pensamentos em vossos corações? 5O que é mais fácil, dizer: ‘Os teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘Levanta-te e anda’?
6Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder para perdoar pecados, — disse, então, ao paralítico — “Levanta-te, pega a tua cama e vai para a tua casa”. 7O paralítico então se levantou, e foi para a sua casa. 8Vendo isso, a multidão ficou com medo e glorificou a Deus, por ter dado tal poder aos homens.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus vem remover a culpa imputada pela Lei

Mateus, preocupado em reunir dez milagres de Jesus, nos capítulos 8 e 9 de seu evangelho, resume esta narrativa da cura do paralítico, bem mais detalhada em Marcos. Embora a preocupação de Mateus seja o caráter messiânico da cura milagrosa, o núcleo da narrativa é o perdão dos pecados. O pecado, no Primeiro Testamento, era qualquer desobediência aos mais de seiscentos preceitos da Lei, impondo restrições minuciosas às práticas comuns do dia a dia. O povo trabalhador, oprimido e empobrecido, por suas próprias atividades de sobrevivência não tinha condições de observar estes preceitos todos. Assim era considerado pecador. Ainda mais, as doenças e defeitos físicos eram consideradas como castigo pelo pecado. Jesus vem remover a culpa imputada pela Lei, retirando a acusação de pecado do paralítico e libertando-o de sua paralisia.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Protomártires da Igreja de Roma

Depois da solenidade universal dos apóstolos São Pedro e Paulo, a liturgia nos apresenta a memória de outros cristãos que se tornaram os primeiros mártires da Igreja de Roma, por isso, protomártires.

O testemunho dos mártires da nossa Igreja nos recorda o que é essencial para a vida, para o cristão, para sermos felizes em Deus, principalmente nos momentos mais difíceis que todos nós temos.

Os mártires viveram tudo em Cristo.

No ano de 64, o imperador Nero pôs fogo em Roma e acusou os cristãos. Naquela época a comunidade cristã, vítima de preconceitos, era tida como uma seita, e inimiga, pois não adoravam o Imperador.

Qualquer coisa que acontecia de negativo, os cristãos eram acusados. Por isso, foram acusados de terem posto fogo em Roma, e a partir daí, no ano 64, começaram a ser perseguidos.

Os escritos históricos em Roma narram que os cristãos eram lançados nas arenas para servirem de espetáculo ao povo, junto às feras. Cobertos de piches, como tochas humanas e muitos outros atos atrozes.

E a resposta era sempre o perdão e a misericórdia.

O Papa São Clemente I escreveu: “Nos encontramos na mesma arena e combatemos o mesmo combate. Deixemos as preocupações inúteis e os vãos cuidados e voltemo-nos para a gloriosa e venerável regra da nossa tradição: consideremos o que é belo, o que é bom e o que é agradável ao nosso criador.”

Protomártires da Igreja de Roma, rogai por nós!

LITURGIA DIÁRIA


Primeira leitura (Gênesis 21,5.8-21)

Salmo (Salmos 33)

Evangelho (Mateus 8,28-34)

Evangelho (Mateus 8,28-34)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 28quando Jesus chegou à outra margem do lago, na região dos gadarenos, vieram ao seu encontro dois homens possuídos pelo demônio, saindo dos túmulos. Eram tão violentos, que ninguém podia passar por aquele caminho. 29Eles então gritaram: “Que tens a ver conosco, Filho de Deus? Tu vieste aqui para nos atormentar antes do tempo?”.
30Ora, a certa distância deles, estava pastando uma grande manada de porcos. 31Os demônios suplicavam-lhe: “Se nos expulsas, manda-nos para a manada de porcos”.
32Jesus disse: “Ide”. Os demônios saíram, e foram para os porcos. E logo toda a manada atirou-se monte abaixo para dentro do mar, afogando-se nas águas. 33Os homens que guardavam os porcos fugiram e, indo até a cidade, contaram tudo, inclusive o caso dos possuídos pelo demônio. 34Então a cidade toda saiu ao encontro de Jesus. Quando o viram, pediram-lhe que se retirasse da região deles.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A conversão leva à pregação

Mateus resume aqui uma narrativa de Marcos para inseri-la em sua coleção de dez milagres de Jesus. Em Marcos a narrativa tem um sentido missionário: um possesso que foi libertado passou a anunciar Jesus no território gentílico da Decápole. A conversão leva à pregação. Em Mateus a narrativa é centrada na expulsão dos demônios e Mateus a acentua colocando dois possessos. Mateus quer realçar o aspecto messiânico de Jesus que vence os demônios. Com a expressão "atormentar antes do tempo", Jesus é visto como o juiz escatológico que no fim dos tempos lançará o demônio aos tormentos (Apo 20,10). O sacrifício inútil dos porcos leva a perceber o simbolismo usado pela tradição de origem judaica. A narrativa ainda mostra que Jesus, com sua prática libertadora, encontra resistência dos mais favorecidos, moradores da cidade, que pedem que se retire dali.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Pedro e São Paulo Apóstolos

Hoje a Igreja do mundo inteiro celebra a santidade de vida de São Pedro e São Paulo apóstolos. Estes santos são considerados "os cabeças dos apóstolos" por terem sido os principais líderes da Igreja Cristã Primitiva, tanto por sua fé e pregação, como pelo ardor e zelo missionários.

Pedro, que tinha como primeiro nome Simão, era natural de Betsaida, irmão do Apóstolo André. Pescador, foi chamado pelo próprio Jesus e, deixando tudo, seguiu ao Mestre, estando presente nos momentos mais importantes da vida do Senhor, que lhe deu o nome de Pedro. Em princípio, fraco na fé, chegou a negar Jesus durante o processo que culminaria em Sua morte por crucifixão. O próprio Senhor o confirmou na fé após Sua ressurreição (da qual o apóstolo foi testemunha), tornando-o intrépido pregador do Evangelho através da descida do Espírito Santo de Deus, no Dia de Pentecostes, o que o tornou líder da primeira comunidade. Pregou no Dia de Pentecostes e selou seu apostolado com o próprio sangue, pois foi martirizado em uma das perseguições aos cristãos, sendo crucificado de cabeça para baixo a seu próprio pedido, por não se julgar digno de morrer como seu Senhor, Jesus Cristo.

Escreveu duas Epístolas e, provavelmente, foi a fonte de informações para que São Marcos escrevesse seu Evangelho.

Paulo, cujo nome antes da conversão era Saulo ou Saul, era natural de Tarso. Recebeu educação esmerada "aos pés de Gamaliel", um dos grandes mestres da Lei na época. Tornou-se fariseu zeloso, a ponto de perseguir e aprisionar os cristãos, sendo responsável pela morte de muitos deles.

Converteu-se à fé cristã no caminho de Damasco, quando o próprio Senhor Ressuscitado lhe apareceu e o chamou para o apostolado. Recebeu o batismo do Espírito Santo e preparou-se para o ministério. Tornou-se um grande missionário e doutrinador, fundando muitas comunidades. De perseguidor passou a perseguido, sofreu muito pela fé e foi coroado com o martírio, sofrendo morte por decapitação.

Escreveu treze Epístolas e ficou conhecido como o "Apóstolo dos gentios".


São Pedro e São Paulo, rogai por nós!

LITURGIA DIÁRIA


Primeira leitura (Gênesis 19,15-29)

Salmo (Salmos 25)

Evangelho (Mateus 8,23-27)

Evangelho (Mateus 8,23-27)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 23Jesus entrou na barca, e seus discípulos o acompanharam. 24E eis que houve uma grande tempestade no mar, de modo que a barca estava sendo coberta pelas ondas. Jesus, porém, dormia.
25Os discípulos aproximaram-se e o acordaram, dizendo: “Senhor, salva-nos, pois estamos perecendo!” 26Jesus respondeu: “Por que tendes tanto medo, homens fracos na fé?” Então, levantando-se, ameaçou os ventos e o mar, e fez-se uma grande calmaria. 27Os homens ficaram admirados e diziam: “Quem é este homem, que até os ventos e o mar lhe obedecem?”

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A fidelidade à palavra de Deus

Mateus resume a narrativa de Marcos paralela a esta. Assim ele faz também com as demais narrativas de milagres da coleção de dez milagres reunidos nos capítulos 8 e 9 de seu evangelho, preocupado em destacar o caráter messiânico atribuído a Jesus. Nos evangelhos temos seis narrativas semelhantes envolvendo dificuldades dos discípulos na travessia do mar. Três delas, esta de Mateus e as paralelas em Marcos e Lucas, durante uma travessia de barco para o território gentílico. Jesus, após despertar, conjura o vento e o mar agitados. A estas três segue-se a narrativa da cura dos endemoninhados gerasenos. Outras três seguem-se às narrativas da partilha eucarística dos pães entre Jesus, os discípulos e a multidão, e Jesus caminha sobre as águas. Estas narrativas são em um estilo de teofania (manifestações espantosas da natureza associadas à manifestação de Deus), surgidas entre as comunidades primitivas. São um estímulo à fé das comunidades na eficácia da palavra de Jesus, diante do mar agitado de uma sociedade elitista que serve ao dinheiro e gera a exclusão e o sofrimento. A confiança e a fidelidade à palavra de Deus nos movem à prática transformadora desta sociedade.
 
José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Irineu

Celebramos a memória do grande bispo e mártir, Santo Irineu que, pelos seus escritos, tornou-se o mais importante dos escritores cristãos do século II. Nascido na Ásia Menor, foi discípulo de São Policarpo, que por sua vez conviveu diretamente com o Apóstolo São João, o Evangelista.

Ao ser ordenado por São Policarpo, Irineu foi para a França e assumiu várias funções de serviço à Igreja de Cristo (que crescia em número de comunidades e necessidade de pastoreio). Importante contribuição deu à Igreja do Oriente quando foi em missão de paz para um diálogo com o Papa Eleutério sobre a falta de unidade na data da celebração da Páscoa, pois o Oriente corria ao risco de excomunhão, sendo fiel ao significado do seu próprio nome – portador da paz – logrou êxito nessa missão, já que isto nada interferia na unidade da fé.

Ao voltar da missão deparou-se com a morte do bispo Potino, o qual o havia enviado para Roma e, sendo assim, foi ele o escolhido para sucessor do episcopado de Lião. Erudito, simples, orante e zeloso bispo, foi Santo Irineu quem escreveu contra os hereges, sobre a sucessão apostólica e muito dos dados que temos hoje, sobre a história da Igreja do século II. Este grande bispo morreu mártir na perseguição do imperador Severo.

Santo Irineu, rogai por nós!

RESPEITO E CUIDADO COM NOSSOS IDOSOS

LITURGIA DIÁRIA


Primeira leitura (Gênesis 18,16-33)

Salmo (Salmos 102,1-11)

Evangelho (Mateus 8,18-22)

Evangelho (Mateus 8,18-22)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 18vendo uma multidão ao seu redor, Jesus mandou passar para a outra margem do lago. 19Então um mestre da Lei aproximou-se e disse: “Mestre, eu te seguirei aonde quer que tu vás”.
20Jesus lhe respondeu: “As raposas têm suas tocas e as aves dos céus têm seus ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. 21Um outro dos discípulos disse a Jesus: “Senhor, permite-me que primeiro eu vá sepultar meu pai”. 22Mas Jesus lhe respondeu: “Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Seguir o caminho da vida

Após atender as multidões em Cafarnaúm, Jesus decide passar para a outra margem do lago da Galiléia, em direção à cidade de Gadara. Em dois curtos diálogos, são traçadas as exigências do seguimento de Jesus. Um escriba se aproxima, chama Jesus de "mestre" e se declara disposto a segui-lo. O escriba, um especialista na Lei, talvez tenha sido tocado pelas palavras de Jesus ao anunciar a novidade do Reino dos Céus que supera a tradicional Lei. Com a referência metafórica às raposas e pássaros, simbolizando as austeras condições de seu discipulado itinerante, contestando a sociedade tradicional, a resposta de Jesus alerta aquele escriba, acostumado ao prestígio e ao conforto. O outro que se dirige a Jesus já é um discípulo, o qual se sente na responsabilidade de sepultar seu pai. A resposta de Jesus surpreende. Jesus repete o chamado: "segue-me", e em seguida dispensa o discípulo deste dever de sepultara. Aqui, também, pode haver uma alusão metafórica à ruptura com as antigas tradições da Lei, apresentada sob a imagem do pai a ser sepultado. Seguir Jesus é seguir o caminho da vida, na união da grande família que faz a vontade do Pai.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

A devoção à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro começou a ser propagada a partir de 1870 e espalhou-se por todo o mundo. Trata-se de uma pintura do século XIII, de estilo bizantino. Segundo a tradição, foi trazida de Creta, Grécia, por um negociante. E, desde 1499, foi honrada na Igreja de São Mateus in Merulana..

Em 1812, o velho Santuário foi demolido. O quadro foi colocado, então, num oratório dos padres agostinianos. Em 1866, os redentoristas obtiveram de Pio IX o quadro da imagem milagrosa. Nossa Senhora do Perpétuo Socorro foi colocada na Igreja de Santo Afonso, em Roma. De semblante grave e melancólico, Nossa Senhora traz no braço esquerdo o Menino Jesus, ao qual o Arcanjo Gabriel apresenta quatro cravos e uma cruz. Ela é a senhora da morte e a rainha da vida, o Auxílio dos cristãos, o socorro seguro e certo dos que a invocam com amor filial.

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, rogai por nós!

LITURGIA DIÁRIA

Primeira leitura (2º Reis 4,8-11.14-16a)

Segunda leitura (Romanos 6,3-4.8-11)

Salmo (Salmos 88)

Evangelho (Mateus 10,37-42)

Evangelho (Mateus 10,37-42)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus a seus apóstolos: 37“Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim, não é digno de mim. Quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim, não é digno de mim.
38Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim.
39Quem procura conservar a sua vida, vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim, vai encontrá-la.
40Quem vos recebe, a mim recebe; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou.
41Quem recebe um profeta, por ser profeta, receberá a recompensa de profeta. E quem recebe um justo, por ser justo, receberá a recompensa de justo.
42Quem der, ainda que seja apenas um copo de água fresca, a um desses pequeninos, por ser meu discípulo, em verdade vos digo: não perderá a sua recompensa”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O amor a Jesus deve ser prioritário

Mateus, no capítulo 10 de seu evangelho, reúne ditos e sentenças esparsas de Jesus que orientam as comunidades em sua ação missionária, em suas varias situações. O capítulo inicia-se com o chamado dos doze apóstolos por Jesus, seguindo-se as instruções sobre a ação missionária, e termina com a advertência sobre a renúncia aos interesses do mundo e o encontro de sua vida em Deus. Jesus trouxe a paz a seus discípulos, porém os poderosos da terra não a aceitaram, respondendo com a violência. Com um versículo isolado do profeta Miquéias (Mi 7,6), Mateus aponta rejeições dentro da própria família (Mt 10,35-36). A seguir vem o acento sobre a adesão a Jesus acima de qualquer outro vínculo, seja o familiar, sejam os vínculos com o mundo, com seus critérios de segurança e sucesso. Finalmente a característica da missão: o discípulo que anuncia todas estas coisas é o próprio Jesus presente no mundo. O amor a Jesus deve estar acima do amor à família. Os laços familiares representam os vínculos mais fortes do amor-fidelidade. O amor a Jesus deve ser prioritário em relação a estes laços familiares. Ele não vem abolir o afeto familiar. Contudo vem libertar dos laços familiares tradicionais, que refletem mais os interesses terrenos do que o projeto de Deus, pela comunicação do amor divino abrangente, alem dos limitados laços consanguíneos. O seguimento de Jesus supõe um compromisso destemido, na libertação dos vínculos com o mundo submisso aos poderosos. Tomar sua cruz significa o testemunho de amor e libertação que não se intimidará mesmo diante das ameaças de morte da parte dos poderosos que oprimem e exploram o povo. A cruz é o suplício mortífero que o império romano aplicava com frequência àqueles que eram tidos como ameaça à sua estabilidade e à sua "paz". O próprio Cícero, orador, filósofo, e escritor romano, referia-se à cruz como um "crudelíssimo suplício".
Esta opção de seguimento de Jesus é "perder a vida" neste mundo, para inseri-la na eternidade, vivendo para Deus (primeira leitura). O caminho contrário é o daquele que encontra sua vida correndo atrás do status social, do sucesso e da segurança do dinheiro, perdendo sua vida de comunhão com Deus. Na fala de Jesus, as três referências ao "receber" referem-se à ação missionária. "Quem vos recebe..." é dirigida ao próprio missionário que deve ir consciente de que representa o próprio Jesus que o envia. "Quem receber..." um profeta ou um justo, ou um pequeno, são dirigidas às comunidades destinatárias. Devem acolher com confiança ao missionário que vai como profeta ou justo/fiel ao seu compromisso. A primeira leitura, em estilo bem semítico, narra como uma senhora rica acolheu Eliseu e foi gratificada com a promessa de gerar um filho. A conversão ao Reino de Deus supõe profundas mudanças de valores e costumes tradicionais que se estratificaram culturalmente e que fazem o perfil de uma sociedade comprometida com o sucesso pessoal e com a ânsia do enriquecimento.
 
José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santos João e Paulo

Os santos que recordamos hoje pertenceram ao século IV e ali deram um lindo testemunho do martírio no ano de 362, no contexto em que a Igreja de Cristo era perseguida.

Eles pertenciam à Corte de Juliano, o Apóstata, que queria que todos os cristãos se rendessem aos deuses do Império. João e Paulo, porém, renunciaram ao cargo, e se retiraram para uma propriedade onde viveram da caridade e servindo aos pobres, testemunhando acima de tudo o amor a Deus.

Eram irmãos de sangue, mas responderam pessoalmente ao Evangelho.

O Imperador enviou uma autoridade para convencê-los a mudarem de ideia, e oferecerem sacrifícios ao deus Júpiter para não serem condenados.
Após alguns dias, os irmãos não negaram sua fé e acabaram morrendo degolados, testemunhando seu amor a Deus.

São João e São Paulo, rogai por nós!