Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





LITURGIA DIÁRIA

Primeira leitura (Atos dos Apóstolos 11,21b-26; 13,1-3)

Salmo (Salmos 97)

Evangelho (Mateus 10,7-13)

Evangelho (Mateus 10,7-13)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 7“Em vosso caminho, anunciai: ‘O Reino dos Céus está próximo’. 8Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. De graça recebestes, de graça deveis dar! 9Não leveis ouro nem prata nem dinheiro nos vossos cintos; 10nem sacola para o caminho, nem duas túnicas nem sandálias nem bastão, porque o operário tem direito ao seu sustento.
11Em qualquer cidade ou povoado onde entrardes, informai-vos para saber quem ali seja digno. Hospedai-vos com ele até a vossa partida. 12Ao entrardes numa casa, saudai-a. 13Se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz; se ela não for digna, volte para vós a vossa paz”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Os sinais do Reino

Este texto é uma parte da narrativa do envio missionário dos doze apóstolos. Mateus, conforme a estrutura literária de seu evangelho, apresenta este envio na forma de um longo discurso de Jesus. Encontramos aí um perfil da ação missionária nas primeiras comunidades, com o conteúdo da proclamação e a prática a ser exercida nas comunidades de destino. Após chamar os doze discípulos, Jesus os envia em missão, dando-lhes suas orientações. As palavras dos discípulos serão as próprias palavras de Jesus. Quem não os escutar está rejeitando o próprio Jesus e a sua paz. Os sinais do Reino são curas, ressurreições, purificações e expulsões dos demônios. Enquanto sinais indicam que Jesus veio para levantar os abatidos, promover a vida e a integração social entre os pobres excluídos, libertando-os das ideologias do mundo do dinheiro que oferece falsos valores e promessas de segurança. Pelo despojamento, o discípulo dá testemunho da ruptura com este mundo e testemunha sua participação no Reino dos Céus já presente entre homens e mulheres, porém nem sempre percebido.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Barnabé

Seu nome era José, chamado pelos apóstolos de Barnabé, que quer dizer "filho da consolação".

O santo de hoje pertenceu a 'era apostólica', chamado também de Barnabé apóstolo, embora não tenha pertencido ao grupo dos Doze Apóstolos. Nós encontramos o seu testemunho enraizado nas Sagradas Escrituras, nos Atos dos Apóstolos 4,32ss.

Barnabé evangelizou comunitariamente, e o Espírito Santo contou com ele para que outro apóstolo exercesse o ministério: São Paulo. “Então Barnabé o tomou consigo, levou-o aos apóstolos e contou-lhes como Saulo tinha visto no caminho, o Senhor, que falara com ele, e como, na cidade de Damasco, ele havia pregado, corajosamente, no nome de Jesus. Daí em diante, Saulo permanecia com eles em Jerusalém e pregava, corajosamente, no nome do Senhor.” (Atos 9,27-28)

Escritos antigos dizem que Barnabé passou por Roma, e morreu em Salamina pelo ano 70, por apedrejamento. Um homem que se consumiu na missão de evangelizar.

São Barnabé, rogai por nós!

AGRADECIMENTO PELAS FELICITAÇÕES!




Quero agradecer, a todos que carinhosamente
gastaram um tempinho do seu dia pra me desejar feliz aniversário,
pois foi um dia muito feliz mesmo...
Aos que ligaram...
Aos que esqueceram...
Aos que não puderam estar on-line.
Deus dê em dobro tudo que me desejaram!
Sou uma pessoa muito feliz, feliz mesmo...
Pois tenho pessoas maravilhosas que me cercam...
Uns bem de perto...
Uns de longe...
Outros de bem longe...
Não importa a distância e sim o carinho...
Isso é um presentão de Deus pra minha vida...


É muito bom ter amigos, obrigado de coração, aos amigos com emoção faço este verso de gratidão.
 


Foi no dia 10 de junho
Que Deus me concedeu
Por obra de seu amor
Aos meus pais me entregou
Nascia José Roberto
Um servo de muito fervor.

Hoje dia 10 de junho
Agradeço louvando ao Senhor
Por mais um ano de vida
Unido com minha família
Dividindo com alegria
As bênçãos todas deste dia.

Que Mãe Rainha nos ilumine
Nos mostrando a direção
Caminhando com Maria
Venceremos a tentação
Obrigado Mãe querida
Por seu amor e dedicação.

A meu Deus com gratidão
Por meus amigos faço esta oração
Abençoe oh meu Senhor
Meus amigos do coração
Dai saúde, paz e amor
A todos que com muito ardor
Louvam a ti meu Salvador.

Obrigado pelas felicitações e mensagens de carinho por conta do meu aniversário.

Terço dos Homens da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição em Areia Branca-RN


No dia 8 de junho de 2006 o Padre Ricardo, incentivou um grupo de doze homens a rezar o santo Terço, hoje o grupo do Terço dos Homens Mãe Rainha de Areia Branca no Estado do Rio Grande do Norte cresceu muito com o apoio do Diretor Espiritual o Padre Luiz Sampaio e comemora o seu 5º aniversário de fundação, sempre agradecendo a Nossa querida Mãe e a Seu filho Jesus pelas graças concedidas e as transformações na vida de todos os que fazem parte do Terço dos Homens. O grupo se reúne toda quarta feira às 19h30min. O blog do Terço parabeniza com muita alegria na Pessoa de Olivá José (Coordenador) a todos os membros pelo empenho e dedicação ao Terço e ao Movimento Apostólico de Schoenstatt.

LITURGIA DIÁRIA


Primeira leitura (Atos dos Apóstolos 25,13b-21)

Salmo (Salmos 102)

Evangelho (João 21,15-19)

Evangelho (João 21,15-19)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Jesus manifestou-se aos seus discípulos 15e, depois de comerem, perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?” Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse: “Apascenta os meus cordeiros”.
16E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas”. 17Pela terceira vez, perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas. 18Em verdade, em verdade te digo: quando eras jovem, tu te cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”. 19Jesus disse isso, significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus. E acrescentou: “Segue-me”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus e Pedro

Neste capítulo 21 do evangelho de João temos um registro da retomada da missão dos discípulos na Galiléia. Os evangelhos de Marcos e Mateus também registram este retorno à Galiléia. É apenas o evangelho de Lucas que menciona a permanência dos discípulos em Jerusalém, em vez deste retorno. Neste diálogo entre Jesus e Pedro, que ocorre após a pesca milagrosa no mar da Galiléia, temos o resgate da imagem de Pedro, ao qual se atribuiu uma tríplice negação de seu vínculo com Jesus, por ocasião de sua prisão. Agora Pedro é redimido pela tripla afirmação de seu amor a Jesus. Assim é confirmado como o pastor das ovelhas a ocupar o lugar de Jesus. A alusão à morte de Pedro é um registro feito pelo evangelista, em estilo profético, sobre o fato já acontecido.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Anjo da Guarda de Portugal

Anjo da Paz, da Pátria, da Eucaristia. As 3 aparições deste anjo em Portugal compuseram o ciclo angélico da mensagem de Fátima.

Na primavera de 1916, as 3 crianças estavam na Loca do Cabeço (Fátima) a pastorear, quando apareceu-lhes um jovem de mais ou menos 14 ou 15 anos, mais branco que a neve, dizendo: “Não temais, sou o Anjo da Paz, orai comigo: Meu Deus eu creio, adoro, espero e amo-vos. Peço-vos perdão para os que não creem, não adoram, não esperam e não vos amam”. As crianças rezaram por três vezes, com o rosto ao chão. Depois ouviram do anjo: “Orai assim. Os corações de Jesus e de Maria, estão atentos à voz de vossas súplicas”. Esta oração acompanhou os pastorinhos sempre.

A segunda aparição deu-se num dia de verão, no quintal da casa de Lúcia, no Poço do Arneiro. As crianças estavam brincando sobre o poço, quando o anjo apareceu-lhes dizendo: “Que fazeis? Orai, orai muito. Os corações santíssimos de Jesus e de Maria, tem sobre vós desígnios de misericórdia... eu sou o Anjo da sua guarda, o anjo de Portugal”.

Na terceira aparição, outono do mesmo ano, novamente na Loca do Cabeço, as crianças rezavam a oração que aprenderam na primeira aparição, e o Anjo lhes apareceu com o cálice e uma hóstia. A hóstia a pingar gotas de sangue no cálice. Elas ajoelharam, e o anjo ensinou-lhes esta oração profundíssima que diz da essência da mensagem de Fátima: “Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espirito Santo, adoro-vos profundamente. E ofereço-vos o Preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo presente em todos os sacrários da Terra. Em reparação aos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido, e pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-vos a conversão dos pobres pecadores”. Depois disso, o Anjo da Eucaristia, entregou a hóstia para Lúcia e o cálice entre Francisco e Jacinta e disse-lhes: “Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus.”

Esta oração nos une com Maria, ao reparador Jesus Cristo, no mistério da Eucaristia para a glória da Santissima Trindade.

Santo Anjo da Guarda de Portugal, rogai por nós!

Schoenstatt: Um Santuário com Movimento


"Vocês suspeitarão o que eu pretendo: converter este lugar em um lugar de peregrinação, em um lugar de graça para a nossa casa e para toda a Província alemã e talvez para mais além...". Este era o audacioso plano que o Padre José Kentenich, Diretor Espiritual do Seminário Menor dos Padres Palotinos, propunha aos seus jovens educandos naquele dia 18 de outubro de 1914, no vale de Schoenstatt, Alemanha.

Ele os convidava a trabalhar para que a antiga capelinha de São Miguel se transformasse em um Santuário Mariano: "O Santuário que se encontrava, desde tempos imemoráveis, abandonado, descuidado e vazio, foi restaurado por nós e por nossa iniciativa foi dedicado à Santíssima Virgem". Há apenas dois meses havia iniciado a grande guerra européia, que iria transformar-se na Primeira Guerra Mundial.

Desde aquele dia de outubro já se passaram nove décadas. O Padre Kentenich faleceu no dia 15 de setembro de 1968, mas suas palavras tornaram-se realidade. O profeta tinha razão, ou melhor, percebeu o plano de Deus para este lugar. Descobriu uma fonte de graças - que naquele momento era apenas um fio de água - e que hoje se converteu em uma poderosa corrente de graças, de vida e de idéias, chegando a muitos países e a todos os continentes. A palavra "Schoenstatt" hoje é pronunciada no Paraguai e na Austrália, nos Estados Unidos e no Caribe, na África do Sul e na Índia... Aquela pequena capelinha dedicada a São Miguel Arcanjo é atualmente o Santuário Original e multiplicou na Alemanha, Europa e em todo o mundo através de uma rede de mais de cento e oitenta Santuários Filiais. Foi reconhecido oficialmente pela Igreja como Santuário em 1947.

Schoenstatt, um lugar de peregrinação

Muita gente se pergunta hoje se houve ali uma aparição da Virgem, como costuma acontecer em outros lugares santos como Lourdes e Fátima. Não, em Schoenstatt não houve nenhuma aparição da Mãe de Deus, mas Ela certamente se manifestou a partir deste lugar; ali houve uma iniciativa divida através de um intrumento sacerdotal, o Padre Kentenich. "Todos os que aqui vierem para rezar" - dizia na prática do dia 18 de outubro de 1914 - "devem experimentar as glórias de Maria". Onde a Virgem Maria se faz presente, surge a vida; onde Ela está, encontramos a paz.

A partir do Santuário, Ela derrama em abundância seus tesouros e suas graças, sempre em favor dos homens, seus filhos. E como toda mãe o faz, preocupa-se particularmente com aqueles que mais sofrem, dos mais necessitados e débeis. Esperamos que uma mãe, que Maria atue sim.

Schoenstatt, um lugar de peregrinação para hoje

Há muitos Santuários marianos em todo o mundo. Diversas são as graças que Maria concede em cada lugar. Por que Ela quis manifestar-se também em Schoenstatt? Para responder a essa pergunta, nada melhor do que recorrer ao testemunho do seu principal instrumento, o Padre Kentenich, e à história vivida a partir de sua fundação. Com uma aguda percepção dos problemas de sua época e uma profunda intuição sobre o futuro, o Padre Kentenich detectou que estávamos diante de uma mudança radical no mundo e, no centro da problemática, estava o homem. Via um crescente processo de massificação, detectava o perigo do desapego aos valores, pessoas e tradições. Percebia o crescente fenômeno de ateísmo já em desenvolvimento e captava que tempos novos requerem um novo tipo de homem e que a Virgem Maria deveria ser sua Mãe, para dar a luz a Cristo nos corações dos homens. Em Schoenstatt e a partir de Schoenstatt queria que Ela se manifestasse como a Educadora desse homem novo em uma nova comunidade.

Devemos perguntar também à história, ao que ocorreu a partir daquele 18 de outubro de 1914. Os fatos falam com uma linguagem eloquente. Milhares de pessoas encontraram em Schoenstatt um lar espiritual e através dele receberam graças especiais. A partir dessa pequena capelinha no vale surgiu um forte Movimento de renovação espiritual, uma grande onda religiosa que, fazendo-se cada vez maior à medida que avança, vai em busca das "novas praias" do futuro. Um movimento que busca a transformação do homem em Cristo através de uma Aliança de Amor com Maria. Uma corrente de entrega heróica e de santidade (esta era uma das exigências do documento de fundação: "aceleração do desenvolvimento de nossa própria santificação e, desta maneira, a transformação de nossa Capelinha em um lugar de peregrinação"). Surgiram seis Institutos Seculares, comunidades de dirigentes católicos, comunidades contemplativas, um vasto movimento laical, movimento popular e de peregrinos. Onde está a Virgem Maria, ali está presente o Senhor, ali atua seu Espírito. Nunca poderemos compreender ou dar o pleno valor para as maravilhas que o Senhor realiza. Sentimos um profundo assombro em apenas perceber sua proximidade e sentimos nascer em nós a verdadeira gratidão. Assim o expressava o Padre Kentenich em forma de oração: "Obrigada, Pai porque elegeste Schoenstatt e porque ali Cristo nasce de novo. Obrigada porque a partir daqui queres irradiar ao mundo as glórias de nossa Mãe, inundando os corações frios com torrentes de amor".

A Fundação - 18 de outubro de 1914

Se quiser compreender algo com profundidade, deve-se sempre perguntar por suas raizes. Se nós quisermos captar o que é Schoenstatt, devemos buscar compreender o fato a partir do qual deu-se a sua origem e desenvolvimento.

E isto nos leva a um lugar - Schoenstatt - no vale de Vallendar (Alemanha) e a uma data, o dia 18 de outubro de 1914. Neste dia, na antiga capelinha de São Miguel recentemente inaugurada, o Padre Kentenich selou uma Aliança de Amor com a Santíssima Virgem. A homilia que deu neste oportunidade aos jovens seminaristas foi reconhecida por ele mesmo, anos mais tarde, como o documento de fundação do Movimento de Schoenstatt, e seu testemunho é decisivo.

Ao compararmos a história de Schoenstatt com a de outros lugares nos quais também se manifestou a Virgem Maria, constatamos semelhanças e diferenças. Algo em comum a todos: Deus busca sempre instrumentos humanos através dos quais Ele quer se aproximar dos homens.

Em outubro de 1914 a Mãe de Deus tomou uma nova iniciativa em Schoenstatt, Alemanha e agora o instrumento humano é um jovem sacerdote de 29 anos, o Padre José Kentenich.

Naquele 18 de outubro, o Padre Kentenich comunica aos seus interlocutores "uma secreta ideia predileta", um "pensamento audacioso", algo que estava em seu interior há um certo tempo: "Por acaso não seria possível que a Capelinha de nossa Congregação chegasse a ser ao mesmo tempo nosso Tabor, onde se manifestem as glórias de Maria?"

Três meses antes, no dia 18 de julho, havia chegado a suas mãos um artigo escrito pelo Padre Cipriano Fröhlich, narrando a história do Santuário de Pompéia (Itália). Não havia surgido, como em outros lugares, por uma aparição da Virgem Maria. Deus elegeu ali um instrumento humano para realizar seus planos: um advogado chamado Bartolo Longo (recentemente beatificado por Sua Santidade João Paulo II). O paralelo era sugestivo. O que havia acontecido em Pompéia não poderia se repetir em Schoenstatt? Sua proposta foi realmente audaciosa. Mas - dizia aos jovens seminaristas - "quantas vezes na história do mundo foi o pequeno e insignificante a origem do grande! Por que não poderia acontecer o mesmo conosco?"

Uma proposta audaciosa na verdade

Os quase 100 anos da história de Schoenstatt - desde aquele dia 18, um dia como todos os demais, mas ao mesmo tempo um dia diferente -, comprova que aqueles anelos se transformaram em fatos. Na pequena capelinha de São Miguel, a Mãe de Deus eregiu seu trono de graças de maneira especial e de lá tem distribuido seus tesouros e realizado milagres.

O pequeno Santuário de Schoenstatt multiplicou-se em todo o mundo através dos Santuários Filiais (o primeiro foi construído em Nova Helvecia/Uruguai). A presença de Maria e a manifestação de suas glórias se multiplicou através dos numerosos santuários nos lares das famílias. Em todos estes lugares, Maria quer se manifestar como Mãe e Educadora realizando grandes coisas.

Mas em todos é requerida, segundo as leis permanentes da história da salvação, a cooperação humana. Assim expressa o lema: "Mãe, nada sem Ti; nada sem nós".

Pe. Esteban Uriburu

Ultrapassar o umbral

Há diferentes formas de se aproximar do Santuário. A mais adequada, no entanto, é a do peregrino. No fundo todos nós, seres humanos, somos peregrinos.

A realidade do Santuário (como a da Aliança de Amor) não pode ser transmitida plenamente com as palavras. Deve-se experimentá-la para que seja captada vitalmente. Enquanto isso não acontecer, pode ser que muitas coisas sejam interessantes em Schoenstatt, mas não se terá ultrapassado o umbral e nem penetrado em seu mistério. Este passo é sempre uma decisão pessoal e livre.

Para aqueles que quiserem se aproximar do Santuário como peregrinos - seja física ou virtualmente - oferecemos nas seguintes páginas um guia do peregrino.

Aproximando-se de Schoenstatt como peregrino

Um Movimento de Peregrinos

O 18 de outubro de 1914

A Mãe Três Vezes Admirável

O universalismo do Padre Kentenich

As graças da peregrinação

Schoenstatt no Brasil

LITURGIA DIÁRIA

Primeira leitura (Atos dos Apóstolos 22,30; 23,6-11)

Salmo (Salmos 15)

Evangelho (João 17,20-26)

Evangelho (João 17,20-26)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos ao céu e rezou, dizendo:
20“Pai santo, eu não te rogo somente por eles, mas também por aqueles que vão crer em mim pela sua palavra; 21para que todos sejam um como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, e para que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste.
22Eu dei-lhes a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um: 23eu neles e tu em mim, para que assim eles cheguem à unidade perfeita e o mundo reconheça que tu me enviaste e os amaste, como me amaste a mim. 24Pai, aqueles que me deste, quero que estejam comigo onde eu estiver, para que eles contemplem a minha glória, glória que tu me deste porque me amaste antes da fundação do universo. 25Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu te conheci, e estes também conheceram que tu me enviaste.
26Eu lhes fiz conhecer o teu nome, e o tornarei conhecido ainda mais, para que o amor com que me amaste esteja neles, e eu mesmo esteja neles”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Conhecer o Pai é permanecer no amor

Nestas palavras de Jesus, conclusivas de sua oração, sucedem-se os temas da "glória", da "unidade" e do "amor". Conhecer o Pai é permanecer no amor com que ele ama o Filho, no que o Pai é glorificado. A unidade é fruto do amor. Jesus reza para que todos sejam um, no amor, o que significa unidade no gozo da vida. O maior escândalo, no mundo, que fere a unidade, é a divisão entre pobres e ricos. Os "muros da vergonha" não são só de pedra ou de concreto. A sociedade dividida pelo muro ideológico e econômico que favorece a abundância de uma minoria e relega a maioria à privação e à precariedade de vida ofende a Deus. A oração pela unidade impulsiona, hoje, os discípulos de Jesus, em uma união ecumênica, a se empenharem, solidariamente e com amor, na remoção de toda barreira que leve à qualquer forma de exclusão e atentado à vida.
 
José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Bem-aventurado José de Anchieta

Nascido nas Ilhas Canárias, pertencente a uma grande família de 12 irmãos, o santo de hoje viveu no século XVI.
Por motivos de estudo, foi enviado para Coimbra – Portugal, local onde teve o primeiro contato com a Companhia de Jesus e com o testemunho de São Francisco Xavier.

Muitas coisas o levaram a discernir seu chamado à vida religiosa, e aos 17 anos diante de uma imagem de Nossa Senhora, ele fazia o seu compromisso de abandonar tudo e servir a Deus.

Anchieta entrou na Companhia de Jesus em 1551, fez um noviciado exigente, e mesmo com a saúde frágil fez os seus votos de castidade, pobreza e obediência, em 1553. Neste mesmo ano foi enviado para o Brasil, e chegando na Terra de Santa Cruz ele pôde evangelizar.

Ainda não era sacerdote. Estudava Filosofia, Teologia, e sempre evangelizando, dando aulas, indo ao encontro dos indígenas. Respeitava a cultura do povo, conheceu a língua Tupi-Guarani para melhor evangelizar.

Homem fiel à santa doutrina, à sua congregação e acima de tudo, fiel ao Espírito Santo.

Esteve em diversos lugares do Brasil, como São Paulo, Rio de janeiro, Espírito Santo, Bahia etc. Consumia-se na missão.

José de Anchieta é um modelo para todos os tempos, para uma nova evangelização no poder do Espírito Santo e com profundo respeito a quem nos acolhe, a quem é chamado também a ser inteiro de Jesus.

Bem-aventurado José de Anchieta, rogai por nós!

LITURGIA DIÁRIA


Primeira leitura (Atos dos Apóstolos 20,28-38)

Salmo (Salmos 67)

Evangelho (João 17,11b-19)

Evangelho (João 17,11b-19)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos para o céu e rezou, dizendo:
11b“Pai santo, guarda-os em teu nome, o nome que me deste, para que eles sejam um assim como nós somos um. 12Quando eu estava com eles, guardava-os em teu nome, o nome que me deste. Eu os guardei e nenhum deles se perdeu, a não ser o filho da perdição, para se cumprir a Escritura.
13Agora, eu vou para junto de ti, e digo estas coisas, estando ainda no mundo, para que eles tenham em si a minha alegria plenamente realizada. 14Eu lhes dei a tua palavra, mas o mundo os rejeitou, porque não são do mundo, como eu não sou do mundo. 15Não te peço que os tires do mundo, mas que os guardes do Maligno. 16Eles não são do mundo, como eu não sou do mundo.
17Consagra-os na verdade; a tua palavra é verdade. 18Como tu me enviaste ao mundo, assim também eu os enviei ao mundo. 19Eu me consagro por eles, a fim de que eles também sejam consagrados na verdade”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.




Comentário do Evangelho

Jesus pede ao Pai que guarde os discípulos

Em continuidade à sua oração de glorificação ao Pai, após a ceia, Jesus pede ao Pai que guarde os discípulos. Os temas fundamentais do evangelho de João reaparecem nesta oração, sob novas luzes e articulações. O tema dominante da oração é o dom da vida eterna aos discípulos que permanecem em comunhão com Jesus, no que se manifesta a glória do Pai. Esta comunhão é mantida pelo vínculo da unidade, que Jesus pede ao Pai: "...que eles sejam um, como nós somos um". Enquanto presente entre os discípulos, Jesus os guardava, com a sua palavra, mantendo esta unidade. Agora pede ao Pai que, na sua ausência, os guarde também no mundo. Os discípulos foram escolhidos no mundo e foram libertados do mundo aprisionado por seu chefe maligno. Mas devem aí permanecer enviados para libertar o mundo pelo anúncio da verdade e pela prática do amor que comunica a vida que dura para sempre.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Medardo

São Medardo

Medardo nasceu no ano 457 em Salency, norte da França. Sua mãe era descendente de uma antiga e tradicional família romana, seu pai era um nobre da corte francesa e seu irmão Gildardo foi bispo de Rouen, mais tarde canonizado pela Igreja. Essa posição social garantiu-lhe uma educação de primeiro nível. Desde criança foi colocado sob a tutela do bispo de Vermand, para receber uma aprimorada formação intelectual e religiosa.

Piedoso e inteligente, logo se evidenciaram seus dons de caridade e humildade, com atitudes que depois eram comentadas por toda a cidade. Ele chegava a ficar sem comer para alimentar os famintos e, certa feita, tirou a roupa do corpo para dá-la a um velhinho cego e quase despido que lhe pediu uma esmola.

Medardo ordenou-se sacerdote aos trinta e três anos e imediatamente começou uma carreira de pregador que ficaria famosa pelos séculos seguintes. No ano 530, sucedeu o bispo de Noyon, sendo consagrado pelas mãos do bispo de Reims, Remígio, hoje santo, o qual era também conselheiro do rei Clotário, embora este ainda não tivesse se convertido, mas tolerava o cristianismo.

Foi pelas mãos do bispo Medardo que a rainha Radegunda tomou o hábito beneditino. Ela que abandonara o próprio rei Clotário, acusado de fratricídio. Aquela situação delicada não intimidou Medardo, que colocou sua vida em jogo para amparar a rainha cristã, que por motivos políticos fora obrigada a coabitar com um rei pagão. A história conta que Radegunda fundou um mosteiro beneditino, aliás o primeiro a cuidar de doentes, no caso os leprosos.

Mais tarde, quando Medardo já era conhecido como eficiente e contagiante pregador, recebeu do rei Clotário, então convertido, e do conselheiro, o bispo Remígio, o pedido de socorrer uma comunidade vizinha, ainda impregnada de paganismo, a diocese de Tournay.

Dirigiu as duas ao mesmo tempo, de forma perfeita, e converteu tanta gente de Tournay que, pelos quinhentos anos seguintes, elas seguiram sendo uma só diocese.

Mas não parou por aí. A província de Flandres, altamente influenciada pela filosofia dos gregos, tinha um índice de pagãos maior ainda. Novamente, Medardo foi solicitado. Quando morreu em Noyon, no dia 8 de junho em 545, toda aquela província também era católica.

A sua morte foi muito sentida e imediatamente seu culto foi difundido por toda a França, espalhando-se por todo o mundo católico. O rei Clotário mandou trasladar suas relíquias de Noyon para a capital, Soisson, onde, sobre sua sepultura, o sucessor mandou erguer uma abadia, que existe até hoje na França.

São Medardo, rogai por nós!


Começa a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2011



A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SOUC) começou no último domingo, dia 5. A iniciativa, que tem como principal objetivo reunir irmãos de fé em prol da unidade cristã deve movimentar igrejas em todo o Brasil. O Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), em nota assinada pelo seu presidente, o bispo de Chapecó (SC), dom Manoel João Francisco, e pelo secretário geral, reverendo Luiz Alberto Barbosa, anima o engajamento de todas as comunidades na SOUC.

LITURGIA DIÁRIA


Primeira leitura (Atos dos Apóstolos 20,17-27)

Salmo (Salmos 67)

Evangelho (João 17,1-11a)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus ergueu os olhos ao céu e disse: “Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho te glorifique a ti, 2e, porque lhe deste poder sobre todo homem, ele dê a vida eterna a todos aqueles que lhe confiaste.
3Ora, a vida eterna é esta: que eles te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e àquele que tu enviaste, Jesus Cristo. 4Eu te glorifiquei na terra e levei a termo a obra que me deste para fazer. 5E agora, Pai, glorifica-me junto de ti, com a glória que eu tinha junto de ti antes que o mundo existisse.
6Manifestei o teu nome aos homens que tu me deste do meio do mundo. Eram teus, e tu os confiaste a mim, e eles guardaram a tua palavra. 7Agora eles sabem que tudo quanto me deste vem de ti, 8pois dei-lhes as palavras que tu me deste, e eles as acolheram, e reconheceram verdadeiramente que eu saí de ti e acreditaram que tu me enviaste.
9Eu te rogo por eles. Não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. 10Tudo o que é meu é teu e tudo o que é teu é meu. E eu sou glorificado neles. 11aJá não estou no mundo, mas eles permanecem no mundo, enquanto eu vou para junto de ti”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A glória do Pai é o cumprimento da missão de Jesus

Neste texto temos o início da expressiva e sublime oração de Jesus ao Pai, no capítulo 17 de João. É a oração da glória do Pai e de Jesus, gloria esta que consiste na comunicação da filiação divina com o dom da vida eterna àqueles que estão unidos a Jesus. A glória do Pai é o cumprimento da missão de Jesus, anunciada no Prólogo do evangelho: "a todos que o receberam deu o poder de se tornarem filhos de Deus..." (Jo 1,12). É a realização da obra do Pai. Jesus, glorificado em seus discípulos, ausenta-se do mundo. Mas os discípulos permanecem no mundo. Cabe aos discípulos, como filhos de Deus, darem continuidade à obra do Pai, realizada por Jesus, comunicando amor e vida ao mundo.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Pedro de Córdova

O santo de hoje viveu num tempo de grande perseguição. Foi no século IX, no ano de 851: um rei de outra religião estava impondo para os cristãos a renúncia de Cristo e a adesão a tal outra religião. Claro que muitos optaram pela fidelidade a Jesus, mesmo em meio às ameaças e perseguições.

Pedro, fiel leigo, que foi para Córdova junto com outro amigo por causa dos estudos, deparou-se com aquela perseguição. Eles se apresentaram a um juiz, que questionou a fé daqueles cristãos. E Pedro respondeu testemunhando Jesus Cristo, falando sobre a verdadeira religião, da Salvação, do único Salvador. Aquele juiz não aceitou os argumentos e condenou Pedro e seus companheiros ao martírio.

Eles foram com alegria, testemunhando a esperança da ressurreição. Foram degolados e depois tiveram seus corpos dependurados e queimados, e ainda tiveram suas cinzas lançadas num rio, para que ninguém os venerasse.

Diante do testemunho desses mártires, peçamos a Deus a graça da fidelidade.

São Pedro de Córdova e companheiros, rogai por nós!

LITURGIA DIÁRIA



Primeira leitura (Atos dos Apóstolos 19,1-8)

Salmo (Salmos 67)

Evangelho (João 16,29-33)

Evangelho (João 16,29-33)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 29os discípulos disseram a Jesus: “Eis, agora falas claramente e não usas mais figuras. 30Agora sabemos que conheces tudo e que não precisas que alguém te interrogue. Por isto cremos que vieste da parte de Deus”. 31Jesus respondeu: “Credes agora? 32Eis que vem a hora – e já chegou – em que vos dispersareis, cada um para seu lado, e me deixareis só. Mas eu não estou só; o Pai está comigo. 33Disse-vos estas coisas para que tenhais paz em mim. No mundo, tereis tribulações. Mas, tende coragem! Eu venci o mundo!”

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Perceber a presença de Jesus nos pobres e excluídos

Jesus, percebendo as dúvidas dos discípulos, esclarecera-os quanto à sua fala sobre ausência e o seu retorno. Os discípulos, em um momento de entusiasmo, dizem ver que Jesus, como que dotado de clarividência divina, conhece tudo e até as perguntas que lhe querem fazer e afirmam acreditar que Jesus saiu de junto de Deus. Jesus questiona-lhes esta fé que se confessa diante de manifestações de poder. São dois caminhos opostos: o do messias poderoso e o caminho da cruz. O messias significa a competição neste mundo de poder. O caminho da cruz, seguido por Jesus, significa a solidariedade e o serviço aos pobres oprimidos e explorados, que suscita a repressão violenta dos poderosos. Jesus faz, então, a previsão de seu abandono pelos discípulos. Porém deixa suas palavras que comunicam paz e coragem. Em um mundo que provoca aflições, os discípulos, com coragem, podem confiar em Jesus que venceu este mundo pelo amor. A fé não se confirma pelas manifestações de poder, mas pelas manifestações de amor principalmente entre os pequeninos e fracos. O grande ato de fé é perceber a presença de Jesus entre os pobres e excluídos comunicando-lhes e sustentando-lhes a vida.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Norberto

Neste dia, lembramos a vida de santidade do fundador da Ordem dos Premonstratenses, conhecidos também como os Monges Brancos. São Norberto nasceu na Alemanha, em 1080, numa família nobre e de muita influência.

Jovem simpático, elegante, dado aos esportes, à caça, à vaidade e aos jogos da época. Era considerado um homem de Igreja, porém, na vida não testemunhava o seguimento ao Cristo. Aconteceu que, certa vez, ao passear de cavalo pegou um temporal que atingiu seu animal com um forte raio, que o matou e lançou o santo no chão desacordado. Ao voltar em si, tomou consciência pela graça divina do triste estado em que andava sua alma. A partir deste fato, entrou num forte processo de conversão.

São Norberto renunciou tudo aquilo que o afastava de Deus e dos irmãos, trocando toda sua riqueza pela pobreza de um pregador penitente e itinerante. Tornou-se sacerdote e monge. Muitas vezes, foi perseguido pelas suas fervorosas pregações, mas em tudo teve a bênção do Papa, tanto assim que foi escolhido e ordenado Bispo, e em seguida Arcebispo de Magdeburgo. Morreu com 54 anos, sendo considerado o maior reformador do século XII.

São Norberto, rogai por nós!

LITURGIA DIÁRIA

Primeira leitura (Atos dos Apóstolos 1,1-11)

Segunda leitura (Efésios 1,17-23)

Salmo (Salmos 46)

Evangelho (Mateus 28,16-20)

Evangelho (Mateus 28,16-20)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 16os onze discípulos foram para a Galileia, ao monte que Jesus lhes tinha indicado. 17Quando viram Jesus, prostraram-se diante dele. Ainda assim alguns duvidaram.
18Então Jesus aproximou-se e falou: “Toda a autoridade me foi dada no céu e sobre a terra. 19Portanto, ide e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, 20e ensinando-os a observar tudo o que vos ordenei! Eis que estarei convosco todos os dias, até o fim do mundo”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Os discípulos recebem de Jesus o mandato

Maria Madalena e a outra Maria chegando ao túmulo de Jesus, ao raiar do primeiro dia da semana, encontraram um anjo que lhes anuncia que Jesus não está ali, pois ressuscitou. E o anjo completa dizendo-lhes que Jesus precedia os discípulos na Galiléia, para onde eles deveriam se dirigir. A seguir o próprio Jesus vem ao encontro delas e também lhes comunica que elas devem anunciar aos discípulos que se dirijam para a Galiléia (Mt 28,1-10). O retorno dos discípulos à Galiléia, que é mencionado também nos evangelhos de Marcos e João, indica a continuidade da missão aí inaugurada por Jesus. Na Galiléia, encontram Jesus na montanha. Na montanha Moisés recebera de Deus os mandamentos da Lei para o povo de Israel. Por sua vez, sobre a montanha Jesus proclamara às multidões os mandamentos das bem-aventuranças. Agora, na montanha os discípulos recebem de Jesus o mandato para a missão a todas as nações gentílicas. O contexto indica que o ressuscitado é o próprio Jesus de Nazaré, que continua presente entre os discípulos, até o fim dos tempos. A missão vai gerar novos discípulos. A iniciação do discipulado se dá com o batismo. João Batista deixou a marca do seu anúncio do batismo para a conversão à prática da justiça que supera o pecado. Jesus assumiu, no Espírito Santo, o batismo de João como a expressão do amor de Deus e a integração na vida divina. Jesus, que iniciara seu magistério com o batismo de João, agora envia os discípulos a batizarem em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Em sua missão os discípulos serão iluminados pelo Espírito Santo, que é o espírito da verdade que Deus infunde nos corações (cf. segunda leitura). A missão se dará em um mundo dominado pelos poderosos que se enriquecem cada vez mais, insensíveis exploradores dos pobres que produzem as riquezas. Os discípulos são enviados para testemunhar o que receberam de Jesus, tudo que ele havia ordenado. É a continuidade do ministério de Jesus de Nazaré. Ao longo dos sucessos ou das dificuldades, os discípulos terão a presença confortante de Jesus, até o fim dos tempos. De maneira diferenciada dos demais evangelistas, no evangelho de Lucas (Lc 24,49-53) e em Atos dos Apóstolos (primeira leitura), a recomendação é de que os discípulos permaneçam em Jerusalém, e a subida aos céus acontece ou em Betânia (Lc 24,50) ou no monte das Oliveiras, nas vizinhanças de Jerusalém (At 1,12). Com isto Lucas privilegia a comunidade de Jerusalém em seu papel centralizador nas origens da Igreja.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Bonifácio

Com alegria, celebramos vida de total entrega a Deus, deste santo que se tornou o "Apóstolo da Alemanha". São Bonifácio nasceu em 675 e recebeu o nome de batismo de Winfrido e com o passar da vida, no seguimento ao Divino Mestre, tornou-se monge beneditino.

O coração de Bonifácio era sereno como o dos seus irmãos monges, porém, inquieto por causa do seu ardor missionário, sendo assim ao se apresentar ao Papa recebeu sua investidura de missionário, fato que mudou sua vida e seu nome de Winfrido para Bonifácio, em memória de um grande mártir. Ordenado Bispo, São Bonifácio soube proporcionar elo do Cristianismo nascente na Alemanha com Roma, assim como bem evangelizou os quatro cantos de sua região, através de muitos mosteiros e dioceses que nasceram por sua causa.

Docilidade e firmeza, timidez e coragem, oração e ação estavam presentes em sua pessoa e em seu fecundo apostolado, que não se resumiu na Alemanha, pois ao estabelecer sede episcopal, deixou tudo nas mãos de outro Bispo e foi evangelizar o Norte da Europa. Aconteceu que ao ir para Dokkin a convite para celebrar o Crisma, São Bonifácio e outros cristãos foram atacados e mortos por pagãos, isso em 754.

São Bonifácio, rogai por nós!