Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Evangelho (João 15,9-17)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 9Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor.
11E eu vos disse isto, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena. 12Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei. 13Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos. 14Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. 15Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai.
16Não fostes vós que me es¬colhestes, mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e para que produzais fruto e o vosso fruto permaneça. O que então pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo concederá. 17Isto é o que vos ordeno: amai-vos uns aos outros.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

"Amai-vos uns aos outros como vos amei"

Após comparar com os ramos que permanecem vivos ligados à videira, Jesus insiste na permanência dos discípulos em seu amor, repetindo o convite:. "Amai-vos uns aos outros como vos amei" (cf. 9 mai). O amor misericordioso e irrestrito, testemunhado e anunciado por Jesus, é novidade absoluta para o judaísmo e demais religiões de seu tempo. E todos são convidados a comungar neste amor. Jesus, ao dar-nos a conhecer o Pai, se faz nosso amigo, descartando o título de Senhor (kyrios). Pela nossa comunhão em seu amor nos concede a filiação divina e a vida eterna. A escolha de Jesus é universal. Quem a acolhe é chamado a dar frutos. Dar frutos é viver o amor de Jesus na comunidade e na missão. A perseverança da comunidade na oração e no amor lhe dá a confiança de que o Pai levará a missão ao sucesso.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Matias

Nós estamos em festa com toda a Igreja, pois lembramos a santidade de vida de um escolhido do Espírito Santo para o grupo dos apóstolos. São Matias era um discípulo que acompanhou Jesus no tempo de Seu apostolado e foi tão fiel na vivência dos ensinamentos do Mestre, que tornou-se testemunha de Sua ressurreição.

No livro dos Atos dos Apóstolos, estão registrados os fatos que levaram à escolha de um discípulo que ocupasse o lugar deixado por Judas, o traidor: "...é preciso, pois, que um dentre eles se torne conosco testemunha de sua ressurreição. Apresentaram então dois homens: José chamado Barsabás, que tinha o apelido de Justo, e Matias" (Atos 1,22-23).

São Matias recebeu em Pentecostes a efusão do Espírito Santo, e tornou-se um apóstolo ardoroso como os demais, testemunha do Ressuscitado. Evangelizou na Palestina e na Ásia Menor, e morreu mártir por apedrejamento.

São Matias, rogai por nós!

Reunião do Terço dos Homens Mãe Rainha Mossoró

Convidamos todos os Coordenadores do Terço dos Homens Mãe Rainha de Mossoró para reunião que ocorrerá no próximo sábado, dia 14/05/2011 às 15h. na Casa da Mãe Rainha localizada a rua Marechal Hermes, 345 - Bom Jardim Mossoró-RN, a reunião é aberta a todos os membros do Terço. Participem

Coordenação Diocesana

Paróquia de Nossa Senhora de Fatima Mossoró-RN

Caríssimos e amados irmãos e devotos de Nossa Senhora de Fátima,

Paz e bem!

Quando tudo parece monótono e repetitivo, surgem os momentos e acontecimentos da vida. A nossa festa, este ano, é um momento especial e nos fará participar de um acontecimento maravilhoso: a criação da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima.
A alegria deste momento presente nos faz crer e esperar num futuro de paz e serenidade para nossa comunidade. Ao mesmo tempo, rendemos um tributo de agradecimento a todos aqueles que, no passado, sonharam e fizeram acontecer esta comunidade. Que Maria nos ensine o catecismo e que nós possamos aprender para ensinar a todos a colher, amar, servir e perdoar.
Que o Pai de Jesus Cristo nos abençoe por intermédio da virgem de Fátima.

Padre Severino Claudino Alves
e comissão.

Hoje dia 13 às

16:30h   Procissão
18:00h   Celebração Eucarística e criação da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima.
              Celebrante Dom Mariano Manzana
20:30h Famil Fest - BAND'IRIA

Evangelho (João 6,52-59)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 52os judeus discutiam entre si, dizendo: “Como é que ele pode dar a sua carne a comer?” 53Então Jesus disse: “Em verdade, em verdade vos digo, se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. 54Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. 55Porque a minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida. 56Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. 57Como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo por causa do Pai, assim o que me come viverá por causa de mim. 58Este é o pão que desceu do céu. Não é como aquele que os vossos pais comeram. Eles morreram. Aquele que come este pão viverá para sempre”. 59Assim falou Jesus, ensinando na sinagoga em Cafarnaum.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O alimento de Jesus é fazer a vontade do Pai

Os judeus discutem depois de Jesus declarar: "o pão que eu darei é a minha carne, entregue pela vida do mundo". A seguir, a fala de Jesus apresenta bastante semelhança com a estrutura do memorial eucarístico. Nesta fala o evangelista pode estar usando as próprias formulações das celebrações litúrgicas feitas em suas comunidades. Depois da identificação metafórica com o pão, Jesus faz alusão à sua própria carne. O prólogo do evangelho já o anunciara: "E o verbo se fez carne e habitou entre nós" (1,14). Carne e sangue significam a realidade concreta, histórica, de Jesus que é dom para todos. Sua presença, seu toque, sua palavra comunicam vida. O alimento de Jesus é fazer a vontade do Pai. Jesus, com sua presença e sua palavra, é o alimento que nos move ao cumprimento da vontade do Pai, participando da sua vida eterna.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Nossa Senhora de Fátima

Segundo as memórias da Irmã Lúcia, podemos dividir a mensagem de Fátima em três ciclos: Angélico, Mariano e Cordimariano.

O Ciclo Angélico se deu em três momentos: quando o anjo se apresentou como o Anjo da Paz, depois como o Anjo de Portugal e, por fim, o Anjo da Eucaristia.

Depois das aparições do anjo, no dia 13 de maio de 1917, começa o ciclo Mariano, quando a Santíssima Virgem Maria se apresentou mais brilhante do que o sol a três crianças: Lúcia, 10 anos, modelo de obediência e seus primos Francisco, 9, modelo de adoração e Jacinta, 7, modelo de acolhimento.

Na Cova da Iria aconteceram seis aparições de Nossa Senhora do Rosário. A sexta, sendo somente para a Irmã Lúcia, assim como aquelas que ocorreram na Espanha, compondo o Ciclo Cordimariano.

Em agosto, devido às perseguições que os Pastorinhos estavam sofrendo por causa da mensagem de Fátima, a Virgem do Rosário não pôde mais aparecer para eles na Cova da Iria. No dia 19 de agosto ela aparece a eles então no Valinhos.

Algumas características em todos os ciclos: o mistério da Santíssima Trindade, a reparação, a oração, a oração do Santo Rosário, a conversão, a consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria. Enfim, por intermédio dos Pastorinhos, a Virgem de Fátima nos convoca à vivência do Evangelho, centralizado no mistério da Eucaristia. A mensagem de Fátima está a serviço da Boa Nova de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A Virgem Maria nos convida para vivermos a graça e a misericórdia. A mensagem de Fátima é dirigida ao mundo, por isso, lá é o Altar do Mundo.

Expressão do Coração Imaculado de Maria que, no fim, irá triunfar é a jaculatória ensinada por Lúcia: "Ó Meu Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do Inferno, levai as almas todas para o Céu; socorrei principalmente as que mais precisarem!"

Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

Evangelho (João 6,44-51)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 44“Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o atrai. E eu o ressuscitarei no último dia. 45Está escrito nos Profetas: ‘Todos serão discípulos de Deus’. Ora, todo aquele que escutou o Pai e por ele foi instruído, vem a mim. 46Não que alguém já tenha visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai. 47Em verdade, em verdade vos digo, quem crê possui a vida eterna.
48Eu sou o pão da vida. 49Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. 50Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer, nunca morrerá. 51Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus com o Pai, em comunhão

Jesus se revela como aquele enviado pelo Pai para cativar as pessoas com o dom do amor. Está descartada a imposição da obediência cega à Lei, como exigiam os chefes religiosos das sinagogas e do Templo. Deus é comunhão de vida, expressa pelo conceito tradicional trinitário, Pai, Filho, Espírito Santo/Amor. O evangelho de João prima por registrar com freqüência a união de Jesus com o Pai em comunhão de conhecimento e amor. É a comunhão da vida divina que é comunicativa e irradiante. O ensinamento do Pai é o caminho do amor e da vida. E Jesus é o próprio caminho e pela adesão de fé e de fato a Jesus somos acolhidos na vida eterna.Dirigindo-se aos judeus Jesus fala nos "vossos pais" que "comeram o maná no deserto..." Assim Jesus se exclui desta descendência judaica. Ele vem como o pão vivo descido do céu, encarnado no mundo e na história. Ë o pão oferecido a todos sem discriminações ou exclusões, para que todos tenham vida e vida eterna.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Nereu, Aquiles e Pancrácio

Celebramos a santidade de vida de três mártires da fé, que causaram grande impacto no Cristianismo, já que deram sua vida por amor ao Cristo: Nereu, Aquiles e Pancrácio.

Nereu e Aquiles viveram no século III. Foram severamente torturados e morreram durante a perseguição militar, com a qual deu início a era de Diocleciano. Uma das marcantes representações de martírio, é a gravura de Santo Aquiles atingido pelo verdugo.

Sobre Pancrácio, sabemos que herdou dos pais a fé, coragem e admiração pelo imperador. Agora, ao tornar-se órfão, teve que morar com um santo tio chamado Dionísio, que morreu mártir antes do sobrinho. Diante da perseguição promovida pelo imperador, Pancrácio, que era muito jovem, começou a ver pessoas testemunhando Jesus até o sangue, como o seu tio e amigo.

Persuadido pelo próprio imperador, que recordava o amor aos pais, São Pancrácio manteve-se fiel a Jesus, mesmo diante das promessas e ameaças de morte.

Portanto, com apenas 15 anos, São Pancrácio soube dizer ‘não’ ao poder opressor e ‘sim’ à Vida Eterna, na qual entrou depois de ser decapitado, ou seja, martirizado com Nereu e Aquiles.

Santos Nereu, Aquiles e Pancrácio, rogai por nós!

PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA MOSSORÓ-RN


Dia 13 de maio de 2011, a Diocese de Mossoró ganha sua 30ª paróquia,a de Nossa Senhora de Fátima, no bairro Abolição II, em Mossoró. Uma procissão com a imagem de Nossa Senhora de Fátima, às 16:30 horas, seguida de Celebração Eucarística, às 18 horas, marcarão a elevação da Área Pastoral Nossa Senhora de Fátima à condição de Paróquia. A celebração será presidida pelo nosso Bispo Diocesano, Dom Mariano Manzana. A 30ª paróquia da Diocese de Mossoró terá como responsável padre Severino Claudino, atual responsável pela Área Pastoral, que assumirá o comando da nova paróquia.

A implantação da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima terá um significado a mais para as comunidades dos bairros Abolições,Três Vitens e as comunidades rurais do Senegal, Bom Destino, Alagoinha, Lajedo, Coqueiro, Montana e Arisco, pois marca aedição 2011 da Festa de Nossa Senhora de Fátima e a reforma pela qual passou a Igreja. “ A nossa festa, este ano, é um momento especial e nos fará participar de um acontecimento maravilhoso: a criação da paróquia “, afirma padre Severino Claudino.Em setembro, a Diocese implantará a sua 31ª Paróquia do Menino Jesus de Praga, no bairro Santa Delmira.

Fonte:
http://diocesedemossoro.blogspot.com/

Evangelho (João 6,35-40)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 35“Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede. 36Eu, porém, vos disse que vós me vistes, mas não acreditais. 37Todos os que o Pai me confia virão a mim, e quando vierem, não os afastarei.
38Pois eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. 39E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. 40Pois esta é a vontade do meu Pai: que toda pessoa que vê o Filho e nele crê tenha a vida eterna. E eu o ressuscitarei no último dia”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.




Comentário do Evangelho

Crer em Jesus é comungar com ele

Nos dias desta terceira semana do tempo pascal vêm sendo lidos sucessivos trechos da longa fala de Jesus em Cafarnaúm, após a partilha do pão com as multidões do outro lado do mar da Galiléia. O tema da fala é o "pão". No pão está representado o alimento que sustenta a vida neste mundo. Trabalha-se para ganhar o pão e sobreviver. Porém é importante trabalhar não só pelo alimento que perece mas também pelo alimento que permanece na vida eterna. Jesus afirmando-se ser o pão da vida revela-se como aquele que comunica a vida eterna. Jesus trabalha na obra de Deus que é resgatar e promover a vida sobre neste mundo. Crer em Jesus e ir a ele é comungar com ele na obra do Deus Pai. Alcança-se assim a vida eterna, onde não há mais fome nem sede. Alimentar-se de Jesus é crer nele e assimilar o seu amor e sua prática de serviço, partilha, e doação. Alcança-se, assim, a vida eterna, permanecendo-se na comunhão com Deus ao terminar o percurso do caminho neste mundo, no último dia.
 
José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Inácio de Láconi

Francisco Inácio Vincenzo Peis, o segundo de nove irmãos, nasceu na cidade de Láconi, Itália, no dia 17 de novembro de 1701. Seus pais eram muito pobres, mas ricos de virtudes humanas e cristãs, educando os filhos no fiel seguimento de Jesus Cristo.

Inácio, desde a infância, sentiu um forte chamado para a vida religiosa. Possuía dons especiais de profecia, de cura e um forte carisma. Costumava praticar severas penitências, mantendo seu espírito sereno e alegre, em estreita comunhão com Cristo.

Antes de completar os vinte anos de idade, ele adoeceu gravemente e por duas vezes quase morreu. Nessa ocasião, decidiu que seguiria os passos de São Francisco de Assis e se dedicaria aos pobres e doentes, se ficasse curado. E assim o fez. Foi para a cidade de Cagliari para viver entre os frades capuchinhos do Convento do Bom Caminho. Mas não pôde ser aceito, devido à sua frágil saúde. Depois de totalmente recuperado, em 1721, vestiu o hábito dos franciscanos.

Frei Inácio de Láconi, como era chamado, foi enviado para vários conventos e, após quinze anos, retornou ao Convento do Bom Caminho em Cagliari, onde permaneceu em definitivo. Ali, ficou encarregado da portaria, função que desempenhou até à morte. Tinha o verdadeiro espírito franciscano: exemplo vivo da pobreza, entretanto de absoluta disponibilidade aos pobres, aos desamparados, aos doentes físicos e aos doentes espirituais, ou seja, aos pecadores, muitos dos quais conseguiu recolocar no caminho cristão.

Durante seus últimos cinco anos de vida, Inácio ficou completamente cego. Mesmo assim continuou cumprindo com rigor a vida comum com todos os regulamentos do convento. Morreu no dia 11 de maio de 1781. Depois da morte, a fama de sua santidade se fortaleceu com a relação dos milagres alcançados pela sua intercessão.

Frei Inácio de Láconi foi beatificado pelo Papa Pio XII em 1940 e depois canonizado por este mesmo Santo Padre em 1951. O dia designado para sua celebração litúrgica foi o de sua morte: 11 de maio.

Santo Inácio de Láconi, rogai por nós!

Evangelho (João 6,30-35)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, a multidão perguntou a Jesus: 30Que sinal realizas, para que possamos ver e crer em ti? Que obras fazes? 31Nossos pais comeram o maná no deserto, como está na Escritura: ‘Pão do céu deu-lhes a comer’”.
32Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade vos digo, não foi Moisés quem vos deu o pão que veio do céu. É meu Pai que vos dá o verdadeiro pão do céu. 33Pois o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo”.
34Então pediram: “Senhor, dá-nos sempre desse pão”. 35Jesus lhes disse: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O verdadeiro pão é Jesus

A multidão vê os sinais e a manifestação de amor de Jesus e não entende. Entendiam do extraordinário maná caído do céu para alimentar o povo com Moisés no deserto. Mas não entendem o amor libertador de Jesus, na humildade, no serviço, na partilha e na fraternidade. A tradição do maná ("pão") caído do céu está superada. O maná é alimento para um só dia, não salva da morte. O verdadeiro pão é Jesus que dá a vida eterna. No diálogo com a mulher samaritana (Jo 4,11-15) Jesus se revela como o doador da água (o Espírito) que se torna fonte que jorra para a vida eterna. E a mulher, sem entender bem, lhe diz: "Senhor, dá-me dessa água, para que eu não tenha mais sede...". Agora, diante da multidão, Jesus diz que é o Pai quem dá o verdadeiro pão, que desce do céu e dá vida ao mundo. Eles, também sem entender bem, lhe dizem: "Senhor, dá-nos sempre deste pão!". Em resposta, Jesus se revela: "Eu sou o pão da vida...". Não ter mais fome, nunca mais ter sede é a participação na eternidade do Pai. Na comunhão com Jesus e com os irmãos encontramos a vida eterna.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Antonino

Neste dia, lembramos um grande santo que nasceu na Itália, no ano de 1389, cujo nome de batismo era Antônio (e que ficou conhecido como Antonino devido sua estatura). Pertencente a uma família nobre, Antonino caminhou para os estudos de Direito, mas devido ao forte chamado do Senhor, tomou a decisão de ser religioso.

Encontrou certa dificuldade para ingressar nos Dominicanos, mas com humildade e perseverança superou as barreiras e expectativas, pois por sua radicalidade na vivência do Evangelho tornou-se um exemplo como religioso. Obediente à regra e perseverante, começou a ocupar grandes responsabilidades de serviço chegando a Superior.

Convocado pelo Papa, Antonino, o pequeno gigante, foi chamado para ser Bispo e logo Arcebispo de Florença. Cheio do Espírito Santo, trabalhou com prudência e energia contra tudo o que atrapalhava as famílias e por isso sofreu muito, mas por uma causa justa, ou seja, para levar muitos para Deus. Entrou na Igreja triunfante com 70 anos.

Santo Antonino, rogai por nós!

Evangelho (João 6,22-29)

 O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Depois que Jesus saciara os cinco mil homens, seus discípulos o viram andando sobre o mar. 22No dia seguinte, a multidão que tinha ficado do outro lado do mar constatou que havia só uma barca e que Jesus não tinha subido para ela com os discípulos, mas que eles tinham partido sozinhos.
23Entretanto, tinham chegado outras barcas de Tiberíades, perto do lugar onde tinham comido o pão depois de o Senhor ter dado graças. 24Quando a multidão viu que Jesus não estava ali, nem os seus discípulos, subiram às barcas e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum.
25Quando o encontraram no outro lado do mar, perguntaram-lhe: “Rabi, quando chegaste aqui?” 26Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, eu vos digo: estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos. 27Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, e que o Filho do homem vos dará. Pois este é quem o Pai marcou com seu selo”. 28Então perguntaram: “Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?” 29Jesus respondeu: “A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Acreditar em Jesus é segui-lo

Esta narrativa vem em sequência às narrativas da partilha do pão na montanha e à caminhada de Jesus sobre as águas. O evangelista João realça a estranheza da multidão que percebeu que Jesus não tinha saído de barco com os discípulos e, contudo, já o encontraram em Cafarnaum, quando para aí voltaram. Daí a curiosidade manifesta na pergunta: "Rabi, quando chegaste aqui?". O pão partilhado foi um sinal do Reino, contudo a multidão, tendo se saciado, pensa em fazer Jesus rei (Jo 6,15). Jesus propõe à multidão que trabalhem pelo alimento que dura para sempre, a vida eterna. Acreditar em Jesus é segui-lo, trabalhando nas obras de Deus, na promoção da vida plena para todos, no amor, na justiça e na paz.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Máximo

Com grande alegria, lembramos São Máximo, bispo de Jerusalém, que entrou para o Martirológio Romano por causa de sua vida de amor a Deus e ao próximo de modo heróico, isto até entrar na glória no ano de 350.

Homem forte, de oração, e responsável no zelo pastoral, São Máximo, pertencente ao clero, já sabia com coragem e sabedoria enfrentar todos os perseguidores romanos. Aconteceu que no seu tempo, começou uma grande perseguição aos cristãos, por isso como modelo e pastor do rebanho foi perseguido, preso, processado e torturado, a ponto de arrancarem-lhe o olho direito e mutilarem-lhe o pé esquerdo, mas nada disso o fez recuar na fé e na fidelidade a Cristo e à Sua Igreja.

Depois da perseguição voltou para Jerusalém e fora aclamado bispo. Desta forma, São Máximo deu seu "máximo" para viver o Evangelho mesmo diante da arrogância dos governantes e hereges que sempre queriam atrapalhar a vida de Igreja de Cristo que é Santa, Una, Católica, Apostólica em suas notas e perseguida em sua história peregrina.
 
São Máximo, rogai por nós!

Evangelho (Lucas 24,13-35)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós!
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

13Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos de Jesus iam para um povoado, chamado Emaús, distante onze quilômetros de Jerusalém.
14Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido. 15Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. 16Os discípulos, porém, estavam como que cegos, e não o reconheceram. 17Então Jesus perguntou: “O que ides conversando pelo caminho?” Eles pararam, com o rosto triste, 18e um deles, chamado Cléofas, lhe disse: “Tu és o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes últimos dias?”
19Ele perguntou: “O que foi?” Os discípulos responderam: “O que aconteceu com Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras, diante de Deus e diante de todo o povo. 20Nossos sumos sacerdotes e nossos chefes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. 21Nós esperávamos que ele fosse libertar Israel, mas, apesar de tudo isso, já faz três dias que todas essas coisas aconteceram! 22É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos deram um susto. Elas foram de madrugada ao túmulo 23e não encontraram o corpo dele. Então voltaram, dizendo que tinham visto anjos e que estes afirmaram que Jesus está vivo. 24Alguns dos nossos foram ao túmulo e encontraram as coisas como as mulheres tinham dito. A ele, porém, ninguém o viu”.
25Então Jesus lhes disse: “Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! 26Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar na sua glória?”
27E, começando por Moisés e passando pelos Profetas, explicava aos discípulos todas as passagens da Escritura que falavam a respeito dele. 28Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Jesus fez de conta que ia mais adiante. 29Eles, porém, insistiram com Jesus, dizendo: “Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando!” Jesus entrou para ficar com eles. 30Quando se sentou à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía. 31Nisso os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram Jesus. Jesus, porém, desapareceu da frente deles. 32Então um disse ao outro: “Não estava ardendo o nosso coração, quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?”
33Naquela mesma hora, eles se levantaram e voltaram para Jerusalém onde encontraram os Onze reunidos com os outros. 34E estes confirmaram: “Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!”
35Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus entre nós

Após a morte de Jesus na cruz seus discípulos sentiram-se frustrados. A sua herança religiosa do Antigo Testamento impedia-lhes que compreendessem Jesus. Suas esperanças fundavam-se no jogo do poder. Um messias, da linhagem de Davi, poderoso, conduziria o povo judeu a uma glória que superaria o poder do império romano. Jesus não foi este messias. Não faltaram repreensões de Jesus aos discípulos neste sentido: "sois sem inteligência e lentos para crer". A partir da frustração do messianismo terreno em Jesus, os discípulos reinterpretaram este messianismo davídico, aplicando-o à ressurreição. O ressuscitado é portador de glória e poder.
A pregação dos apóstolos é feita a partir do anúncio básico da trajetória de Jesus de Nazaré, morto e ressuscitado, e doador do Espírito Santo (primeira leitura - fala de Pedro em Pentecostes). A ressurreição de Jesus significa a sua presença entre nós. É a permanência de Jesus de Nazaré, que em toda sua vida comunicou tanto amor e paz divinos. Ele é reconhecido na partilha do pão. Ele é o pão da vida. É uma presença concreta, que é experimentada na partilha da vida, no amor, vivida em comunidades abertas a todos. Envolvidos pelo amor de Jesus, presente entre nós, somos libertados da "vida fútil" (segunda leitura) herdada desta sociedade de mercado e consumo, estruturada e imposta pelos ricos e poderosos.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Pedro de Tarantásia

Nasceu no ano de 1102 perto de Viena, numa família que buscava a Deus. Com vinte anos ele entrou para a vida religiosa. E mais tarde, seus pais e sua única irmã, também ingressaram na Ordem da qual fazia parte. Todos se tornaram religiosos.

Ele viveu um longo tempo num convento, depois transferido para outro, como superior, nas montanhas de Tarantásia. Ali, na sua vida religiosa, eucarística, mariana e obediente às regras, fundou obras sociais.

Ganhou simpatia e conquistou o coração das autoridades para Cristo. Assim, somando a caridade que reinava em seu coração e a ajuda material de muitos outros, quem era beneficiado era o pobre. Chegou a criar um grande hospital.

São Pedro foi um homem pacificador. Peçamos a intercessão do santo de hoje para que, onde quer que estejamos, sejamos sinais de paz.

São Pedro de Tarantásia, rogai por nós!