Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Evangelho (Mateus 14,1-12)



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.



1Naquele tempo, a fama de Jesus chegou aos ouvidos do governador Herodes. 2Ele disse a seus servidores: “É João Batista, que ressuscitou dos mortos; e, por isso, os poderes miraculosos atuam nele”. 3De fato, Herodes tinha mandado prender João, amarrá-lo e colocá-lo na prisão, por causa de Herodíades, a mulher de seu irmão Filipe.
4Pois João tinha dito a Herodes: “Não te é permitido tê-la como esposa”. 5Herodes queria matar João, mas tinha medo do povo, que o considerava como profeta. 6Por ocasião do aniversário de Herodes, a filha de Herodíades dançou diante de todos, e agradou tanto a Herodes 7que ele prometeu, com juramento, dar a ela tudo o que pedisse.
8Instigada pela mãe, ela disse: “Dá-me aqui, num prato, a cabeça de João Batista”. 9O rei ficou triste, mas, por causa do juramento diante dos convidados, ordenou que atendessem o pedido dela. 10E mandou cortar a cabeça de João, no cárcere. 11Depois a cabeça foi trazida num prato, entregue à moça e esta a levou a sua mãe. 12Os discípulos de João foram buscar o corpo e o enterraram. Depois foram contar tudo a Jesus.





- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


A morte de João Batista



A narrativa do banquete de herodes, onde se decide a morte de João Batista, já feita por Marcos (cf. 5 fev.), é retomada, um pouco reduzida, por Mateus. Em ambos os evangelistas ela antecede a narrativa da partilha do pão de Jesus e os discípulos com a multidão. Esta narrativa pode atender a dois aspectos. Pode-se ver aqui, na articulação do poder em vista da morte do profeta, uma prefiguração da morte de Jesus. Outro aspecto é a contraposição entre este banquete dos poderosos, herodes e os que o cortejam, e a partilha do pão de Jesus com o povo. O banquete dos poderosos, pretendendo ainda comemorar um aniversário, tem como desfecho a opção pela morte. Por outro lado, a partilha do pão com Jesus e a multidão é a festa da fraternidade e da vida.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Inácio de Loyola

Neste dia celebramos a memória deste santo que, em sua bula de canonização, foi reconhecido como tendo "uma alma maior que o mundo".

Inácio nasceu em Loyola na Espanha, no ano de 1491, e pertenceu a uma nobre e numerosa família religiosa (era o mais novo de doze irmãos), ao ponto de receber com 14 anos a tonsura, mas preferiu a carreira militar e assim como jovem valente entregou-se às ambições e às aventuras das armas e dos amores. Aconteceu que, durante a defesa do castelo de Pamplona, Inácio quebrou uma perna, precisando assim ficar paralisado por um tempo; desse mal Deus tirou o bem da sua conversão, já que depois de ler a vida de Jesus e alguns livros da vida dos santos concluiu: "São Francisco fez isso, pois eu tenho de fazer o mesmo. São Domingos isso, pois eu tenho também de o fazer".

Realmente ele fez, como os santos o fizeram, e levou muitos a fazerem "tudo para a maior glória de Deus", pois pendurou sua espada aos pés da imagem de Nossa Senhora de Montserrat, entregou-se à vida eremítica, na qual viveu seus "famosos" Exercícios Espirituais, e logo depois de estudar Filosofia e Teologia lançou os fundamentos da Companhia de Jesus. A instituição de Inácio iniciada em 1534 era algo novo e original, além de providencial para os tempos da Contra-Reforma. Ele mesmo esclarece: "O fim desta Companhia não é somente ocupar-se com a graça divina, da salvação e perfeição da alma própria, mas, com a mesma graça, esforçar-se intensamente por ajudar a salvação e perfeição da alma do próximo".

Com Deus, Santo Inácio de Loyola conseguiu testemunhar sua paixão convertida, pois sua ambição única tornou-se a aventura do salvar almas e o seu amor a Jesus. Foi para o céu com 65 anos e lá intercede para que nós façamos o mesmo agora "com todo o coração, com toda a alma, com toda a vontade", repetia.

Santo Inácio de Loyola, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 13,54-58)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, 54dirigindo-se para a sua terra, Jesus ensinava na sinagoga, de modo que ficavam admirados. E diziam: “De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres? 55Não é ele o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria, e seus irmãos não são Tiago, José, Simão e Judas? 56E suas irmãs não moram conosco? Então, de onde lhe vem tudo isso?” 57E ficaram escandalizados por causa dele. Jesus, porém, disse: “Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!” 58E Jesus não fez ali muitos milagres, porque eles não tinham fé.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho



Jesus agia pela sublimidade do amor



Esta narrativa está presente nos três Evangelhos sinóticos, com o intento de insistir na rejeição de Jesus por parte dos judeus. Lucas, em seu Evangelho, nomeia o local da cena: Nazaré. Mateus, assim como Marcos, diz apenas: "Sua própria terra". Mateus preocupa-se em descrever o ambiente familiar de Jesus. Entre seus "irmãos" está Tiago, que será a figura mais eminente na igreja de Jerusalém. Jesus ensinava com palavras que demonstravam sabedoria. E tinha uma capacidade de agir que transformava as pessoas. Era o resultado de sua "força", sua "energia". "Força", "energia" são o significado de uma palavra grega que foi, tradicionalmente, traduzida por "milagre". Jesus não agia por um grande poder dominador, mas pela sublimidade do amor. Uma sociedade como a nossa, moldada pela ideologia da submissão ao poder, não é sensível e não reconhece o amor. A nossa missão é transformar, cada vez mais, esta sociedade. Isto se dá, vivenciando o amor e os laços de fraternidade que proporcionam a restauração da dignidade de seus membros.
José Raimundo Oliva


A igreja celebra hoje: São Pedro Crisólogo

O santo deste dia nasceu em Ímola, na Itália, no ano de 380 e "aproveitou" sua vida, gastando-se totalmente pelo Evangelho, a ponto de ser reconhecido pela Igreja como Doutor da Igreja (isto se deu em 1729, pelo Papa Bento XIII). São Pedro Crisólogo tinha este nome por ter se destacado principalmente pelo dom da pregação - Crisólogo significa 'O homem da palavra de ouro' (este cognome lhe foi dado a partir do séc IX).



Diante da morte do bispo de Ravena, o escolhido para substituí-lo foi Pedro, que neste tempo vivia num convento, aonde queria oferecer-se como vítima no silêncio; mas os planos do Senhor fizeram dele bispo. Pastor prudente e zeloso da Igreja usou do dom da pregação como instrumento do Espírito para a conversão de pagãos, hereges e cristãos indiferentes na vivência da própria fé.



São Pedro Crisólogo, com o seu testemunho de santidade, conhecimento das ciências teológicas e dom de comunicação venceu a heresia do Monofisismo, a qual afirmava Jesus ter apenas uma só natureza, e não a misteriosa união da natureza divina e humana como o próprio nos revelou. Um homem que tinha o pecado no coração, porém, Pedro lutou com as armas da oração, jejum e mortificações para assim desfrutar e transmitir pela Palavra o tesouro da graça, isto até entrar na Glória Celeste em 450.



São Pedro Crisólogo, rogai por nós!

Evangelho (João 11,19-27)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 19muitos judeus tinham vindo à casa de Marta e Maria para as consolar por causa do irmão. 20Quando Marta soube que Jesus tinha chegado, foi ao encontro dele. Maria ficou sentada em casa.
21Então Marta disse a Jesus: “Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido. 22Mas mesmo assim, eu sei que o que pedires a Deus, ele te concederá”. 23Respondeu-lhe Jesus: “Teu irmão ressuscitará”. 24Disse Marta: “Eu sei que ele ressuscitará na ressurreição, no último dia”.
25Então Jesus disse: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá. 26E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais. Crês isto?” 27Respondeu ela: “Sim, Senhor, eu creio firmemente que tu és o Messias, o Filho de Deus, que devia vir ao mundo”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


Jesus é a ressurreição e a vida

Marta é mencionada apenas no Evangelho de Lucas (Lc 10,38-42) e no de João (duas vezes - Jo 11,1-44; 12,1-7). Em Lucas ela é identificada como irmã de Maria, e em João, como irmã de Maria e de Lázaro. Marta, a partir do texto de Lucas, era vista pela tradição cristã como o protótipo da vida ativa, censurada por Jesus a favor da contemplativa Maria. Nesta tradição a vida religiosa contemplativa era supervalorizada, relegando-se os "leigos", com sua vida ativa, a uma condição de inferioridade. hoje, com a compreensão da importância da presença da Igreja no mundo para transformá-lo em suas estruturas fundamentais, tais critérios são descartados. Neste diálogo com Jesus, a partir da morte de Lázaro, Marta afirma sua crença na ressurreição do último dia, conforme a tradição farisaica. Jesus, porém, identifica-se com a ressurreição e a vida. Aquele que vive e crê em Jesus já tem a vida eterna.

 José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Marta

Hoje lembramos a vida de Santa Marta, que tem seu testemunho gravado nas Sagradas Escrituras. Padres e teólogos encontram em Marta e sua irmã Maria, a figura da vida ativa (Marta) e contemplativa (Maria). O nome Marta vem do hebraico e significa "senhora".

No Evangelho, Santa Marta apresenta-se como modelo ativo de quem acolhe: "... Jesus entrou em uma aldeia e uma mulher chamada Marta o recebeu em sua casa" (Lc 10,38).

Esta não foi a única vez, já que é comprovada a grande amizade do Senhor para com Marta e seus irmãos, a ponto de Jesus chorar e reviver o irmão Lázaro.

A tradição nos diz que diante da perseguição dos judeus, Santa Marta, Maria e Lázaro, saíram de Bethânia e tiveram de ir para França, onde se dedicaram à evangelização. Santa Marta é considerada em particular como patrona das cozinheiras e sua devoção teve início na época das Cruzadas.

Santa Marta, rogai por nós!





Evangelho (Mateus 13,44-46)

17ª Semana Comum





— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 44“O Reino do Céus é como um tesouro escondido no campo. Um homem o encontra e o mantém escondido. Cheio de alegria, ele vai, vende todos os seus bens e compra aquele campo. 45O Reino dos Céus também é como um comprador que procura pérolas preciosas. 46Quando encontra uma pérola de grande valor, ele vai, vende todos os seus bens e compra aquela pérola”.
 
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Verdadeiro entre os homens

Das parábolas de Mateus, várias não são registradas nos outros sinóticos, talvez por ele ter acesso a uma fonte desconhecida dos demais. É o caso das duas curtas parábolas de hoje. Ambas têm o mesmo ensinamento: uma grande descoberta revela o valor oculto daquilo que comumente é ignorado ou desprezado. Um campo que era comum para um homem, passou a ter valor para outro. Uma pérola desprezada por um foi valorizada por outro. Isto porque estes descobriram o valor oculto do campo e da pérola. O Reino dos Céus é a revelação do valor de cada pessoa e da própria criação. São valores que estão comumente ocultos àqueles que se encontram absorvidos ou em acumular riquezas ou, de maneira oposta, em lutar penosamente pela sua sobrevivência. A sociedade torna-se individualista, insensível ao próximo e à natureza. A encarnação e a vida de Jesus são a revelação do valor da criação. E por um ato de amor de Deus, tudo que é digno, justo e verdadeiro entre os homens, assumido no amor e em fraternidade, passa a ser o caminho para nos inserir na própria vida divina. Somos convidados a trocar os projetos de sucesso, segundo a ideologia dos poderosos deste mundo, pelo projeto do Reino, que é o resgate do valor da criação, das pessoas e da natureza.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Celestino

Com satisfação nós lembramos da santidade do Papa Celestino I, que governou a Igreja dos anos 422 até 432. Ele nasceu na Itália e, ao ser escolhido para governar a Igreja do Cristo, usou muito bem o cajado da justiça e paz.



No tempo dele havia a auto-suficiência do Pelagianismo que, embora condenado no Concílio de Cartago, perdurava querendo "contaminar" os cristãos, pois afirmava uma "auto salvação".



Combatente também contra a heresia do Nestorianismo - que afirmava ter Jesus duas naturezas e duas pessoas - São Celestino fez de tudo para condenar o erro e pecado sem deixar de amar o errado e o pecador; assim viveu na santidade, até entrar na eterna casa dos santos em 432.



São Celestino, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 13,36-43)

17ª Semana Comum





— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.



Naquele tempo, 36Jesus deixou as multidões e foi para casa. Seus discípulos aproximaram-se dele e disseram: “Explica-nos a parábola do joio!” 37Jesus respondeu: “Aquele que semeia a boa semente é o Filho do Homem. 38O campo é o mundo. A boa semente são os que pertencem ao Reino. O joio são os que pertencem ao Maligno. 39O inimigo que semeou o joio é o diabo. A colheita é o fim dos tempos. Os ceifadores são os anjos. 40Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assim também acontecerá no fim dos tempos: 41o Filho do Homem enviará os seus anjos e eles retirarão do seu Reino todos os que fazem outros pecar e os que praticam o mal; 42e depois os lançarão na fornalha de fogo. Ali haverá choro e ranger de dentes. Então os justos brilharão como o sol no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos, ouça”.



- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


Parábola do joio

Dentre as parábolas que encontramos nos Evangelhos (cerca de 30), duas delas são seguidas de uma explicação, com um caráter catequético. São a parábola do semeador e esta parábola do joio, que é exclusiva de Mateus. Há um consenso de que estas explicações são elaborações das comunidades primitivas ao fazerem memória do ministério de Jesus. Ao atribuir a cada imagem da parábola um sentido determinado, passa-se a fazer uma interpretação alegórica. Ela tem claramente um sentido escatológico e apocalíptico, isto é, fala mais do fim dos tempos do que do Reino presente entre os discípulos. A escatologia apocalíptica tem origem no Dia de Javé, dia da vingança de Javé sobre os inimigos de Israel, e é impregnada de discriminação e violência, destoando da prática misericordiosa
de Jesus.

 José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Pantaleão

O santo de hoje viveu no séc. III e IV da era cristã, durante um período de intensa perseguição aos cristãos que não podiam professar a própria fé, pois o que predominava naquela época era o culto aos deuses pagãos.



Pantaleão era filho de Eustóquio, gentio e de Êubola, cristã. Sua mãe encaminhou-o na fé cristã. Após o falecimento de sua mãe, Pantaleão foi aplicado pelo pai aos estudos de retórica, filosofia e medicina.



Durante a perseguição, travou amizade com um sacerdote, exemplo de virtude, Hermolau, que o persuadiu de Nosso Senhor Jesus Cristo ser o autor da vida e o senhor da verdadeira saúde.



Um dia que se viu diante de uma criança morta por uma víbora, disse para consigo: "Agora verei se é verdade o que Hermolau me diz". E, segundo isto, diz ao menino: "Em nome de Jesus Cristo, levanta-te; e tu, animal peçonhento, sofre o mal que fizeste". Levantou-se a criança e a víbora ficou morta; em vista disso, Pantaleão converteu-se e recebeu logo o santo batismo.



Acabou sendo convocado pelo imperador Maximiano como seu médico pessoal. As milagrosas curas que em nome de Jesus Cristo realizava, suscitaram a inveja de outros médicos, que o acusaram de cristão perante o imperador que, por sua vez, o mandou ser amarrado a uma árvore e degolado.



Desta forma, assumindo a coroa do martírio, São Pantaleão passou desta vida para a vida eterna.





São Pantaleão, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 13,16-17)



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 16“Felizes sois vós, porque vossos olhos vêem e vossos ouvidos ouvem. 17Em verdade vos digo, muitos profetas e justos desejavam ver o que vedes, e não viram, desejavam ouvir o que ouvis, e não ouviram”.
 
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.


Comentário do Evangelho

"Se compreenderdes, sereis bem-aventurados"

Várias vezes encontramos nos Evangelhos a proclamação de bem-aventuranças (makarioi: bem-aventurados, às vezes traduzido simplesmente por felizes). São conhecidas as bem-aventuranças do início do Sermão da Montanha, em Mateus (5,3-11), e do sermão da planície, em Lucas (6,20-22). Outras podem ser lembradas: "Bem-aventurado aquele que não se escandalizar por causa de mim!" (Mt 11,6; Lc 7,23); "Bem-aventurados, antes, os que ouvem a Palavra de Deus e a observam" (Lc 11,28); "Se compreenderdes isso e o praticardes, sereis bem-aventurados" (Jo 13,17); "Bem-aventurados sois, se sofreis injúrias por causa do nome do Cristo" (1Pd 4,14). A bem-aventurança não é a promessa de uma recompensa a uma ação que se propõe. A bem-aventurança é a confirmação de um estado de felicidade em que se vive, na prática de ações em conformidade com a vontade de Deus. Os discípulos que usufruem a presença de Jesus, aos quais está sendo revelada a proposta do Reino, são bem-aventurados. Eles veem Jesus e ouvem as suas palavras - coisas que muitos profetas e justos gostariam de ter visto e ouvido. há tempo para tudo. No tempo da encarnação os primeiros discípulos gozaram desta bem-aventurança. Porém, terminado o ministério de Jesus na história, são "bem-aventurados os que não viram e creram!" (Jo 20,29). Joaquim e Ana, pai e mãe de Maria segundo a tradição, são bem-aventurados por sua filha.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Joaquim e Sant'Ana

Com alegria celebramos hoje a memória dos pais de Nossa Senhora: São Joaquim e Sant'Ana.

Em hebraico, Ana exprime "graça" e Joaquim equivale a "Javé prepara ou fortalece".

Alguns escritos apócrifos narram a respeito da vida destes que foram os primeiros educadores da Virgem Santíssima. Também os Santos Padres e a Tradição testemunham que São Joaquim e Sant'Ana correspondem aos pais de Nossa Senhora.

Sant'Ana teria nascido em Belém. São Joaquim na Galileia. Ambos eram estéreis. Mas, apesar de enfrentarem esta dificuldade, viviam uma vida de fé e de temor a Deus.

O Senhor então os abençoou com o nascimento da Virgem Maria e, também segundo uma antiga tradição, São Joaquim e Sant'Ana já eram de idade avançada quando receberam esta graça.

A menina Maria foi levada mais tarde pelos pais Joaquim e Ana para o Templo, onde foi educada, ficando aí até ao tempo do noivado com São José. A data do nascimento e morte de ambos não possuímos, mas sabemos que vivem no coração da Igreja e nesta são cultuados desde o século VI.


São Joaquim e Sant'Ana, rogai por nós!

Peço apenas alguns minutos de sua atenção!

Assista a este vídeo com os olhos da fé, escute com os ouvidos do amor e medite com toda força da esperança, pois foi por mim e por você que Jesus passou por tudo isso.

O mundo esta sufocado de tanto desamor, desafeto e turbulências. Falta à presença de Deus em nossos corações em nossas mentes, nossas famílias sofrem e desaparece, a vida esta banalizada, a violência desenfreada, os jovens entram em um mundo que quase sempre não tem volta, os prazeres terrenos os dominam. Porque tudo isso acontece? Será que tudo que o Senhor Jesus sofreu não foi suficiente, será que todo bem que ele fez não vai fortalecer os corações, terá sido insuficiente para que possamos fazer a sua vontade, viver o seu reino, amar nosso próximo, viver em unidade fraterna, ou será que não temos tempo para refletir, ou somos insensíveis à dor e ao sofrimento, será que somos cegos ou não queremos ver e entender que Jesus nos chama, nos acompanhas e espera para uma vida nova, onde você vai fazer a diferença.

Meu querido irmão feche seus olhos por algum instante e tenha esse encontro agora com Jesus, ele te aguarda!

José Roberto

Evangelho: Lucas 11, 1-13

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas
— Glória a vós, Senhor.


1Um dia, num certo lugar, estava Jesus a rezar. Terminando a oração, disse-lhe um de seus discípulos: Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos. 2Disse-lhes ele, então: Quando orardes, dizei: Pai, santificado seja o vosso nome; venha o vosso Reino; 3dai-nos hoje o pão necessário ao nosso sustento; 4perdoai-nos os nossos pecados, pois também nós perdoamos àqueles que nos ofenderam; e não nos deixeis cair em tentação. 5Em seguida, ele continuou: Se alguém de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite, e lhe disser: Amigo, empresta-me três pães, 6pois um amigo meu acaba de chegar à minha casa, de uma viagem, e não tenho nada para lhe oferecer; 7e se ele responder lá de dentro: Não me incomodes; a porta já está fechada, meus filhos e eu estamos deitados; não posso levantar-me para te dar os pães; 8eu vos digo: no caso de não se levantar para lhe dar os pães por ser seu amigo, certamente por causa da sua importunação se levantará e lhe dará quantos pães necessitar. 9E eu vos digo: pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. 10Pois todo aquele que pede, recebe; aquele que procura, acha; e ao que bater, se lhe abrirá. 11Se um filho pedir um pão, qual o pai entre vós que lhe dará uma pedra? Se ele pedir um peixe, acaso lhe dará uma serpente? 12Ou se lhe pedir um ovo, dar-lhe-á porventura um escorpião? 13Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celestial dará o Espírito Santo aos que lho pedirem.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Pai-Nosso

Lucas aprofunda um dos temas dominantes em seu Evangelho: a oração. Os discípulos veem Jesus orar e se interessam em aprender a orar também. João Batista já havia ensinado seus discípulos a orar. A oração ensinada por Jesus, o Pai-Nosso, em Lucas (cf. 6 out.) é mais resumida do que em Mateus (cf. 17 jun.). A seguir temos a história de um amigo que é importunado por outro, a fim de socorrer um terceiro. O pedido, com insistência, é atendido. No mesmo sentido Lucas apresentará a parábola da viúva que pede insistentemente justiça ao juiz, e é atendida (cf. 17 out., 13 nov.). Finalmente, uma comparação, com certo exagero literário, mostra que Deus, mais do que os homens, dará mais do que coisas boas, dará o próprio Espírito Santo a quem pedir (cf. 25 fev.). A narrativa sobre Abraão (primeira leitura) sugere um modelo de pedido insistente. Ao pedirmos o nosso batismo, comprometemo-nos com a prática da justiça que remove o pecado do mundo (segunda leitura). Uma vez batizados, a prática da oração e da misericórdia para com nosso próximo, no amor, leva-nos à comunhão com Deus, fazendo-nos participantes de sua vida eterna.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Cristóvão

A devoção a são Cristóvão é uma das mais antigas e populares da Igreja, tanto do Oriente como do Ocidente. São centenas de igrejas dedicadas a ele em todos os países do mundo. Também não faltam irmandades, patronatos, conventos e instituições que tomaram o seu nome, para homenageá-lo. Ele consta da relação dos "quatorze santos auxiliadores" invocados para interceder pelo povo nos momentos de aflições e dificuldades. Assim, o vigor desta veneração percorreu os tempos com igual intensidade e alcançou os nossos dias da mesma maneira.

Entretanto são poucos os dados precisos sobre sua vida. Só se tem conhecimento comprovado de que Cristóvão era um homem alto e musculoso, extremamente forte. Alguns escritos antigos o descrevem como portador de "uma força hercúlea". Pregou na Lícia e foi martirizado, a mando do imperador Décio, no ano 250. Depois disso, as informações fazem parte da tradição oral cristã, propagada pela fé dos devotos ao longo dos tempos, e que a Igreja respeita.

Ela nos conta que seu nome era Réprobo e que nasceu na Palestina. Como um verdadeiro gigante Golias, não havia quem lhe fizesse frente em termos de força física. Assim, só podia ter a profissão que tinha: guerreiro. Aliás, era um guerreiro indomável e invencível. A sua simples presença era garantia de vitória para o exército do qual participasse.

Conta-se que, estando cansado de servir aos caprichos de um e outro rei, apenas porque fora contratado para lutar em seu favor, foi procurar o maior e mais poderoso de todos, para servir somente a este. Então, ele se decidiu colocar a serviço de satanás, pois não havia quem não se curvasse de medo ao ouvir seu nome.

Mas também se decepcionou. Notou que toda vez que seu chefe tinha de passar diante da cruz, mudava de caminho, evitando o encontro com o símbolo de Jesus. Abandonou o anjo do mal e passou, então, a procurar o Senhor. Um eremita o orientou a praticar a caridade para servir ao Todo Poderoso como desejava, então ele abandonou as armas imediatamente. Integrou-se a uma instituição de caridade e passou a ajudar os viajantes. De dia ou de noite, ficava às margens de um rio onde não havia pontes e onde várias pessoas se afogaram por causa da profundidade, transportando os viajantes de uma margem à outra.

Certo dia, fez o mesmo com um menino. Mas conforme atravessava o rio, a criança ia ficando mais pesada e só com muito custo e sofrimento ele conseguiu depositar com segurança o menino na outra margem. Então perguntou: "Como pode ser isso? Parece que carreguei o mundo nas costas". O menino respondeu: "Não carregou o mundo, mas sim seu Criador". Assim Jesus se revelou a ele e o convidou a ser seu apóstolo.

O gigante mudou seu nome para Cristóvão, que significa algo próximo de "carregador de Cristo", e passou a peregrinar levando a palavra de Cristo. Foi à Síria, onde sua figura espetacular e nada normal chamava a atenção e atraía quem o ouvisse. Ele, então, falava do cristianismo e convertia mais e mais pessoas. Por esse seu apostolado foi denunciado ao imperador Décio, que o mandou prender. Mas não foi nada fácil, não por causa de sua força física, mas pelo poder de sua pregação.

Os primeiros quarenta soldados que tentaram prendê-lo converteram-se e por isso foram todos martirizados. Depois, quando já estava no cárcere, mandaram duas mulheres, Nicete e Aquilina, à sua cela para testar suas virtudes. Elas também abandonaram o pecado e batizaram-se, sendo igualmente mortas. Foi quando o tirano, muito irado, mandou que ele fosse submetido a suplícios e em seguida o matassem. Cristóvão foi, então, flagelado, golpeado com flechas, jogado no fogo e por fim decapitado.

São Cristóvão é popularmente conhecido como o protetor dos viajantes, assim como dos motoristas e dos condutores.

São Cristóvão, rogai por nós!