Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Santa Missa

 Convidamos a comunidade em geral para participar todo sábado às 08h da Santa Missa na Casa da Mãe Rainha, localizada a rua Marechal Hermes, 345 vizinho ao Abrigo Amantino Câmara.

Evangelho (Mateus 13,24-30)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 24Jesus contou outra parábola à multidão: “O Reino dos Céus é como um homem que semeou boa semente no seu campo. 25Enquanto todos dormiam, veio seu inimigo, semeou joio no meio do trigo, e foi embora. 26Quando o trigo cresceu e as espigas começaram a se formar, apareceu também o joio.
27Os empregados foram procurar o dono e lhe disseram: ‘Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde veio então o joio?’ 28O dono respondeu: ‘Foi algum inimigo que fez isso’. Os empregados lhe perguntaram: ‘Queres que vamos arrancar o joio?’ 29O dono respondeu: ‘Não! Pode acontecer que, arrancando o joio, arranqueis também o trigo. 30Deixai crescer um e outro até a colheita! E, no tempo da colheita, direi aos que cortam o trigo: arrancai primeiro o joio e o amarrai em feixes para ser queimado! Recolhei, porém, o trigo no meu celeiro!’”


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus dirige a seus discípulos a sua parábola

Esta parábola de Mateus contém várias antíteses: o dono do campo e o inimigo; o trigo e o joio; o tempo presente de semeadura/ crescimento e o tempo futuro da colheita, o trigo no celeiro e a queimadura do joio. Na perspectiva dualista semita do Primeiro Testamento prevalece a antítese entre eleitos e condenados, puros e impuros, santos e pecadores. Nesta perspectiva manifesta-se o julgamento condenatório. Jesus dirige a seus discípulos a sua parábola procurando demovê-los deste mal-entendimento. Não cabe aos discípulos separar os pecadores (joio) dos justos (trigo). Seria um equívoco que prejudicaria os próprios discípulos. A eles cabe cultivar a seara, deixando a Deus a decisão final, em sua plena misericórdia. Acolhendo a todos com o amor de Deus, abrem-se as portas da verdadeira esperança e comunica-se a vida.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Charbel

O santo de hoje nasceu no norte do Líbano, num povoado chamado Bulga-Kafra, no ano de 1828. Proveniente de uma família cristã e centrada nos valores do Evangelho, muito cedo precisou conviver com a perda de seu pai.

Após discernir o seu chamado à vida religiosa, com 20 anos ingressou num seminário libanês maronita. Durante o Noviciado, trocou seu nome de batismo (José) por Charbel. Mostrou-se um homem fiel às regras, obediente à ação do Espírito Santo e penitente.

Após sua ordenação em 1859, enfrentou muitas dificuldades, dentre elas a perseguição ferrenha aos cristãos com o martírio de muitos jovens religiosos e a destruição de inúmeros mosteiros em sua época. Em meio a tudo isso, perseverou na fé, trazendo consigo as marcas de uma vocação ao silêncio, à penitência e à uma vida como eremita.

Aos 70 anos, vivendo num ermo dedicado a São Pedro e São Paulo, com saúde bastante fragilizada, discerniu que era chegada a hora de sua partida para a Glória Celeste. Era Véspera de Natal. E no dia 24 de Dezembro, deitado sobre uma tábua, agonizante, entregou sua vida Àquele que concede o prêmio reservado aos que perseveram no caminho de santidade: a vida eterna.

São Charbel, rogai por nós!

Terço dos Homens Mãe Rainha - Capela do Bom Jesus

 
O Terço dos Homens Mãe Rainha da Capela do Bom Jesus, na comunidade de Bom Jesus em Mossoró-RN se reuni toda segunda-feira para recitar o Santo Terço às 19h e convida a todos os homens da comunidade para fazer parte deste apostolado que tem transformado com grande graças a vida de muitos homens.

A coordenação do grupo é composta por:

Coordenador: Geraldo Alves dos Santos
Vice-coordenador: Luiz Pereira da Costa
Secretário: Francisco Marcio Alves
Tesoureiro: Ivanildo Silva Bezerra
Relações Públicas: Marciel Silva

Evangelho: Mateus 13, 18-23


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João.
— Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos 18Ouvi, pois, o sentido da parábola do semeador: 19quando um homem ouve a palavra do Reino e não a entende, o Maligno vem e arranca o que foi semeado no seu coração. Este é aquele que recebeu a semente à beira do caminho. 20O solo pedregoso em que ela caiu é aquele que acolhe com alegria a palavra ouvida, 21mas não tem raízes, é inconstante: sobrevindo uma tribulação ou uma perseguição por causa da palavra, logo encontra uma ocasião de queda. 22O terreno que recebeu a semente entre os espinhos representa aquele que ouviu bem a palavra, mas nele os cuidados do mundo e a sedução das riquezas a sufocam e a tornam infrutuosa. 23A terra boa semeada é aquele que ouve a palavra e a compreende, e produz fruto: cem por um, sessenta por um, trinta por um.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


Palavra anunciada

há um consenso de que esta explicação da parábola do semeador é fruto da reflexão das primeiras comunidades para orientar a catequese e a missão. As diversas situações em que se encontram os grãos semeados correspondem às diversas maneiras como os membros das comunidades recebem a Palavra anunciada. Para uns a Palavra ouvida não vai além de uma religião supérflua que não questiona as grandes injustiças das estruturas sociais e econômicas. Outros se contentam com uma religião festiva e ritualista que não transforma concretamente este mundo. E há aqueles para os quais a Palavra ouvida não abala sua religião de conveniência, que convive com a ambição e o desejo de ter cada vez mais. A estas situações adversas se contrapõem aqueles que ouvem a Palavra e mudam de vida. Integram-se em comunidades fraternas e solidárias que se empenham na construção de um mundo novo, conforme a vontade de Deus.

 José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Brígida da Suécia.

Brígida, ou Brigite, nasceu princesa, em 1303, no castelo de Finstad, na Suécia. Descendia de uma casa real muito pia, que forneceu à Igreja muitos santos e que se dedicava a construir mosteiros, igrejas e hospitais com a própria fortuna. Além de manter muitas obras de caridade para a população pobre, Brígida, desde a infância, tinha o dom das revelações divinas, todas anotadas por ela no seu idioma sueco. Depois, as descrições foram traduzidas para o latim e somaram oito grandes volumes, que ainda hoje são fonte de consulta para historiadores, teólogos e fiéis cristãos.
Aos dezoito anos, ela se casou com o nobre chamado Ulf Gudmarsson, um homem cristão e muito piedoso. O casal teve oito filhos, dentre os quais a filha venerada como santa Catarina da Suécia. Era com rigor que eles cuidavam da educação religiosa e acadêmica dos filhos, sempre no caminho para a santificação em Cristo. Durante um longo período, Brígida foi dama de companhia da rainha Bianca, de Namur, por isso freqüentava sempre as cortes luxuosas. Mas não se corrompeu neste ambiente de riquezas frívolas, ao contrário, manteve-se fiel aos ensinamentos cristãos, perseverando seu espírito na dignidade e na caridade da fé.
Após a morte de um dos seus filhos, o casal resolveu fazer uma peregrinação ao santuário de Santiago de Compostela, na Espanha. No retorno, Ulf caiu gravemente enfermo, e nessa ocasião Brígida, em sonho, teve uma revelação de são Dionísio, que lhe disse que o marido não morreria. De fato ele ficou curado, mas logo em seguida ingressou no mosteiro de Alvastra, onde vivia um dos seus filhos, e lá morreu, em 1344.
Viúva, Brígida decidiu retirar-se definitivamente para a vida monástica, para realizar um velho projeto, a fundação de um mosteiro duplo, de homens e mulheres, que deu origem à Ordem do Santo Salvador, sob as Regras de são Agostinho, passando, então, a viver nele. Quando obteve aprovação canônica, a fundadora transferiu-se para Roma.
Ali viveu por vinte e quatro anos, trabalhando pela reforma dos costumes e a volta do papa de Avignon. Com o apoio do rei da Suécia, construiu e instaurou setenta e oito mosteiros por toda a Europa. Ela morreu em 23 de julho de 1373, durante uma romaria à Terra Santa.
Desde então, a Ordem fundada por ela passou a ser dirigida por sua filha, Catarina da Suécia, alcançando notoriedade pelos anos futuros. Canonizada em 1391, apenas dezoito anos após sua morte, santa Brígida já tinha um culto muito vigoroso em todo o mundo cristão da Europa, sendo celebrada no dia de sua morte. O local onde residia em Roma foi transformado em um belíssima igreja dedicada a ela, na praça Farnese.

Santa Brígida da Suécia, rogai por nós!

Evangelho (João 20,1-2.11-18)



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João.
— Glória a vós, Senhor.



1No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. 2Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”. 11Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo. 12Viu, então, dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha sido posto o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés. 13Os anjos perguntaram: “Mulher, por que choras?” Ela respondeu: “Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram”. 14Tendo dito isto, Maria voltou-se para trás e viu Jesus, de pé. Mas não sabia que era Jesus. 15Jesus perguntou-lhe: “Mulher, por que choras? A quem procuras?” Pensando que era o jardineiro, Maria disse: “Senhor, se foste tu que o levaste dize-me onde o colocaste, e eu o irei buscar”. 16Então Jesus disse: “Maria!” Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: “Rabunni” (que quer dizer: Mestre). 17Jesus disse: “Não me segures. Ainda não subi para junto do Pai. Mas vai dizer aos meus irmãos: subo para junto do meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”. 18Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor”, e contou o que Jesus lhe tinha dito.



- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


As comunidades vivem a presença real de Jesus

Enquanto nos Evangelhos sinóticos são mencionadas outras mulheres, além de Maria Madalena, em visita ao túmulo de Jesus, o Evangelho de João menciona só Maria Madalena. Ficando ali, chorando, embora cheia de amor no coração, vê Jesus, de pé, mas não o reconhece. Nela, temos a expressão da dificuldade dos discípulos em entender a ressurreição. Fixada no evento da morte, não percebe a ressurreição. Ao ser chamada pelo nome, reconhece Jesus e pensa em retê-lo, como presença corpórea. Jesus a adverte e diz viver agora uma nova realidade, em resença de seu Pai e de nosso Pai. As comunidades vivem a presença real de Jesus, identificado fisicamente com os irmãos, particularmente os mais excluídos.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Maria Madalena

Natural de Mágdala, na Galileia, Maria Madalena foi contemporânea de Jesus Cristo, tendo vivido no Século I. O testemunho de Maria Madalena é encontrado nos quatro Evangelhos:



"Os doze estavam com ele, e também mulheres que tinham sido curadas de espíritos maus e de doenças. Maria, dita de Mágdala, da qual haviam saído sete demônios..." (Lc 8,1-2).



Após ter sido curada por Jesus, Maria Madalena coloca-se a serviço do Reino de Deus, fazendo um caminho de discipulado, de seguimento a Nosso Senhor no amor e no serviço. E este amor maduro de Maria Madalena levou-a até ao momento mais difícil da vida e da missão de Nosso Senhor, permanecendo ao lado d'Ele:



"Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe e a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena" (Jo 19,25).



Maria Madalena foi a primeira testemunha da Ressurreição de Jesus:



"Então, Jesus falou: 'Maria!' Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: 'Rabûni!' (que quer dizer: Mestre)" (Jo 20,16).



A partir deste encontro com o Ressuscitado, Maria Madalena, discípula fiel, viveu uma vida de testemunho e de luta pela santidade.



Existe também uma tradição de que Maria Madalena, juntamente com a Virgem Maria e o Apóstolo João, foi evangelizar em Éfeso, onde depois veio a falecer nesta cidade.



O culto à Santa Maria Madalena no Ocidente propagou-se a partir do Século XII.



Santa Maria Madalena, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 13,1-9)


16ª Semana Comum
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.



1Naquele dia, Jesus saiu de casa e foi sentar-se às margens do mar da Galileia. 2Uma grande multidão reuniu-se em volta dele. Por isso Jesus entrou numa barca e sentou-se, enquanto a multidão ficava de pé, na praia. 3E disse-lhes muitas coisas em parábolas:
“O semeador saiu para semear. 4Enquanto semeava, algumas sementes caíram à beira do caminho, e os pássaros vieram e as comeram. 5Outras sementes caíram em terreno pedregoso, onde não havia muita terra. As sementes logo brotaram, porque a terra não era profunda. 6Mas, quando o sol apareceu, as plantas ficaram queimadas e secaram, porque não tinham raiz.
7Outras sementes caíram no meio dos espinhos. Os espinhos cresceram e sufocaram as plantas. 8Outras sementes, porém, caíram em terra boa, e produziram à base de cem, de sessenta e de trinta frutos por semente. 9Quem tem ouvidos, ouça!”

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus, esclarecedor do mistério do Reino dos Céus
As parábolas, partindo de imagens de fatos da vida comum, por comparações, são elaboradas para a compreensão das palavras de Jesus, movendo os ouvintes a se comprometerem com o projeto do Reino de Deus. Enquanto o Evangelho de Mateus reúne ao todo 22 parábolas, o Evangelho de Marcos reúne apenas 6 e o de Lucas ultrapassa ambos, com 31 parábolas. A parábola de hoje é comum aos três evangelistas. Ela poderia ser mais bem denominada como "parábola dos terrenos", pois o seu núcleo são os diversos terrenos nos quais cai a semente, nos quais o leitor deve procurar sua identificação. Com esta parábola do semeador, Mateus inicia um bloco de sete, dando ao conjunto a forma de um discurso de Jesus, esclarecedor do mistério do Reino dos Céus. Depois da parábola, vem a explicação do porquê falar em parábolas (Mt 13,10-17), e, em seguida, a explicação detalhada de seu significado.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Lourenço de Brindes

Presbítero da Igreja, o santo de hoje é reconhecido como Doutor, pois amou, aprofundou, serviu e com ardor comunicou a Sã Doutrina Católica. Nascido em Brindes, na Itália, no ano de 1559, São Lourenço entrou na família franciscana, como Capuchinho e chegou a Superior Geral.



Homem de Deus e conciliador da maneira franciscana de viver com as necessidades da época, como pregador espalhou a Palavra de Deus em muitos lugares, como Itália, Espanha, Portugal, França, Bélgica, Holanda. Conhecedor do hebraico, aramaico, caldeu, grego, latim, alemão, italiano e outras línguas, pôde - como teólogo e apologista - aprofundar nos estudos das Sagradas Escrituras e bradar pelos quatro cantos da Igreja e do mundo a Verdade, pois o protestantismo se alastrava, assim como diversas heresias.



São Lourenço fugia constantemente das honras e, além de dormir no chão, levantava-se à noite para rezar e se alimentava somente de pão, água e verduras, como penitência. Além de grande propagador da Palavra, foi quem muito lutou para vivê-la, por isso, ao ocupar a função de diplomata da Igreja, serviu de pacificador durante a ameaça de invasão por parte dos turcos. São Lourenço, que entrou no Céu com 60 anos, deixou muitos escritos, os quais externam o amor pela Palavra de Deus: "A Palavra de Deus é luz para a inteligência, fogo para a vontade, para que o homem possa conhecer e amar a Deus... É martelo contra a dura obstinação do coração, nos vícios contra a carne, o mundo e o demônio; é espada que mata todo o pecado".

São Lourenço de Brindes, rogai por nós!

COMUNICADO IMPORTANTE!

A coordenação do Terço dos Homens em Martins comunica que por motivo de força maior o III Encontro de Formação Espiritual que seria realizado no próximo dia 25 de Julho de 2010 em Martins-RN foi cancelado. Lamentamos e pedimos a compreensão de todos, pois sabemos dos esforços que fizeram para organizar as caravanas e contratar os transportes para participar desse Encontro.


Mossoró-RN, 20 de julho de 2010
Coordenação Diocesana
"MISSÃO 13"
13/07/2010

O SACRAMENTO DO PERDÃO

Há poucos meses estou como pároco na Paróquia de SANTA LUZIA. Quer saber qual foi a minha primeira ação pastoral na Paróquia?
Ajeitei um cantinho próprio para as confissões. Adaptei um cômodo na casa paroquial que virou uma capelinha, um recanto para acolher quem busca a Graça deste Sacramento. Batizei-o com o nome de “CLÍNICA DO ESPÍRITO”
Por que este nome? Explico já!
Quer saber o número de Clínicas e Hospitais que tem só na área geográfica da Paróquia de SANTA LUZIA? Pasme! 114 !!!
Como você vê há numerosas Clínicas e vários Hospitais para tomar de conta das doenças físicas. Mas quantos são os hospitais da Alma?
Você consegue contar o número de médicos que tem em Mossoró para cuidar das enfermidades físicas? Com certeza não são menos de 500.
Mas é facílimo fazer a conta dos padres, os médicos do Espírito, para cuidar da vida espiritual.

Veja bem: Há a doença

· do FÍSICO (biológica, orgânica, psicosomática)
· do CORAÇÃO ou da PSIQUE (afetiva-psicológica)
· do ESPÍRITO (espiritual)

Mas tenho a impressão que ao primeiro tipo de doença se dá muito mais atenção, por exemplo, do que ao terceiro.
Fazemos radiografia, ecografia, tomografia... de cabeça, estômago, pulmões... mas, dificilmente, nos preocupamos em fazer uma “radiografia” do nosso espírito, raramente consultamos o médico que se chama consciência, pouquíssimas vezes nos detemos em fazer um diagnóstico da nossa vida interior.
Não é esquisito?
Se a gente desse mais atenção à saúde espiritual haveria menos pessoas recorrendo ao remédio controlado, menos pessoas feridas, traumatizadas, menos droga, menos alcoolismo, menos intolerância, menos ódio, menos assaltos, menos crimes. Haveria mais equilíbrio, mais espírito de serviço, mais generosidade, mais lares felizes, mais pessoas realizadas... e haveria também menos câncer, menos gastrites, menos doenças psicossomáticas etc....
Quantas doenças, por exemplo, o ódio é capaz de engendrar; mas nenhum exame, nenhuma máquina, nenhuma consulta médica é capaz de detectar como causa remota na etiologia, na raiz daquela enfermidade, o rancor, o ódio. Mas guardar ressentimentos é como tomar veneno e esperar que outra pessoa morra! Você é que morre! A primeira vítima do ódio é quem odeia!
Você entende agora a minha preocupação em montar um atendimento clínico espiritual?
De gente e estruturas que se preocupam com a saúde física já tem demais! Mas estamos carentes de pessoas que se preocupem com a saúde espiritual. E, no entanto, o pecado é uma doença pior do que a AIDS.
Por exemplo POR QUE quem incentiva o uso da camisinha, preocupado com os possíveis danos físicos da promiscuidade, NÃO se preocupa TAMBÉM com os prejuízos morais para a pessoa e a família?
Graças a DEUS que ele inventou o Sacramento do PERDÃO, da reconciliação (com DEUS, com o próximo (com a família e com a sociedade), consigo mesmo, com a natureza...), o Sacramento da Penitência, da Confissão.
Se DEUS não perdoasse, o Paraíso ficaria vazio!
DEUS nos oferece o perdão... mas nós, às vezes, não vamos lá para recebe-lo. O presente de DEUS fica sem chegar até nós porque DEUS fica estendendo-nos a mão, mas nós não estendemos a nossa.
Inventamos desculpas: “Eu confessar-me com o padre? O padre também é um pecador!” “É verdade – respondi certa vez a um jovem que si sentia dispensado de confessar-se com essa presumida justificativa – é verdade que o padre também peca; mas, usando da mesma lógica e coerência, da próxima vez que você adoecer, não procure o médico, porque o médico também adoece!”
É justamente por isso que JESUS confiou a criaturas frágeis e pecadoras o ministério do perdão: o ministro do perdão é justamente alguém que precisa também do perdão. (Veja, por exemplo, o Apóstolo Pedro).
O paraíso afinal não está cheio de santos, mas de pecadores perdoados!
Precisamos VALORIZAR A CONFISSÃO!!!
Porque será que a confissão é tão pouco procurada, é quase desertada, enquanto os consultórios dos psicólogos e psiquiatras estão sempre lotados?
Será que é porque o atendimento do sacerdote é gratuito?
Volto à questão inicial: da desproporção entre o número de Clínicas e Hospitais e o número de padres: será que a lei do mercado, da oferta e da demanda, funciona também neste campo? Será que tem pouca oferta porque tem pouca demanda? Ou que tem pouca demanda porque tem pouca oferta?
Uma explicação, uma resposta eu tenho: é por causa da falta pior deste mundo! A FALTA pior deste mundo, fora a falta de ar e a falta de dinheiro, é a FALTA DA CONSCIÊNCIA DO PECADO.
No meu ministério sacerdotal o Sacramento que mais me absorve não é o Batismo, nem a Eucaristia, nem o Matrimônio, mas é o Sacramento do PERDÃO, Aí eu me sinto o dispensador da Divina Misericórdia, DEUS me entregou o seu maior poder: o perdão dos pecados. DEUS perdoa, mas quer usar a mediação humana. É a Igreja e especificamente o sacerdote que ratifica, que homologa o perdão de DEUS!
Naturalmente NÃO HÁ CONFISSÃO SEM CONVERSÃO! Confissão é olhar o passado. Conversão é assumir um compromisso com o futuro!
A conversão é toque da graça de DEUS e esforço contínuo e duradouro do ser humano, que deixou na história da Igreja figuras imponentes como Maria Madalena, Saulo-Paulo, Santo Agostinho, São Francisco, Inácio de Loyola... e tantos outros.
Mas ainda aos nossos dias DEUS continua suas obras primas, suas obras de arte da graça da Redenção. Quantos convertidos estão aqui hoje para renovar e reafirmar seu compromisso de amor, porque não existe cristão que não precise se converter todo dia!

Padre Walter Collini.

Evangelho (Mateus 12,46-50)

16ª Semana Comum


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 46enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. 47Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”.
48Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” 49E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. 50Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


Compromisso em fazer a vontade do Pai

Jesus, colocando os laços de sangue em segundo plano diante da vontade de Deus, descarta o valor das origens genealógicas, elaboradas pelo Judaísmo surgido no pós-exílio. Todos são chamados independentemente de raça ou de qualquer deus nacionalista ou apropriado por algum império. O chamado é o compromisso em fazer a vontade do Pai. Esta é a obra vivificante no empenho de que todos tenham vida. A família de Jesus une-se em torno da libertação, do serviço, da solidariedade, da misericórdia, da acolhida aos pobres, da prática da justiça, da defesa dos direitos humanos, do direito à alimentação, do direito à posse da terra e à moradia, do direito de todos a constituir dignamente sua família. As genealogias associavam-se ao direito à posse da Terra Prometida. Para Jesus, a Terra Prometida é toda a terra. Prometida a todos os povos. É a terra a serviço da vida, e não a terra ocupada por guerras de conquista em vista do acúmulo de riqueza e de poder, com a exclusão dos pequenos e oprimidos. Maria, mais do que por seus laços de sangue com Jesus, é bem-aventurada por sua união à vontade do Pai: "Faça-se em mim segundo a tua palavra".

 José Raimundo oliva

A igreja celebra hoje: Santo Aurélio

A Igreja da África, durante os anos de 392 até 429, foi agraciada com o governo santo do primeiro Bispo de Cartago, que santificou-se tornando seu povo também santo. Santo Aurélio nasceu no século IV e desde diácono se destacava pela caridade, zêlo, pureza de vida e pelo culto da Liturgia.

O grande Aurélio esteve como Bispo responsável por toda uma região e todos o chamavam - por respeito - de "Santo Papa Aurélio". Não possuía grandes dotes intelectuais, porém, na Providência Divina, tinha grande amizade com o sábio e Bispo de Hipona: Santo Agostinho. Unido ao Doutor da Graça, pôde combater a auto-suficiência do Pelagianismo e outras heresias que encontraram a condenação no seu tempo.

Muito do que sabemos hoje de Santo Aurélio foi o próprio Santo Agostinho quem informou, pois este admirava a prudência, a piedade e a humildade deste pastor e pai, que tudo fazia pela salvação das almas e pureza da doutrina cristã. Santo Aurélio passou da Igreja militante, para a Igreja triunfante pouco tempo antes de Santo Agostinho, isto em 429.

Santo Aurélio, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 12,38-42)

16ª Semana Comum
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 38alguns mestres da Lei e fariseus disseram a Jesus: “Mestre, queremos ver um sinal realizado por ti”. 39Jesus respondeu-lhes: “Uma geração má e adúltera busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas.
40Com efeito, assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim também o Filho do Homem estará três dias e três noites no seio da terra. 41No dia do juízo, os habitantes de Nínive se levantarão contra essa geração e a condenarão, porque se converteram diante da pregação de Jonas. E aqui está quem é maior do que Jonas. 42No dia do juízo, a rainha do Sul se levantará contra essa geração, e a condenará, porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E aqui está quem é maior do que Salomão”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.
— O Senhor esteja convosco.

mentário do Evangelho

O sinal da presença de Deus entre nós é o amor
Esta narrativa é encontrada, também, de maneira mais simples, no Evangelho de Marcos. Em Marcos nenhum sinal será dado aos escribas e fariseus que provocam Jesus (cf. 15 fev.). A partilha dos pães já havia sido o sinal da autenticidade e do amor de Jesus. O Evangelho de Marcos caracteriza-se pela apresentação de Jesus, Filho de Deus encarnado, na simplicidade de sua humanidade e de sua comunicação amorosa. O Evangelho de Mateus tem um caráter mais cristológico, isto é, apresenta Jesus compreendido como aquele que, depois da morte sacrifical, mereceu a ressurreição. O sinal do profeta Jonas, mencionado em Mateus, significa a ressurreição de Jesus. Percebe-se aqui um texto elaborado para a orientação das comunidades oriundas do Judaísmo, que se formaram após a crucifixão de Jesus. O sinal da presença de Deus entre nós é o amor semeado nos corações pelo Espírito Santo, que se manifesta nos relacionamentos humanos do dia a dia, na humildade de cada lar, na rotina do trabalho, na vida comunitária e nas lutas para a criação de um mundo novo possível.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Símaco

Neste dia, celebramos um santo Papa que enfrentou um período da história em que a Igreja sofria com pressões internas e externas.

Nasceu na Ilha da Sardenha no século V. Pertenceu ao clero romano e foi eleito Papa em 498. No tempo de Símaco, a Igreja era duramente atingida por perseguições.

Muitas famílias tradicionais de Roma, bem como o Senado, buscavam de todas as formas influenciar a ação da Igreja, trazendo assim muitos prejuízos; isto perdurou por um tempo até levantar-se Símaco. O santo Papa combateu e venceu estes "invasores", recuperando assim a total liberdade da Igreja, na sua organização e disciplina.

Com a queda do império romano e a invasão dos vândalos, godos, visigodos e longobardos, que começavam a dominar o Ocidente, São Símaco, na ousadia, entrou nas intrigas sociais e políticas, para assim tomar partido da paz e da harmonia e não de algum dos lados. Na função eficiente de pai comum, suscitou a inveja do imperador do Oriente que começou a perseguir os cristãos; em resposta a esta atitude corrigiu Símaco: "Lança um olhar, o Imperador, a tantos príncipes que perseguiram a Igreja e vê como todos eles tiveram triste fim, ao passo que a Igreja perseguida continua com tanto mais glória, quanto mais violenta lhe foi a perseguição".

Símaco era conciliador, homem de justiça e sinal de paz.

Em 514 ele partiu para a glória celeste e intercede por nós, para que nos tempos de hoje, por amor a Cristo e à Igreja, sejamos promotores da paz.

São Símaco, rogai por nós!


Hoje dia 18 - Missa da Aliança de Amor às 19hs
na Casa da Mãe Rainha

Evangelho (Lucas 10,38-42)

16º Domingo Comum



— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 38Jesus entrou num povoado, e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. 39Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor, e escutava sua palavra. 40Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha, com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!” 41 O Senhor, porém, lhe respondeu: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. 42Porém, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Duas mulheres: Marta e Maria

A ênfase da narrativa de Lucas está no comportamento das duas mulheres, irmãs, expressamente nomeadas, Marta e Maria, em sua casa. Marta e Maria dedicam-se com amor à acolhida de Jesus. Marta, provavelmente a mais velha, dona da casa, recebe Jesus e põe-se a cuidar do necessário ao bem-estar do hóspede. Maria não deixa o hóspede só, e, aos seus pés, dedica-lhe atenção, permanecendo na escuta. Ambas as coisas agradavam o hóspede. A narrativa não quer contrapor os dois comportamentos de Marta e Maria. Ela é rica de significados. Na cultura do Judaísmo, as mulheres deviam limitar-se ao serviço doméstico. Os mestres da Lei consideravam que não cabia às mulheres se aprofundarem nos seus ensinamentos. Agora, aos pés de Jesus, Maria, qual um discípulo aos pés do mestre, dedica-se à escuta de seus ensinamentos. Marta, sob a influência da ideologia judaica, rejeita a atitude de Maria e o comunica a Jesus. Com palavras de carinho, ele faz com que ela veja que se deve libertar da condição limitada que lhe é imposta culturalmente e abrir-se ao novo e ao melhor, como Maria. O único necessário é o serviço à vida. Os cuidados domésticos e a escuta da Palavra são necessários. Contudo, é a Palavra libertadora e vivificante que orienta e dá sentido a todas as atividades. A liturgia apresenta, na primeira leitura, as figuras de Abraão e Sara que, como Marta, empenham-se no preparo do alimento dos três hóspedes. Na segunda leitura, é a figura de Paulo, que, como Maria, acolheu uma revelação, e passa a anunciá-la entre os pagãos.
José Raimundo Oliva


A igreja celebra hoje: São Francisco Solano

Nasceu na Espanha no ano de 1549. Sua formação passou pelo colégio jesuíta, ingressando mais tarde na Ordem Franciscana. Prestou ali muitos serviços, mas seu grande desejo era a evangelização para muitos. Foi quando deixou a Europa e foi para a América Latina.

Chegou em Lima (Peru), evangelizando também pela Argentina, Chile, Paraguai, Andes etc. Tudo isso em busca de evangelizar a muitos.

Francisco Solano consumiu-se na evangelização. Por obediência voltou a Lima para ser, dentro da Ordem, um formador de novos evangelizadores.

Solano faleceu com 61 anos pronunciando palavras de louvor ao Senhor: "Deus seja bendito!"

Quem se consome pelas almas, tem a certeza de que Deus foi glorificado.

São Francisco Solano, rogai por nós!