Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Evangelho (Mateus 12,14-21)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 14os fariseus saíram e fizeram um plano para matar Jesus. 15Ao saber disso, Jesus retirou-se dali. Grandes multidões o seguiram, e ele curou a todos. 16E ordenou-lhes que não dissessem quem ele era, 17para se cumprir o que foi dito pelo profeta Isaías: 18“Eis o meu servo, que escolhi; o meu amado, no qual ponho a minha afeição; porei sobre ele o meu Espírito, e ele anunciará às nações o direito. 19Ele não discutirá, nem gritará, e ninguém ouvirá a sua voz nas praças. 20Não quebrará o caniço rachado, nem apagará o pavio que ainda fumega, até que faça triunfar o direito. 21Em seu nome as nações depositarão a sua esperança”.
 
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Os fariseus sentem-se ameaçados em seu poder

O Judaísmo surgido no pós-exílio da Babilônia era uma teocracia (político-religiosa) das elites que retornaram deste exílio e oprimia o próprio povo semita, particularmente os camponeses. Jesus fala e age libertando o povo da opressão da sinagoga, do Templo e da Lei. Restaura-lhe dignidade e promove a vida. Os fariseus sentem-se ameaçados em seu poder, diante de tal subversão, e tomam a decisão de matar Jesus. Este último refugia-se em outro lugar, seguido pelas multidões, e cura a todos. Mateus escreve para uma comunidade de cristãos oriundos do Judaísmo. Sua intenção é demonstrar que Jesus, a partir de sua atividade taumatúrgica, vem realizar as promessas proféticas das Escrituras. Recorre a um texto de Isaías, adaptando-o: "Eis o meu servo, que escolhi [.]" (Is 42,1-4). O verdadeiro servo de Deus é Jesus, investido pelo Espírito para sua missão. Ele é manso e não praticará a violência.
Contudo, com absoluta firmeza anunciará às nações o direito e a justiça, transformando a sociedade.

 José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Bem-aventurado Inácio de Azevedo e companheiros mártires

Quarenta mártires. Entre eles 2 padres, 24 estudantes e 14 irmãos auxiliares. Portugueses e espanhóis. Todos pertenciam à Companhia de Jesus.

Inácio de Azevedo nasceu no Porto em 1526. Aos 23 anos, já tinha entrado na Companhia de Jesus ocupando vários serviços. Era ardoroso pelas missões além fronteiras.

Foi quando o Superior Geral o enviou para o Brasil e, ao retornar, testemunhou a necessidade de mais missionários. Saíram por isso, 3 naus missionárias. Em uma delas estavam Inácio de Azevedo e os 39 companheiros. A nau foi interceptada por 5 navios de inimigos da fé católica que queriam a morte de todos.

Por amor à Igreja ele aceitou o martírio. Exortou e consolou seus filhos espirituais. Foi morto e lançado ao mar. E todos foram martirizados, alcançando a coroa da glória na eternidade.

Inácio e seus companheiros foram assassinados por serem católicos e missionários. Estamos no tempo das novas missões. A começar na nossa casa e onde convivemos. Ali, é o primeiro lugar onde devemos testemunhar o amor a Cristo e, se preciso, sofrer por Ele.

Nossa Senhora está conosco, os santos intercedem por nós e os mártires rogam pela nossa fidelidade.

Bem-aventurado Inácio de Azevedo e companheiros mártires, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 12,46-50)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 46enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. 47Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”.
48Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” 49E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. 50Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Fazer a vontade do Pai

Esta narrativa cria uma tensão quando Jesus fala às multidões enquanto, do lado de fora, ficam sua mãe e seus irmãos, que procuram falar com ele. O que está em foco é uma reformulação da família em vista do cumprimento da vontade do Pai, conforme pedimos na oração do Pai-Nosso. A conversão pessoal implica a conversão da família. Uma renovação dos valores supõe uma reformulação das relações familiares. No Judaísmo são os laços sanguíneos que constituem os elos genealógicos que vinculam às origens abraâmicas de povo eleito. Jesus apresenta como critério de pertinência à sua família divina não os laços sanguíneos, mas o cumprimento da vontade do Pai, que está nos céus. De um modo mais geral, as tradições familiares são perpetuadas em vista da posse de bens, gozo de privilégios ou de submissão à ordem das estruturas da sociedade injusta. À medida que a família se compromete com fazer a vontade do Pai, ela se abre para a partilha, a solidariedade e a acolhida aos mais excluídos, sem preconceitos e com amor transformador. Maria, acompanhando seu filho, guardava em seu coração tudo que observava e ia amadurecendo sua compreensão a respeito da revelação de Jesus.

 José Raimundo OLiva

A igreja celebra hoje: Nossa Senhora do Carmo

Ao olharmos para a história da Igreja encontramos uma linda página marcada pelos homens de Deus, mas também pela dor, fervor e amor à Virgem Mãe de Deus: é a história da Ordem dos Carmelitas, da qual testemunha o cardeal Piazza: "O Carmo existe para Maria e Maria é tudo para o Carmelo, na sua origem e na sua história, na sua vida de lutas e de triunfos, na sua vida interior e espiritual".

Carmelo (em hebraico, "carmo" significa vinha; e "elo" significa senhor; portanto, "Vinha do Senhor"): este nome nos aponta para a famosa montanha que fica na Palestina, donde o profeta Elias e o sucessor Elizeu fizeram história com Deus e com Nossa Senhora, que foi pré-figurada pelo primeiro numa pequena nuvem (cf. I Rs 18,20-45). Estes profetas foram "participantes" da Obra Carmelita, que só vingou devido à intervenção de Maria, pois a parte dos monges do Carmelo que sobreviveram (século XII) da perseguição dos muçulmanos, chegaram fugidos na Europa e elegeram São Simão Stock como seu superior geral; este, por sua vez, estava no dia 16 de julho intercedendo com o Terço, quando Nossa Senhora apareceu com um escapulário na mão e disse-lhe: "Recebe, meu filho, este escapulário da tua Ordem, que será o penhor do privilégio que eu alcancei para ti e para todos os filhos do Carmo. Todo o que morrer com este escapulário será preservado do fogo eterno".

Vários Papas promoveram o uso do escapulário e Pio XII chegou a escrever: "Devemos colocar em primeiro lugar a devoção do escapulário de Nossa Senhora do Carmo - e ainda - escapulário não é 'carta-branca' para pecar; é uma 'lembrança' para viver de maneira cristã, e assim, alcançar a graça duma boa morte". Neste dia de Nossa Senhora do Carmo, não há como não falar da história dos Carmelitas e do escapulário, pois onde estão os filhos aí está a amorosa Mãe.


Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 11,28-30)



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, tomou Jesus a palavra e disse: 28 “Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso.
29Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. 30Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho



Jesus a todos convida ao seu seguimento

Jesus a todos convida ao seu seguimento. Ele se dirige a todas as pessoas em todos os tempos. É o Jesus simples, humano, sensível, que se faz presente entre nós, com suas palavras carinhosas e sedutoras, que são luz e vida. Os discípulos, no tempo de Jesus, viviam sob o jugo da Lei. Os escribas e fariseus amarravam fardos pesados sobre seus ombros (Mt 23,4), sob a forma dos inúmeros preceitos legais, as exigências de ofertas, as discriminações, as humilhações e as exclusões. Jesus oferece o jugo do cumprimento da vontade do Pai. Esta vontade é o dom da vida eterna, e o caminho é a prática das bem-aventuranças, que levam a um estado de felicidade divina e a uma alegria comunicativa. O mundo, dominado pelos ambiciosos e poderosos, também amarra fardos pesados tanto sobre os inseridos no sistema global, quanto sobre os excluídos, cada um a seu modo. As opressões sob formas diversificadas, as ansiedades, as frustrações, os estresses urbanos, a violência e o medo que provocam a carência, a fome, a doença, a miséria. Jesus, manso e humilde de coração, oferece a sua paz. O mesmo coraçãozinho que batia junto com o coração de Maria, em seu ventre. É o Jesus humano, com seu coração compassivo, que convivendo conosco nos revela o Pai, nos comunica seu Espírito de amor, nos ilumina e conforta, nos estimula à luta e nos dá a vida eterna.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Boaventura

O santo de hoje foi bispo e reconhecido doutor da Igreja do Cristo que chamou pescadores e camponeses para segui-lo no carisma de Francisco de Assis, mas também homens cultos e de ciência. São Boaventura era um destes homens de muita ciência, porém, de maior humildade e conhecimento de Deus, por isto registrou o que vivia.

Escreve ele: "Não basta a leitura sem a unção, não basta a especulação sem a devoção, não basta a pesquisa sem maravilhar-se; não basta a circunspecção sem o júbilo, o trabalho sem a piedade, a ciência sem a caridade, a inteligência sem a humildade, o estudo sem a graça".

Boaventura nasceu no centro da Itália em 1218, e ao ficar muito doente recebeu a cura por meio de uma oração feita por São Francisco de Assis, que percebendo a graça tomou-o nos braços e disse: "Ó, boa ventura!". Entrou na Ordem Franciscana e, pela mortificação dos sentidos e muita oração, exerceu sua vocação franciscana e sacerdócio na santidade, a ponto do seu mestre qualificar-lhe assim: "Parece que o pecado original nele não achou lugar".

São Boaventura, antes de se destacar como santo bispo, já chamava - sem querer - a atenção pela sua cultura e ciência teológica, por isso, ao lado de Santo Alberto Magno e Santo Tomás de Aquino, caracterizaram o século XIII como o tempo de sínteses teológicas.

Certa vez, um frei lhe perguntou se poderia salvar-se, já que desconhecia a ciência teológica; a resposta do santo não foi outra: "Se Deus dá ao homem somente a graça de poder amá-Lo isso basta... Uma simples velhinha poderá amar a Deus mais que um professor de teologia". O Doutor Seráfico, assumiu muitas responsabilidades, como ministro geral da Ordem Franciscana, bispo, arcebispo, até que depois de tanto trabalhar, ganhou com 56 anos o repouso no céu.


São Boaventura, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 11,25-27)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.



25Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. 26Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 27Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar”.





- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


A revelação de Jesus



Nesta breve oração de louvor, seguida da afirmação da união de conhecimento entre o Filho e o Pai, encontramos semelhanças de estilo com outras passagens do Evangelho de João, relativas a Jesus: dirigir-se diretamente ao Pai, em oração de louvor (Jo 11,41b-42); tudo entregue pelo Pai e a revelação do Filho (Jo 17,6); o conhecimento entre o Filho e o Pai (Jo 17,25-26). De maneira sublime é afirmada a acolhida dos pequeninos pelo Pai. Os pequeninos são os pobres bem-aventurados, simples e humildes, privados e carentes, em busca do socorro de Deus e ansiosos pela mudança do sistema de opressão. Os sábios e entendidos são os autossuficientes peritos da Lei e os que, usando seus dons, ascenderam ao poder tornando-se opressores e, bem instalados em seus privilégios, não querem mudanças. Os critérios de valor, a partir da ótica do amor de Deus, são incompatíveis com os critérios do mundo de privilégios, riqueza e poder. Completando a oração, Jesus afirma a sua união de conhecimento com o Pai, que é a
fonte da sua revelação. Em Deus a relação de conhecimento é relação de amor. A revelação de Jesus é para o mundo, para todos que têm fome e sede de justiça, e são solidários com os pobres, pequeninos e excluídos.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Camilo de Léllis


Nasceu no ano de 1550 na Itália. Filho de pai militar, também seguiu essa carreira, mas não pode prosseguir devido a um tumor em um dos pés. Recorreu ao hospital de São Tiago em Roma, onde viveu sua compaixão pelos outros doentes.

Porém, ele deu um 'sim' ao pecado, entregando-se ao vício do jogo, onde perdeu tudo e ficou na miséria total. Saiu do hospital devido o seu temperamento. Foi de hospital em hospital para cuidar de sua ferida, até bater na porta dos franciscanos capuchinhos e ali quis trabalhar na obra de Deus.

Com 25 anos começou o seu processo de conversão. No hospital em Roma, Deus suscitou nele a santidade de ver nos doentes a pessoa de Cristo e também o carisma dos 'Camilianos'. Camilo também viveu uma bela amizade com São Felipe Néri.

Entrou para os estudos, foi ordenado sacerdote, e vendo a realidade dos peregrinos de Roma, que não tinham uma assistência médica digna, foi brotando nele o carisma de servir a Cristo na pessoa do doente, do peregrino. E muitos se juntaram a ele nessa obra. Em cada sofredor está a presença do Crucificado.

São Camilo partiu para o céu em 1614.

São Camilo de Léllis, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 11,20-24)

15ª Semana Comum

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 20Jesus começou a censurar as cidades onde fora realizada a maior parte de seus milagres, porque não se tinham convertido.
21“Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se os milagres que se realizaram no meio de vós, tivessem sido feitos em Tiro e Sidônia, há muito tempo elas teriam feito penitência, vestindo-se de cilício e cobrindo-se de cinza.
22Pois bem! Eu vos digo: no dia do julgamento, Tiro e Sidônia serão tratadas com menos dureza do que vós. 23E tu, Cafarnaum! Acaso serás erguida até o céu? Não! Serás jogada no inferno! Porque, se os milagres que foram realizados no meio de ti tivessem sido feitos em Sodoma, ela existiria até hoje! 24Eu, porém, vos digo: no dia do juízo, Sodoma será tratada com menos dureza do que vós!”

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Tiro e Sidônia

Concluído o "discurso missionário" em que Mateus reúne várias sentenças de Jesus, seguem-se um julgamento sobre "esta geração" que rejeitou João Batista e Jesus e uma lamentação sobre três cidades. Esta dura lamentação está também em Lucas inserida no envio dos "setenta e dois" em missão. A lamentação não se dirige às grandes cidades helênicas da Galileia, como Séforis e Tiberíades. As cidades imprecadas são de médio porte, sob influência de sinagogas locais. Corazim e Betsaida situavam-se ao norte de Cafarnaum, todas às margens do Mar da Galileia. Cafarnaum é a cidade da residência de Jesus. As cidades comparadas são: Tiro e Sidônia, cidades gentias, na costa norte mediterrânea, e malvistas pelos judeus; Sodoma e Gomorra são cidades-símbolo da corrupção na tradição de Israel, destruídas por castigo divino no Primeiro Testamento. A censura às cidades tem o sentido de censura ao poder político-religioso nelas sediado.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Henrique e Santa Cunegundes

Muitos acusam a Idade Média como um "tempo de trevas" na História, e não tem como não pensar isto se não abrirmos os olhos e olharmos para o alto, pois neste lugar é que se encontram as luzes deste período, ou seja, os inúmeros santos e santas. Henrique e Cunegundes fazem parte deste "lustre", pois viveram uma perfeita harmonia de afetos, projetos e ideais de santidade.

Henrique era filho de duque e nasceu num castelo na Alemanha em 973. Pertencia à uma família santa e por isso foi educado também por cônegos e, mais tarde, pelo bispo de Ratisbona, adquirindo assim toda uma especial formação cristã. Conta-se que espiritualmente ele preparou-se intensamente para assumir o trono da Alemanha, mas isto sem saber, pois ainda jovem sonhara com estas breves palavras: "Entre seis"; e com isto interpretou primeiramente que teria seis dias antes de morrer, mas, como não aconteceu, preparou-se em vista de seis meses e em seguida seis anos até, por Providência, assumir o reinado.

No caso de Henrique o adágio de que "por trás de um grande homem está uma grande mulher" funcionou, pois casou-se com a princesa de Luxemburgo, Cunegundes, uma mulher de muitas virtudes e inúmeros dons ao ponto de ajudar por 27 anos seu esposo na organização do império e implantação do Reino de Deus. Com a morte de Henrique II e seu reconhecimento de santidade, Conegundes foi morar num mosteiro, onde cortou o cabelo, vestiu hábito pobre e passou a obedecer suas superioras até ir ao encontro de Henrique no céu, isto quando tinha 61 anos. Sendo assim, ambos morreram sob a coroa de Sacro Romano no império terrestre e a coroa da Glória no império celeste.

Santo Henrique e Santa Cunegundes, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 10,34–11,1)

15ª Semana Comum



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 10,34“Não penseis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer a paz, mas sim a espada. 35De fato, vim separar o filho de seu pai, a filha de sua mãe, a nora de sua sogra.
36E os inimigos do homem serão os seus próprios familiares. 37Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim, não é digno de mim. Quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim, não é digno de mim. 38Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim.
39Quem procura conservar a sua vida vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim vai encontrá-la. 40Quem vos recebe a mim recebe; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou. 41Quem recebe um profeta, por ser profeta, receberá a recompensa de profeta. E quem recebe um justo, por ser justo, receberá a recompensa de justo. 42Quem der, ainda que seja apenas um copo de água fresca, a um desses pequeninos, por ser meu discípulo, em verdade vos digo: não perderá a sua recompensa”. 11,1Quando Jesus acabou de dar essas instruções aos doze discípulos, partiu daí, a fim de ensinar e pregar nas cidades deles.
 
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O discípulo dá continuidade à obra de Jesus

Encerrando o Sermão da Montanha, Mateus nos apresenta mais alguns ditos e sentenças de Jesus. A frase inicial tem o impacto da contradição do senso comum. A paz de Jesus não é como a paz do mundo oprimido pelos poderosos, e ele vem trazer a espada da verdade e da justiça que liberta os oprimidos das ideologias deste mundo. A própria família está sob a influência destas ideologias tradicionais e sofre o impacto da mensagem de Jesus. Toma-se a cruz não por amor ao sofrimento, mas pelo empenho na evangelização, com destemor das ameaças daqueles que não querem a libertação dos pobres oprimidos, explorados e humilhados. Fracassar para o mundo, porém comprometer-se com o projeto de Jesus, é o caminho da vida eterna. Em missão, o discípulo dá continuidade à obra de Jesus.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São João Gualberto

Com muita alegria nos deparamos com a santidade de vida de São João Gualberto, que pertenceu a uma nobre família de Florença, a qual muito bem o educou na cultura, porém, deixou falhas no essencial, ou seja, na vida religiosa. Por isso, facilmente, ele foi se entregando às liberdades perigosas e às vaidades do mundo.

Aconteceu que, com o assassinato do seu irmão, João Gualberto – como o pai – revoltou-se a ponto de jurar o causador de morte; mas um certo dia, numa estreita estrada, Gualberto encontrou-se com o assassino desarmado, por isso arrancou sua espada para vingar o irmão, quando de repente a súplica: "Por amor de Jesus que neste dia morreu por nós, tem piedade de mim, não me mates!".

Era uma Sexta-feira Santa, e assim, tocado pela misericórdia de Deus, João Gualberto não só acolheu o malvado com seu perdão, mas também ao entrar numa igreja, recebeu aos pés do Crucificado a graça do perdão e a vida nova.

No processo de conversão de São João Gualberto, Deus o encaminhou à vida religiosa, à vida eremítica e depois à fundação de uma nova Ordem, chamada de Vallombrosa, na qual São João Gualberto tornou-se pai do monges e modelo, já que, antes de entrar na Vida Eterna em 1073, com 73 anos partilhou para os irmãos: "Quando quiserem eleger um abade, escolham entre os irmãos o mais humilde, o mais doce, o mais mortificado".

São João Gualberto, rogai por nós!

Evangelho (Lucas 10,25-37)

15º Domingo Comum




— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!



Naquele tempo, 25um mestre da Lei se levantou e, querendo pôr Jesus em dificuldade, perguntou: “Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?”
26Jesus lhe disse: “O que está escrito na Lei? Como lês?”
27Ele então respondeu: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com toda a tua inteligência; e ao teu próximo como a ti mesmo!”
28Jesus lhe disse: “Tu respondeste corretamente. Faze isso e viverás”.
29Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?”
30Jesus respondeu: “Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no, e foram-se embora, deixando-o quase morto.
31Por acaso, um sacerdote estava descendo por aquele caminho. Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado.
32O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante, pelo outro lado.
33Mas um samaritano, que estava viajando, chegou perto dele, viu e sentiu compaixão. 34Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal e levou-o a uma pensão, onde cuidou dele.
35No dia seguinte, pegou duas moedas de prata e entregou-as ao dono da pensão, recomendando: ‘Toma conta dele! Quando eu voltar, vou pagar o que tiveres gasto a mais’”.
E Jesus perguntou:
36“Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?”
37Ele respondeu: “Aquele que usou de misericórdia para com ele”.
Então Jesus lhe disse: “Vai e faze a mesma coisa”.



- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Amar a Deus e o amar ao próximo



Na obra de Lucas (Evangelho e Atos), predomina o caráter teológico sobre o histórico ao se fazer memória de Jesus de Nazaré. Marcos e Mateus já haviam apresentado a narrativa sobre o primeiro mandamento (cf. 3 jun., 20 ago.). Lucas adapta-a para ser a introdução à sua parábola do samaritano. A narrativa começa, subitamente, com um doutor da Lei que se levanta para perguntar a Jesus o que fazer para herdar a vida eterna. A ideologia do doutor é a do mérito pessoal: fazer obras para herdar bens. Jesus devolve a pergunta: "O que está escrito na Lei?". Lucas coloca a resposta, que era de Jesus em Marcos e Mateus, na boca de um doutor da Lei, o que é inviável: o amar a Deus e o amar ao próximo. Surge então a interrogação sobre "quem é o meu próximo?". Lucas apresenta a parábola do samaritano como resposta a esta interrogação. Ao passarem por um estranho, ferido e semimorto na estrada, um sacerdote e, depois, um levita desviaram-se indiferentes ao seu sofrimento. Foi um samaritano que, passando, aproximou-se do ferido e, com todo o cuidado, levou-o a um abrigo. Este samaritano, um excluído que se fez próximo do sofredor resgatando-lhe a vida, é oferecido como modelo para o doutor da Lei e para todos nós. Observar os mandamentos é cumprir as palavras de Jesus (primeira leitura), pela qual todos são reconciliados e a paz é instaurada na terra (segunda leitura).

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Bento

Abade vem de "Abbá", que significa pai, e isto o santo de hoje bem soube ser do monaquismo ocidental. São Bento nasceu em Núrcia, próximo de Roma, em 480, numa nobre família que o enviou para estudar na Cidade Eterna, no período de decadência do Império.

Diante da decadência – também moral e espiritual – o jovem Bento
abandonou todos os projetos humanos para se retirar nas montanhas da Úmbria, onde dedicou-se à vida de oração, meditação e aos diversos exercícios para a santidade. Depois de três anos numa retirada gruta, passou a atrair outros que se tornaram discípulos de Cristo pelos passos traçados por ele, que buscou nas Regras de São Pacômio e de São Basílio uma maneira ocidental e romana de vida monástica. Foi assim que nasceu o famoso mosteiro de Monte Cassino.

A Regra Beneditina, devido a sua eficácia de inspiração que formava cristãos santos por meio do seguimento dos ensinamentos de Jesus e da prática dos Mandamentos e conselhos evangélicos, logo encantou e dominou a Europa, principalmente com a máxima "Ora et labora". Para São Bento a vida comunitária facilitaria a vivência da Regra, pois dela depende o total equilíbrio psicológico; desta maneira os inúmeros mosteiros, que enriqueceram o Cristianismo no Ocidente, tornaram-se faróis de evangelização, ciência, escolas de agricultura, entre outras, isso até mesmo depois de São Bento ter entrado no céu com 67 anos.

São Bento, rogai por nós!