Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Evangelho (Marcos 12,38-44)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 38Jesus dizia, no seu ensinamento, à multidão: "Tomai cuidado com os doutores da Lei! Eles gostam de andar com roupas vistosas, de ser cumprimentados nas praças públicas; 39gostam das primeiras cadeiras nas sinagogas e dos melhores lugares nos banquetes. 40Eles devoram as casas das viúvas, fingindo fazer longas orações. Por isso eles receberão a pior condenação".
41Jesus estava sentado no Templo, diante do cofre das esmolas, e observava como a multidão depositava suas moedas no cofre. Muitos ricos depositavam grandes quantias.
42Então chegou uma pobre viúva que deu duas pequenas moedas, que não valiam quase nada. 43Jesus chamou os discípulos e disse: "Em verdade vos digo, esta pobre viúva deu mais do que todos os outros que ofereceram esmolas. 44Todos deram do que tinham de sobra, enquanto ela, na sua pobreza, ofereceu tudo aquilo que possuía para viver".

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


Jesus adverte sobre a exploração e o poder


Ensinando no Templo, Jesus adverte o povo sobre a sua exploração por parte dos escribas. Estes ostentam poder e piedade para humilhar o povo simples e mantê-lo sob seu domínio. Jesus senta-se em frente ao tesouro, que ocupava uma sala do Templo. Observava como a multidão punha dinheiro nos cofres externos. Os ricos, interessados em fortalecer o sistema do Templo, que os escudava, colocavam grandes quantias nos cofres. Uma pobre viúva, que representa a multidão dos fiéis empobrecidos que também depositavam suas ofertas, vem e deposita duas moedinhas. Jesus declara que a pobre viúva deu tudo o que possuía. Com isto Jesus, em continuidade à denúncia dos escribas que devoram as casas das viúvas, denuncia o próprio sistema do Templo. Com as exigências de suas leis, de seus dízimos e ofertas, os chefes do Templo exploram os pobres, acumulando riquezas nos cofres do tesouro do Templo.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Bonifácio

Com alegria, celebramos vida de total entrega a Deus, deste santo que se tornou o "Apóstolo da Alemanha". São Bonifácio nasceu em 675 e recebeu o nome de batismo de Winfrido e com o passar da vida, no seguimento ao Divino Mestre, tornou-se monge beneditino.

O coração de Bonifácio era sereno como o dos seus irmãos monges, porém, inquieto por causa do seu ardor missionário, sendo assim ao se apresentar ao Papa recebeu sua investidura de missionário, fato que mudou sua vida e seu nome de Winfrido para Bonifácio, em memória de um grande mártir. Ordenado Bispo, São Bonifácio soube proporcionar elo do Cristianismo nascente na Alemanha com Roma, assim como bem evangelizou os quatro cantos de sua região, através de muitos mosteiros e dioceses que nasceram por sua causa.

Docilidade e firmeza, timidez e coragem, oração e ação estavam presentes em sua pessoa e em seu fecundo apostolado, que não se resumiu na Alemanha, pois ao estabelecer sede episcopal, deixou tudo nas mãos de outro Bispo e foi evangelizar o Norte da Europa. Aconteceu que ao ir para Dokkin a convite para celebrar o Crisma, São Bonifácio e outros cristãos foram atacados e mortos por pagãos, isso em 754.


São Bonifácio, rogai por nós!

Evangelho (Marcos 12,35-37) - 9ª Semana Comum



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

35Naquele tempo, Jesus ensinava no Templo, dizendo: "Como é que os mestres da Lei dizem que o Messias é Filho de Davi? 36O próprio Davi, movido pelo Espírito Santo, falou: 'Disse o Senhor ao meu Senhor: senta-te à minha direita, até que eu ponha teus inimigos debaixo dos teus pés'. 37Portanto, o próprio Davi chama o Messias de Senhor. Como é que ele pode então ser seu filho?" E uma grande multidão o escutava com prazer.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus faz em Jerusalém seu anúncio libertador


Vindo da Galileia, Jesus encontra-se em Jerusalém para fazer seu anúncio libertador entre os peregrinos que para aí se dirigem a fim de participar da tradicional festa da Páscoa. Indo ao Templo, ao encontro dos peregrinos, Jesus lhes falava diariamente. Várias vezes o chamavam de "filho de Davi". Segundo a expectativa messiânica tradicional, este "filho de Davi" seria um líder que comandaria a libertação da Judeia da submissão aos impérios, reconstituindo o antigo Israel em poder e glória sobre as demais nações. O novo Israel seria instaurado na semelhança do antigo império do rei Davi, conforme as versões tradicionais. A base ideológica desta expectativa era a profecia de Natã (2Sm 7,5-16) elaborada na corte da dinastia davídica. Jesus procura desmontar esta interpretação sobre sua pessoa. O argumento lógico é simples. Jesus evoca o salmo messiânico 110, que era atribuído a Davi, no qual o autor dirige-se ao "Senhor" (messias), com submissão. Então o messias não é filho de Davi, mas sim Senhor de Davi. Embora sempre Jesus se revelasse como o humano, simples e humilde, os discípulos de origem judaica transmitiram à tradição cristã a herança do messianismo real davídico, que ainda perdura em nossos tempos.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Crispim

Neste dia lembramos o primeiro santo canonizado pelo Papa João Paulo II: São Crispim, que nasceu em Viterbo, na Itália, em 1668.

Chamado à vida religiosa, recebeu uma formação jesuíta. Porém, acabou entrando para a família franciscana, despertado pela piedade dos noviços. Ocupou cargos de grande simplicidade dentro da comunidade como a horta, a cozinha, e tantos outros serviços onde ele testemunhava em tudo o amor de Deus.

Falava e vivia a seguinte frase: “Quem ama a Deus com pureza de coração, vive feliz e morre contente”

Crispim deixou essa marca da pureza e da alegria. Ele viveu tudo com pureza de coração, foi feliz e morreu contente em 1748.

Que nosso caminho seja marcado pelo amor e pela verdadeira alegria.

São Crispim, rogai por nós!

CORPUS CHRISTI - Igreja convida fieis para celebrar a comunhão em Cristo



A Festa de Corpus Christi é a celebração em que solenemente a Igreja comemora a instituição do Santíssimo Sacramento da Eucaristia; sendo o único dia do ano que o Santíssimo Sacramento sai em procissão às nossas ruas. Propriamente é a Quinta-feira Santa o dia da instituição, mas a lembrança da Paixão e Morte do Salvador não permite uma celebração festiva. Por isso, é na Festa de Corpus Christi que os fiéis agradecem e louvam a Deus pelo inestimável dom da Eucaristia, na qual o próprio Senhor se faz presente como alimento e remédio de nossa alma. A Eucaristia é fonte e centro de toda a vida cristã. Nela está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, o próprio Cristo.

“É a festa da Eucaristia, dom maravilhoso de Cristo, que na Última Ceia quis deixar-nos o memorial da sua Páscoa, o sacramento do seu Corpo e do seu Sangue, penhor de amor imenso por nós.” (Papa Bento XVI)


O Bispo Diocesano, Dom Mariano Manzana, preside a Missa às 16h30, na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, Abolição 2. Após a celebração haverá procissão com saída da referida Igreja ao Santuário do Sagrado Coração de Jesus, no Centro. Participe!

Evangelho (Lucas 9,11b-17


Quinta-Feira, 3 de Junho de 2010
Corpus Christi


O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 11bJesus acolheu as multidões, falava-lhes sobre o Reino de Deus e curava todos os que precisavam.
12A tarde vinha chegando. Os doze apóstolos aproximaram-se de Jesus e disseram: "Despede a multidão, para que possa ir aos povoados e campos vizinhos procurar hospedagem e comida, pois estamos num lugar deserto".
13Mas Jesus disse: "Dai-lhes vós mesmos de comer". Eles responderam: "Só temos cinco pães e dois peixes. A não ser que fôssemos comprar comida para toda essa gente".
14Estavam ali mais ou menos cinco mil homens. Mas Jesus disse aos discípulos: "Mandai o povo sentar-se em grupos de cinquenta".
15Os discípulos assim fizeram, e todos se sentaram. 16Então Jesus tomou os cinco pães e os dois peixes, elevou os olhos para o céu, abençoou-os, partiu-os e os deu aos discípulos para distribuí-los à multidão. 17Todos comeram e ficaram satisfeitos. E ainda foram recolhidos doze cestos dos pedaços que sobraram.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Dai-lhes vós mesmos de comer
Lucas introduz a narrativa da partilha dos pães a partir de um sumário da missão de Jesus: acolher as multidões, ensinar sobre o Reino de Deus e promover-lhes a vida. Neste contexto, a multidão encontra-se em nova situação de carência: entardecendo, e em lugar deserto, necessitam de alimento e hospedagem. Os discípulos sentem esta necessidade da multidão e vão a Jesus. Jesus os provoca: "Dai-lhes vós mesmos de comer". Alguns pães e peixes de que dispunham são abençoados (eulogêsen) e partidos por Jesus. O Evangelho de João diz que Jesus "deu graças" (eukharistêsas) e distribuiu-os à multidão. Fica assim caracterizada a ação de graças eucarística como a prática da partilha dos bens recebidos, na comunhão de amor e vida com o próximo mais necessitado e carente.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Carlos Lwanga e Companheiros

Neste dia, celebramos a memória destes grandes mártires que na África testemunharam o nome de Jesus. Carlos Lwanga era chefe dos pajens, que serviam na corte do rei Muanga da Uganda.

Acontece que a entrada da evangelização na África, sofreu muito pelas invasões dos homens brancos, por isso os missionários tinham que ser homens verdadeiramente de Deus, ou seja, de caridade, pois facilmente eram confundidos com colonizadores. Depois da entrada dos padres que fizeram um lindo trabalho de evangelização que atingiu Carlos Lwanga e outros, o rei se revoltou e decretou pena de morte para os que rezassem.

São Carlos, depois de muito se preparar como seus companheiros, se apresentou diante do rei com o firme propósito de não negarem a fé, por isso foi queimado vivo diante de todos. Seguindo o irmão na fé, nenhum deles recusou, até que em 1887 o último deles morreu afogado, como parte dos corajosos mártires da Uganda na África.


São Carlos Lwanga e companheiros, rogais por nós!

Quarta-Feira, 2 de Junho de 2010 - Evangelho (Marcos 12,18-27 9ª Semana Comum

Comentário do Evangelho

Deus é Deus de vivos


Os saduceus integravam uma classe aristocrata e latifundiária. Não acreditavam na ressurreição, ao contrário dos fariseus, e inclinavam-se à colaboração pacífica com o Império Romano. O caso anedótico, baseado na lei do levirato - que visava garantir que a família do marido falecido permanecesse na posse dos seus bens -, é apresentado para confundir os adeptos da ressurreição. Jesus, de maneira contundente, sugere que eles estão errados e não compreendem as Escrituras, nem o poder de Deus. Deus é Deus de vivos! Jesus, em sua vida e em seu ministério, progressivamente vai revelando que a ressurreição não é um fato do fim dos tempos, mas é a vida que continua além da morte. É o dom que completa a criação, revelado pela encarnação do Filho de Deus.

 José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Marcelino e São Pedro

Mártires

Os santos de hoje, pertenceram ao clero romano no século IV e viveram no contexto da grande perseguição contra a Igreja de Cristo, por parte do Imperador Diocleciano. Foram mártires por causa do amor a Jesus. Os santos demonstram com a vida e até com a morte, no caso dos mártires, que o amor precisa ser o mais importante.

Foram presos, e na cadeia souberam que o responsável daquela prisão estava deprimido. E quiseram saber o porquê. E a filha deste, estava sendo oprimida pelo maligno. Eles então, anunciaram Jesus àquele pai, e disseram do poder do Senhor para libertá-la. Conseguiram liberação, foram até a casa desta família, anunciaram Jesus, oraram pela libertação daquela criança e que graça, toda a família se converteu, aceitando o santo Batismo. Este pai de família também foi preso e martirizado.

Pedro e Marcelino foram instrumentos da Divina Providência para que a evangelização chegasse a essa família e a tantas outras pessoas.

Estes santos foram decapitados no ano de 304.

Peçamos a intercessão destes santos para que a nossa evangelização seja centrada no amor de Deus, para que muitas famílias se convertam e se tornem sinais visíveis deste amor que santifica e salva, o amor de Deus.


São Marcelino e São Pedro, rogais por nós!

Evangelho (Marcos 12,13-17)

Terça-Feira, 1 de Junho de 2010
São Justino, Mártir



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 13as autoridades mandaram alguns fariseus e alguns partidários de Herodes, para apanharem Jesus em alguma palavra. 14Quando chegaram, disseram a Jesus: "Mestre, sabemos que tu és verdadeiro, e não dás preferência a ninguém. Com efeito, tu não olhas para as aparências do homem, mas ensinas, com verdade, o caminho de Deus. Dize-nos: É lícito ou não pagar o imposto a César? Devemos pagar ou não?"
15Jesus percebeu a hipocrisia deles, e respondeu: "Por que me tentais? Trazei-me uma moeda para que eu a veja". 16Eles levaram a moeda, e Jesus perguntou: "De quem é a figura e inscrição que estão nessa moeda?" Eles responderam: "De César".
17Então Jesus disse: "Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus". E eles ficaram admirados com Jesus.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


A Deus o que é de Deus

Fariseus e herodianos, mesmo seguindo doutrinas divergentes, se unem contra Jesus. Quem os envia a Jesus são os membros do sinédrio, os chefes dos sacerdotes, os escribas e os anciãos latifundiários. Simulam admiração por Jesus, mas este percebe sua hipocrisia. Tentam ver se Jesus entra em contradição ou declara algo contra o Império Romano ou contra as expectativas populares sobre ele. Se Jesus se mostrasse a favor do pagamento do imposto a César, ficaria desacreditado diante do povo que sofria com esta opressão. Se ele se mostrasse contra o pagamento, seria denunciado e condenado pela autoridade romana. É pela sua moeda que o império exerce a dominação. Diante da moeda romana, com a inscrição de César, Jesus fala em devolvê-la, e não em pagar. Devolver a César o que é de César é deixar de ser conivente com o império. Devolver a Deus o que é de Deus é restaurar a vida e a dignidade do povo oprimido e explorado.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Justino

Nasceu na Palestina em uma família que não conheceu Jesus. Justino buscou com aquilo que ele tinha, a verdade. Ele tinha essa sede e providencialmente pôs em sua vida um ancião que se aproximou dele para falar sobre a filosofia. E ele apresentou o 'algo mais' que faltava a Justino. Falou dos profetas, da fé, da verdade, do mistério de Deus e apresentou Jesus Cristo.

Justino se tornou um grande filósofo cristão, sacerdote, um homem que buscou corresponder diariamente a sua fé. E depois dos padres apostólicos, ele foi intitulado como o primeiro santo, padre.

A Sagrada Tradição foi muito testemunhada nos escritos deste santo.
Por inveja e por não aceitar a verdade, um filosofo denunciou São Justino, que foi julgado injustamente, flagelado e por não renunciar a Jesus Cristo, foi decapitado. Isso no ano de 167.

Com fé e razão nós mergulhamos nosso ser no coração de Jesus, modelo e fonte de toda graça, bênção e santidade.

São Justino, rogai por nós!


Evangelho (Lucas 1,39-56)

Segunda-Feira, 31 de Maio de 2010
Visitação de Nossa Senhora


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

39Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo.
42Com um grande grito exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre!” 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.
46Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, 47e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, 48porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, 49porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo, 50e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o temem.
51Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração. 52Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes. 53Encheu de bens os famintos, e despediu os ricos de mãos vazias. 54Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, 55conforme prometera aos nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”. 56Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


Maria mostra-se pronta para servir

Maria mostra-se disponível e ágil em servir sua prima Isabel, em sua gravidez mais avançada. João, no ventre de sua mãe, exulta com a presença de Maria trazendo Jesus em seu ventre. É a expressão da posição subalterna de João em relação a Jesus. Maria proclama seu cântico anunciando o projeto de Deus. A novidade de Jesus é a manifestação concreta da intervenção de Deus na história. Em suas singelas práticas de solidariedade, os pobres são acolhidos por Deus, enquanto os ricos, apegados às suas riquezas, estão à beira da frustração. A misericórdia de Deus não é a favor de um povo determinado, eleito, mas a favor de todos os povos.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Visitação de Nossa Senhora

Sabemos que Nossa Senhora foi visitada pelo Arcanjo Gabriel com esta mensagem de amor, com esta proposta de fazer dela a mãe do nosso Salvador. E ela aceitou. E aceitar Jesus é estar aberto a aceitar o outro.
O anjo também a comunicou que sua parenta Santa Isabel já estava grávida.
Aí encontramos o testemunho da Santíssima Virgem no Evangelho de São Lucas no capitulo 1, quando depois de andar cerca de 100km ela se encontrou com Isabel.

Nesta festa também vamos descobrindo a raiz da nossa devoção a Maria. Ela cantou o Magnificat, glorifcando a Deus. Em certa altura ela reconheceu sua pequenez, e o porquê deveríamos ter essa devoção, que passa de século a século.

“Porque olhou para sua pobre serva, por isso desde agora me proclamarão bem-aventurada todas as gerações.” São Lucas 1, 48

A Palavra de Deus nos convida a proclamarmos bem-aventurada aquela que por aceitar Jesus, também se abriu à necessidade do outro.
É impossível dizer que se ama a Deus, se não se ama o outro. A visitação de Maria a sua prima nos convoca a essa caridade ativa. A essa fé que se opera pelo amor. Amor que o outro tanto precisa.

Quem será que precisa de nós?

Peçamos a Virgem Maria que interceda por nós junto a Jesus para que sejamos cada vez mais sensíveis á dor do outro, mas que a nossa sensibilidade não fique no sentimentalismo, mas se opere na caridade.

Virgem Maria, Mãe da visitação, rogai por nós!




II Romaria do Terço dos Homens Mãe Rainha.

A exemplo do ano passado a 2ª Romaria do Terço dos Homens Mãe Rainha ao Santuário de Nossa Senhora dos Impossíveis na Serra do Lima em Patu-RN foi um verdadeiro sucesso, tivemos participação de quase todas as cidades da Diocese e ainda pra nossa alegria participaram da romaria a Arquidiocese de Natal representada pela cidade de Pendências. O evento teve inicio na Matriz de Nossa Senhora das Dores aonde Padre Flávio Augusto diretor espiritual do Terço dos Homens deu as boas vindas e a benção as caravanas, em seguida todos seguiram em oração até o santuário que fica aproximadamente 3,5km de distancia da Matriz, no santuário houve a missa Presidida por Dom Mariano e concelebrada pelos Padres Flávio Augusto e Erivon. Dom Mariano convocou os homens já para a 3ª romaria e deu a cada um uma missão, que todos tragam mais um homem para participar da romaria. Após a Santa Missa houve um intervalo para lanches, passeio pelo santuário e confissões individuais, em seguida foi recitado o santo terço, feitas as considerações finais e a benção da 2ª Romaria.


Matriz de Nossa Senhora das Dores - Patu/RN

Matriz de Nossa Senhora das Dores - Patu/RN

Matriz de Nossa Senhora das Dores - Patu/RN

Inicio da Caminhada até o Santuário.



Confissões individuais.

Santuário de Nossa Senhora dos Impossiveis - Serra do Lima/Patu

Chegada dos peregrinos ao Santuário.

Caravana de Pendência - Arquidiocese de Natal-RN

Missa Presidida por Dom Mariano e concelebrada por Padre Flávio e Erivon.

A Santa Missa.

Uma verdadeira manifestação de fé e amor dos homens do Terço.

Padre Jerônimo - o 2º da esquerda para a direita e membros do terço da sua Paróquia em Caraúbas-RN

Evangelho (João 16,12-15)


— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:
12“Tenho ainda muitas coisas a dizer-vos, mas não sois capazes de as compreender agora.
13Quando, porém, vier o Espírito da Verdade, ele vos conduzirá à plena verdade. Pois ele não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido; e até as coisas futuras vos anunciará.
14Ele me glorificará, porque receberá do que é meu e vo-lo anunciará. 15Tudo o que o Pai possui é meu. Por isso, disse que o que ele receberá e vos anunciará, é meu”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


Deus conduz a sua criação à plenitude


Deus conduz a sua criação à plenitude com uma admirável paciência histórica. Não em sete mais sete dias (criação e redenção), mas em milhares de anos, ao longo da história. Com estilo poético, na tradição bíblica, a Sabedoria do Criador é apresentada de maneira personificada em sua relação com a criação (cf. primeira leitura). O Criador, Deus Pai, fez os céus e a terra. Sobre a terra, a humanidade. A humanidade, em íntima comunhão com o universo, ao Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Santíssima Trindade longo do tempo desenvolve-se no ritmo de flores que desabrocham, um dia por mil anos. Vive suas experiências culturais, religiosas e socioeconômicas. Dentre estas experiências, o mundo cristão ocidental destaca a experiência político-religiosa de Israel. No devido tempo, Deus revela sua presença na história, em Jesus, seu Filho amado, homem entre os homens e mulheres. É concebido e nasce aquele que é a plenitude da vida. Jesus, entre 33 e 36 anos, vive na Galileia, região de cultura híbrida greco-oriental-judaica. Revela ao mundo o Reino de Deus e o Pai e envia aos discípulos o Espírito Santo, comunicador do amor e da vida eterna. O Paráclito, Espírito Santo, permanece nos discípulos reunidos em comunidades. A sua presença nos discípulos é também a presença do Filho, presença real. Presença oculta aos nossos sentidos carnais, porém percebida na fé e nos corações. Presença dinâmica que impele as comunidades à missão do anúncio e do testemunho do Reino de Deus ao longo da história. As comunidades continuam o ministério revelador de Jesus.
Deus é Trindade, é a plenitude do amor, na eternidade. O amor se manifesta no tempo e permanece na eternidade. Deus é amor e o amor é transbordante. Deus quis comunicar seu amor aos homens e mulheres por ele criados. Aqueles que acolherem este amor comunicador e a ele se unirem passam do tempo para a eternidade, em comunhão com Deus em sua vida divina e eterna. À Trindade são associadas as três virtudes teologais: a fé, a esperança e o amor/caridade (segunda leitura). No Cristianismo, a justificação pela fé já fora um dom de Deus a Abraão. A esperança da glória de Deus nos foi revelada pelo Filho, Jesus. O amor, que é a concretização da glória de Deus, é consumado, na história, nas comunidades dos fiéis, pelo Espírito Santo derramado em nossos corações.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Fernando

Rei da Espanha

Nasceu na Espanha no ano de 1198 na família real, e ele fugiu daquilo que poderia perverter sua vida moral.
Tinha grande amor a Virgem Santíssima, porque ficou muito enfermo quando pequeno, e pela intercessão de Nossa Senhora ele recuperou a saúde. Um jovem mariano e eucarístico.

Fernando descobriu sua vocação ao matrimônio e casou-se com Beatriz, e teve 13 filhos. Assumiu o reinado e não descuidou de seu povo, tratando-os como filhos, em especial os pobres.

Viveu um reinado justo, marcado pela fé, caridade e esperança.

Com a saúde fragilizada aos 54 anos, pegou uma grave enfermidade, recebeu os sacramentos e quis comungar Jesus Eucarístico de joelhos, num ato de adoração. Abraçou a cruz, aconselhou os filhos e partiu para a glória.

São Fernando, rogai por nós!