Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Águia Pequena - Padre Zezinho


 Mensagens Para Orkut
__________________________________________________________________
Tu me fizeste uma das tuas criaturas
Com ânsia de amar
Águia pequena que nasceu para as alturas
Com ânsia de voar
E eu percebi que as minhas penas já cresceram
E que eu preciso abrir as asas e tentar
Se eu não tentar não saberei como se voa
Não foi a toa que eu nasci para voar.

Pequenas águias correm risco quando voam
Mas devem arriscar
Só que é preciso olhar os pais como eles voam
E aperfeiçoar
Haja mau tempo haja correntes traiçoeiras
Se já tem asas seu destino é voar
Tem que sair e regressar ao mesmo ninho
E outro dia, outra vez recomeçar.

Tu me fizeste amar o risco das alturas
Com ânsia de chegar
E embora eu seja como as outras criaturas
Não sei me rebaixar
Não vou brincar de não ter sonhos se eu os tenho
Sou da montanha e na montanha eu vou ficar
Igual meus pais vou construir também meu ninho
Mas não sou águia se lá em cima eu não morar.

Tenho uma prece que eu repito suplicante
Por mim, por meu irmão
Dá-me esta graça de viver a todo instante
A minha vocação
Eu quero amar um outro alguém do jeito certo
Não vou trair meus ideais pra ser feliz
Não vou descer nem jogar fora o meu projeto
Vou ser quem sou e sendo assim serei feliz.

Evangelho (João 21,20-25)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 20Pedro virou-se e viu atrás de si aquele outro discípulo que Jesus amava, o mesmo que se reclinara sobre o peito de Jesus durante a ceia e lhe perguntara: “Senhor, quem é que te vai entregar?” 21Quando Pedro viu aquele discípulo, perguntou a Jesus: “Senhor, o que vai ser deste?”
22Jesus respondeu: “Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa isso? Tu, segue-me!” 23Então, correu entre os discípulos a notícia de que aquele discípulo não morreria. Jesus não disse que ele não morreria, mas apenas: “Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa?”
24Este é o discípulo que dá testemunho dessas coisas e que as escreveu; e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro. 25Jesus fez ainda muitas outras coisas, mas, se fossem escritas todas, penso que não caberiam no mundo os livros que deveriam ser escritos.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O essencial é o testemunho do amor

Nesta conclusão do capítulo 21, e do Evangelho de João, Pedro é seguido pelo discípulo que Jesus mais amava. Indica-se, assim, a subalternidade deste discípulo em relação ao primado de Pedro. O discípulo que Jesus mais amava aparece no início do Evangelho como discípulo incógnito junto com André (Jo 1,35.40) e se identifica nesta conclusão, como autor do Evangelho. O diálogo entre Pedro e Jesus sobre a permanência do discípulo amado é cercado de certo mistério, que deu margem a mal-entendidos na própria comunidade de João. Pode-se interpretar que, enquanto Pedro terminaria sua missão com o martírio (Jo 21,19), o discípulo amado permaneceria para o encontro com Jesus, terminando sua missão por morte natural. O essencial do testemunho é o amor, mesmo que não tenha o martírio
como desfecho.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Rita de Cássia

Nasceu na Itália, em Cássia, no ano de 1380. Seu grande desejo era consagrar-se numa vida religiosa. Mas, segundo os costumes de seu tempo, ela foi entregue em matrimônio para Paulo Ferdinando.

Tiveram dois filhos, e ela como mãe buscou educá-los na fé e no amor. Porém, eles foram influenciados pelo pai, que antes de se casar se apresentava com uma boa índole, mas depois se mostrou fanfarrão, traidor, entregue aos vícios. E seus filhos o acompanharam.

Rita então, chorava, orava, intercedia e sempre dava bom exemplo.

Seu esposo acabou sendo assassinado. Não demorou muito, seus filhos também morreram.

Seu refúgio era Jesus Cristo. A santa de hoje viveu os impossíveis de sua vida se refugiando no Senhor.

Rita quis ser religiosa. Já era uma esposa santa, tornou-se uma viúva santa e depois uma religiosa.

Ela recebeu um estigma na testa, que a fez sofrer muito, devido a humilhação que sentia, pois cheirava mal e incomodava aos outros. E teve que viver resguardada.

Morreu com 76 anos, após uma dura enfermidade que a fez sofrer por 4 anos.

Hoje ela intercede pelos impossíveis de nossa vida.

Santa Rita de Cássia, rogai por nós!

Evangelho (João 21,15-19)



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Jesus manifestou-se aos seus discípulos 15e, depois de comerem, perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?” Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse: “Apascenta os meus cordeiros”.
16E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas”. 17Pela terceira vez, perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas. 18Em verdade, em verdade te digo: quando eras jovem, tu te cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”. 19Jesus disse isso, significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus. E acrescentou: “Segue-me”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Os discípulos retornam à Galileia

Há indícios de que o capítulo 21 do Evangelho de João seja um acréscimo tardio, embora tal interpretação não tenha consenso pleno. Depois da crucifixão de Jesus, os discípulos retornam à Galileia. Estando os discípulos no barco para a pesca, Jesus se aproxima da praia, orienta os discípulos, e a pesca é surpreendente. Jesus prepara peixe e pão e os partilha com os discípulos. Na segunda parte desta narrativa, Pedro, com três afirmações de amor a Jesus, é resgatado da tríplice negação no momento da prisão de Jesus, e é instituído como o pastor das ovelhas de Jesus.
Agora, a sua fidelidade manifestará a glória de Deus, até o martírio. A narrativa exprime a tradição já formada do primado de Pedro e de seu martírio.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo André Bóbola

Santo do século XVII, ele nasceu na Polônia e ficou conhecido como “caçador de almas”.

Santo André Bóbola pertenceu à Companhia de Jesus como sacerdote jesuíta dedicado aos jovens e ao anúncio da Palavra de Deus num tempo dos cismas, quando a fé católica não era obedecida.

Viveu também dentro de um contexto onde politicamente existia um choque entre a Polônia e a Rússia. Certa vez, com a invasão dos soldados cossacos, ou seja russos na Polônia, os cismáticos aproveitaram a ocasião para entregar o santo.

Ele, que tinha sido instrumento para muito se voltarem ao Senhor, foi preso injustamente e sofreu na mão dos acusadores. Foi violentado, mas não renunciou a sua fé. Renunciou a própria vida, mas não a vida em Deus.

No ano de 1657, morreu mártir. O “caçador de almas” hoje intercede para que nós.

Santo André Bóbola, rogai por nós.

Evangelho (João 17,20-26)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos ao céu e rezou, dizendo: 20“Pai santo, eu não te rogo somente por eles, mas também por aqueles que vão crer em mim pela sua palavra; 21para que todos sejam um como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, e para que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste.
22Eu dei-lhes a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um: 23eu neles e tu em mim, para que assim eles cheguem à unidade perfeita e o mundo reconheça que tu me enviaste e os amaste, como me amaste a mim. 24Pai, aqueles que me deste, quero que estejam comigo onde eu estiver, para que eles contemplem a minha glória, glória que tu me deste porque me amaste antes da fundação do universo. 25Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu te conheci, e estes também conheceram que tu me enviaste.
26Eu lhes fiz conhecer o teu nome, e o tornarei conhecido ainda mais, para que o amor com que me amaste esteja neles, e eu mesmo esteja neles”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A unidade no amor é a glória de Deus


A unidade no amor é a glória de Deus. Jesus roga por todos, em todos os povos, em todos os tempos. Os discípulos são enviados ao mundo criado por Deus para que o mundo conheça o amor de Deus, creia e seja transformado por este amor. O grande sinal da presença de Deus não é nenhum ato de poder milagroso, mas a perfeita união de amor. Esta união já é perfeita entre Jesus e o Pai, e os discípulos empenham-se em participar dela, manifestando a glória de Deus ao mundo. Nas comunidades a unidade se faz na humildade, no perdão, na reconciliação, no serviço sem ambições, na partilha. No mundo a unidade é conquistada pela remoção do muro que divide os ricos - ambiciosos que se apropriam dos bens terrenos, dos empobrecidos, humilhados, explorados e carentes -, para que todos tenham vida plena, no usufruto da criação de Deus.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Bernardino de Sena

Nasceu em Massa Marítima, na Toscana, Itália, no ano de 1380. Muito cedo, infelizmente, perdeu seus pais; mas, por outro lado, a Providência Santíssima agiu na sua formação através de tias cristãs fervorosas. Tanto que oraram, testemunharam, foram canais da Providência Divina para a vida de São Bernardino.

Numa vida de oração e penitência, ele discerniu seu chamado a uma vida consagrada, entrando para a família franciscana na Ordem dos Frades Menores. Ali, tornou-se sacerdote.

São Bernardino possuía muitas qualidades; muitas delas, sobrenaturais. Muitos dons, dentre eles, o carisma da pregação. Um homem zeloso, liderou o movimento da observância em prol de uma vivência radical do carisma franciscano.

Quantas pessoas, na Itália, conheceram esse santo por causa da eficácia do nome de Jesus! Grande devoto; tanto que nas leituras do ofício de hoje, encontramos um texto tirado de um de seus sermões: “O nome de Jesus é a luz dos pregadores, porque ilumina, com o seu esplendor, os que anunciam e os que ouvem a Sua Palavra. Por que razão a luz da fé se difundiu no mundo inteiro tão rápida e ardentemente, senão porque foi pregado este nome?”.

Um grande pregador, ele reconhecia que tudo era graça na sua vida. Muitos puderam conhecer, através dos lábios desse pregador, o amor de Deus. Ele se expressou, revelou-se plenamente em Cristo Jesus na força do seu Espírito. São Bernardino, como todos os santos e santas da Igreja de todos os tempos, foi conduzido pelo Espírito Santo.

Centrado no mistério da Eucaristia, devotíssimo da Santíssima Virgem, ele se consumiu ao serviço da Palavra e do povo de Deus. No ano de 1444, ele partiu para o céu e intercede por nós para que sejamos todos servos da Palavra para glória e de Jesus.

São Bernardino de Sena, rogai por nós!

Quando o Santo Padre passou, olhou a imagem da Mãe Peregrina - Portugal



Diante de uma multidão de cerca de 200 mil pessoas, Bento XVI presidiu nesta terça-feira, no Terreiro do Paço de Lisboa, uma Celebração Eucarística que se tornou uma das mais importantes expressões de fé suscitadas pela primeira visita de Bento XVI a Portugal. Em determinado momento a Mãe Peregrina de Schoenstatt foi ao encontró dele...

Pedro e Isabel Falcão compartilham esta foto e seu testemunho com toda a familia de Schoenstatt:
"A Miti e o Rui mandaram este link da Agência Ecclesia, onde aparece a fotografia da minha filha Inês orgulhosamente a segurar a Imagem da Mãe Peregrina, quando Sua Santidade passou mesmo ao nosso lado. Foi lindíssimo e foi um grande privilégio, pois tivemos a sorte de quando o Santo Padre passou, ele olhou a imagem a Mãe Peregrina, abençoou-a e rindo-se para a Inês abençoou-a também. É uma graça que a minha filha nunca irá esquecer."

A foto foi publicada na galeria da Agência Ecclesia
Vejam todas as imagens no link:

Evangelho (João 17,11b-19)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos para o céu e rezou, dizendo: 11b“Pai santo, guarda-os em teu nome, o nome que me deste, para que eles sejam um assim como nós somos um. 12Quando eu estava com eles, guardava-os em teu nome, o nome que me deste. Eu os guardei e nenhum deles se perdeu, a não ser o filho da perdição, para se cumprir a Escritura.
13Agora, eu vou para junto de ti, e digo estas coisas, estando ainda no mundo, para que eles tenham em si a minha alegria plenamente realizada. 14Eu lhes dei a tua palavra, mas o mundo os rejeitou, porque não são do mundo, como eu não sou do mundo. 15Não te peço que os tires do mundo, mas que os guardes do Maligno. 16Eles não são do mundo, como eu não sou do mundo.
17Consagra-os na verdade; a tua palavra é verdade. 18Como tu me enviaste ao mundo, assim também eu os enviei ao mundo. 19Eu me consagro por eles, a fim de que eles também sejam consagrados na verdade”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Guardar", "consagrar"

"Guardar", "consagrar" e "mundo" são os temas dominantes nesta oração filial de Jesus. O "mundo", no qual Jesus se manifesta, está sob o domínio dos ambiciosos que oprimem e matam em vista de acumular riquezas e poder. O "guardar" é a presença amorosa que atrai os discípulos, os une, e liberta-os do poder maligno que domina o mundo. Jesus, entre os discípulos, foi esta presença amorosa. Agora, ao se ausentar, pede ao Pai que manifeste seu amor, com o envio do Espírito Santo. Este guardará os discípulos, que permanecem no mundo. Os frutos do Espírito são o amor e a alegria. "Consagrar" é dedicar a Deus. Jesus, enviado ao mundo pelo Pai, consagrou-se pelos discípulos: dedicou-se ao anúncio da palavra da verdade que salva o mundo. Agora os discípulos são enviados, em missão, ao mundo, consagrados ao testemunho e ao anúncio da verdade.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Ivo

Nasceu em Bretanha, região administrativa do oeste da França, em 1253.

Ivo recebeu uma ótima formação, formando-se em Filosofia, Teologia, Direito Eclesiástico e Civil.
Um santo advogado, juiz e sacerdote.

Partiu para o céu com apenas 50 anos, mas deixou um testemunho muito forte, reconhecido como 'advogado dos pobres'.

Santo Ivo inclinou seu coração na presença de Deus, na buscou da verdade, da misericórdia, justiça e do amor.

O santo de hoje diz à família Forense e a todos nós que, viver o amor e a justiça é possível em Cristo Jesus.

Santo Ivo, rogai por nós!

A visita do Santo Padre Bento XVI a Portugal

Queridos Padres e Amigos
O Acontecimento foi tão grande que me obrigou a fazer um pequeno resumo da estadia do Santo Padre em Portugal. O relato segue anexo, bem como o Arco da Aliança que durante bastante tempo brilhou no Céu de Fátima. Um abraço Amigo para todo o mundo com a bênção da nossa querida Mãe. Pe. Miguel


RELATO


Apesar de três dias já terem passado, é ainda debaixo de forte emoção que vos escrevo. O nosso querido Papa Bento XVI conseguiu abalar o nosso País. Nas cidades onde passou Lisboa, Fátima e Porto, conquistou todo o mundo e sempre superlotou os recintos onde foi celebrada a Eucaristia. E foi muito ovacionado e aclamado por todos. Em Fátima por 500.000 PEREGRINOS e 150.000 tanto no Porto como em Lisboa.

Ultrapassou os cálculos mais otimistas mesmo até no seu contato direto com o povo. Fez parar diversas vezes o papa móvel para pegar meninos nos seus braços que acarinhava e beijava. Na realidade foi inexcedível. Com os seus 83 anos, não sei onde foi encontrar forças para tanto. Foi uma grande bênção para o nosso País e certamente para toda a Igreja. Foi preciso e oportuno nos temas abordados nas homilias ou palestras.

De notar que dia 13 em Fátima, surgiu um Arco Iris duplo de grandes dimensões momentos antes de começar a Santa Missa. De cores muito vivas conservou-se assim bastante tempo deslumbrando o meio milhão de peregrinos. Mais um presente de Deus ao fazer brilhar no Céu do Altar do Mundo o esperado símbolo da Aliança de Deus com o seu Povo mostrando um sinal de esperança para os tempos conturbados que invadiram a Igreja e a Sociedade e para com o nosso querido Papa Bento XVI.

Estive lá de 11 a 13. Encontrei-me com os padres da nossa Comunidade incluindo o P. Grass, sacerdote da comunidade Suíça, meu contemporâneo que ajudou a fundar Schoenstatt em Portugal. Estiveram presentes mais de mil sacerdotes e 52 Bispos e Cardeais de várias nacionalidades.

As autoridades eclesiásticas e governamentais entenderam-se e participaram muito bem. Cada uma da sua maneira soube manifestar o seu apoio e agrado ao Santo Padre. A rádio e TV também deram também uma grande contribuição.

E assim se passaram rápidos os quatro dias que o Papa esteve conosco. Regressou emocionado com tantas provas de amor e carinho deixando em muitas saudades. As reservas que havia contra ele, foram suplantadas e muito. De uma maneira geral todos ficaram encantados com a sua postura e pronunciamentos. Já no Vaticano agradeceu emocionado o extraordinário acolhimento que havia recebido no nosso País. Que Deus lhe conceda muitos anos de vida com perfeita saúde e lucidez de espírito para continuar com mão firme a dirigir a Barca de Pedro.

Abraço amigo para todo o mundo com a bênção da nossa querida Mãe e Rainha.

Disponham sempre do Pe. Miguel Lencastre

1º Encontro de Espiritualidade

1º Encontro de Espiritualidade – 2010 - Casa da Mãe Rainha/Mossoró-RN



Como estava previsto no calendário de atividades do Movimento da Mãe Rainha, no ultimo dia 16 de maio de 2010 aconteceu o 1º Encontro de Espiritualidade na sede da Casa da Mãe Rainha, que teve como tema os Dogmas Marianos, o encontro foi ministrado por nosso irmão Augusto da Paróquia de São Paulo que é consagrado a Nossa Senhora através do método São Luiz de Monfort. No encontro estava presente Coordenadores e Missionários de várias paróquias. A Coordenação aproveitou a oportunidade e convidou os presentes para participar do Encontro de Lideranças que acontecerá em Fortaleza nos dias 30 e 31/07 e 01/08/2010. Segue abaixo resumo do estudo realizado.
O termo “dogma” provém da língua grega, “dogma”, que significa “opinião” e “decisão”. Para a Igreja, é uma verdade teológica. Os dogmas marianos foram conquistas históricas e teológicas do cristianismo. Fazem parte do patrimônio e da doutrina da Igreja. Brotaram do senso sobrenatural dos fiéis e foram formulados pela Igreja. Os dogmas marianos manifestam a importância que a Igreja dá a Maria, a Mãe de Jesus Cristo. Foram estudados os quatro dogmas de Maria:


1.
Dogma de Maria, Mãe de Deus O dogma da Maternidade Divina se refere a que a Virgem Maria é verdadeira Mãe de Deus e foi solenemente definido pelo Concílio de Éfeso (431 d.C.), sendo que o Papa São Clementino I definiu: “Se alguém não confessar que o Emanuel (Cristo) é verdadeiramente Deus, e que portanto, a Santíssima Virgem é Mãe de Deus, porque pariu segundo a carne ao Verbo de Deus feito carne, seja anátema.”E o Concílio Vaticano II faz referência a esse dogma da seguinte maneira: “Desde os tempos mais remotos, a Bem-Aventurada Virgem é honrada com o título de Mãe de Deus, a cujo amparo os fiéis acodem com suas súplicas em todos os seus perigos e necessidades”. (Constituição Dogmática Lumen Gentium, nº 66).


2. Dogma da Virgindade de Maria - Conferindo as Sagradas Escrituras e os escritos dos Santos Padres, o Concílio de Latrão preconizou como verdade a Virgindade Perpétua de Maria no ano 649. Durante o Concílio, o Papa Matinho I assim afirmou: “Se alguém não confessa de acordo com os santos Padres, propriamente e segundo a verdade, como Mãe de Deus, a santa, sempre virgem e imaculada Maria, por haver concebido, nos últimos tempos, do Espírito Santo e sem concurso viril gerado incorruptivelmente o mesmo Verbo de Deus, especial e verdadeiramente, permanecendo indestruída, ainda depois do parto, sua virgindade, seja condenado”. Nossa Senhora foi sempre Virgem, isto é, antes do parto, no parto e depois do parto. Os diversos credos e concílios antigos retomaram e afirmaram essa verdade.


3. Dogma da Imaculada Conceição - estabelece que Maria foi concebida sem mancha de pecado original, tendo sido proclamado pelo Papa Pio IX, no dia 8 de dezembro de 1854, na Bula Inefabilis Deus: “Declaramos, pronunciamos e definimos que a doutrina que sustenta que a Santíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua concepção, foi por singular graça e privilégio de Deus Onipotente, em previsão dos méritos de Cristo Jesus, Salvador do gênero humano, e preservada imune de toda mancha de culpa original, foi revelada por Deus, portanto, deve ser firme e constantemente crida por todos os fiéis.”


4. Dogma da Assunção - se refere a que a Mãe de Deus, ao fim de sua vida terrena foi elevada em corpo e alma à glória celestial, foi proclamado pelo Papa Pio XII, no dia 1 de novembro de 1950, na Constituição Munificentissimus Deus: “Depois de elevar a Deus muitas e reiteradas preces e de invocar a Luz do Espírito da Verdade, para glória de Deus Onipotente, que outorgou à Virgem Maria sua peculiar benevolência; para honra do seu Filho, Rei imortal dos séculos e vencedor do pecado e da morte; para aumentar a glória da mesma augusta Mãe e para gozo e alegria de toda a Igreja, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo e com a nossa, pronunciamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que a Imaculada Mãe de Deus e sempre Virgem Maria, terminado o curso da sua vida terrena, foi assunta em corpo e alma à glória do céu”
Conhecer os dogmas e os documentos da nossa Igreja nos leva a compreendê-la melhor e consequentemente, nos faz amá-la ainda mais, tornando-nos mais conscientes e capacitando-nos a defendê-la das injustiças e acusações que ela sofre diariamente
.

Convite


Hoje, dia 18
Missa da Aliança de Amor às 19hs
na Casa da Mãe Rainha

Evangelho (João 17,1-11a)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus ergueu os olhos ao céu e disse: “Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho te glorifique a ti, 2e, porque lhe deste poder sobre todo homem, ele dê a vida eterna a todos aqueles que lhe confiaste.
3Ora, a vida eterna é esta: que eles te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e àquele que tu enviaste, Jesus Cristo. 4Eu te glorifiquei na terra e levei a termo a obra que me deste para fazer. 5E agora, Pai, glorifica-me junto de ti, com a glória que eu tinha junto de ti antes que o mundo existisse.
6Manifestei o teu nome aos homens que tu me deste do meio do mundo. Eram teus, e tu os confiaste a mim, e eles guardaram a tua palavra. 7Agora eles sabem que tudo quanto me deste vem de ti, 8pois dei-lhes as palavras que tu me deste, e eles as acolheram, e reconheceram verdadeiramente que eu saí de ti e acreditaram que tu me enviaste.
9Eu te rogo por eles. Não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. 10Tudo o que é meu é teu e tudo o que é teu é meu. E eu sou glorificado neles. 11aJá não estou no mundo, mas eles permanecem no mundo, enquanto eu vou para junto de ti”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus roga pelos que receberam sua Palavra
João, no capítulo 17 de seu Evangelho, apresenta-nos a oração da glória de Jesus, encerrando seu longo discurso de despedida. A glória do Filho é a glória do Pai. A glória de Deus é a manifestação e a comunicação plena do amor que gera e sustenta a vida. E esta plenitude de amor é revelada na vida de Jesus, doada ao mundo até sua crucifixão. Então o Pai comunica, já, a vida eterna àqueles que pelo conhecimento e pela vontade se unem a Jesus, que é a imagem do Pai. Jesus roga por aqueles que eram do mundo, mas que foram a ele, atraídos pelo Pai. São os discípulos que estão no mundo, mas não são mais do mundo. Cabe então aos discípulos glorificar Jesus testemunhando seu amor e promovendo a vida no mundo.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São João I

O santo de hoje governou a Igreja por apenas dois anos e meio. Foi eleito Papa em 523. Nasceu na Toscana, Florência, no século V. De Florência foi para Roma e tornou-se um sacerdote, um presbítero cardeal. Com a morte do Papa, ele foi eleito o sucessor de Pedro.

Marcou a Igreja com muitos trabalhos pastorias, foi o precursor do canto gregoriano e da restauração de muitas igrejas, mas o objetivo dele como Papa, foi de confirmar a fé dos irmãos; sem dúvida nenhuma, era o serviço da salvação das almas.

Papa João I viveu em um tempo e em um contexto político-religioso complexo. Quem reinava na Itália era Teodorico, um cristão ariano, ou seja, não era fiel à doutrina católica, mas se dizia cristão. Por outro lado, existia um conflito entre Teodorico e Justino; e os dois imperadores se chocavam. No meio deste contexto complexo, a vítima foi o Papa João I, que foi forçado por Teodorico a uma missão. Nunca um Papa tinha saído da Itália; ele fo o primeiro.

A missão não agradou, porque Teodorico queria que o Papa fosse o porta-voz de uma mensagem ariana, por interesses econômicos e políticos. Mas o que podemos perceber é que este homem santo, autoridade máxima da Igreja de Cristo, não perdeu a sua paz, não perdeu a sua obediência a Deus. Tornou-se santo em meio aos conflitos.

Ele viveu uma vida de oração, uma vida penitencial, oferencendo e sempre buscando ser dócil à vontade de Deus. Papa João I, por causa do ódio de Teodorico, foi aprisionado para morrer de fome e de sede. Foi mártir.

Hoje, podemos recordar este Pastor da Igreja como o pastor que, a exemplo de Cristo, deu a vida pelo rebanho.

São João I, rogai por nós.

Evangelho (João 16,29-33)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 29os discípulos disseram a Jesus: “Eis, agora falas claramente e não usas mais figuras. 30Agora sabemos que conheces tudo e que não precisas que alguém te interrogue. Por isto cremos que vieste da parte de Deus”. 31Jesus respondeu: “Credes agora? 32Eis que vem a hora – e já chegou – em que vos dispersareis, cada um para seu lado, e me deixareis só. Mas eu não estou só; o Pai está comigo. 33Disse-vos estas coisas para que tenhais paz em mim. No mundo, tereis tribulações. Mas tende coragem! Eu venci o mundo!”

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


Jesus questiona nossa frágil profissão de fé
Nesta continuidade do diálogo entre Jesus e os discípulos transparece a incompreensão destes. Quando eles se interrogavam sobre a afirmação "Vou para junto do Pai" e sobre "um pouco de tempo e não mais me vereis, e mais um pouco, e me vereis de novo", Jesus passou, então, a esclarecê-los. Por isso, agora os discípulos afirmam que Jesus conhece tudo e nem é preciso questioná-lo. Jesus também dissera que se aproxima o dia em que ele lhes falará claramente. Fazia assim alusão ao dom do Espírito. Os discípulos não entendem e acham que isto já está acontecendo. "Agora vemos que sabes tudo [.]. Por isso cremos que saíste de Deus". Com a pergunta "credes agora?", Jesus questiona sua frágil profissão de fé. Os discípulos o abandonarão e o deixarão sozinho. As palavras finais do diálogo são fundamentais para a compreensão dos discípulos quando virem Jesus só na cruz e se lembrarem delas. Jesus não está só, pois o Pai está com ele. Entregando sua vida até a morte na cruz, venceu o mundo, e continua presente entre os discípulos. O testemunho de Jesus traz paz e dá coragem para continuarem sua missão entre as contradições do mundo.

José Raimundo Oliva


A igreja celebra hoje: São Pascoal Bailão

Nasceu na Espanha no ano de 1540. Seus pais, muitos religiosos, colocaram nele esse nome por seu nascimento ser no domingo de Páscoa.

Pascoal viveu seus 52 anos centrados no mistério da Eucaristia. Um santo conhecido por suas obras e sua paixão a Jesus Sacramentado.

Trabalhou cuidando dos rebanhos, não tenho oportunidade de estudar tão cedo. Tinha o desejo de conhecer a verdade, e quanto mais aprendia a ler, mais lia o santo Evangelho. E mais que ler, colocava em prática na vida.

Chamado a vida religioso, foi para Valença. Renunciou a tudo para seguir a Cristo dentro da família Franciscana. E ali, buscava fazer os trabalhos mais simples. Homem de profunda adoração a Jesus Sacramentado.

Entre a Espanha e a França existiam povos que combatiam os cristãos. Ele foi enviado para levar uma carta para a França. E aceitou. Desejando ser mártir da obediência.

Tinha grande amor à Santíssima Virgem.

Com 52 anos, depois de uma enfermidade, no dia de Pentecostes, ele cheio do Espírito partiu para a glória.

São Pascoal Bailão, rogai por nós!

Evangelho (Lucas 24,46-53)


— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:
46“Assim está escrito: O Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia 47e no seu nome serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém.
48Vós sereis testemunhas de tudo isso. 49Eu enviarei sobre vós aquele que meu Pai prometeu. Por isso, permanecei na cidade, até que sejais revestidos da força do alto”.
50Então Jesus levou-os para fora, até perto de Betânia. Ali ergueu as mãos e abençoou-os. 51Enquanto os abençoava, afastou-se deles e foi levado para o céu. 52Eles o adoraram.
Em seguida voltaram para Jerusalém, com grande alegria. 53E estavam sempre no Templo, bendizendo a Deus.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


Jesus orienta os discípulos para a missão


O Evangelho de Lucas e o Livro de Atos dos Apóstolos formavam, possivelmente, uma única obra. Posteriormente as narrativas sobre a vida e o ministério de Jesus foram separadas, formando, com Marcos, Mateus e João o conjunto dos Evangelhos. A parte sobre as narrativas das primeiras missões formaram o Livro de Atos. Estes dois textos, que apresentam semelhanças e divergências entre si, estão presentes nas leituras de hoje: o início de Atos, na primeira leitura, e a conclusão do Evangelho de Lucas. Na conclusão do Evangelho, após a memória da paixão e ressurreição, redigida em forma de querigma paulino, Jesus orienta os discípulos para a missão: o anúncio da conversão à justiça para o perdão dos pecados. Este é o mesmo anúncio de João Batista. Enquanto nos Evangelhos de Marcos, Mateus e João, Jesus e os discípulos retornam para a Galileia, Lucas, no seu Evangelho, narra como se tivessem permanecido em Jerusalém: "voltaram para Jerusalém [.] e estavam sempre no Templo [.]". Esta interpretação corresponde à teologia de Lucas, que apresenta o movimento de Jesus como a continuidade das doze tribos de Israel, e sua missão partindo de Jerusalém, capital do Judaísmo de seu tempo. Neste mesmo sentido, enquanto no Evangelho de João Jesus comunica o Espírito Santo soprando sobre os discípulos no dia da ressurreição, Lucas, em Atos, apresenta a vinda do Espírito cinquenta dias depois da ressurreição com uma teofania na festa judaica de Pentecostes. Assim, também, a ascensão é apresentada como ocorrendo nas vizinhanças de Jerusalém, quarenta dias após a ressurreição. A narrativa da ascensão, exclusiva de Lucas, inspira-se na subida do profeta Elias. Após a ascensão, os discípulos devem voltar às suas atividades, pois o Espírito Santo lhes será dado para assumir a missão que lhes foi confiada por Jesus.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Simão Stock

O santo de hoje nasceu no condado de Kant na Ingleterra. Com apenas 12 anos, movido pelo Espírito Santo de Deus, abandonou sua família por uma vida eremítica, uma vida no deserto.

Ele fez do tronco de uma árvore a sua morada, por isso o 'Stock' em seu nome (stock = tronco)
Ali se consagrou na penitência e na busca da salvação das almas. Descia até o povoado para visitar os doentes e evangelizar, e voltava para o seu retiro.

Simão, homem de obediência ao Senhor. Deus o quis na família carmelita, recém chegados à Inglaterra. Após discernir, tornou-se um religioso nesta Ordem. Profundamente mariano, era um homem do serviço e dedicado aos irmãos.

Nossa Senhora apareceu a ele, com o escapulário, apresentando-o como uma proteção especial àqueles que o usarem com devoção.

Quanto mais marianos, mais cristãos.

São Simão Stock, rogai por nós!

Terço dos Homens Capela de Santo Antônio

Terço dos Homens: Um desafio, pescar homens


Nesta Sexta feira passada, dia 14 de maio de 2010, foi implantado na Capela de Santo Antônio o Terço dos Homens Mãe Rainha. O coordenador, um bravo soldado de Cristo e pescador de homens o amigo Edmiray, nos fala do grande desafio que assumiu com Jesus e Maria, pois estamos vivendo em um tempo em que muitos homens optam pelos prazeres terrestres, esquecendo de Deus e deixando de lado o verdadeiro caminho, a verdadeira vida que esta inserida no plano que o Senhor preparou para cada um de nós. A vida eterna. Portanto meu querido amigo, a missão pode ser dificil e árdua, mais você foi escolhido para pescar homens, lance a rede, uma, duas, três e quantas vezes for necessario, e quando você mesmo esperar a capela vai estar tomada de homens e isso vai ser obra do seu amor a Deus e peserverança em nossa querida Mãe e Rainha três vezes admiravél. NÃO IMPORTA EM QUE MAR VAI LANÇAR A REDE, SIMPLESMENTE JOGUE.
Um grande Abraço
José Roberto
Vice-Coordenador Diocesano do Terço dos Homens.