Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





SONHO REALIZADO.


Na luta de um sonho,
na certeza de que somos Capazes.
Na fé perseverante,
pelo caminho trilhado,
hoje consolidamos
e agradecemos a Deus
a vitória de
nosso sonho
realizado.


Adriana Alves
Alex Moacir
Analia Silvestre
Dagmar
Daniela
Joana Dar'c
José Roberto
Maria Luzia
Neuricelho Silvestre
Rita Cassia
Silvio Cledson
Teresinha de Jesus
Valbia Maria

Evangelho (João 6,60-69)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 60muitos dos discípulos de Jesus, que o escutaram, disseram: “Esta palavra é dura. Quem consegue escutá-la?” 61Sabendo que seus discípulos estavam murmurando por causa disso mesmo, Jesus perguntou: “Isto vos escandaliza? 62E quando virdes o Filho do Homem subindo para onde estava antes? 63O Espírito é que dá vida, a carne não adianta nada. As palavras que vos falei são espírito e vida. 64Mas entre vós há alguns que não crêem”. Jesus sabia, desde o início, quem eram os que não tinham fé e quem havia de entregá-lo.
65E acrescentou: “É por isso que vos disse: ninguém pode vir a mim a não ser que lhe seja concedido pelo Pai”. 66A partir daquele momento, muitos discípulos voltaram atrás e não andavam mais com ele. 67Então, Jesus disse aos doze: “Vós também vos quereis ir embora?” 68Simão Pedro respondeu: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. 69Nós cremos firmemente e reconhecemos que tu és o Santo de Deus”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A presença de Deus no mundo

Jesus em sua carne é o dom de Deus, é a própria presença de Deus no mundo. Isso escandaliza os líderes religiosos judeus que anunciavam um Deus altíssimo, poderoso e vingativo, que devia ser aplacado com sacrifícios cruentos. Jesus contrapõe o Espírito de amor, que vivifica, à carne dos sacrifícios do Templo, que de nada valem. Até cerca do ano oitenta, os cristãos oriundos do Judaísmo continuaram frequentando as sinagogas. Porém, num momento de enrijecimento das observâncias da Lei, aqueles que permaneceram fiéis à sua fé cristã foram expulsos. Outros recuaram e voltaram à sinagoga. João faz alusão a estes, ao referir-se aos que "o abandonaram e não mais andavam com ele". Em Pedro encontramos a edificante profissão de fé: "A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna".
José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Fidélis (Fiel) de Sigmaringa

Mártir

O santo de hoje nasceu em Sigmaringa Alemanha no seculo XVI. Seu nome de batismo era Marcos Rei.
Era dotado de grande habilidade com os estudos. Marcos era um cristão católico, tornando-se mais tarde um conhecido filósofo e advogado. Porém, havia um chamado que o inquietava: a consagração total a Deus, a vida no ministério sacerdotal.

Renunciando a tudo, entrou para a família franciscana, para os Capuchinhos. Enquanto noviço viveu um grande questionamento: se fora do convento ele não faria mais para Deus, do que dentro da vida religiosa. Buscou então seu mestre de noviciado, que no discernimento percebeu que era uma tentação.

Passado isso, ele se empenhou na busca de santidade. Seu nome agora se tornou “Fidélis” ou “Fiel'. E buscou ser fiel à vontade de Deus. Estudou Teologia, foi ordenado e enviado à Suíça para uma missão especial com outros irmãos: propagar a Sã Doutrina Católica.

São Fidélis se dedicou totalmente em iluminar as consciências e rechaçar as doutrinas que combatiam a Igreja de Cristo.

Depois de uma Santa Missa, com cerca de 45 anos, teve o discernimento de que estava próxima a sua partida. Fez uma oração de entrega a Deus, e logo em seguida foi preso e levado por homens que queriam que ele renunciasse a fé.

Fidélis deixou claro que não o faria, e que não temia a morte. Ajoelhou-se e rezou: “Meu Jesus, tende piedade de mim. Santa Maria, Mãe de Deus, assisti-me”. Recebeu várias punhaladas e morreu ali, derramando seu sangue pela verdade, por amor a Crisot e a Sua Igreja.

São Fidélis, rogai por nós!

Evangelho (João 6,52-59)








— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 52os judeus discutiam entre si, dizendo: “Como é que ele pode dar a sua carne a comer?” 53Então Jesus disse: “Em verdade, em verdade vos digo, se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. 54Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. 55Porque a minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida. 56Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. 57Como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo por causa do Pai, assim o que me come viverá por causa de mim. 58Este é o pão que desceu do céu. Não é como aquele que os vossos pais comeram. Eles morreram. Aquele que come este pão viverá para sempre”. 59Assim falou Jesus, ensinando na sinagoga em Cafarnaum.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Comunhão com o Ressuscitado
A partir de uma discussão entre os próprios judeus, temos no Evangelho de João este texto com características de uma catequese sacramental eucarística que seria praticada nas primeiras comunidades cristãs. O comer a carne e beber o sangue do Cristo é uma expressão tipicamente sacramental. Ao redor da mesa eucarística, a comunidade de fé faz a experiência da comunhão com o Ressuscitado. Comer e beber significa assimilar a realidade humana de Jesus e identificar-se com ele enquanto o cumpridor da vontade do Pai. A fé não é o aprendizado de uma doutrina, mas a comunhão com o próprio Jesus e com os irmãos na comunidade. Esta comunhão de amor traduz-se em gestos concretos em prol da libertação dos oprimidos e em empenho no desabrochar e no restaurar da vida em plenitude. O próprio Jesus é o alimento e a fonte deste amor e desta vida que é eterna.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Jorge

Mártir

Conhecido como 'o grande mártir', foi mártir no ano 303.
A seu respeito contou-se muitas histórias. Fundamentos históricos temos poucos, mas o suficiente para podermos perceber que ele existiu, e que vale à pena pedir sua intercessão e imitá-lo.

Pertenceu a um grupo de de militares do Império de Diocleciano, que perseguia os cristãos. Jorge então renunciou a tudo para viver apenas sob o comando de nosso Senhor, e viver o santo Evangelho.

São Jorge não queria estar a serviço de um Império perseguidor e opressor dos cristãos, que era contra o amor e a verdade.

Ele foi perseguido, preso e ameaçado para renunciar a fé cristã. Ele preferiu renunciar a própria vida e foi martirizado.

Uma história nos ajuda a compreender a sua imagem, onde normalmente o vemos sobre um cavalo branco, com uma lança, vencendo um dragão:

“Num lugar existia um dragão que oprimia um povo. Ora eram dados animais a esse dragão, e ora jovens. E a filha do rei foi sorteada. Nessa hora apareceu Jorge, cristão, que se compadeceu e foi enfrentar aquele dragão. Fez o sinal da cruz e ao combater o dragão, o venceu com uma lança. Recebeu muitos bens como recompensa, o qual distribuiu aos pobres.”

Verdade ou não, o mais importante é o que esta história comunica: Jorge foi um homem que em nome de Jesus, pelo poder da cruz, viveu o bom combate da fé. Se compadeceu do povo porque foi um verdadeiro cristão. Esse é o essencial.

Ele viveu sob o senhorio de Cristo e testemunhou o amor a Deus e ao próximo. Que Ele interceda para que sejamos verdadeiros guerreiros do amor

São Jorge, rogai por nós!

Evangelho (João 6,44-51)




— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 44“Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o atrai. E eu o ressuscitarei no último dia. 45Está escrito nos Profetas: ‘Todos serão discípulos de Deus’. Ora, todo aquele que escutou o Pai e por ele foi instruído, vem a mim. 46Não que alguém já tenha visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai. 47Em verdade, em verdade vos digo, quem crê possui a vida eterna.
48Eu sou o pão da vida. 49Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. 50Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer, nunca morrerá. 51Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Pão para a vida do mundo

Na fala de Jesus sobre o pão da vida, João reapresenta os temas essências de seu Evangelho. Como em uma sinfonia, repete seus temas, com variantes que os embelezam, os ilustram e levam à memorização. Pela repetição, o Evangelho de João usa bem menos palavras que os demais Evangelhos. A atração pelo Pai é a atração pelo seu ensinamento, comunicado por Jesus. Este último viu o Pai. Ir a Jesus é o passo seguinte: é crer nele e segui-lo. O crer, que implica a adesão concreta ao projeto de Deus, insere o discípulo na vida eterna. Quanto ao maná, este foi em vão, pois os que o comeram morreram antes de entrar na terra prometida. Quem come do pão que desce do céu viverá eternamente. Este pão que Jesus dá é a sua carne doada pelo Pai para a vida do mundo. João retoma o Prólogo: "E o Verbo se fez carne e habitou entre nós" (1,14). É a vontade de comunhão de Deus que assume a realidade e a história humana. É a comunhão no seu amor infinito que resgata a vida e a insere na eternidade.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Maria Egipcíaca

Nasceu no Egito no século V, e com apenas 12 anos tomou a decisão de sair de casa, em busca dos prazeres da vida.
Providencialmente conheceu um grupo de cristãos peregrinos que ia para o Santo Sepulcro, e os acompanhou, apenas movida pelo interesse no passeio.

Por 3 vezes quis entrar na Igreja, mas não conseguiu. E uma voz interior lhe fez perceber o quanto ela era escrava do pecado. Ela recorreu a Virgem Maria, representada numa imagem que ali estava, e em oração se comprometeu a um caminho de conversão. Ingressou na Igreja e saiu de seu sepulcro.

Com a graça do Senhor ela pôde se arrepender e se propor a um caminho de purificação.

Ela foi levada ao deserto de Judá, onde ficou por 40 anos, e nas tentações recorria sempre a Virgem Maria. Perto de seu falecimento, Padre Zózimo foi passar seus últimos dias também nesse deserto e a conheceu, levou-lhe a comunhão e ela faleceu numa sexta-feira. O padre ao encontrar seu corpo a enterrou como a santa havia pedido em um recado.

Santa Maria Egipcíaca, rogai por nós!

Evangelho (João 6,35-40)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 35“Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede. 36Eu, porém, vos disse que vós me vistes, mas não acreditais. 37Todos os que o Pai me confia virão a mim, e quando vierem, não os afastarei.
38Pois eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. 39E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. 40Pois esta é a vontade do meu Pai: que toda pessoa que vê o Filho e nele crê tenha a vida eterna. E eu o ressuscitarei no último dia”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O crer em Jesus é fazer a vontade do Pai

Nos Evangelhos, é frequente o tema do alimento. Estar à mesa, comer o pão, o banquete, significa a comunhão com Deus, na partilha com os irmãos. O pão, o alimento, é o sustento da vida biológica. É o bem essencial para toda a humanidade. A falta do pão à mesa é sinal de morte. É a iniquidade na sociedade. As terras, a água, os bens da natureza são apropriados por uma minoria que tem em vista o poder e o enriquecimento. O próprio trabalho humano, que é um bem natural do homem e da mulher, é apropriado por aqueles que retêm imóveis, máquinas e empresas. Exploram os trabalhadores e desapossam-lhes os frutos de seu trabalho, mediante leis iníquas. O crer em Jesus é fazer a vontade do Pai, que é dar a vida ao mundo; repartir o pão, para que todos participem do banquete. O pão é para todos, os bens da terra são para todos. Jesus é o pão da vida. Sua obra, a nossa obra, que é a obra do pai, é restaurar a vida, a justiça e a dignidade humana em uma sociedade regida por estruturas iníquas. A restauração da vida é para hoje, e hoje é o último dia. hoje é a eternidade.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Anselmo

Bispo e Doutor da Igreja

É dele a frase: “Não quero compreender para crer, mas crer para compreender, pois bem sei que sem a fé eu não compreenderia nada de nada.”

O santo de hoje é chamado de teólogo-filósofo.

Nasceu em Piamonte no ano de 1033. Seu pai era Conde e devido ao mau relacionamento com ele, saiu de casa, apenas com um burrinho e um servo.

Foi em busca da ciência, mas também se entregando aos prazeres. Era cristão, mas não de vivência.
Devido aos estudos, 'bateu' no Mosteiro de Bec e conheceu Lanfranc, um religioso e mestre beneditino. Através dessa amizade edificante, descobriu um tesouro maior: Jesus Cristo.

Nesse processo de conversão, abriu-se ao chamado à vida religiosa e entrou para a família beneditina. Seu mestre amigo foi escolhido para ser bispo em Cantuária e Anselmo ocupou o lugar do Mestre, chegando a ser também Superior. Um homem sábio, humilde, um formador para as autoridades, um pai. Um verdadeiro Abade.

Por obediência à Mãe Igreja, foi substituir seu amigo, que havia falecido, no Arcebispado de Cantuária. Viveu grandes desafios lá, retornando a Piamonte, onde faleceu, com esta fama de santidade e testemunho de fidelidade e amor à Cristo e à verdade.

Santo Anselmo, rogai por nós!

Evangelho (João 6,30-35


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, a multidão perguntou a Jesus: 30“Que sinal realizas, para que possamos ver e crer em ti? Que obras fazes? 31Nossos pais comeram o maná no deserto, como está na Escritura: ‘Pão do céu deu-lhes a comer’”.
32Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade vos digo, não foi Moisés quem vos deu o pão que veio do céu. É meu Pai que vos dá o verdadeiro pão do céu. 33Pois o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo”.
34Então pediram: “Senhor, dá-nos sempre desse pão”. 35Jesus lhes disse: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O sinal de Jesus é o resgate e o cultivo da vida

Respondendo àqueles que haviam participado da partilha dos pães, Jesus se apresenta como o enviado de Deus. Então lhe pedem um sinal para que vejam, para que creiam nele. Não entenderam o sinal da partilha dos pães. Querem um sinal espetacular como o de Moisés e o maná. É o apego do Judaísmo às suas tradições, fechados à novidade de Jesus. Querem um messias poderoso, mesmo que seja opressor e explorador. O sinal de Jesus é o resgate e o cultivo da vida. É a transformação das pessoas que, acolhendo o seu amor, passam a ser também fonte de vida para outros. Jesus deixa claro: o que vem do céu vem do Pai. O maná não foi dado por Moisés. É o Pai que dá o verdadeiro pão do céu, o pão que dá vida ao mundo. Jesus diferencia-se de Moisés. É uma nova realidade que deve ser acolhida. Os que o ouvem se sensibilizam tal como a samaritana no momento em que Jesus oferece a fonte d'água da qual quem beber nunca mais terá sede. Pedem desse pão para sempre. Jesus identifica-se como sendo ele próprio o pão da vida. É Jesus que alimenta a vida eterna em nós. Em toda a sua vida ele é doação.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Inês de Montepulciano

A Santa de hoje nasceu no centro da Itália, em Montepulciano, no ano de 1274. Sua família tinha muitas posses, mas possuía também o essencial para uma vida familiar feliz: o amor a Jesus Cristo.

Muito jovem, sentiu o chamado a consagrar-se totalmente ao Senhor, ingressando na família Dominicana. Uma mulher de penitência, oração, recolhimento e busca da vontade de Deus, que a fez galgar altos degraus da vida mística.

Próximo do lugar em que ela vivia, havia uma casa de prostituição, e Inês se compadecia dessas mulheres, e ofereceu penitencias e orações por elas. Aquele lugar de pecado, virou lugar de oração, e muitas daquelas se converteram e algumas até entraram para a vida religiosa. Um grande milagre de Santa Inês ainda em vida.

Morreu com 43 anos de idade, e seu último conselho às suas irmãs foi: “Minhas filhas, amai-vos umas às outras porque a caridade é o sinal dos filhos de Deus!”.

Santa Inês de Montepulciano, rogai por nós!

Números dos 5 anos de pontificado de Bento XVI

O papa Bento XVI, que nesta segunda-feira, 19, completa 5 anos de pontificado, já realizou 14 viagens pelo mundo. Uma delas foi ao Brasil, em 2007. Até o momento, único país latino-americano que recebeu Joseph Ratzinger desde que ele se tornou papa.
A primeira viagem internacional de Bento XVI foi ao seu país de origem. Ele visitou a Alemanha em agosto de 2005 para presidir o 20º Dia Mundial da Juventude, em Colônia.
Menos de um ano depois, o pontífice viajou à Polônia, país de origem de seu antecessor, o então papa João Paulo II. Em julho do mesmo ano ele foi à Espanha. Ali ele presidiu em Valença o 5º Encontro Mundial da Família; e em setembro voltou à região alemã da Baviera, onde nasceu, visitando Munique, Ratisbona e as pequenas localidades de Altötting e Marktl am Inn.
Ainda em 2006, viajou à Turquia, passando por Ancara, Éfeso e Istambul, onde orou e meditou na Mesquita Azul da antiga Constantinopla.
Em maio de 2007, fez sua primeira viagem à América Latina, ao Brasil, onde visitou São Paulo, Aparecida e Guaratinguetá, e inaugurou a 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino-americano (Celam), no santuário de Aparecida.
Bento XVI foi à Áustria, em setembro do mesmo ano, onde passou por Viena e pelo santuário mariano de Mariazell. Em abril de 2008, voltou a atravessar o Atlântico, para visitar Washington e Nova Iorque e pronunciar um discurso na Organização das Nações Unidas (ONU). Três meses mais tarde, foi à Austrália, onde presidiu em Sidney o 23ª Dia Mundial da Juventude.
Em setembro de 2008, viajou para Paris, primeira etapa de sua visita à França, onde esteve também no santuário mariano de Lourdes para participar do 150º aniversário das aparições marianas.
No mês de março de 2009, ele fez a sua primeira viagem à África, visitando Camarões e Angola. Dois meses depois, chegou à Terra Santa: Jordânia, Israel e os territórios palestinos, com parada no Monte Nebo, Amã, Jerusalém, Nazaré e Belém. Em setembro, ele foi à República Tcheca. Esteve na capital Praga e nas cidades de Brno e Stara Boleslav.
Já em 2010, entre 17 e 18 de abril, ele foi a Malta, na primeira viagem fora da Itália no ano. Para o ano de 2010, sua agenda prevê viagens a Portugal (maio), Chipre (junho), Reino Unido (setembro) e Espanha (novembro).

Nesses cinco anos de pontificado, Bento XVI publicou três encíclicas: "Deus caritas est" (Deus é amor), de 2006; "Spe salvi" (Salvos na esperança), de 2007, e "Caritas in veritate" (Caridade na verdade), de 2009, de caráter social.

Também nos últimos cinco anos, escreveu "Jesus de Nazaré", seu primeiro livro como papa. Bento XVI já proclamou 573 beatos e 28 santos.
Até agora, o papa Ratzinger realizou sete cerimônias de canonizações, uma delas no Brasil, em maio de 2007, quando Frei Galvão foi elevado às honras dos altares.

O Departamento Filatélico do Vaticano lança nesta segunda-feira, 19, um selo especial, em comemoração ao quinto aniversário do Pontificado de Bento XVI. O selo trará a imagem do papa, com a inscrição: "5º aniversário da eleição de Bento XVI". Além deste, o Departamento Filatélico se prepara para o lançamento de selos que recordem a visita do Pontífice a Malta, realizada neste fim de semana, e a que ele fará a Turim, no próximo dia 2 de maio.

Para recordar a data, hoje o papa almoçou com cerca de 60 cardeais, no Vaticano.

Fonte: CNBB com Rádio Vaticano

Evangelho (João 6,22-29)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Depois que Jesus saciara os cinco mil homens, seus discípulos o viram andando sobre o mar. 22No dia seguinte, a multidão que tinha ficado do outro lado do mar constatou que havia só uma barca e que Jesus não tinha subido para ela com os discípulos, mas que eles tinham partido sozinhos.
23Entretanto, tinham chegado outras barcas de Tiberíades, perto do lugar onde tinham comido o pão depois de o Senhor ter dado graças. 24Quando a multidão viu que Jesus não estava ali, nem os seus discípulos, subiram às barcas e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum.
25Quando o encontraram no outro lado do mar, perguntaram-lhe: “Rabi, quando chegaste aqui?” 26Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, eu vos digo: estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos. 27Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, e que o Filho do homem vos dará. Pois este é quem o Pai marcou com seu selo”. 28Então perguntaram: “Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?” 29Jesus respondeu: “A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho


O pão "nosso" de cada dia , para todos

Com este texto inicia-se o longo sermão de Jesus sobre o tema do pão. No pão está representado o alimento e toda necessidade de sobrevivência. Na oração do Pai-Nosso está presente o pedido do pão "nosso" de cada dia, para todos. A alusão ao trabalho pelo alimento que perece remete ao sentido limitado da busca da saciedade individual. Na montanha todos comeram, ficaram saciados e queriam fazer de Jesus rei. O trabalho pelo alimento que não perece, mas permanece pela vida eterna, é a obra de Deus. É crer e seguir Jesus, na solidariedade e na comunhão de vida, particularmente com os mais necessitados, amando como Jesus amou.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Ema

Por parte de sua mãe, não existia testemunho e nem incentivo a santidade. O chamado que ela tinha no coração era ao matrimônio, então casou-se com o Conde Ludgero e teve um filho, o qual se abriu à vocação que Deus o chamava, e iluminado pelo testemunho da sua mãe Ema, se tornou sacerdote e depois bispo.

Ao ficar viúva, Ema discerniu e decidiu consagrar sua viuvez ao Senhor, numa vida de oração expressa na caridade. Muitos conventos e abadias foram construídas através de sua generosidade, porém ela viveu no meio da sociedade, administrando seus bens para o beneficio do próximo.

Santa Ema passou os últimos momentos de sua vida numa Abadia, após 40 anos de dedicação a Deus, falecendo em 1045.

Depois de muito tempo abriram seu túmulo, e encontraram o seu corpo todo em pó, exceto a sua mão direita estava intacta. Aquela mão que ela mais dava. Um sinal de que a santidade passa pela caridade.

Santa Ema, rogai por nós!


Hoje, dia 18
Missa da Aliança de Amor às 19hs
na Casa da Mãe Rainha

Sagrada Familia - 1º aniversario



O Terço dos homens da Capela Sagrada Familia na comunidade do Vingt Rosado completou no ultimo dia 14 de abril o primeiro ano de fundação do terço. Foi celebrado uma grande missa presidida pelo padre Ivonzeliton com a participação de varios grupos do terço de Mossoró e a comunidade local, na homilia o padre destacou a importancia do terço dos homens e tambem a felicidade das familias dos homens do terço que participam sempre na ultima semana de cada mes do terço dos homens, ocasião em que é dedicadas as familias. Apos a santa missa, um grande momento marcou o 1º aniversario do terço, quando um integrante do grupo deu seu testemunho de fortaleza, fé e luz, pois o irmão relatou que tinha uma vida muito atribulada com muitos problemas e apresentava um quadro depressivo muito forte, mais que tudo isso foi mudado a partir do momento que o mesmo passou a rezar o terço nas quartas feiras na pequena capela da Sagrada Familia e que ao entender ação de Deus em sua vida e a proteção de nossa Mãe e Rainha, por conta propria parou de fazer uso da medicação que tomava para combater a depressão, ainda afirmou o homem de fé que o encontro com Jesus em Maria transformou a sua vida e hoje é um homem feliz e realizado.


Parabenizamos nas pessoas de João Batista, Roberto e Nogueira e a todos os irmãos da capela da Sagrada da familia pela belissima festa realizado em comemoração ao 1º aniversario e que com fé, perseverança, dedicação e amor fazem o grupo do TERÇO DOS HOMENS MÂE RAINHA na comunidade do Vingt Rosado.


Está disponivel para download de varias fotos de eventos do terço na pasta de fotos.

Evangelho (João 21,1-19)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 1Jesus apareceu de novo aos discípulos, à beira do mar de Tiberíades. A aparição foi assim:
2Estavam juntos Simão Pedro, Tomé, chamado Dídimo, Natanael de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e outros dois discípulos de Jesus.
3Simão Pedro disse a eles: “Eu vou pescar”. Eles disseram: “Também vamos contigo”.
Saíram e entraram na barca, mas não pescaram nada naquela noite. 4Já tinha amanhecido, e Jesus estava de pé na margem. Mas os discípulos não sabiam que era Jesus. 5Então Jesus disse: “Moços, tendes alguma coisa para comer?”
Responderam: “Não”.
6Jesus disse-lhes: “Lançai a rede à direita da barca, e achareis”.
Lançaram pois a rede e não conseguiam puxá-la para fora, por causa da quantidade de peixes. 7Então, o discípulo a quem Jesus amava disse a Pedro: “É o Senhor!”
Simão Pedro, ouvindo dizer que era o Senhor, vestiu sua roupa, pois estava nu, e atirou-se ao mar. 8Os outros discípulos vieram com a barca, arrastando a rede com os peixes.
Na verdade, não estavam longe da terra, mas somente a cerca de cem metros. 9Logo que pisaram a terra, viram brasas acesas, com peixe em cima, e pão.
10Jesus disse-lhes: “Trazei alguns dos peixes que apanhastes”.
11Então Simão Pedro subiu ao barco e arrastou a rede para a terra. Estava cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes; e apesar de tantos peixes, a rede não se rompeu.
12Jesus disse-lhes: “Vinde comer”.
Nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar quem era ele, pois sabiam que era o Senhor. 13Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe.
14Esta foi a terceira vez que Jesus, ressuscitado dos mortos, apareceu aos discípulos. 15Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?”
Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”.
Jesus disse: “Apascenta os meus cordeiros”.
16E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?”
Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”.
Jesus lhe disse: “Apascenta as minhas ovelhas”.
17Pela terceira vez, perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?”
Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”.
Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas.
18Em verdade, em verdade te digo: quando eras jovem, tu cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”.
19Jesus disse isso, significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus. E acrescentou: “Segue-me”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor
.

Comentário do Evangelho

Com o Ressuscitado, os discípulos retornam à Galileia


Existem opiniões de que este capítulo 21 do Evangelho de João seja um acréscimo tardio ao original. Contudo, não há pleno consenso sobre a questão. O capítulo daria continuidade ao Evangelho, agora com os discípulos retomando sua vida e sua missão, representada pela pescaria, na Galileia, com a presença do Ressuscitado. O retorno dos discípulos para a Galileia, após a ressurreição de Jesus, é testemunhado pelos Evangelhos de Marcos, Mateus e João. Apenas Lucas é que, tanto no fim de seu Evangelho (Lc 24,49) como em Atos dos Apóstolos (At 1,3-4), menciona a permanência dos discípulos em Jerusalém. Com isto Lucas, com a perspectiva paulina, pretende apresentar o movimento de Jesus como uma continuidade do Judaísmo, com o deslocamento de Jerusalém para Roma.
Esta narrativa de João aponta para algumas orientações das comunidades que começam a se estruturar em Igrejas. A presença do Ressuscitado fortalece a missão, tendo como fundamentos o serviço e a partilha eucarística (pão e peixe servidos pelo Ressuscitado). Fica também confirmada a primazia de Pedro, que é incumbido de pastorear as ovelhas de Jesus, bem como o testemunho de sua fé (primeira leitura) até o martírio.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Apolônio

Mártir

Santo do século II, era uma figura pública, um senador. Pôde assistir e se deixar tocar pelo testemunho de inúmeros mártires no tempo de Nero.

Ele percebia naqueles cristãos, que viviam dentro de um contexto pagão, o único e verdadeiro Deus presente naqueles martírios por amor a Cristo.

Já adulto, com a ajuda do Papa Eleutério, ele quis ser cristão e foi muto bem formado até chegar à graça do Batismo.

Apolônio, como muitos, ao se deparar com a lei de Nero, teve que se dizer, pois também foi denunciado.

Ele não renunciou a Jesus, mesmo ocupando uma alta posição na sociedade. Seu amor a Deus foi concreto.

Santo Apolônio é exemplo, para que sejamos testemunhas do amor de Deus, onde quer que estejamos, na profissão que exerçamos, com a idade que tenhamos.

Santo Apolônio, rogai por nós!