Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Convite



Convidamos todos os homens membros ou não do Terço para participar do 1º Encontro de formação espiritual do Terço dos Homens da Diocese de Mossoró, no dia 28 de março de 2010.

Local: Capela do Menino Jesus de Praga no Conjunto Santa Delmira em Mossoró-RN




Programação:


08:00h – Missa presidida por Padre João Alfredo.

09:h 30m – Cafezinho para os todos os participantes do encontro.

10:00h – 1ª Palestra (Tema: “Buscai as coisas do alto”) ministrada por Narciso.

11:00h – 2ª Palestra (Tema: “Maria Mãe e Intercessora”) ministrada por Padre João Batista da Paróquia de São Paulo Apostolo.

12:00h – Almoço

13:00h – Testemunhos dentro da caminhada do terço dos homens.

13h 30m – Considerações finais e Agradecimentos (Luiz de França Coordenador Diocesano e Adiesio Coordenador da área pastoral)

14:00h – Recitação do terço e em seguida adoração ao Santíssimo Sacramento.

15:00h – Benção Final.

Evangelho (João 11,45-56)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 45muitos dos judeus que tinham ido à casa de Maria e viram o que Jesus fizera, creram nele. 46Alguns, porém, foram ter com os fariseus e contaram o que Jesus tinha feito. 47Então os sumos sacerdotes e os fariseus reuniram o Conselho e disseram: “Que faremos? Este homem realiza muitos sinais. 48Se deixamos que ele continue assim, todos vão acreditar nele, e virão os romanos e destruirão o nosso Lugar Santo e a nossa nação”.
49Um deles, chamado Caifás, sumo sacerdote em função naquele ano, disse: “Vós não entendeis nada. 50Não percebeis que é melhor um só morrer pelo povo do que perecer a nação inteira?” 51Caifás não falou isso por si mesmo. Sendo sumo sacerdote em função naquele ano, profetizou que Jesus iria morrer pela nação. 52E não só pela nação, mas também para reunir os filhos de Deus dispersos. 53A partir desse dia, as autoridades judaicas tomaram a decisão de matar Jesus.
54Por isso, Jesus não andava mais em público no meio dos judeus. Retirou-se para uma região perto do deserto, para a cidade chamada Efraim. Ali permaneceu com os seus discípulos. 55A Páscoa dos judeus estava próxima. Muita gente do campo tinha subido a Jerusalém para se purificar antes da Páscoa. 56Procuravam Jesus e, ao reunirem-se no Templo, comentavam entre si: “Que vos parece? Será que ele não vem para a festa?”


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus, em casa de Maria, ressuscita Lázaro

Jesus, em casa de Maria, ressuscitara Lázaro. É o sinal abrangente de todos os anteriores, que exprimem o empenho de Jesus em restaurar a vida. Muitos, então, creram em Jesus. No sinédrio, Caifás justifica sua proposta de matar Jesus, pois com ele vivo temiam que Jesus sublevasse o povo, suscitando a repressão dos romanos, que destruiriam o Templo e a nação. Este texto reflete o episódio já acontecido da destruição de Jerusalém, e também do Templo, pelos romanos, quando João escreve seu Evangelho. A festa da Páscoa era a comemoração da fuga do Egito, com a salvação do povo que se considera eleito e com a morte dos primogênitos dos egípcios, que também eram povo oprimido pelo faraó. Agora, nesta festa, para se salvar, o sinédrio decide a morte de Jesus. A doutrina religiosa de eleição divina e prêmio é fonte de violência.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Ruperto

Bispo

O santo de hoje foi um grande apóstolo da Baviera, Alemanha. A pedido do Rei, foi convidado a evangelizar a França, e fez este belo trabalho. Após ser eleito bispo, a Corte da Baviera o chamou, convidando-o também a evangelizar aquelas terras.

Juntamente com o apoio do Rei pôde ter o apoio de muitos religiosos, inclusive de sua irmã, que também era consagrada.

São Ruperto evangelizou a muitos, fazendo a Boa Nova chegar as altas autoridades, ao ponto de que o sucessor do Rei já ser evangelizado.

Antes de sua última Santa Missa, sua irmã ouviu a sua oração de entrega: “Pai, em Tuas mãos eu entrego o meu espírito”.

Em toda a sua vida, e também na morte, viveu a entrega a Deus.

São Ruperto, rogai por nós!

Evangelho (João 10,31-42)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 31os judeus pegaram pedras para apedrejar Jesus. 32E ele lhes disse: “Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?”
33Os judeus responderam: “Não queremos te apedrejar por causa das obras boas, mas por causa de blasfêmia, porque sendo apenas um homem, tu te fazes Deus!” 34Jesus disse: “Acaso não está escrito na vossa Lei: ‘Eu disse: vós sois deuses’?
35Ora, ninguém pode anular a Escritura: se a Lei chama deuses as pessoas às quais se dirigiu a palavra de Deus, 36por que então me acusais de blasfêmia, quando eu digo que sou Filho de Deus, eu a quem o Pai consagrou e enviou ao mundo? 37Se não faço as obras do meu Pai, não acre¬diteis em mim. 38Mas, se eu as faço, mesmo que não queirais acreditar em mim, acreditai nas minhas obras, para que saibais e reconheçais que o Pai está em mim e eu no Pai”.
39Outra vez procuravam prender Jesus, mas ele escapou das mãos deles. 40Jesus passou para o outro lado do Jordão, e foi para o lugar onde, antes, João tinha batizado. E permaneceu ali. 41Muitos foram ter com ele, e diziam: “João não realizou nenhum sinal, mas tudo o que ele disse a respeito deste homem, é verdade”. 42E muitos, ali, acreditaram nele.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Encerram os embates entre Jesus e os judeus

Este episódio encerra os embates entre Jesus e os judeus, com uma ruptura. Os judeus já não se preocupam mais em condenar Jesus pelas frequentes violações da Lei com suas boas obras. A condenação maior, agora, decorre da declaração de Jesus de ser Filho de Deus. Para eles Jesus merece ser apedrejado. Não está de acordo com sua Lei. É o que acontece com todo aquele que vê Deus como legislador poderoso, com sua elite protegida, e não vê o Deus todo amoroso e misericordioso, acolhedor dos pobres e oprimidos. Jesus dirige-se aos judeus referindo-se à "vossa Lei". Não a reconhece como sua Lei. Então retira-se para o outro lado do Jordão, em território gentílico. Aí muitos passam a crer nele.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Bráulio

Bispo

O santo de hoje, foi um bispo de 631 a 651.
Ele nasceu em uma família muito sensível à vontade do Senhor: uma irmã foi para a vida religiosa e tornou-se abadessa. Outro irmão foi para uma Abadia e outro, chegou a Bispo.

Depois de entrar para a vida de oração e contemplação numa abadia, Bráulio conheceu em Sevilha Santo Isidoro, escritor e santo.

Fecundo escritor e grande pastor, São Bráulio foi escolhido para Bispo em Saragoça., participando ativamente em 3 Concílios de Toledo.

São Bráulio, rogai por nós!

Evangelho (Lucas 1,26-38)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 26o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da Virgem era Maria. 28O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”
29Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”.
34Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?” 35O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus. 36Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37porque para Deus nada é impossível”. 38Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O espírito de Deus desce sobre Maria para a nova criação

Como prólogo de seu Evangelho, Lucas apresenta a história do nascimento de Jesus, mostrando-o como o Filho de Deus, destinado a trazer a salvação ao mundo. Essa narrativa é intercalada com a do nascimento de João Batista (Lc 1,5-25), ao qual Jesus está intimamente vinculado. O Espírito de Deus pairava sobre as águas, na criação. Agora é este Espírito que desce sobre Maria para a nova criação, em Jesus. Jesus é a "salvação de Deus" (yeshû'a). A nova criação é resgatada da opressão que reinava entre os filhos de Adão. E é, também, participante da vida divina nesta criança que é concebida em Maria: Jesus, Filho do Altíssimo, está entre nós na humildade do convívio humano, comunicando amor e vida eterna.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Anunciação do Senhor

Neste dia, a Igreja festeja solenemente o anúncio da Encarnação do Filho de Deus. O tema central desta grande festa é o Verbo Divino que assume nossa natureza humana, sujeitando-se ao tempo e espaço.
Hoje é o dia em que a eternidade entra no tempo ou, como afirmou o Papa São Leão Magno: "A humildade foi assumida pela majestade; a fraqueza, pela força; a mortalidade, pela eternidade."

Com alegria contemplamos o Mistério do Deus Todo-Poderoso, que na origem do Mundo cria todas as coisas com sua Palavra, porém desta vez escolhe depender da Palavra de um frágil ser humano, a Virgem Maria, para poder realizar a Encarnação do Filho Redentor:


"No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem e disse-lhe: ‘Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo.’ Não temas , Maria, conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. Maria perguntou ao anjo: ‘Como se fará isso, pois não conheço homem?’ Respondeu-lhe o anjo:’ O Espírito Santo descerá sobre ti. Então disse Maria: ‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tu palavra’"

Sendo assim, hoje é o dia de proclamarmos: "E o Verbo se fez carne e habitou entre nós" (Jo 1,14a). E fazermos memória do início oficial da Redenção de TODOS, devido à plenitude dos tempos. É o momento histórico, em que o SIM do Filho ao Pai precedeu o da Mãe: "Então eu disse: Eis que venho (porque é de mim que está escrito no rolo do livro), venho, ó Deus, para fazer a tua vontade" (Hb 10,7). Mas não suprimiu o necessário SIM humano da Virgem Santíssima.

Cumprindo desta maneira a profecia de Isaías: "Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco" (Is 7,14). Por isso rezemos com toda a Igreja:

"Ó Deus, quisestes que vosso Verbo se fizesse homem no seio da Virgem Maria; dai-nos participar da divindade do nosso Redentor, que proclamamos verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Por nosso Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo".

Evangelho (João 8,31-42)





— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 31Jesus disse aos judeus que nele tinham acreditado: “Se permanecerdes na minha palavra, sereis verdadeiramente meus discípulos, 32e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”.
33Responderam eles: “Somos descendentes de Abraão, e nunca fomos escravos de ninguém. Como podes dizer: ‘Vós vos tornareis livres’?”
34Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade vos digo, todo aquele que comete pecado é escravo do pecado. 35O escravo não permanece para sempre numa família, mas o filho permanece nela para sempre. 36Se, pois, o Filho vos libertar, sereis verdadeiramente livres. 37Bem sei que sois descendentes de Abraão; no entanto, procurais matar-me, porque a minha palavra não é acolhida por vós. 38Eu falo o que vi junto do Pai; e vós fazeis o que ouvistes do vosso pai”.
39Eles responderam então: “Nosso pai é Abraão”. Disse-lhes Jesus: “Se sois filhos de Abraão, praticai as obras de Abraão! 40Mas agora, vós procurais matar-me, a mim, que vos falei a verdade que ouvi de Deus. Isto, Abraão não o fez. 41Vós fazeis as obras do vosso pai”.
Disseram-lhe, então: “Nós não nascemos do adultério, temos um só pai: Deus”. 42Respondeu-lhes Jesus: “Se Deus fosse vosso Pai, certamente me amaríeis, porque de Deus é que eu saí, e vim. Não vim por mim mesmo, mas foi ele que me enviou”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Quem acolhe Jesus encontra a liberdade


O Evangelho de João parece refletir um confronto entre a tradição samaritana, que reivindicava a verdadeira filiação abraâmica, e a tradição do Judaísmo de Jerusalém. São frequentes as denúncias aos judeus e as narrativas de oposição entre eles e Jesus, que havia sido acolhido pelos samaritanos (Jo 4,1-42). Na primeira parte fica em evidência o contraste entre livres e escravos. Quem acolhe Jesus encontra a liberdade, quem o rejeita torna-se escravo. O pecado dos chefes judeus era a sede de poder e de riquezas, e, assim, exploravam a piedade do povo.
Na segunda parte Jesus descarta a paternidade de Abraão e de Deus a estes chefes religiosos, pois eles procuravam matá-lo. A adesão ao projeto vivificante de Jesus e do Pai leva à solidariedade e à experiência da liberdade, proporcionando ao coração a alegria de viver.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Catarina da Suécia

Virgem

Nasceu na Suécia, de família ligada aos reis. Sua mãe era Santa Brígida, que após o falecimento do esposo, se tornou uma peregrina até instalar-se em Roma.

Catarina foi formada na Abadia de Bisberg, permanecendo ali até casar-se. Não demorou muito tempo e seu esposo veio a falecer. Tinha um coração rendido a uma intimidade profunda com Deus, abriu-se a uma consagração total e foi viver junto de sua mãe em Roma, onde permaneceram por 23 anos.

Tornou-se Abadessa em Valdstena, onde permaneceu até a morte em 1381.

Santa Catarina da Suécia, rogai por nós!

Na face de Cristo, um sinal da presença de Deus!



A renovação da Aliança de Amor, no dia 18, junto ao santuário Tabor, em Santa Maria-RS, teve um significado especial para as cerca de 600 pessoas presentes. Além de serem motivados a renovar sua aliança de amor com a Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt, os participantes foram convidados a elevar ao céu uma prece em ação de graças pela proteção de Deus durante o incêndio que atingiu a Casa Provincial das Irmãs em 17 de janeiro.
Para a celebração foram especialmente convidados representantes da Brigada Militar, da Defesa Civil, da Base Aérea e do Corpo de Bombeiros. Antes do início da santa missa, estes levaram até o altar um eloquente sinal da presença e da proteção de Deus no dia do sinistro: a face de uma imagem de Cristo crucificado que estava guardada no local atingido pelo incêndio e não foi consumida pelas chamas. Quando a encontraram em meio aos escombros, os bombeiros que combateram o incêndio ficaram profundamente tocados.
O presidente da celebração, Pe. Dalvino Dalmolin, na sua homilia, ressaltou a mensagem que recebemos através deste sinal: precisamos saber ‘ler’ o que Deus nos quer dizer através dos acontecimentos e descobrir seu amor mesmo nos momentos mais difíceis. No final da celebração, a Superiora Provincial das Irmãs de Maria de Schoenstatt, Irmã M. Neida Dotto, agradeceu em nome de todas as irmãs às autoridades presentes, pessoas amigas, vizinhos, membros do Movimento Apostólico de Schoenstatt por toda ajuda prestada durante o incêndio e até hoje.
Após a renovação da Aliança de Amor, junto ao Santuário, como sinal de sua gratidão, as Irmãs entregaram aos representantes do Corpo de Bombeiros o quadro renovado da Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt para o seu quartel. A imagem foi solenemente colocada sobre o caminhão e transportada com a sirene aberta. Poucas vezes (ou talvez nunca) se ouviu a combinação do toque do sino do Santuário com a sirene do carro de bombeiros. Um sinal de que a Grande Missionária quis partir com eles do Santuário, para acompanhá-los na sua importante e arriscada tarefa de salvar vidas.

Evangelho (João 8,21-30)



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo disse Jesus aos fariseus: 21“Eu parto, e vós me procurareis, mas morrereis no vosso pecado. Para onde eu vou, vós não podeis ir”.
22Os judeus comentavam: “Por acaso, vai-se matar? Pois ele diz: ‘Para onde eu vou, vós não podeis ir’?”
23Jesus continuou: “Vós sois daqui debaixo, eu sou do alto. Vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. 24Disse-vos que morrereis nos vossos pecados, porque, se não acreditais que eu sou, morrereis nos vossos pecados”.
25Perguntaram-lhe pois: “Quem és tu, então?” Jesus respondeu: “O que vos digo, desde o começo. 26Tenho muitas coisas a dizer a vosso respeito, e a julgar, também. Mas aquele que me enviou é fidedigno, e o que ouvi da parte dele é o que falo para o mundo”.27Eles não compreenderam que lhes estava falando do Pai. 28Por isso, Jesus continuou: “Quando tiverdes elevado o Filho do Homem, então sabereis que eu sou, e que nada faço por mim mesmo, mas apenas falo aquilo que o Pai me ensinou. 29Aquele que me enviou está comigo. Ele não me deixou sozinho, porque sempre faço o que é de seu agrado”. 30Enquanto Jesus assim falava, muitos acreditaram nele.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor
.

Comentário do Evangelho

Jesus falava de Deus como seu Pai

Jesus encontra-se em Jerusalém, por ocasião da festa das Tendas, e, indo ao Templo ensinava as multidões de peregrinos que para aí acorriam, suscitando a ira dos chefes religiosos de Israel, pois Jesus falava de Deus como seu Pai. Nesta fala de Jesus, é repetida por três vezes a afirmação: "morrereis nos vossos pecados". Para os chefes religiosos do Templo e das sinagogas, o pecado era qualquer falta contra as inúmeras observâncias rescritas
pela Lei de sua tradição. O povo humilde e trabalhador incorria frequentemente nestas faltas e era qualificado de "pecador". Jesus vem libertar este povo desta discriminação e desta exclusão. Porém, os chefes religiosos que "inventaram" este pecado, fixados na Lei, rejeitam Jesus e a vida que ele vem comunicar a quem nele crê.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Turíbio de Mongrovejo

Bispo

De origem espanhola, nasceu no ano de 1538. Cresceu muito bem educado dentro de uma formação cristã e humana, estudou Direito e prestou muitos serviços nessa área, sempre buscando dar testemunho cristão no ambiente em que se encontrava.

Turíbio ajudou até o Rei Felipe, mas o chamado à vida dedicada ao Senhor, dentro do ministério sacerdotal, falou mais forte. Renunciou a sua profissão, e como sacerdote foi escolhido bispo e enviado ao Peru. Era um homem apostólico.

Se deparava com muitas injustiças: indígenas oprimidos, pobres abandonados. Então ele, no anúncio e na denúncia, passou a ser respeitado e ouvido por muitos.
Sem interesses e sem comungar com o poder opressor, ele deixou um marco para toda a América: de que o mundo precisa de santos, e isso só é possível na misericórdia, no amor, na verdade, no anúncio e na coragem de denunciar.

Depois de uma grave enfermidade, faleceu em 1606..

São Turíbio, rogai por nós!

Evangelho - Jo 8,12-20



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, 12Falou-lhes outra vez Jesus: Eu sou a luz do mundo; aquele que me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida. 13A isso, os fariseus lhe disseram: Tu dás testemunho de ti mesmo; teu testemunho não é digno de fé. 14Respondeu-lhes Jesus: Embora eu dê testemunho de mim mesmo, o meu testemunho é digno de fé, porque sei de onde vim e para onde vou; mas vós não sabeis de onde venho nem para onde vou. 15Vós julgais segundo a aparência; eu não julgo ninguém. 16E, se julgo, o meu julgamento é conforme a verdade, porque não estou sozinho, mas comigo está o Pai que me enviou. 17Ora, na vossa lei está escrito: O testemunho de duas pessoas é digno de fé (Dt 19,15). 18Eu dou testemunho de mim mesmo; e meu Pai, que me enviou, o dá também. 19Perguntaram-lhe: Onde está teu Pai? Respondeu Jesus: Não conheceis nem a mim nem a meu Pai; se me conhecêsseis, certamente conheceríeis também a meu Pai. 20Estas palavras proferiu Jesus ensinando no templo, junto aos cofres de esmola. Mas ninguém o prendeu, porque ainda não era chegada a sua hora.

- Palavra da salvação.
- Glória a Vós, Senhor

Comentário do Evangelho

O testemunho de Jesus é o testemunho do Pai

Nesta narrativa, João apresenta o auge do conflito de Jesus com os fariseus, em um diálogo com acentuada agressividade. Nesta festa das Tendas, durante a qual Jesus estava presente, eram acendidas grandes lanternas: a luz simbolizava a era messiânica, na qual não haveria mais distinção entre o dia e a noite (Zc 14,6-8). Jesus identifica-se com esta luz que vem para todo o mundo e não apenas para Israel. O testemunho de Jesus, que é o testemunho do Pai, é contestado pelos fariseus, apegados ao Templo e seu tesouro. Segue-se um diálogo agressivo, com o mesmo tema do diálogo amistoso entre Jesus e Filipe, que ocorrerá após a última ceia (14,8-9): quem conhece Jesus conhece o Pai, o que escandalizava os judeus.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São José Oriol

O santo deste dia, São José Oriol, tornou-se um santo sacerdote, não porque fez coisas extraordinárias, mas por viver o ordinário de modo extraordinário. Nasceu em Barcelona, em 1650 de uma família muito pobre.

José sofreu muito com a pobreza e pelo fato de ser órfão de pai; no seu coração, desde cedo, sentiu o chamado ao Sacerdócio, que somente com muitas lutas e graça da Providência conseguiu corresponder, pois padre se tornou com 26 anos. Apaixonado pela Sagrada Escritura, estudou as línguas originárias – hebraico, aramaico e grego – para assim evangelizar os judeus.

São José Oriol era um sacerdote simples, caridoso e pobre, porém de grande eficácia evangelizadora, tanto assim que cuidou de sua mãe e também das almas de todos os que o Senhor foi colocando na vida.

Ao fazer uma romaria penitencial para a Cidade Eterna, recebeu um ministério do Papa de grande importância, mas mesmo assim não deixou de catequizar crianças, visitar doentes e socorrer pobres. José queria ser missionário no Japão, porém uma doença ajudou-lhe a discernir sua missão em Barcelona que durou até entrar no Céu em 1702.


São José Oriol, rogai por nós!

Evangelho (João 8,1-11)





— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 1Jesus foi para o monte das Oliveiras. 2De madrugada, voltou de novo ao Templo. Todo o povo se reuniu em volta dele. Sentando-se, começou a ensiná-los.
3Entretanto, os mestres da Lei e os fariseus trouxeram uma mulher surpreendida em adultério. Colocando-a no meio deles, 4disseram a Jesus: “Mestre, esta mulher foi surpreendida em flagrante adultério. 5Moisés, na Lei, mandou apedrejar tais mulheres. Que dizes tu?”
6Perguntavam isso para experimentar Jesus e para terem motivo de o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, começou a escrever com o dedo no chão. 7Como persistissem em interrogá-lo, Jesus ergueu-se e disse: “Quem dentre vós não tiver pecado, seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra”. 8E, tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão.
9E eles, ouvindo o que Jesus falou, foram saindo um a um, a começar pelos mais velhos; e Jesus ficou sozinho, com a mulher que estava lá, no meio do povo.
10Então Jesus se levantou e disse: “Mulher, onde estão eles?” Ninguém te condenou?”
11Ela respondeu: “Ninguém, Senhor”. Então Jesus lhe disse: “Eu também não te condeno. Podes ir, e de agora em diante não peques mais”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor

Comentário do Evangelho

O amor misericordioso


Há um consenso em que esta narrativa foi tardiamente anexada ao Evangelho de João, possivelmente depois do século III, pois se diferencia no vocabulário e no estilo de João. Em algumas cópias posteriores a este século ela aparece inserida também no Evangelho de Lucas. Tratar-se-ia de uma piedosa inserção, tendo em vista que a misericórdia de Jesus nela expressa adapta-se bem ao espírito do Evangelho de João. Conforme a tradição da Torá, em Lv 20,10, a pena de morte devia ser aplicada quando um homem cometia adultério com a mulher de outro homem, e os dois adúlteros deviam morrer. Na visão patriarcal e machista estaria, assim, ferida a honra do marido. Um homem casado poderia adulterar com uma mulher solteira, sem preocupar-se com a honra de sua esposa. Como o adultério implica parceria, deveriam ter trazido a Jesus tanto a mulher casada como o homem que adulterou com ela. Após a observação de Jesus, todos renunciam a apedrejá-la. No mal que atinge alguma pessoa pode-se considerar que há, de alguma maneira, uma responsabilidade de todos. Nesta narrativa, em sua singeleza, encontramos a expressão do amor misericordioso de Deus. A manifestação deste amor, em Jesus, é a essência da revelação. Mais do que as censuras, é o amor misericordioso a alguém que toca seu coração e o motiva à conversão. Na prática misericordiosa de Jesus, "coisas novas" (primeira leitura) nos são reveladas. Conhecer Jesus (segunda leitura) é experimentar a sua misericórdia e tornar-se, também, misericordioso.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: A igreja celebra hoje:

Comemoramos a vida santa de um eremita, São Nicolau de Flue, que nasceu na Suíça em 1417 e passou sua juventude ajudando o pai em trabalhos práticos, sempre inclinado à vida religiosa.

A pedido do pai, casou-se com Dorotéia que muito o levou para Deus, tanto que juntos educaram os dez filhos para a busca da santidade. Aconteceu que, em comum acordo e, com os filhos já educados, Nicolau retirou-se na solidão, perto de sua casa, porém com o propósito de se dedicar exclusivamente a Deus, ele que era um homem popular devido a diversos cargos públicos e administrativos que ocupara na sociedade.

São Nicolau entregou-se totalmente à vida de oração, penitência e jejuns, sem deixar de participar nas santas missas de domingo e dias santos, além de ter assumido uma tábua como cama; por travesseiro uma pedra e de primeiro frutas e ervas como alimento, isto até chegar a se alimentar somente da Eucaristia, todo este processo estendeu-se progressivamente por 33 anos. Nicolau, que morreu com setenta anos, ao ir para o eremitério com 37 anos, em nada se alienou ao mundo. Pôde ele servir com conselhos e interferir pacificamente nas dificuldades entre Católicos e protestantes, a ponto de ser amado e tomado como modelo de pacificador e pai da pátria.


São Nicolau de Flue, rogai por nós!