Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Evangelho (Lucas 15,1-3.11-32)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 1os publicanos e pecadores aproximaram-se de Jesus para o escutar. 2Os fariseus, porém, e os mestres da Lei criticavam Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”.
3Então Jesus contou-lhes esta parábola: 11“Um homem tinha dois filhos. 12O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. 13Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada.
14Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região, e ele começou a passar necessidade. 15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. 16O rapaz queira matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isto lhe davam.
17Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome’. 18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti; 19já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’.
20Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos. 21O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’.
22Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés. 23Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. 24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’. E começaram a festa.
25O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. 26Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo. 27O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’.
28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. 29Ele, porém, respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. 30Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’.
31Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. 32Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado”’.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O pai misericordioso e seus dois filhos

Estes publicanos e pecadores que se aproximavam de Jesus eram os excluídos, humilhados e explorados, em nome da Lei, pelos chefes religiosos do Templo e das sinagogas.
Eles são atraídos por Jesus, com seu coração misericordioso e acolhedor.
A parábola do "filho pródigo" ou, melhor, do "pai misericordioso" remove a imagem do Deus do Primeiro Testamento, violento e coercitivo, exterminador dos "inimigos" do "povo eleito", e revela o Deus de amor que a todos atrai e que quer partilhar com todos os homens e mulheres a alegria e felicidade de sua própria vida divina e eterna.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Rosa de Viterbo

A santidade é uma graça que o Espírito Santo quer dar a todos, porém é Ele que vai no tempo Dele manifestando para o mundo este dom dado a quem luta diariamente. Por exemplo Santa Rosa que lembramos neste dia muito cedo começou a externar atitudes extraordinárias e coragem e amor ao Senhor.

Nasceu em Viterbo no ano de 1233 numa pobre e humilde família; quando tinha apenas três anos conta-se que pela sua oração Jesus reviveu uma tia. Com sete anos, Rosa pegou uma forte doença que foi meio para sua vida de consagração, pois Nossa Senhora apareceu a ela, restituindo a saúde e chamando-a a total entrega de vida.

Santa Rosa, antes mesmo de alcançar idade, resolveu livremente vestir um hábito franciscano, já que sua meta era entrar na Ordem de Santa Clara de Assis. Menina cheia do Espírito Santo, não ficou parada diante dos hereges cátaros, que semeavam a rejeição às autoridades.

Com apenas doze anos, era instrumento eficaz nas mãos do Pai Celeste, por isso anunciava o Evangelho e denunciava as artimanhas de satanás. Banida pelo imperador, continuou profetizando. Com o falecimento do imperador, ela voltou como heroína para Viterbo. Mesmo sem ser aceita com dezesseis anos pelas Irmãs Clarissas, Santa Rosa perseverou no caminho da santidade, e aos dezoito anos foi acometida de uma doença que a levou para a Eterna Morada de Deus.


Santa Rosa de Viterbo...rogai por nós!

NOTA DE FALECIMENTO

A Diocese de Santa Luzia comunica, com pesar, o falecimento da senhora Agnese Tranquilini, mãe do Senhor Bispo Diocesano Dom Mariano Manzana. A senhora Agnese faleceu na madrugada deste dia 05 de Março, na cidade de Mori, Itália. O Bispo Diocesano seguiu em viagem para o sepultamento, ficando ausente da Diocese nos próximos dias. Pedimos a oração de todos pela Senhora Agnese Tranquilini e toda a sua família, para que vivam este momento à luz da Ressurreição do nosso Senhor Jesus Cristo.


Pe Flávio Augusto Forte Melo
Vigário Geral da Diocese de Mossoró

Evangelho (Mateus 21,33-43.45-46)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, dirigindo-se Jesus aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo, disse-lhes: 33“Escutai esta outra parábola: Certo proprietário plantou uma vinha, pôs uma cerca em volta, fez nela um lagar para esmagar as uvas e construiu uma torre de guarda. Depois arrendou-a a vinhateiros, e viajou para o estrangeiro. 34Quando chegou o tempo da colheita, o proprietário mandou seus empregados aos vinhateiros para receber seus frutos.
35Os vinhateiros, porém, agarraram os empregados, espancaram a um, mataram a outro, e ao terceiro apedrejaram. 36O proprietário mandou de novo outros empregados, em maior número do que os primeiros. Mas eles os trataram da mesma forma. 37Finalmente, o proprietário enviou-lhes o seu filho, pensando: ‘Ao meu filho eles vão respeitar’.
38Os vinhateiros, porém, ao verem o filho, disseram entre si: ‘Este é o herdeiro. Vinde, vamos matá-lo e tomar posse da sua herança!’ 39Então agarraram o filho, jogaram-no para fora da vinha e o mataram. 40Pois bem, quando o dono da vinha voltar, que fará com esses vinhateiros?”
41Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “Com certeza mandará matar de modo violento esses perversos e arrendará a vinha a outros vinhateiros, que lhe entregarão os frutos no tempo certo”.
42Então Jesus lhes disse: “Vós nunca lestes nas Escrituras: ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isto foi feito pelo Senhor e é maravilhoso aos nossos olhos?” 43Por isso eu vos digo: o Reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos. 45Os sumos sacerdotes e fariseus ouviram as parábolas de Jesus, e compreenderam que estava falando deles. 46Procuraram prendê-lo, mas ficaram com medo das multidões, pois elas consideravam Jesus um profeta.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Rejeitaram e sacrificaram Jesus

Jesus fala no Templo, ao povo e também aos fariseus e sacerdotes aí presentes. A parábola, adaptada por Mateus, é uma crítica dirigida diretamente aos líderes religiosos. A parábola, tirada do ambiente rural em regime de latifúndios, é muito bem entendida por estes líderes, dentre os quais havia muitos latifundiários. Assim como o proprietário teve suas posses apropriadas pelos agricultores violentos, também os líderes religiosos se apropriaram do povo de Deus para explorá-lo, submetendo-o a sacrifícios. E rejeitaram e sacrificaram Jesus, o Filho de Deus.
José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São João José da Cruz

João nasceu no século XVII, e muito cedo descobriu seu chamado a uma consagração total. Pensou na vida sacerdotal, mas percebeu que muitos buscavam o sacerdócio somente para obter honras e diginidades.

João José discerniu melhor, e descobriu que Deus o queria um relgiioso. Assim, partiu para a vida eremítica, segundo a Ordem de São Pedro de Alcântara. Ele viveu uma vida de oração profunda, se alimentando e domirndo somente o necessário.

Recebendo a confiança de seus superiores, foi enviado para Piemonte, em Ávila, para começar um novo Mosteiro. E de maneira braçal, iniciou a construção. Com sua perseverança, a providência divina e a ajuda do povo, construiu o Mosteiro.

Recebeu de Deus o dom dos milagres, e muitos o buscavam. João da Cruz sempre apresentava o Senhor Jesus e levava o povo à oração.

São João José da Cruz, rogai por nós!

Evangelho (Lucas 16,19-31)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: 19“Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias.
20Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico. 21Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas.
22Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado. 23Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado. 24Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.
25Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te de que recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. 26E, além disso, há grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós’.
27O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa de meu pai, 28porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’. 29Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os profetas, que os escutem!’
30O rico insistiu: ‘Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’. 31Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos”’.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Uma nova sociedade baseada nos valores do reino

Esta parábola de Lucas retrata com clareza o abismo que divide os ricos dos pobres, em nossa sociedade. De um lado vemos o rico esbanjando, no gozo da vida. De outro lado o pobre carente sofredor.
O Evangelho não pretende esclarecer o pós-morte, mas sim advertir sobre as opções a serem feitas no mundo, hoje. Não se trata de condenação ou salvação escatológica de indivíduos. Trata-se da condenação e proposta de mudança do sistema socioeconômico, que, hoje, garante a riqueza e o poder de uma minoria oportunista e opressora, às custas da exploração da maioria pobre e sofredora. É o apelo à construção de uma nova sociedade.

A igreja celebra hoje:

Mesmo sendo patrono da juventude da Lituânia, o santo de hoje é modelo para todas as idades. Seu nome significa 'comandar'. De fato, com a graça de Deus e muito esforço, foi comandando ao longo de sua vida, todo o pensar, todo falar, todo o querer para Deus.
Filho do Rei da Polônia e família católica, Casemiro nasceu no ano de 1454. Com a ajuda da oração, da penitência, da direção espiritual e até do Papa do seu tempo, ele pôde discernir que seu chamado nao era suceder o seu pai. Renunciou ao trono, mas não deixou de ser solidario à realidade paterna, às necessidades do reino, sendo braço direito no governo do seu pai.

Teve toda uma vida de ascese e sacrifício, sendo modelo para a juventude.

Faleceu com apenas 26 anos.

São Casimiro, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 20,17-28)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 17enquanto Jesus subia para Jerusalém, ele tomou os doze discípulos à parte e, durante a caminhada, disse-lhes: 18“Eis que estamos subindo para Jerusalém, e o Filho do Homem será entregue aos sumos sacerdotes e aos mestres da Lei. Eles o condenarão à morte, 19e o entregarão aos pagãos para zombarem dele, para flagelá-lo e crucificá-lo. Mas no terceiro dia ressuscitará”.
20A mãe dos filhos de Zebedeu aproximou-se de Jesus com seus filhos e ajoelhou-se com a intenção de fazer um pedido. 21Jesus perguntou: “Que queres?” Ela respondeu: “Manda que estes meus dois filhos se sentem, no teu Reino, um à tua direita e outro à tua esquerda”. 22Jesus, então, respondeu-lhe: “Não sabeis o que estais pedindo. Por acaso podeis beber o cálice que eu vou beber?” Eles responderam: “Podemos”. 23Então Jesus lhes disse: “De fato, vós bebereis do meu cálice, mas não depende de mim conceder o lugar à minha direita ou à minha esquerda. Meu Pai é quem dará esses lugares àqueles para os quais ele os preparou”.
24Quando os outros dez discípulos ouviram isso, ficaram irritados contra os dois irmãos. 25Jesus, porém, chamou-os, e disse: “Vós sabeis que os chefes das nações têm poder sobre elas e os grandes as oprimem. 26Entre vós não deverá ser assim. Quem quiser tornar-se grande, torne-se vosso servidor; 27quem quiser ser o primeiro, seja vosso servo. 28Pois, o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate em favor de muitos”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O amor manifesta-se pelo serviço

Mateus, nesta sua narrativa, faz o contraste entre o anúncio da paixão feito por Jesus e a aspiração ao poder manifestada por seus discípulos Tiago e João, representados por sua mãe. Estes viam Jesus como um messias davídico que iria implantar de imediato um reino nacionalista. A revelação, em Jesus, do Deus de amor entre os humildes e frágeis não tem sido compreendida pelos discípulos, apegados à religião do deus que disputa o poder entre as nações. O amor manifesta-se pelo serviço. A compaixão pelos mais fracos, desamparados e excluídos impele à solidariedade e ao empenho de construir a unidade na sociedade de maneira que todos usufruam plenamente a vida.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santos Marino e Astério

São Marino era oficial romano, mas sobretudo, cristão. Já tinha feito seu caminhar com Cristo, estando em constante aprofundamento. No Império, não era reconhecido como cristão, e nem era possível uma evangelização aberta. Mas com sua vida, seu jeito profissional de ser, comunicava a verdade e o amor.

Era cogitado para ocupar uma posição chave: a de centurião romano na Cesareia.
Outros queriam esse cargo, e sabiam que ele era cristão. Por isso, um deles levantou uma lei antiga,onde para assumir o cargo era preciso antes sacrificar aos deuses. Imendiatamente Marino revelou-se publicamente que não poderia fazer isso e professou sua fé.
Pela admiração que muitos tinham por ele, não o mataram na hora. Deram a ele 3 horas para escolher pelo apostatar da fé ou a morte.

Ao sair do pretório, encontrou com o bispo Teotecno que o levou à igreja e, apontando-lhe para uma espada e para o evangelho, o motivou a fazer uma escolha digna de cristão. O oficial livremente abraçou o evangelho.

Passado o tempo, as autoridades o quiseram ouvir. Marino permaneceu fiel por amor a Cristo e à Igreja e acabou sendo degolado. Isto no ano de 260.

De repente, Astério se aproximou do corpo, o cobriu e enterrou o oficial. Ele sabia que isso poderia levá-lo ao martírio também. E foi o que aconteceu.

O testemunho deles nos convida a evangelizarmos a partir da nossa vida, e em todos os lugares da sociedade, e a nunca renunciarmos a nossa fé, mesmo que o martírio nos espere.

Santos Marino e Astério, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 23,1-12)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 1Jesus falou às multidões e aos seus discípulos e lhes disse: 2“Os mestres da Lei e os fariseus têm autoridade para interpretar a Lei de Moisés. 3Por isso, deveis fazer e observar tudo o que eles dizem. Mas não imiteis suas ações! Pois eles falam e não praticam. 4Amarram pesados fardos e os colocam nos ombros dos outros, mas eles mesmos não estão dispostos a movê-los, nem sequer com um dedo.
5Fazem todas as suas ações só para serem vistos pelos outros. Eles usam faixas largas, com trechos da Escritura, na testa e nos braços, e põem na roupa longas franjas.
6Gostam de lugar de honra nos banquetes e dos primeiros lugares nas sinagogas. 7Gostam de ser cumprimentados nas praças públicas e de serem chamados de Mestre. 8Quanto a vós, nunca vos deixeis chamar de Mestre, pois um só é vosso Mestre e todos vós sois irmãos. 9Na terra, não chameis a ninguém de pai, pois um só é vosso Pai, aquele que está nos céus. 10Não deixeis que vos chamem de guias, pois um só é vosso Guia, Cristo. 11Pelo contrário, o maior dentre vós deve ser aquele que vos serve. 12Quem se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Nas comunidades dos discípulos não se disputam méritos

Temos neste texto uma série de denúncias da prática dos escribas e dos fariseus.
Mateus reúne palavras proferidas por Jesus em seu tempo e as aplica ao contexto de suas comunidades na década dos anos oitenta. Na história de Israel vários profetas denunciaram os abusos e a corrupção dos chefes religiosos.
Os fariseus carregam fardos pesados. Jesus oferece o seu jugo suave e leve. Eles agem para serem vistos e querem receber títulos que lhes dão status social. Jesus propõe a discrição, "que sua mão esquerda não saiba o que a direita faz". Nas comunidades dos discípulos não se disputam méritos, mas vive-se a alegria do serviço e da partilha, na humildade.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Simplício

Papa da Igreja, pertencente ao clero de roma, o santo viveu mergulhado num contexto de grande instabilidade, seja por parte das heresias que rondavam a Igreja, como também por parte externa, da sociedade e do Império que estava para ruir.

Foi escolhido para sucessor de São pedro no ano de 468. Um homem de testemunho e oração, sensível aos ataques internos que a Igreja sofria por parte do nestorianismo - que buscava espalhar a mensagem entre os cristãos de que Cristo não teria nenhum ligação com Deus, negando o mistério da encarnação - e também o monofisismo, onde pregravam como verdade que a natureza divina suprimiu a natureza humana de Cristo.

Simplício se deparava com essa realidade, mas com autoridade, cheio do Espírito Santo e em comunhão com o Clero, se tornou cada vez mais canal da luz, que é Cristo, para essas situações.

São Simplicio demontrou com a vida que vale a pena caminharmos com o coração fixo na recompensa que o Senhor quer nos dar na Glória.

Faleceu em 483, e hoje intercede por nós.

São Simplício, rogai por nós!

Evangelho (Lucas 6,36-38)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 36“Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso. 37Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados. 38Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante será colocada no vosso colo; porque com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos”.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor
.

Comentário do Evangelho

Perdão e reconciliação

Lucas, em seu Evangelho, caracteriza-se pelo destaque que dá à misericórdia de Deus, revelada em Jesus.
No bojo do conjunto de sentenças proclamadas por Jesus após a proclamação das bem-aventuranças, encontramos: "Sede misericordiosos como vosso Pai é misericordioso".
É como que uma grande síntese do Evangelho. Primeiramente, temos aí a revelação da face do Pai: a misericórdia. É a expressão mais plena do amor. Amar apenas os amigos não esgota o amor. O amor pleno é misericordioso, envolvendo também os desprezados e os inimigos. Em segundo lugar, temos aí o grandioso compromisso que nos é proposto: buscarmos o nosso modelo de vida no Pai. E o Pai se revela a nós em Jesus. Quem vê Jesus vê o Pai.
O amor misericordioso remove qualquer julgamento de vingança, superioridade, desprezo ou condenação para com qualquer pessoa. O resultado é o ato de perdão e de reconciliação. Ao fazermos nossa oração do "Pai-Nosso", estamos nos comprometendo diante de Deus em perdoar. "Dai e vos será dado" é o oposto da proposta da sociedade de mercado, em que o lema é tirar o que puder dos mais fracos e dos pobres. O amor misericordioso é o perder a vida para os projetos de sucesso e enriquecimento desta sociedade, para encontrá-la na comunhão de vida com todos os amados por Deus.
José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Suitberto

O contato com o testemunho de homens como São Suitberto nos arrastam para Deus, já que a santidade possui esta força. Suitberto foi um dos muitos monges formados nas severas disciplinas dos mosteiros irlandeses.

Aconteceu certa vez, uma missão para evangelizar os povos pagãos da baixa Alemanha, mas esta primeira missão não alcançou o objetivo previsto, por isso houve uma segunda, na qual envolveu doze missionários e, dentre eles, Suitberto.

Este santo pregou, com ardor, o Evangelho nesta região e seu apostolado foi realizado de maneira heróica e abençoada. Com o passar da história, notou-se que São Suitberto recebeu a ordenação episcopal e ficou responsável pelo cuidado e salvação das almas do povo da Frísia.

Desenvolveu um lindo trabalho e até mesmo as dificuldades fizeram-no crescer, como o caso da necessidade que o fez abrir-se ao carisma de formador de evangelizadores, já que fundou um mosteiro, onde precisou formar discípulos do Cristo. O grande missionário dos povos germânicos consumiu-se pelos trabalhos de vinte anos como bispo e tomou posse da herança eterna no ano de 713, com sua morte.


São Suitberto, rogai por nós!

Evangelho (Lucas 9,28b-36)


— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 28bJesus levou consigo Pedro, João e Tiago, e subiu à montanha para rezar. 29Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante.
30Eis que dois homens estavam conversando com Jesus: eram Moisés e Elias. 31Eles apareceram revestidos de glória e conversavam sobre a morte, que Jesus iria sofrer em Jerusalém.
32Pedro e os companheiros estavam com muito sono. Ao despertarem, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com ele.
33E, quando estes dois homens se iam afastando, Pedro disse a Jesus: “Mestre, é bom estarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Pedro não sabia o que estava dizendo.
34Ele estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra. Os discípulos ficaram com medo ao entrarem dentro da nuvem.
35Da nuvem, porém, saiu uma voz que dizia: “Este é o meu Filho, o Escolhido. Escutai o que ele diz!”
36Enquanto a voz ressoava, Jesus encontrou-se sozinho. Os discípulos ficaram calados e naqueles dias não contaram a ninguém nada do que tinham visto.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Moisés e Elias conversam com Jesus

A Transfiguração marca uma transição entre o ministério de Jesus, na Galileia e vizinhanças, e o caminho em direção a Jerusalém, onde Jesus pressentia a violência final que poderia sofrer da parte dos chefes religiosos de Israel. A narrativa é feita com o estilo literário de uma teofania, caracterizado por fenômenos espantosos e supranaturais, nuvens e voz celestial, que indicam acomunicação de Deus (cf. primeira leitura). Na Transfiguração fica confirmada a filiação divina de Jesus, a dignidade de sua condição humana, e seu caráter de enviado para anunciar e instruir a todos. Moisés, representante da Lei, e Elias, representante do profetismo, haviam subido à montanha ao encontro de Deus. Agora, estando Jesus no alto da montanha a orar, recebe Moisés e Elias. O ponto alto é a voz que proclama: "Este é meu filho, o Eleito. Escutai-o". Do ponto de vista de uma interpretação messiânica, a Transfiguração seria o prenúncio da ressurreição, como coroação dos sofrimentos de Jesus em sua paixão, pela qual um corpo humilhado é transformado em um corpo glorioso (cf. segunda leitura).
Sob outro ponto de vista, a Transfiguração revela a condição divina de Jesus de Nazaré, filho de Maria, na simplicidade de seu convívio entre nós. Os discípulos devem ver em Jesus a nova condição humana glorificada pela encarnação do Filho de Deus. Não se trata de esperar um messias poderoso, mas, sim, de reencontrar a dignidade e a grandeza da condição humana, em tudo que ela tem de justo, bom e verdadeiro.
Ao entrarmos em comunhão de amor com Jesus e com o próximo, Deus é glorificado e nos é
comunicada sua vida divina e eterna.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santos Romão e Lupicino

São Romão entrou para a vida religiosa com 35 anos, na França, onde nasceram os dois santos de hoje. Ele foi discernindo sua vocação, que o deixava inquieto, apesar de já estar na vida religiosa. Ao tomar as constituições de Cassiano e também o testemunho dos Padres do deserto, deixou o convento e foi peregrinar, procurando o lugar onde Deus o queria vivendo.

Indo para o Leste, encontrou uma natureza distante de todos e percebeu que Deus o queria ali.

Vivia os trabalhos manuais, a oração e a leitura, até o seu irmão Lupicino, então viúvo, se unir a ele. Fundaram então um novo Mosteiro, que se baseava nas regras de São Pacômio, São Basílio e Cassiano.

Romão tinha um temperamento e caminhada espiritual onde com facilidade era dado à misericórdia, à compreensão e tolerância. Lupicino era justiça e intolerância. Nas diferenças, os irmãos se completavam, e ajudavam aos irmãos da comunidade, que a santidade se dá nessa conjugação: amor, justiça, misericórdia, verdade, inspiração, transpiração, severidade, compreensão. Eles eram iguais na busca da santidade.

O Bispo Santo Hilário ordenou Romão, que faleceu em 463. E em 480 vai para a glória São Lupicino.

Santos Romão e Lupicino, rogai por nós!