Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





RELÍQUIAS DE DOM BOSCO VISITAM DIOCESE DE MOSSORÓ

( Uma urna envidraçada contém uma réplica em cera do corpo de Dom Bosco, a mão e parte do braço)

A urna com as relíquias de Dom Bosco chega domingo, dia 31, às 9 horas, na Catedral de Santa Luzia. Depois, a urna segue para o município de Pau dos Ferros. A Peregrinação Internacional das Relíquias de São João Bosco está acontecendo nas festividades dos 75 anos de canonização do Santo (1934-2009), dos 150 anos dos Salesianos (Congregação fundada por Dom Bosco) e na preparação para o bi-centenário de seu nascimento (1815 -2015). A urna vai percorrer mais de cem países até 2015.

Fonte: http://diocesedemossoro.blogspot.com/

Reflexão de Sempre

"Para mim, a oração é um impulso do coração, um simples olhar dirigido para o céu, um grito de agradecimento e de amor, tanto do meio do sofrimento como do meio da alegria. Em uma palavra, é algo grande, algo sobrenatural que me dilata a alma e me une a Jesus."

SANTA TERESINHA

Evangelho (Marcos 4,35-41)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
Glória a vós, Senhor!

35Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse a seus discípulos: “Vamos para a outra margem!” 36Eles despediram a multidão e levaram Jesus consigo, assim como estava na barca. Havia ainda outras barcas com ele. 37Começou a soprar uma ventania muito forte e as ondas se lançavam dentro da barca, de modo que a barca já começava a se encher. 38Jesus estava na parte de trás, dormindo sobre um travesseiro. Os discípulos o acordaram e disseram: “Mestre, estamos perecendo e tu não te importas?” 39Ele se levantou e ordenou ao vento e ao mar: “Silêncio! Cala-te!” O vento cessou e houve uma grande calmaria. 40Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?” 41Eles sentiram um grande medo e diziam uns aos outros: “Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?”

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Confiança e fidelidade à Palavra de Deus

Esta cena dos discípulos navegando em um barco sobre o mar agitado aparece duas vezes nos Evangelhos de Marcos e Mateus. A passagem de hoje é narrada por Marcos entre o conjunto de parábolas de Jesus e a viagem em missão para o território gentílico dos gerasenos. Nela temos uma motivação para o fortalecimento da fé, tanto na acolhida do ensino de Jesus como na confiança na atividade missionária, contando-se sempre com a presença de Jesus. É uma fé que leva à confiança: "Quem é este a quem até os ventos e o mar obedecem?".
A palavra de Jesus é eficaz. A missão a que nossas comunidades são chamadas enfrenta o mar agitado de uma sociedade elitista que serve ao dinheiro e gera a violência da exclusão e o sofrimento. A confiança e a fidelidade à Palavra de Deus, pessoalmente presente em nossa vida, estimulam a nossa prática transformadora desta sociedade.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Jacinta Marescotti

Em Roma, em 1585, nasceu Jacinta, dentro de uma família muito nobre, religiosa, com posses, mas que possuía, principalmente, a devoção, o amor acima de tudo. Seus pais faziam de tudo para que os filhos conhecessem Jesus e recebessem uma ótima educação.

Jacinta Marescotti que, então, tinha como nome de batismo Clarisse, foi colocada num convento para a sua educação, numa escola franciscana, juntamente com as irmãs. Uma das irmãs dela já era religiosa franciscana.

Crescendo na educação religiosa, com valores. No entanto, a boa formação sempre respeita a liberdade. Já moça e distante daqueles valores por opção, ela quis casar-se. Saiu da vida religiosa, começou a percorrer caminhos numa vida de pecados, entregue à vaidade, à formosura e aos prazeres. Enfim, ia se esvaziando. Até que outra irmã sua veio a se casar. Sua reação não foi de alegria ou de festa, pelo contrário, com inveja e revolta ela resolveu entrar novamente na vida religiosa.

A consequência foi muito linda, porque ao entrar nesse segundo tempo, ela voltou como estava: vazia, empurrada por ela própria, pela revolta. Lá dentro, ela foi visitada por sofrimentos. Seu pai, que tanto ela amava e que lhe dava respaldo material, faleceu, foi assassinado. Ela pegou uma enfermidade que a levou à beira da morte. Naquele momento de dor, ela pôde rever a sua vida e perceber o quanto Deus a amava e o quanto ela não correspondia a esse amor.

Arrependeu-se, quis confessar-se e o sacerdote foi muito firme, inspirado naquele momento a dizer: “Eu só entro para o sacramento da reconciliação se sair, do quarto dela, tudo aquilo que está marcado pelo luxo e pela vaidade”. Até as suas vestes eram de seda, diferente das outras irmãs. Ela aceitou, pois já estava num processo de conversão. Arrependeu-se, confessou-se e, dentro do convento, começou a converter-se.

Jacinta Marescotti de tal forma empenhou-se na vida de oração, de pobreza, de castidade e vivência da regra que tornou-se, mais tarde, mestra de noviças e superiora do convento.

Deus faz maravilhas na vida de quem se deixa converter pelo Seu amor.

Santa Jacinta Marescotti, rogai por nós!

Nota de Falecimento.

Luciano Nogueira de Lucena
*04/02/1960
+29/01/2010
É com muito pesar, que comunicamos o falecimento de Luciano Nogueira. Um grande amigo e companheiro do Terço dos Homens Mãe Rainha na Comunidade do Menino Jesus de Praga - conjunto Santa Delmira.

Qualquer palavra neste momento será pequena demais para essa grande perca, só Deus pode aliviar esse sentimento, esperamos que seus corações sejam aliviados com a certeza de que ele estará sempre ao lado do Pai a nos proteger. À família enlutada, os sinceros pêsames de todos os que fazem o Terço dos Homens Mãe Rainha.


Informamos que o corpo está sendo velado na rua Cesar Campos, bairro boa vista e sepultamento ocorrerá na manhã deste sábado.

1º. Encontro Nacional de Coordenadores da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt junto ao Santuário da Permanente Presença do Pai, em Atibaia/SP.

Ir. M. Rosequiel

Para ‘entender a origem’.

Cerca de 300 delegados participarão, em maio de 2010, do 1º. Encontro Nacional de Coordenadores da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt junto ao Santuário da Permanente Presença do Pai, em Atibaia/SP.
O ano de 2010 é especial para os que se empenham na Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt. Em junho recordaremos 25 anos da partida de seu iniciador, o Servo de Deus João Luiz Pozzobon, e em setembro serão 60 anos desde o início deste grande apostolado mariano.
Com o objetivo de mais do que simplesmente celebrar estes acontecimentos, quase 300 lideranças empenhadas na Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt de dioceses de norte a sul do Brasil estarão reunidas de 21 a 23 de maio de 2010, junto ao Santuário da Permanente Presença do Pai, em Atibaia/SP, no primeiro encontro a nível nacional de coordenadores, um marco na história da Campanha no Brasil.
Em ritmo de preparação para o centenário da Aliança de Amor, em 2014, os organizadores do evento escolheram como lema uma frase de João Pozzobon que bem expressa tanto sua atitude de vida quanto a disposição dos que se empenham pela Mãe Peregrina de Schoenstatt: “Eu tive a graça de entender a origem”. Pois fidelidade à origem – a Aliança de Amor com a Mãe Três Vezes Admirável – foi a ‘receita’ do sucesso nas seis décadas de vida da ‘forçada Campanha’ iniciada ainda em 1950 pelo schoenstattiano João Pozzobon e será sempre sua fonte de forças e de inspiração.
Para tornar o 1º. Encontro Nacional de Coordenadores da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt realidade, uma equipe de voluntários está trabalhando arduamente ao lado dos responsáveis dos secretariados da Campanha de Santa Maria/RS e Atibaia/SP. É preciso entrar em contato com os coordenadores em diversas partes do Brasil, encaminhar correspondências, responder às duvidas dos participantes e resolver os pequenos e grandes contratempos que sempre antecedem eventos deste porte.
Junto à equipe organizativa outra equipe prepara-se para entrar em ação: a do ‘Capital de Graças’. Em pouco tempo, milhares de folhetos chegarão às mãos dos missionários e missionárias da Mãe Peregrina de Schoenstatt em todo o Brasil. Assim, todos os que se empenham nesta grande missão estarão presentes neste momento marcante da história da Campanha. E não só os missionários fazem parte da ‘equipe do Capital de Graças’. Todos os que desejarem participar – desta forma – do 1º. Encontro Nacional de Coordenadores podem solicitar o folheto junto ao Santuário de Schoenstatt mais próximo ou baixar no link abaixo. O folheto preenchido (ou ‘os folhetos’, porque para a magnanimidade não há limites) deverá ser entregue ao coordenador diocesano (via coordenadores paroquiais!) ou enviado ao seguinte endereço: Encontro Nacional de Coordenadores – Caixa Postal 571 – Atibaia/SP – CEP 12940-972. Todos os folhetos serão depositados num santuário de acrílico, na sede do encontro em Atibaia/SP, como expressão de que – enlaçados na Aliança, pelo Santuário – empenhamo-nos na mesma missão, não importa onde estamos e o cargo que ocupamos.
“Eu tive a graça de entender a origem”. Como João Pozzobon e unido ao nosso Pai e Fundador, Pe. José Kentenich, cada coordenador que participar do Encontro Nacional ou que participar pelo ‘Capital de Graças’ saberá fazer da Aliança de Amor, nossa ‘origem comum’, o coração de nossa caminhada rumo a 2014!

Reflexão de Sempre

A vida só pode ser compreendida, olhando-se para trás;

mas só pode ser vivida olhando-se para frente.

Soren Kierkegaard

Evangelho (Marcos 4,26-34)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 26Jesus disse à multidão: “O Reino de Deus é como quando alguém espalha a semente na terra. 27Ele vai dormir e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando e crescendo, mas ele não sabe como isso acontece.
28A terra, por si mesma, produz o fruto: primeiro aparecem as folhas, depois vem a espiga e, por fim, os grãos que enchem a espiga. 29Quando as espigas estão maduras, o homem mete logo a foice, porque o tempo da colheita chegou”.
30E Jesus continuou: “Com que mais poderemos comparar o Reino de Deus? Que parábola usaremos para representá-lo? 31O Reino de Deus é como um grão de mostarda que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes da terra. 32Quando é semeado, cresce e se torna maior do que todas as hortaliças, e estende ramos tão grandes, que os pássaros do céu podem abrigar-se à sua sombra”.
33Jesus anunciava a Palavra usando muitas parábolas como estas, conforme eles podiam compreender. 34E só lhes falava por meio de parábolas, mas, quando estava sozinho com os discípulos, explicava tudo.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Conversão a partir da Palavra semeada

Das duas parábolas, ambas introduzidas por: "Jesus dizia-lhes", a primeira é exclusiva de Marcos. O conteúdo é a ação de Deus nos corações, inspirando-os à conversão a partir da Palavra semeada. Ao discípulo missionário cabe lançar a semente, estar atento às mudanças, permanecer solidário e em comunhão com aqueles a quem foi enviado. É o mesmo Espírito que age no discípulo e naqueles com quem este se relaciona.
O Reino de Deus não é como os frondosos cedros do Líbano que ornaram o Templo de Jerusalém e contribuíram para a glória de Salomão. É como o pequeno grão de mostarda, que se espalha à beira do Mar da Galileia, humilde, porém cresce o suficiente para dar abrigo às aves do céu, para acolher a vida. As duas parábolas, uma da paciência e outra da esperança, são orientações para nossa ação missionária.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Pedro Nolasco

No século XII, uma família francesa teve a graça de ter como filho o pequeno Pedro Nolasco que, desde jovem, já dava sinais de sensibilidade com o sofrimento alheio. Foi crescendo, formando-se, entrou em seus estudos humanísticos e, ao término deles, numa vida de oração, penitência e caridade ativa, São Pedro Nolasco sempre buscou viver aquilo que está na Palavra de Deus.

Desde pequeno, um homem centrado no essencial, na pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo; um homem devoto da Santíssima Virgem.

No período de São Pedro Nolasco, muitos cristãos eram presos, feitos escravos por povos não-cristãos. Eles não só viviam uma outra religião – ou religião nenhuma –, como atrapalhavam os cristãos.

São Pedro Nolasco, tendo terminado os estudos humanísticos e ficando órfão, herdou uma grande herança. Ao ir para a Espanha, deparou-se com aquele sofrimento moral e também físico de muitos cristãos que foram presos e feitos escravos. Então, deu toda a sua herança para o resgate de 300 deles. Mais do que um ato de caridade, ali já estava nascendo uma nova ordem; um carisma estava surgindo para corresponder àquela necessidade da Igreja e dos cristãos. Mais tarde, fez o voto de castidade, de pobreza e obediência; foi quando nasceu a ordem dedicada à Santíssima Virgem das Mercês para resgatar os escravos, ir ao encontro daqueles filhos de Deus que estavam sofrendo incompreensões e perseguições.

Em 1256, ele partiu para a glória sabendo que ele, seus filhos espirituais e sua ordem – que foi abençoada pela Igreja e
reconhecida pelo rei – já tinham resgatado muitos cristãos da escravidão.

Peçamos a intercessão deste santo para que estejamos atentos à vontade de Deus e ao que Ele quer fazer através de nós.

São Pedro Nolasco, rogai por nós!

Reflexão de Sempre

"Não fiz o melhor, mas fiz tudo para que o melhor fosse feito. Não sou o que deveria ser, mas não sou o que era antes." Marthin Luther Kink

Evangelho (Marcos 4,21-25)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, Jesus disse à multidão: 21“Quem é que traz uma lâmpada para colocá-la debaixo de um caixote, ou debaixo da cama? Ao contrário, não a põe num candeeiro? 22Assim, tudo o que está em segredo deverá ser descoberto. 23Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça”. 24Jesus dizia ainda: “Prestai atenção no que ouvis: com a mesma medida com que medirdes, também vós sereis medidos; e vos será dado ainda mais. 25Ao que tem alguma coisa, será dado ainda mais; do que não tem, será tirado até mesmo o que ele tem”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A Palavra não é para ficar escondida

Este texto de Marcos reúne algumas sentenças, pouco articuladas entre si, possivelmente inseridas para estimular o anúncio e a escuta da Palavra. Temos dois conjuntos, introduzidos, cada um, por "Jesus dizia-lhes".
Como a lâmpada, a Palavra não é para ficar escondida, mas para ser anunciada e iluminar a todos. As coisas escondidas devem tornar-se públicas. Ao contrário do culto dos "mistérios" esotéricos, exclusivo para uma minoria iluminada, as parábolas são de fácil compreensão para todos, sendo instrumento para o anúncio da Palavra. A insistência, três vezes, no "ouvir" realça a importância da atenção e da disponibilidade para acolher as palavras de Jesus e praticá-las.
A alusão à medida a ser usada para os outros corresponde à abolição dos maus julgamentos a serem feitos sobre os outros, e é encontrada também em Mateus e Lucas.
A sentença final é bem característica da sociedade injusta e excludente. Com certo constrangimento, seria aplicada na perspectiva da fé. Quem tem fé acolhe a Palavra e se fortalece; quem não tem fé na Palavra, como aqueles que rejeitaram Jesus, perderá até a fé antiga.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Tomás de Aquino

Neste dia lembramos uma das maiores figuras da teologia Católica: Santo Tomás de Aquino. Conta-se que, quando criança, com cinco anos, Tomás, ao ouvir os monges cantando louvores a Deus, cheio de admiração perguntou: "Quem é Deus?".

A vida de santidade de Santo Tomás foi caracterizada pelo esforço em responder, inspiradamente para si, para os gentios e a todos sobre os Mistérios de Deus. Nasceu em 1225 numa nobre família, a qual lhe proporcionou ótima formação, porém, visando a honra e a riqueza do inteligente jovem, e não a Ordem Dominicana, que pobre e mendicante atraia o coração de Aquino.

Diante da oposição familiar, principalmente da mãe condessa, Tomás chegou a viajar às escondidas para Roma com dezenove anos, para um mosteiro dominicano. No entanto, ao ser enviado a Paris, foi preso pelos irmãos servidores do Império. Levado ao lar paterno, ficou, ordenado pela mãe, um tempo detido. Tudo isto com a finalidade de fazê-lo desistir da vocação, mas nada adiantou.

Livre e obediente à voz do Senhor, prosseguiu nos estudos sendo discípulo do mestre Alberto Magno. A vida de Santo Tomás de Aquino foi tomada por uma forte espiritualidade Eucarística, na arte de pesquisar, elaborar, aprender e ensinar pela Filosofia e Teologia os Mistérios do Amor de Deus.

Pregador oficial, professor e consultor da Ordem, Santo Tomás escreveu, dentre tantas obras, a Suma Teológica e a Suma contra os gentios. Chamado doutor Angélico, Tomás faleceu em 1274, deixando para a Igreja o testemunho e, praticamente, a síntese do pensamento católico.

Santo Tomás de Aquino, rogai por nós!

Reflexão de Sempre

Uma coisa é você achar que está no caminho certo, outra é achar que o seu caminho é o único. Nunca podemos julgar a vida dos outros, porque cada um sabe da sua própria dor e renúncia. (Paulo Coelho)

Evangelho (Marcos 4,1-20)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 1Jesus começou a ensinar de novo às margens do mar da Galileia. Uma multidão muito grande se reuniu em volta dele, de modo que Jesus entrou numa barca e se sentou, enquanto a multidão permanecia junto às margens, na praia.
2Jesus ensinava-lhes muitas coisas em parábolas. E, em seu ensinamento, dizia-lhes: 3“Escutai! O semeador saiu a semear. 4Enquanto semeava, uma parte da semente caiu à beira do caminho; vieram os pássaros e a comeram. 5Outra parte caiu em terreno pedregoso, onde não havia muita terra; brotou logo, porque a terra não era profunda, 6mas, quando saiu o sol, ela foi queimada; e, como não tinha raiz, secou. 7Outra parte caiu no meio dos espinhos; os espinhos cresceram, a sufocaram, e ela não deu fruto.
8Outra parte caiu em terra boa e deu fruto, que foi crescendo e aumentando, chegando a render trinta, sessenta e até cem por um”. 9E Jesus dizia: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça”. 10Quando ficou sozinho, os que estavam com ele, junto com os Doze, perguntaram sobre as parábolas. 11Jesus lhes disse: “A vós, foi dado o mistério do Reino de Deus; para os que estão fora, tudo acontece em parábolas, 12para que olhem mas não enxerguem, escutem mas não compreendam, para que não se convertam e não sejam perdoados”.
13E lhes disse: “Vós não compreendeis esta parábola? Então, como compreendereis todas as outras parábolas? 14O semeador semeia a Palavra. 15Os que estão na beira do caminho são aqueles nos quais a Palavra foi semeada; logo que a escutam, chega Satanás e tira a Palavra que neles foi semeada. 16Do mesmo modo, os que receberam a semente em terreno pedregoso, são aqueles que ouvem a Palavra e logo a recebem com alegria, 17mas não têm raiz em si mesmos, são inconstantes; quando chega uma tribulação ou perseguição, por causa da Palavra, logo desistem.
18Outros recebem a semente entre os espinhos: são aqueles que ouvem a Palavra; 19mas quando surgem as preocupações do mundo, a ilusão da riqueza e todos os outros desejos, sufocam a Palavra, e ela não produz fruto. 20Por fim, aqueles que recebem a semente em terreno bom são os que ouvem a Palavra, a recebem e dão fruto; um dá trinta, outro sessenta e outro cem por um”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A Palavra acolhida gera frutos de amor

Marcos, que é moderado no registro de falas de Jesus, retém em seu Evangelho apenas seis parábolas. Destas, três, que são apresentadas em sequência no capítulo 4 de seu Evangelho, têm como imagem de partida a semente, o que condiz bem com o ambiente rural da pregação de Jesus.
Nesta parábola de hoje, o leitor é induzido a fazer uma revisão de vida, procurando identificar-se com aquela terra boa, na qual a semente lançada deu frutos abundantes. A palavra de Jesus acolhida em seu coração com generosidade gera frutos de amor, acolhida, solidariedade e partilha.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santa Ângela Mérici

Nasceu no ano de 1474 no norte da Itália. De uma família muito honesta, materialmente pobre, mas espiritualmente riquíssima, amava muito Cristo e sua Igreja. Os filhos foram crescendo assim, com o testemunho dos pais, inclusive Santa Ângela que, desde pequenina, já tinha vida de oração e penitência, buscava amar, cada vez mais, Deus.

Ela teve uma irmã e, com o tempo, seus pais vieram a falecer. Os filhos tiveram que sair de sua terra e morar com um tio. Ali, a irmã faleceu e, mais tarde, o tio. Quantas perdas! Mas Santa Ângela, mulher de oração, nunca acusou Deus, nunca se revoltou. Isso não quer dizer que não sentiu, não sofreu. Até Nosso Senhor, verdadeiro Deus, verdadeiro homem sofreu.

Inspirada pelo Espírito Santo, retornou para a sua terra natal e ali começou a fazer um trabalho muito providencial, confirmado pelo céu, porque teve um sonho de ver jovens com coroas de lírios caminhando para o céu. Naquele discernimento, ela agarrou a inspiração e foi trabalhar servindo jovens que corriam riscos morais.

O grupo daquele que se dedicavam a Deus foi crescendo, servindo no resgate à evangelização dos jovens e também na restauração das famílias. Ela foi com o coração aberto, cheio de amor para auxiliar, com as outras jovens, as famílias. Promoveu a restauração das jovens, das famílias, também foi ao encontro dos pobres e enfermos.

O Papa aprovou esta nova congregação que foi consagrada a Santa Úrsula, por isso, eram chamadas ursulinas, pois a própria Santa Úrsula apareceu para Santa Ângela. Ela que, aos 66 anos, partiu para o céu, hoje intercede não só pelas ursulinas, mas por todos que são Igreja.

São Ângela Mérici, rogai por nós!

Reflexão de Sempre

"Como os pássaros, que cuidam de seus filhos ao fazer um ninho no alto das árvores e nas montanhas, longe dos predadores, das ameaças e dos perigos e mais perto de Deus, devemos cuidar de nossos filhos como um bem sagrado, promover o respeito a seus direitos e protegê-los".
Dra. Zilda Arns

Homenagens para Dra. Zilda

Durante os últimos dias foram diversas as homenagens prestadas a Fundadora da Pastoral da Criança e Pastoral da Pessoa Idosa, Dra. Zilda Arns Neumann. O desenhista brasileiro, Mauricio de Souza, autor de diversos quadrinhos, entre eles "A Turma da Mônica", também prestou a sua homenagem, criando uma imagem especial, que ilustra a página inicial do site da "Turma da Mônica".

Dona Zilda Arns foi uma das vítimas do terremoto que devastou o Haiti, dia 12, onde fazia trabalho social. Nascida na cidade catarinense de Forquilhinha, ficou conhecida em todo o mundo pelas ações de solidariedade.

Médica que sempre preferiu as crianças carentes ao consultório, tinha 75 anos, era viúva e mãe de cinco filhos, e fundou e coordenou a Pastoral da Criança. O trabalho da Pastoral contra a desnutrição infantil virou referência internacional, e dona Zilda chegou a ser indicada ao prêmio Nobel da Paz, em 2006.


Mensagem

"Como os pássaros, que cuidam de seus filhos ao fazer um ninho no alto das árvores e nas montanhas, longe dos predadores, das ameaças e dos perigos e mais perto de Deus, devemos cuidar de nossos filhos como um bem sagrado, promover o respeito a seus direitos e protegê-los".

Parágrafo final da última palestra da Dra. Zilda Arns Neumann

Haiti, 2010

Evangelho (Lucas 10,1-9)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 1o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. 2E dizia-lhes: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita. 3Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. 4Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias, e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! 5Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘A paz esteja nesta casa!’ 6Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. 7Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa. 8Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, 9curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: ‘O Reino de Deus está próximo de vós’ ”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Igrejas são as sementes do Reino.

Esta narrativa do envio dos setenta e dois em missão, em território gentílico, é exclusiva de Lucas. Com ela, Lucas prepara as narrativas das missões que se seguirão em Atos, em continuidade com seu Evangelho. Nesta narrativa Lucas inclui instruções para a missão já registradas no envio dos Doze, na Galileia, na sua própria narrativa e nas dos
outros sinóticos. Contudo, apresenta a originalidade do comer e beber do que lhes for oferecido nas casas em que
entrarem. De acordo com a prática de Jesus, os missionários não se identificam com a Lei do Judaísmo, a qual proibia entrar e, ainda mais, comer em casa de gentios. A missão tem o objetivo de formar Igrejas domésticas e acolhedoras, que, articuladas entre si, são as sementes do Reino.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Timóteo


Sua vida foi marcada pela evangelização, pela santidade de São Paulo e também de São João Evangelista. A respeito dele, certa vez, São Paulo escreveu em uma de suas cartas: “A Timóteo, filho caríssimo, graça, misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Jesus Cristo Nosso Senhor. Nesta carta, vamos percebendo que ele foi fruto de uma evangelização que atingiu não somente a ele, mas também sua família.

“Quando me vêm ao pensamento as tuas lágrimas, sinto grande desejo de te ver para me encher de alegria” (II Timóteo 1, 4). Confesso a lembrança daquela sua fé tão sincera que foi primeiro a de sua avó Lóide e de sua mãe, Eunice e, não tenho a menor dúvida, habita em mim também. Por isso, São Paulo foi marcado pelo testemunho de São Timóteo, que se deixou influenciar também por São Paulo. Tornou-se, mais tarde, além de um apóstolo, um companheiro de São Paulo e muitas viagens.

Primeiro Bispo de Éfeso, foi neste contexto que ele conheceu e foi discípulo de Nosso Senhor seguindo as pegadas do Evangelista.

Conta-nos a tradição que, no ano de 95, o santo havia sido atingido por pagãos resistentes à Boa Nova do Senhor e, por isso, martirizado. São Timóteo, homem de oração, um apóstolo de entrega total a Jesus Cristo. Viveu a fé em família, mas também propagou a fé para que todos conhecessem Deus que é paz.

Peçamos a intercessão desse grande santo para que sejamos apóstolos nos tempos de hoje.

São Timóteo, rogai por nós!

Reflexão de Sempre

"Não procure felicidade dentro de outro ser humano e sim dentro do seu próprio coração.
Muitas vezes ela está tão perto que não conseguimos enxergá-la, pois o essencial é invisível aos olhos".

Evangelho (Marcos 16,15-18)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, Jesus se manifestou aos onze discípulos, 15e disse-lhes: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura! 16Quem crer e for batizado será salvo. Quem não crer será condenado. 17Os sinais que acompanharão aqueles que crerem serão estes: expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas; 18se pegarem em serpentes ou beberem algum veneno mortal não lhes fará mal algum; quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Boa-Nova a toda criatura!

Paulo (Saulo), fiel discípulo do rabino Gamaliel e perseguidor dos discípulos de Jesus, converte-se a partir do testemunho de fé que estes discípulos davam, até o martírio. Após sua conversão, Paulo retira-se um tempo para a Arábia e em sua cidade, Tarso. Cerca de oito a dez anos após sua conversão, é convidado por Barnabé a integrar a comunidade de Antioquia, de onde parte para sua primeira missão. Paulo relê o Primeiro Testamento à luz da novidade de Jesus. Não tendo conhecido Jesus, a teologia de Paulo é centrada em sua morte e ressurreição (o Cristo), sob a ótica messiânica da tradição do Judaísmo em vigor em seu tempo. Pouco tempo após a morte de Paulo, Marcos escreve o seu Evangelho, cuja tônica é a encarnação do Filho de Deus, Jesus de Nazaré. Marcos resgata assim as memórias históricas de Jesus, que conviveu com os discípulos, desde o batismo de João até o momento em que foi arrebatado dentre eles. Marcos, sem se preocupar com as narrativas sobre o Ressuscitado, encerra seu Evangelho com o anúncio do túmulo vazio.
A parte final do Evangelho é um acréscimo tardio, com coletâneas sobre aparições do Ressuscitado, na perspectiva messiânica escatológica, extraídas dos outros três Evangelhos.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Conversão de São Paulo

O apóstolo dos gentios e das nações nasceu em Tarso. Da tribo de Benjamim, era judeu de nação. Tarso era mais do que uma colônia de Roma, era um município. Logo, ele recebeu também o título de cidadão romano. O seu pai pertencia à seita dos fariseus. Foi neste ambiente, em meio a tantos títulos, que ele foi crescendo e buscando a palavra de Deus.

Combatente dos vícios, foi um homem fiel a Deus. Paulo de Tarso foi estudar na escola de Gamaliel, em Jerusalém, para aprofundar-se no conhecimento da lei e buscava colocá-la em prática. Nessa época, conheceu o Cristianismo, que era tido como um seita. Tornou-se, então, um grande inimigo dele; tanto que a Palavra de Deus testemunha que, na morte de Santo Estevão, primeiro mártir da Igreja, ele fez questão de segurar as capas daqueles que apedrejam Estevão, como uma atitude de aprovação. Autorizado, buscava identificar cristãos, prendê-los, enfim, acabar com o Cristianismo. O interessante é que ele pensava estar agradando Deus. Ele fazia seu trabalho por zelo, mas de maneira violenta, sem discernimento. Era um fariseu que buscava a verdade, mas fechado à Verdade Encarnada. Mas Nosso Senhor veio para salvar todos.

Encontramos, no capítulo 9 dos Atos dos Apóstolos, o testemunho: “Enquanto isso, Saulo só respirava ameaças e morte contra os discípulos do Senhor. Apresentou-se ao príncipe dos sacerdotes e pediu-lhes cartas para as sinagogas de Damasco, com o fim de levar presos, a Jerusalém, todos os homens e mulheres que seguissem essa doutrina. Durante a viagem, estando já em Damasco, subitamente o cercou uma luz resplandecente vinda do céu. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: 'Saulo, Saulo, por que me persegues?'. Saulo então diz: 'Quem és, Senhor?'. Respondeu Ele: 'Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro te é recalcitrar contra o aguilhão'. Trêmulo e atônito,
disse Saulo: 'Senhor, que queres que eu faça?' respondeu-lhe o Senhor: 'Levanta-te, entra na cidade, aí te será dito o que deves fazer'. O interessante é que o batismo de Saulo é apresentado por Ananias, um cristão comum, mas dócil ao Espírito Santo.

Hoje estamos comemorando o testemunho de conversão de São Paulo. Sua primeira pregação foi feita em Damasco. Muitos não acreditaram, mas ele perseverou.

São Paulo de Tarso , rogai por nós!

Incêndio junto ao santuário de Schoenstatt causa pânico



Agradecemos a proteção especial de Deus e da nossa Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt no incêndio da nossa Casa Provincial. Repentinamente fomos surpreendidas com fogo na parte superior da casa (sótão). Imediatamente saímos da casa e levamos nossas irmãs idosas e doentes para o Juvenato. Aguardamos com ansiedade a chegada dos bombeiros que, com o reforço da Base Aérea e da cidade de São Pedro, realizaram um intenso trabalho, durante três horas, até conseguir combater o grande fogo.
Vizinhos, amigos, funcionários e pessoas do Movimento de Schoenstatt fizeram-se presentes e com grande solidariedade prestaram especial ajuda. Agradecemos a Deus e a todos pela solidariedade neste momento difícil e, com gratidão, rezamos em suas intenções.

O incêndio na Casa Provincial das Irmãs de Maria de Schoenstatt, destruiu toda a parte superior ( sótão) e telhado. Encontrava-se ali, em lugar especial, bem guardada, uma grande imagem de Cristo crucificado.
Tudo foi destruído e, surpreendentemente, permaneceu quase intata, a face de Cristo.
Todos admiraram tal fenômeno, até mesmo os Bombeiros que expressaram nunca ter experimentado tal coisa durante os muitos anos de seu árduo e belo trabalho.
A face de Cristo entre os escombros fala-nos da missão que o Fundador, Pe. José Kentenich, confiou ao Brasil: ser um Tabor das glórias de Cristo e Maria.
Ao contemplar esta face de Cristo, podemos dizer:



Cristo,
Tua face resplandece entre os escombros,
Tudo está destruído, mas tu és o Senhor e Rei.
És o consolo dos que sofrem,
A esperança dos aflitos e desesperados,
O refúgio de paz,
sinal da presença de Deus.
Cristo,
Tua face resplandece em meio a ruína,
Iluminas o nosso caminho com a tua bondade,
teu amor e fidelidade de Pastor.
Ao contemplar tua face, parece que estás a nos dizer:
“Mais uma vez, passei pelo fogo da dor,
Pelas chamas ardentes do sofrimento,
Para salvar vossa vida e conduzir-vos ao Pai!”
Cristo,
Tua face que irradia amor e bondade,
Ensina-nos a confiar no Pai,
A viver a filialidade heroica,
E na tua atitude de total doação filial,
dar a nossa resposta de amor: Sim, Pai!

Oração

Diz-se qua oração é o combustível da alma. Nossa fé é revigorada através da oração, além de ser nossa ligação com Deus. Orar significa dialogar com o Deus. O próprio Jesus, em Seu testemunho de vida, ensina-nos a orar sempre e em todas as circunstâncias: antes de iniciar os trabalhos diários, antes de algum projeto, nas alegrias e tristezas, nas vitórias e derrotas. A oração nos mantém em sintonia com Deus.

"Naqueles dias, Jesus retirou-se a uma montanha para rezar, e passou aí a noite toda orando a Deus".(Lc. 6,12)

Evangelho (Lucas 1,1-4; 4,14-21)


— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

1Muitas pessoas já tentaram escrever a história dos acontecimentos que se realizaram entre nós, 2como nos foram transmitidos por aqueles que, desde o princípio, foram testemunhas oculares e ministros da palavra.
3Assim sendo, após fazer um estudo cuidadoso de tudo o que aconteceu desde o princípio, também eu decidi escrever de modo ordenado para ti, excelentíssimo Teófilo. 4Deste modo, poderás verificar a solidez dos ensinamentos que recebeste.
Naquele tempo, 4,14Jesus voltou para a Galileia, com a força do Espírito, e sua fama espalhou-se por toda a redondeza.
15Ele ensinava nas suas sinagogas e todos o elogiavam.
16E veio à cidade de Nazaré, onde se tinha criado. Conforme seu costume, entrou na sinagoga no sábado, e levantou-se para fazer a leitura.
17Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, Jesus achou a passagem em que está escrito: 18“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa-nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos 19e para proclamar um ano da graça do Senhor”.
20Depois fechou o livro, entregou-o ao ajudante e sentou-se. Todos os que estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele.
21Então começou a dizer-lhes: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O grande acontecimento

O Evangelho de Lucas é o único que contém um prólogo explicativo do autor quanto à sua intenção e à sua metodologia ao escrever o seu texto. Este estilo assemelha-se ao dos desta maneira, Lucas procura encontrar um lugar para sua obra na literatura e na história da cultura de seu tempo.
Embora afirme "ter investigado tudo cuidadosamente desde as origens", o seu Evangelho tem mais o sentido de sua interpretação teológica pessoal das informações coletadas do que uma narrativa histórico-científica. Ao mencionar os "muitos que já tentaram escrever a história dos fatos ocorridos", com certeza ele tinha em mente e em mãos o Evangelho de Marcos, escrito cerca de uma década e meia antes.
A narrativa detalhada que é apresentada na segunda parte do Evangelho de hoje, a fala de Jesus em uma sinagoga de Nazaré, é exclusiva de Lucas, e reflete bem a sua teologia ao apresentar o ministério de Jesus: este ministério acontece como realização das profecias do Primeiro Testamento; Jesus realiza a escatologia, isto é, o acontecimento esperado para o fim dos tempos; o grande acontecimento é a libertação dos oprimidos, cativos e empobrecidos, iluminados com a Palavra e a prática de Jesus.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Francisco de Sales

Nasceu no Castelo de Sales em 1567. Sua mãe, a condessa, buscou formar muito bem o seu filho com os padres da Companhia de Jesus, onde aprendeu línguas. Muito cedo, fez um voto de viver a castidade e buscar sempre a vontade do Senhor. Ao longo da história deste santo muito amado, vamos percebendo o quanto ele buscou e o quanto encontrou o que Deus queria.

Mais tarde, São Francisco escreveu “Introdução à vida devota” e, vivendo do amor de Deus, escreveu também o “Tratado do amor de Deus”.

Atacado por uma tentação de desconfiar da misericórdia do Senhor, a resposta ele buscou com o auxílio de Nossa Senhora; por isso, foi dissipada aquela tentação. Estudou direito em Pádua, mas, contrariando familiares, quis ser sacerdote. E foi um sacerdote buscando a santidade não só para si, mas também para os outros.

No seu precorrer de pregações, de zelo apostólico e de evangelização, semeando a unidade e espalhando, com a ajuda da imprensa, a sã doutrina cristã. Foi escolhido por Deus para o serviço do episcopado em Genebra. Primeiro, como coadjutor, depois, sendo o titular. Um apóstolo do amor e da misericórdia. Um homem que conseguiu expressar, com o seu amor e a sua vida a mansidão do Senhor.

Diz-se que, depois de sua morte, descobriu-se que sua mesa de trabalho estava toda arranhada por baixo, porque, com seu temperamento forte, preferia arranhar a mesa do que responder sem amor, sem mansidão para as pessoas.

Foi fundador da 'Ordem da Visitação', mas também um exemplo para tantos religiosos como os salesianos de Dom Bosco. Eles são chamados assim por causa do testemunho de São Francisco de Sales.

Ele morreu com 56 anos, sendo que 21 anos foram vividos no episcopado como servos para todos e sinal de santidade.

Peçamos a intercessão desse grande santo para que, numa vida devota e vivendo do amor de Deus, possamos percorrer o nosso caminho em busca de Deus em todos os caminhos.

São Francisco de Sales , rogai por nós!