Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Paróquia de São João Batista - Mossoró

Fundada em 1968 tendo como Pároco, meu amigo e Padrinho o Saudoso Padre José do Vale, que a frente da mesma muito fez e que hoje esta muito feliz por ver que o seu trabalho continua em boas mãos, falo do padre Raimundinho (Vigário) que com muito amor, dedicação e carisma conquista a todos que o conhece e do apoio de padre Rieson Carlos administrador da Paróquia que juntos com a comunidade e devotos de São João Batista entrega neste Domingo dia 06 de Dezembro de 2009 às o8h em uma grande missa solene presidida por Dom Mariano, Pe. Raimundinho e Pe. Rieson, onde será feito a Dedicação da Paróquia (reinauguração da nova estrutura).

Comvidamos a todos a participar deste grande Momento de Fé, doação e amor.

José Roberto e Padre Raimundinho

Vejam e confirme a paz que a nova Paroquia transmite, pois o Senhor Jesus te espera de braços aberto.


O novo altar da Paróquia de São João Batista.

Terço dos Homens Mãe Rainha - Areia Branca

O Terço dos Homens Mãe Rainha da paróquia de Areia Branca participa e anima 5ª noite do novenário da Festa de N. S. da Conceição. Este ano estamos celebrando o centenário da Igreja matriz e o 90 anos de criação da paróquia. A Festa encerra-se no próximo dia 08 com procissão, Celebração Eucaristica e show com o Pe. João Carlos Ribeiro.

Olivá José - coordenador THMR
(Areia Branca)

Evangelho (Mateus 9,35–10,1.6-8)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 35Jesus percorria todas as cidades e povoados, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino, e curando todo tipo de doença e enfermidade.
36Vendo Jesus as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam cansadas e abatidas, como ovelhas que não têm pastor. Então disse a seus discípulos: 37“A Messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. 38Pedi pois ao dono da messe que envie trabalhadores para a sua colheita!”
10,1E, chamando os seus doze discípulos deu-lhes poder para expulsarem os espíritos maus e para curarem todo tipo de doença e enfermidade.
Enviou-os com as seguintes recomendações: 6“Ide, antes, às ovelhas perdidas da casa de Israel! 7Em vosso caminho, anunciai: ‘O Reino dos Céus está próximo’. 8Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. De graça recebestes, de graça deveis dar!”


- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Missão da Boa-Nova

Mateus, no seu Evangelho, após caracterizar o messianismo de Jesus com a narrativa de dez milagres, faz um sumário do seu ministério, seguindo-se o chamado dos Doze e o envio missionário. A missão distingue-se pelo ensino, com a proclamação da Boa-Nova, e pela cura dos inúmeros doentes dentre as multidões. A doença é fruto da exclusão social. Jesus tem compaixão destas multidões e se empenha em que elas sejam libertadas de seus males. Os pastores que não cuidavam das ovelhas eram os chefes religiosos de Israel, que retinham também o poder político.
Diante da necessidade de trabalhadores para a colheita, Jesus chama os Doze. Eles são enviados para exercer o ministério semelhante ao de Jesus: a proclamação da Boa-Nova do Reino.


José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Martinho de Dume

Oriundo da Panônia, atual Hungria, dirigiu-se ainda jovem para ao Oriente, onde professou vida regular: estudou o grego e outras ciências eclesiásticas em que muito cedo se distinguiu, até ser classificado, pelo eminente Doutor Santo Isidoro, como ilustre na fé e na ciência. Também Gregório de Tours o considerou entre os homens insuperáveis do seu tempo.

Regressando do Oriente, dirigiu-se depois a Roma e França, onde travou conhecimento com as personagens por então mais insignes em saber e santidade. Sobretudo, quis visitar o túmulo do seu homônimo e compatriota, S. Martinho de Tours, que desde então ficará considerando como seu patrono e modelo. Foi também por essa altura que Martinho se encontrou com o rei dos Suevos, Charrarico, ao qual acompanhou para o noroeste da Península Ibérica, em 550, onde, com restos do gentilismo e bastante ignorância religiosa, se espalhara o Arianismo.

Para acorrer a tantos males, não tardou Martinho em planejar e colocar em andamento seu vigoroso apostolado. Num mosteiro, edificado pelo mesmo rei, em Dume, ao lado de Braga, assenta o grande apóstolo dos suevos suas instalações como escola de monaquismo e base de irradiação catequética e missionária. A igreja do mosteiro é dedicada a S. Martinho de Tours, e foi sagrada em 558. O seu abade foi elevado ao episcopado pelo Bispo de Braga já em 556, em atenção ao seu exímio saber e extraordinário zelo e santidade. Com asubida ao trono do rei Teodomiro (em 559), consumava-se o regresso dos Suevos ao Catolicismo, deixando o Arianismo.

Ilustre por tão preclaras prerrogativas, passa Martinho para a Sé de Braga, em 569, quando o Catolicismo nesta região gozava já de alto esplendor, o que tornou possível o 1° Concílio de Braga, em 561, no pontificado de João III. Em 572, foi Martinho a alma do 2° Concílio de Braga. Nesta altura escreveu ele: "Com a ajuda da graça de Deus, nenhuma dúvida há sobre a unidade e retidão da fé nesta província".

S. Martinho de Dume não esqueceu da importância e eficácia do apostolado da pena. Deixou assim várias obras sobre as virtudes monásticas, bem como matérias teológicas e canônicas, pelas quais foi depois reputado e celebrado como Doutor.

Faleceu a 20 de março de 579 e foi sepultado na catedral de Dume; mas desde 1606 estão depositadas as suas relíquias na Sé de Braga. Compusera para si, em latim, o seguinte epitáfio sepulcral, em que mostra a veneração que dedicava ao santo Bispo de Tours: "Nascido na Panônia, atravessando vastos mares, impelido por sinais divinos para o seio da Galiza, sagrado Bispo nesta tua igreja, ó Martinho confessor, nela instituí o culto e a celebração da Missa. Tendo-te seguido, ó Patrono, eu, o teu servo Martinho, igual em nome que não em mérito, repouso agora aqui na paz de Cristo".


São Martinho de Dume, rogai por nós!

Abertura da Festa de Santa Luzia 2009

Teve inicio na noite de ontem às 19h e 30m a abertura da festa de Santa Luzia 2009, uma grande multidão de fiéis esperavam em frente a Catedral a imagem da padroeira de Mossoró que vinha em procissão da comunidade da ilha de Santa Luzia e um clima de muita alegria e emoção tomou conta de todos os presentes ao ser exibido um video do Monsenhor Américo Simonetti (in-memoriam) que na ocasião falava da festa de Santa Luiza e ao pronunciar MOSSORÓ COM ALEGRIA, SAÚDA A SANTA LUZIA, provocou muitas lágrimas nos olhos de um povo que por muitas e muitas vezes ouviram a expressão que o definia Saudoso Monsenhor Americo.

Apos a palavra do Sr. bispo Dom Mariano e outra autoridades houve o hasteamento das bandeiras.

Uma Bela apresentação aconteceu na varanda da Câmara Municipal quando o coral infantil cantou e encantou o publico presente com o hino oficial de Santa Luzia dando sequencia ouve o Show de Dunga da Canção Nova enquanto era servido o jantar das Familias. Com certeza o Monsenhor esta muito feliz com tudo que aconteceu na noite de ontem e ira acontecer até o dia 13 de dezembro.







Evangelho (Mateus 9,27-31)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 27partindo Jesus, dois cegos o seguiram, gritando: “Tem piedade de nós, filho de Davi!” 28Quando Jesus entrou em casa, os cegos se aproximaram dele. Então Jesus perguntou-lhes: “Vós acreditais que eu posso fazer isso?”
Eles responderam: “Sim, Senhor”. 29Então Jesus tocou nos olhos deles, dizendo: “Faça-se conforme a vossa fé”. 30E os olhos deles se abriram. Jesus os advertiu severamente: “Tomai cuidado para que ninguém fique sabendo”. 31Mas eles saíram, e espalharam sua fama por toda aquela região.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Enxergar para compreender Jesus

Mateus narra a cura de dois cegos na passagem de Jesus por Jericó, a caminhode Jerusalém. Este episódio também é narrado por Marcos e Lucas, com a cura de apenas um cego. Mateus, com pequenas diferenças, repete aqui esta narrativa da cura inserida no bloco de dez milagres que ele reúne como afi rmação do caráter messiânico de Jesus. Fundamenta, assim, a autoridade que Jesus confere aos doze apóstolos em fazer exorcismos e curas em sua missão. O messianismo judaico no tempo de Jesus significava a expectativa de um novo Davi (rei ungido = messias) que libertasse os judeus, firmando um reino de poder. Esta era uma expectativa favorável às elites, pois o povo estaria sempre submisso a elas. A ideologia messiânica de poder era assimilada pelo próprio povo oprimido. Os dois cegos chamam Jesus de "filho de Davi", e ele descarta este messianismo. A cura dos cegos significa que agora começam a compreendê-lo melhor. Quando os discípulos oriundos do judaísmo se desiludem do messianismo terreno de Jesus, passam a atribuir-lhe um messianismo celeste. Jesus, manso e humilde de coração na terra, passa a ser um poderoso rei no céu.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São João Damasceno

Lembramos São João Damasceno, um santo Padre e Doutor da Igreja de Cristo. Nasceu em 675, em Damasco (Síria) num período em que o Cristianismo tinha uma certa liberdade, tanto assim que o pai de João era muito cristão e amigo dos Sarracenos, que naquela época eram senhores do país. Esta estima estendia-se também ao filho. Os raros talentos e merecimentos deste levaram o Califa a distingui-lo com a sua confiança e nomeá-lo prefeito (mansur) de Damasco.

João Damasceno ainda jovem e ajudante do pai gozava de muitos privilégios financeiros, mas ao crescer no amor ao Cristo pobre, deu atenção a Palavra que mostra a dificuldade dos ricos (apegados) para entrarem no Reino dos Céus. Assim, num impulso para a santidade, renunciou todos os bens e deu aos pobres. Preferiu São João uma vida de maus tratos ao se entregar as "delícias venenosas" do pecado.

Retirou-se para um convento de São Sabas perto de Jerusalém e passou a viver na humildade, caridade e alegria. Escreveu inúmeras obras tratando de vários assuntos sobre teologia, dogmática, apologética e outros campos que fizeram de São João digno do título de Doutor da Igreja. Com escritos defendeu principalmente a Igreja contra os iconoclastas, que condenavam o uso de imagens nas Igrejas.

Certa vez, os hereges prenderam São João e cortaram-lhe a mão direita a fim de não mais escrever, mas por intervenção de Nossa Senhora foi curado. Seu amor a Mãe de Jesus foi tão concreto que foi São João quem tornou presente a doutrina sobre a Imaculada Conceição, Maternidade divina, Virgindade perpétua e Assunção de corpo e alma de Maria. Este filho predileto da Mãe faleceu em 749, quase centenário.

Foi declarado Doutor da Igreja pelo Papa Leão XIII em 1890.
São João Damasceno, rogai por nós!

DIOCESE CONVOCA TODOS OS FILHOS DE LUZIA A CELEBRAR A VIDA

“Mossoró, com alegria, saúda Santa Luzia”. Com essa frase estamos convocando todos os filhos de Luzia a viver, de 03 a 13 de dezembro, um encontro, um reencontro, um mergulho na espiritualidade cristã a partir de Luzia, pois nela devemos nos inspirar para viver o processo de resposta ao grande amor de Deus. Estaremos, nesses dias, vivendo fortes momentos de evangelização, de integração social e de esperança, porque nos voltamos para Deus. Viveremos a nossa fé em Jesus Cristo e contribuiremos para que essa devoção tão popular, esta tradição tão bonita em Mossoró, cada vez mais se desenvolva, se aperfeiçoe e se torne uma grande mensagem de vida e esperança para todos. A Festa busca, todos os anos, corresponder aos desafios de um tempo presente, de uma sociedade de consumo, pluralista e de fortes mudanças. Claro, sob a luz das Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja e do Documento de Aparecida. Realizar a Festa de nossa Padroeira é, sim, fazer Igreja, é catequisar, é se tornar luz, vida e esperança através da Palavra de Deus, que é lida, proferida, cantada e vivida pelos filhos da Virgem de Siracusa. Queremos, na edição 2009 da Festa de Santa Luzia, celebrar todo o pastoreio de Monsenhor Américo Simonetti e fazer chegar a todos os filhos e filhas do Pai Criador o amor de Deus, que é paz, harmonia, fé e verdade. Então, vivamos todos a Festa de nossa Padroeira, e aprendamos a ser catequistas do amor e da luz. Viva Santa Luzia! Viva o Povo de Deus!


Pe. Flávio Augusto Forte Melo
Vigário Geral e Pároco interino da Paróquia de Santa Luzia

Evangelho (Mateus 7,21.24-27)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 21"Nem todo aquele que me diz: 'Senhor, Senhor', entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus. 24Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha. 25Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não caiu, porque estava construída sobre a rocha. 26Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática, é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. 27Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e a casa caiu, e sua ruína foi completa!"

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Não basta ouvir a Palavra

O Sermão da Montanha, do Evangelho de Mateus, é encerrado com esta parábola. Após a proclamação do programa a ser vivido, como realização do Reino dos Céus aqui na terra, temos a advertência de Jesus de que não basta ouvir suas palavras, mas é fundamental que sejam colocadas em prática. Ele descarta os gestos espantosos de louvores ou profecias sem frutos, expulsão dos demônios e operação de milagres. Permanecendo gestos vazios, tornam-
se iníquos; é como a casa sobre a areia. Construir sobre a rocha é pôr em prática a vontade do Pai, expressa nas bem-aventuranças. Muitas vezes as pessoas se julgam piedosas e satisfeitas por invocarem e louvarem o nome do Senhor em cultos e celebrações. Contudo, Jesus pede mais. O fundamental é colocar em prática as palavras de Jesus, formando comunidades consolidadas por laços de amor e paz, abertas para a comunhão com todos aqueles que se empenham no resgate da dignidade e da vida no mundo.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Francisco Xavier

A Igreja que na sua essência é missionária, teve no século XV e XVI um grande impulso do Espírito Santo para evangelizar a América e o Oriente. No Oriente, São Francisco Xavier destacou-se com uma santidade que o levou a ousadia de fundar várias missões, a ponto de ser conhecido como "São Paulo do Oriente". Francisco nasceu no castelo de Xavier, na Espanha, a 7 de abril de 1506, sofreu com a guerra, onde aprendeu a nobreza e a valentia; com dezoito anos foi para Paris estudar, tornando-se doutor e professor.

Vaidoso e ambicioso, buscava a glória de si até conhecer Inácio de Loyola, com quem fez amizade; e que sempre repetia ao novo amigo: "Francisco, que adianta o homem ganhar o mundo inteiro se perder a sua alma?" Com o tempo, e intercessão de Inácio, o coração de Francisco foi cedendo ao amor de Jesus, até que entrou no verdadeiro processo de conversão; o resultado se vê no fato de ter se tornado cofundador da Companhia de Jesus. Já como Padre, e empenhado no caminho da santidade, São Francisco Xavier foi designado por Inácio a ir em missão para o Oriente. Na Índia, fez frutuoso trabalho de evangelização que abrangeu todas as classes e idades, ao avançar para o Japão, submeteu-se em aprender a língua e os seus costumes, a fim de anunciar um Cristo encarnado. Ambicionando a China para Cristo, pôs-se a caminho, mas em uma ilha frente a sua nova missão, veio a falecer por causa da forte febre e cansaço.

Esse grande santo missionário entrou no Céu com quarenta e seis anos, e percorreu grandes distâncias para anunciar o Evangelho, tanto assim que se colocássemos em uma linha suas viagens, daríamos três vezes a volta na Terra. São Francisco Xavier, com dez anos de apostolado, tornou-se merecidamente o Patrono Universal das Missões ao lado de Santa Teresinha do Menino Jesus.


São Francisco Xavier, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 15,29-37)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 29Jesus foi para as margens do mar da Galileia, subiu a montanha, e sentou-se. 30Numerosas multidões aproximaram-se dele, levando consigo coxos, aleijados, cegos, mudos, e muitos outros doentes. Então os colocaram aos pés de Jesus. E ele os curou. 31O povo ficou admirado, quando viu os mudos falando, os aleijados sendo curados, os coxos andando e os cegos enxergando. E glorificaram o Deus de Israel.
32Jesus chamou seus discípulos e disse: "Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho".
33Os discípulos disseram: "Onde vamos buscar, neste deserto, tantos pães para saciar tão grande multidão?" 34Jesus perguntou: "Quantos pães tendes?" Eles responderam: "Sete, e alguns peixinhos". 35E Jesus mandou que a multidão se sentasse pelo chão. 36Depois pegou os sete pães e os peixes, deu graças, partiu-os, e os dava aos discípulos, e os discípulos, às multidões. 37Todos comeram, e ficaram satisfeitos; e encheram sete cestos com os pedaços que sobraram.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus partilha o pão com a multidão

Jesus, vindo da região gentílica de Tiro, chega às margens do mar da Galiléia. Aí, com as multidões, se dá a segunda partilha dos pães, agora em território dos gentios. A narrativa segue a mesma estrutura da primeira partilha. Mateus realça a situação de exclusão destas multidões: coxos, cegos, aleijados, mudos, às quais Jesus se consagra. Na primeira partilha, na Galiléia, com a presença também de judeus, Jesus "abençoa" os pães, conforme o uso hebraico. Agora, entre os gentios, toma os pães e "dá graças", conforme o uso entre gregos. A presença de Jesus entre os gentios e a partilha do pão com eles indica seu distanciamento do sistema religioso de Israel.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Cromácio

Hoje a Igreja nos apresenta São Cromácio, Bispo de Aquiléia (Itália). Esta cidade da Europa, por um tempo foi muito importante para o Império Romano, que a tinha como centro político e principalmente para o Cristianismo, pois São Jerônimo a chamou: "Comunidade de santos".

Neste contexto que, no século IV, Cromácio aparece como pertencente do Clero de Aquiléia e ajudante fiel do Bispo Valeriano. Cromácio nasceu em Aquiléia no ano 345. São Cromácio colaborou na organização da diocese e na luta contra o Arianismo, que semeava a mentira em que Jesus Cristo seria criatura escolhida, e não Deus.

A casa de São Cromácio era centro de atividade espiritual, de estudo, oração e encontro de amigos sacerdotes e leigos, dispostos a cresceram para Deus. Quando Valeriano morreu, todos - Clero e o povo - não tiveram dúvida em aclamar Cromácio para Bispo de Aquiléia. Isto em 388.

Como Bispo, foi santo e sábio pastor, culto, enérgico na defesa da doutrina e incansável na evangelização dos povos, o próprio São Cromácio se destacou como pregador e escritor, além de cooperar para que São Jerônimo e Rufino trabalhassem cada um na sua tradução das Sagradas Escrituras.

São Cromácio faleceu em sua cidade - Aquiléia - no ano de 408, local que jamais esqueceu deste santo Bispo.

São Cromácio, rogai por nós!

Evangelho (Lucas 10,21-24)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

21Naquele momento Jesus exultou no Espírito Santo e disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 22Tudo me foi entregue pelo meu Pai. Ninguém conhece quem é o Filho, senão o Pai; ninguém conhece quem é o Pai, a não ser o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar". 23Jesus voltou-se para os discípulos e disse-lhes em particular: "Felizes os olhos que veem o que vós vedes! 24Pois eu vos digo que muitos profetas e reis quiseram ver o que estais vendo, e não puderam ver; quiseram ouvir o que estais ouvindo, e não puderam ouvir".

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Uma bela oração de louvor

Esta bela oração de louvor tem um estilo literário que a diferencia dos demais textos dos Evangelhos sinóticos. Ela é encontrada, também, no Evangelho de Mateus e se assemelha ao estilo do Evangelho de João. Nela temos a expressão da intimidade e do conhecimento entre Jesus e Deus Pai. Esta união entre Jesus e o Pai, e o mútuo conhecimento, que em Lucas só aparece aqui, é um tema dominante no Evangelho de João, particularmente nos capítulos 14 a 17. Neste louvor, se revela uma subversão dos valores tradicionais das sociedades que promovem o individualismo, o sucesso e o enriquecimento. Não são os sábios e entendidos, fechados em si mesmos, visando a sua promoção pessoal e seu prestígio, que entenderão a simplicidade e o despojamento vivido no Reino de Deus. O Reino é o espaço de convívio dos pequeninos, que, conhecedores de seus limites e de sua fragilidade, solidarizam-se com os irmãos no serviço recíproco e empenham-se em resgatar e promover a vida neste mundo.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo Elígio (Santo Elói)

Santo Elígio nasceu em Limoges no ano de 588, de nobre família galo-romana, exerceu várias profissões e chegou a Bispo.

Elígio (também conhecido pelo nome de Elói) que em Paris tinha trabalhado como aprendiz junto com o superintendente de confecções de moedas reais, empenhou-se tanto e com tamanha honestidade que, com o precioso metal (ouro) que lhe foi fornecido para fazer um trono para o rei Clotário II, ele fez dois tronos, isso valeu-lhe a promoção de diretor da casa da moeda e ourives do rei. Ainda existem muitas moedas assinadas por Elígio e sabe-se que, em determinada altura, também cunhou moedas em Marselha.

No tempo de Dagoberto II, filho e sucessor de Clotário II, Elígio foi um dos conselheiros mais influentes do rei. Diz-se que os enviados dos príncipes estrangeiros se avistavam previamente com ele, antes de serem recebidos oficialmente pelo soberano. Era diplomata hábil e por mais de uma vez conseguiu evitar a guerra. Gozava de tanta confiança junto do rei, que não só se permitia fazer-lhe reparos sobre a indumentária descuidada, mas também sobre a sua vida privada que, como se sabe, deixava ainda mais a desejar.

O tempo que sobrava a este homem da corte, dos seus negócios e orações, de acudir aos pobres, remir cativos ou libertar escravos, empregava-o em honrar com a sua arte as relíquias dos santos. Atribuem-se-lhe os relicários feitos para S. Germano de Paris, S. Piat, S. Severino, S. Martinho, Santa Comba e Santa Genoveva. Diz-se que decorou também com trabalhos de ourivesaria o túmulo de S. Dinis. Além disso, fundou mosteiros, entre os quais um perto de Solignac em Limousin, outro dedicado a S. Martinho de Noyon e ainda outro a seis milhas de Arrás, numa colina que depois se chamou Monte de Santo Elói (Santo Elígio).

Em 639, morto o rei, demitiu-se de todos os cargos, para entrar na vida eclesiástica, tendo sido ordenado sacerdote por Deodato, Bispo de Mans. Foi sagrado Bispo em Ruão, no dia 14 de maio de 641, e ocupou desde então a Sé Episcopal de Noyon. Foi grande organizador, apóstolo cheio de zelo, sabedoria e bondade. A sua atividade irradiou para Flandres, Holanda e até, segundo se conta, para a Suécia e Dinamarca.

Faleceu no ano de 659 com 71 anos de idade.

Santo Elígio, rogai por nós!

Terço dos Homens da Cidade de Açu-RN

Aconteceu Domingo dia 29 de novembro na Cidade de Açu na Capela de Irmã Lindalva e São Cristovão o 1º Encontro de Formação Espiritual do Terço dos Homens, o evento teve inicio as 8h com uma bela acolhida seguido de um farto café para os participantes, na sequencia o Coordenador Ranieri Emídio de Araujo abriu oficialmente o encontro com a recitação do Santo Terço que foi dirigido pelo Radialista Edmilson da Silva da Radio princesa do Vale. O Sr. Luiz de Franca Coordenador Diocesano do Terço dos Homens Mãe Rainha ministrou a palestra com o Tema: A Origem do Terço dos Homens, dando continuidade o Padre Netinho presidio a Santa Missa.
Participaram do encontro as comunidades de:
  • Panon I
  • Nova Esperança
  • Vertentes
  • Alto de São Francisco
  • Capela de São Tarcísio
  • A coordenação Diocesana do Terço dos Homens
  • O coral da Matriz de Santana (Caico)

Nós nos sentimos muito grato a nossa querida Mãe e Rainha por ver este movimento se expandindo de forma grandiosa e nos colocamos a disposição de todos os grupos do terço dos homens Mãe Rainha para divulgar os eventos. Pedimos a Deus Nosso Senhor que nos conduza na fiel missão da evangelização e que possamos levar o apostolado do terço a todos os homem. Amém.

Fotos: Marcos Freitas

Irmã Lindalva




Adicionar imagem

Evangelho (Mateus 4,18-22)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 18quando Jesus andava à beira do mar da Galiléia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Estavam lançando a rede ao mar, pois eram pescadores. 19Jesus disse a eles: “Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens”. 20Eles imediatamente deixaram as redes e o seguiram. 21Caminhando um pouco mais, Jesus viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João. Estavam na barca com seu pai Zebedeu, consertando as redes. Jesus os chamou. 22Eles imediatamente deixaram a barca e o pai, e o seguiram.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.
"Venham comigo"
Esta narrativa do chamado dos quatro primeiros discípulos é encontrada, praticamente sem alterações, também no Evangelho de Marcos. Já Lucas insere o episódio no contexto de uma pesca milagrosa, e no Evangelho de João o chamado se dá por ocasião do batismo de Jesus feito por João Batista. Pedro e André são originários de Betsaida, região gentílica de fronteira, no norte do lago da Galiléia. André é um nome grego, o que aponta para as raízes gentílicas dos dois irmãos. Nos Evangelhos, encontramos significativas referências a André. Em Marcos, Mateus e João ele é nomeado entre os quatro primeiros discípulos chamados por Jesus. E está na relação dos doze apóstolos em todos os sinóticos. No Evangelho de João, é mencionado na narrativa da partilha dos pães e, ainda, com Filipe, é intermediário entre os gregos que queriam ver Jesus. Da mesma forma, no Evangelho de Marcos ele participa do diálogo com Jesus sobre a destruição do templo. A tradição guarda a memória de um amplo apostolado de André na Ásia Menor, tendo sido martirizado em uma cruz em forma de X, na Acaia.

José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: Santo André Apóstolo

Hoje a Igreja está em festa, pois celebramos a vida de um escolhido do Senhor para pertencer ao número dos Apóstolos.

Santo André nasceu em Betsaida, no tempo de Jesus, e de início foi discípulo de João Batista até que aproximou-se do Cordeiro de Deus e com São João, começou a segui-lo, por isso André é reconhecido pela Liturgia como o "protocleto", ou seja, o primeiro chamado: "Primeiro a escutar o apelo, ao Mestre, Pedro conduzes; possamos ao céu chegar, guiados por tuas luzes!"

Santo André se expressa no Evangelho como "ponte do Salvador", porque é ele que se colocou entre seu irmão Simão Pedro e Jesus; entre o menino do milagre da multiplicação dos pães e Cristo; e, por fim, entre os gentios (gregos) e Jesus Cristo. Conta-nos a Tradição que depois do Batismo no Espírito Santo em Pentecostes, Santo André teria ido pregar o Evangelho na região dos mares Cáspio e Negro.

Apóstolo da coragem e alegria, Santo André foi fundador das igrejas na Acaia, onde testemunhou Jesus com o seu próprio sangue, já que foi martirizado numa cruz em forma de X, a qual recebeu do santo este elogio: "Salve Santa Cruz, tão desejada, tão amada. Tira-me do meio dos homens e entrega-me ao meu Mestre e Senhor, para que eu de ti receba o que por ti me salvou!"


Santo André Apóstolo, rogai por nós!

Abraço à cidade anuncia a Festa de Santa Luzia 2009

Para anunciar a Festa de Santa Luzia 2009 e convidar toda a população mossoroense para participar dos festejos da santa padroeira, a diocese de Mossoró promove hoje o tradicional Abraço à Cidade. Logo após o evento, será realizada a Caminhada da Paz, que completará a programação preparatória da festa sociorreligiosa.

A concentração do Abraço à Cidade será às 6h na Catedral de Santa Luzia. Logo após, os fiéis de todas as paróquias da diocese sairão em carreata percorrendo todos os bairros mossoroenses, levando a mensagem da festa. A programação segue até a tarde, às 17h, na Capela do Divino Espírito Santo.

Durante o percurso, haverá 16 paradas em pontos estratégicos da cidade. Pela manhã, haverá pausas para reflexões nas Capelas de Mãe Rainha (Ulrich Graf), de Santa Paula Francinete (Teimosos), de São José do Operário (Dom Jaime Câmara), do Divino Espírito Santo (Sumaré), do Bom Jesus (Bom Jesus), de São Francisco (Belo Horizonte), no Núcleo da Quixabeirinha (Aeroporto I) e na Capela Santo Expedito (Aeroporto II).

No período da tarde, as paradas de reflexões será as capelas de São Francisco (Abolição III), de São Pedro (Abolição IV), de São Sebastião (Pro Morar), na Comunidade Obra Nova (Independência), nas capelas de Nossa Senhora Aparecida (Redenção), de São Francisco (Santo Antônio), de Santo Antônio (Santo Antônio) e do Divino Espírito Santo (Paredões).

Com a chegada no último ponto de parada, os participantes do Abraço à Cidade se unirão a outros fiéis e iniciarão a 9ª Caminhada da Paz. A atividade sairá às 17h na Capela do Divino Espírito Santo rumo à Catedral de Santa Luzia.

A caminhada seguirá o percurso saindo na Capela, passando pelas ruas Marechal Deodoro, Delfim Moreira e Venceslau Brás. Os caminhantes irão fazer uma pausa em frente ao Projeto Esperança, onde será feito uma homenagem ao padre Guido Tonelotto. Logo após, os participantes seguirão pelas ruas Dix-neuf Rosado e Dix-sept Rosado.

Além de uma preparação à festa de Santa Luzia, a Caminhada da Paz tem como intuito de ser um grito de "basta" a crescente onda de violência que assola a cidade de Mossoró. Conforme a coordenação, os índices de violência estão muito altos, neste sentido a caminhada é um apelo da sociedade por dias de paz.

Com o tema: "Santa Luzia catequista do amor e da fé", a diocese de Mossoró promoverá entre os dias 3 e 13 de dezembro os festejos em alusão à Santa de Siracusa. A festa contará com novenas, missas, barracas, Oratório de Santa Luzia, concurso “A Mais Bela Voz”, apresentações culturais, procissão de motociclistas e a tradicional procissão de Santa Luzia.

Fonte: Jornal O Mossoroense

Evangelho (Lucas 21,25-28.34-36)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 25“Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as nações ficarão angustiadas, com pavor do barulho do mar e das ondas. 26Os homens vão desmaiar de medo, só em pensar no que vai acontecer ao mundo, porque as forças do céu serão abaladas.
27Então eles verão o Filho do Homem, vindo numa nuvem com grande poder e glória. 28Quando estas coisas começarem a acontecer, levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima.
34Tomai cuidado para que vossos corações não fiquem insensíveis por causa da gula, da embriaguez e das preocupações da vida, e esse dia não caia de repente sobre vós; 35pois esse dia cairá como uma armadilha sobre todos os habitantes de toda a terra.
36Portanto, ficai atentos e orai a todo momento, a fim de terdes força para escapar de tudo o que deve acontecer e para ficardes em pé diante do Filho do Homem”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Ficai atentos e orai

Após a fala de Jesus sobre a destruição do templo de Jerusalém, os discípulosperguntam sobre quando isto ocorreria e qualseria o sinal. Estes discípulos tinham ainda aexpectativa da restauração política da Judéia, tendo Jerusalém como o centro de poder, com seus critérios próprios de justiça e direito, que julgaria os demais povos. Jesus apresentara, na terra, os sinais de guerras, terremotos, pestes e fomes. Com maiores e mais concretos detalhes, são mostrados os sinais do sofrimento e do caos associados à queda de Jerusalém. Ele menciona agora alguns sinais cósmicos, com caráter simbólico, próprio da literatura apocalíptica. Tais sinais indicam o desmoronamento da ordem social injusta, seja no mundo religioso judaico, seja no mundo gentílico, que cede lugar a um mundo novo possível. "As potências celestes serão abaladas" indica o fi m dos poderes que usam a religião e o nome de Deus como instrumento de opressão e lucro. "E então verão o Filho do Homem vindo numa nuvem com grande poder e glória." É o poder do amor e da vida que frustra os objetivos dos poderes da morte. Neste contexto de grandes abalos, os discípulos devem perseverar em sua fidelidade a Jesus e levantar a cabeça, porque está em andamento o processo de libertação dos oprimidos. O processo de libertação se faz ao longo da história, de maneira paciente e perseverante, na unidade cada vez mais globalizada dos que amam a paz. É importante estar vigilante, não se deixar seduzir pelo sistema de mercado global. Mas integrar-se na solidariedade global contra a injustiça, contra a guerra e pela paz. A união com Deus na oração fortalece os discípulos a perseverarem em sua caminhada e luta. A liturgia apresenta o tema da escatologia no fi m de um ano litúrgico e no início do outro. Percebe-se o seu sentido. Aquilo que é esperado no fi m já está acontecendo no começo, isto é, dito de maneira paradoxal, a volta de Jesus já se dá na sua encarnação. A encarnação é a presença entre nós do Jesus histórico e eterno. Sua presença é atual entre nós, identifi cado com os irmãos em alegria, como nas bodas de Caná, e com os irmãos sofredores encontrados nas multidões de pobres, explorados e excluídos.


José Raimundo Oliva

A igreja celebra hoje: São Francisco Antônio Fasani

O santo de hoje nasceu em Lucera (Itália), a 6 de agosto de 1681, e lá morreu a 29 de novembro de 1742. Foi beatificado no dia 15 de abril de 1951 e canonizado a 13 de abril de 1986 pelo Papa João Paulo II. Fez os estudos no convento dos Frades Menores Conventuais. Sentindo o chamamento divino, ingressou no noviciado da mesma Ordem. Fez a profissão em 1696 e a 19 de setembro de 1705 recebeu a Ordenação Sacerdotal. Doutorou-se em Teologia e tornou-se exímio pregador e diretor de almas. Exerceu os cargos de Superior do convento de Lucera e de Ministro Provincial.

"Ele fez do amor, que nos foi ensinado por Cristo, o parâmetro fundamental da sua existência. O critério basilar do seu pensamento e da sua ação. O vértice supremo das suas aspirações", afirmou o Papa João Paulo II a respeito de São Fasani.

São Fasani apresenta-se-nos de modo especial como modelo perfeito de Sacerdote e Pastor de almas. Por mais de 35 anos, no início do século XVIII, São Francisco Fasani dedicou-se, em Lucera, e também nos territórios ao redor, às mais diversificadas formas de ministério e do apostolado sacerdotal.

Verdadeiro amigo do seu povo, ele foi para todos irmão e pai, eminente mestre de vida, por todos procurado como conselheiro iluminado e prudente, guia sábio e seguro nos caminhos do Espírito, defensor dos humildes e dos pobres. Disto é testemunho o reverente e afetuoso título com que o saudaram os seus contemporâneos e que ainda hoje é familiar ao povo de Lucera: ele, outrora como hoje, é sempre para eles o "Pai Mestre".

Como Religioso, foi um verdadeiro "ministro" no sentido franciscano, ou seja, o servo de todos os frades: caridoso e compreensivo, mas santamente exigente quanto à observância da Regra, e de modo particular em relação à prática da pobreza, dando ele mesmo incensurável exemplo de regular observância e de austeridade de vida.

São Francisco Antônio Fasani, rogai por nós!