Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Evangelho (Mateus 9,14-17)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 14os discípulos de João aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Por que razão nós e os fariseus praticamos jejuns, mas os teus discípulos não?” 15Disse-lhes Jesus: “Por acaso, os amigos do noivo podem estar de luto enquanto o noivo está com eles? Dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, sim, eles jejuarão. 16Ninguém põe remendo de pano novo em roupa velha, porque o remendo repuxa a roupa e o rasgão fica maior ainda. 17Também não se põe vinho novo em odres velhos, senão os odres se arrebentam, o vinho se derrama e os odres se perdem. Mas vinho novo se põe em odres novos, e assim os dois se conservam”.
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O Jejum

Várias são as controvérsias em que Jesus e seus discípulos são envolvidos em torno do tema do comer: comer com pecadores e publicanos; não observar o jejum; colher espigas no sábado e comê-las; comer com as mãos impuras. O destaque no texto de hoje é o jejum. Jesus é questionado por discípulos de João Batista: "Por que jejuamos, nós e os fariseus, ao passo que os teus discípulos não jejuam?". O episódio, narrado por Mateus, exprime as dificuldades de alguns grupos de discípulos de João em aderirem às comunidades do movimento de Jesus. Estes discípulos são convidados a participar da alegria pela presença do noivo, Jesus, que oferece o banquete da vida. A referência à retirada do noivo e ao retorno ao jejum é uma interpretação tardia de discípulos de Jesus que, como os discípulos de João, regrediram a algumas práticas do antigo judaísmo. Com as parábolas do remendo e do vinho, Jesus exprime que sua novidade não é suportada pela antiga tradição de Israel.

A igreja celebra hoje: Santa Isabel

Nasceu na Espanha no ano de 1270, pertencia a família real de Aragão, a qual concedeu a ela uma ótima formação cristã.Foi entregue em casamento ao Rei Diniz, rei de Portugal, com apenas 12 anos de idade, e já dava testemunho de uma esposa cristã, uma mulher de oração e centrada na Eucaristia e ajudou a propagar a grande devoção a Nossa Senhora da Conceição.Aos 20 anos teve seu filho Afonso IV, que viveu muitos conflitos com o pai. Isabel era mulher de caridade e reconciliadora, vivendo isso bem a partir de sua família.Era Rainha, mas nunca esqueceu que era irmã dos mais necessitados.Uma de suas últimas obras de caridade talvez, foi cuidar do seu próprio esposo. Dom Diniz que tanto a fez sofrer, agora precisava dos cuidados de Isabel, que se dispôs, quis cuidar dele. Ele ficou doente em 1324 e faleceu no ano seguinte.Então Isabel deixou a sua condição de viver no Palácio como rainha e recebeu o hábito como franciscana, clarissa.Em 1336 saiu de Coimbra e foi ao encontro de seu filho, devido a um novo conflito familiar. Mesmo com 66 anos e enferma conseguiu chegar. Foi acolhida e ouvida por seu filho.Ali ela faleceu, mas foi enterrada em Coimbra, como era seu desejo. Está enterrada em uma Igreja dedicado a ela.Santa Isabel, rogai por nós!

Evangelho (João 20,24-29)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

24Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio. 25Os outros discípulos contaram-lhe depois: “Vimos o Senhor!” Mas Tomé disse-lhes: “Se eu não vir as marcas dos pregos em suas mãos, se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos e não puser a mão no seu lado, não acreditarei”. 26Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa, e Tomé estava com eles. Estando fechadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”. 27Depois disse a Tomé: “Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado. E não sejas incrédulo, mas fiel”. 28Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!” 29Jesus lhe disse: “Acreditaste, porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!”

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A fé brota da experiência de amor
Tomé é a tipologia do "ver para crer". A esta, Jesus contrapõe a bem-aventurança dos que creram sem ver. Entre as primeiras comunidades vinculadas à comunidade de Jerusalém, surgiu a tradição do ver o ressuscitado como condição para as primeiras lideranças. A partir daí, somos chamados a crer nestas testemunhas, sem ver. O episódio do Evangelho de hoje relativiza as narrativas de visões do ressuscitado. Na cena do encontro do túmulo vazio, o discípulo que Jesus amava creu sem ver o ressuscitado. Para crer não é necessário ver. A fé brota da experiência de amor que os discípulos tiveram no convívio com Jesus, e da mesma experiência de amor que se pode ter, hoje, nas relações fraternas de acolhimento, de doação e serviço, de misericórdia e compaixão, na fidelidade às palavras do Mestre.

A igreja celebra hoje: São Tomé

Pertenceu ao grupo dos doze apóstolos. O Senhor o chamou dentro de sua realidade, com suas fraquezas e até com suas crises de fé. Nosso Senhor Jesus revelou a nós coisas maravilhosas através de São Tomé:"Tomé lhe disse: 'Senhor, nós nem sabemos para onde vais, como poderíamos saber o caminho?' Jesus lhe disse: Eu sou o caminho , a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai a não ser por mim"(Jo 14,6). Tomé nunca teve medo de expor a realidade de sua fé e de sua razão, que queria saber cada vez mais e melhor. Quando Jesus apareceu aos apóstolos ao Ressuscitar, Tomé nao estava ali, e aí encontramos seu testemunho: "Oito dias depois, os discípulos encontravam-se reunidos na casa, e Tomé estava com eles. Estando as portas fechadas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”. Depois disse a Tomé: “Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado e não sejas incrédulo, mas crê!” Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!” (Jo 20,26-28).O Papa São Gregório Magno meditando essa realidade de São Tomé diz: "A incredulidade de Tomé não foi um acaso, mas prevista nos planos de Deus. O discípulo, que, duvidando da Ressurreição do Mestre, pôs as mãos nas chagas do mesmo, curou com isso a ferida da nossa incredulidade".Segundo a Tradição, Tomé teria ido, depois de Pentecostes, evangelizar pelo Oriente e Índia onde morreu martiririzado, ou seja, morreu por amor, testemunhando a sua fé. São Tomé, rogai por nós !

Evangelho (Mateus 9,1-8)

13ª Semana Comum


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1entrando em um barco, Jesus atravessou para a outra margem do lago e foi para a sua cidade. 2Apresentaram--lhe, então, um paralítico deitado numa cama. Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse ao paralítico: “Coragem, filho, os teus pecados estão perdoados!” 3Então alguns mestres da Lei pensaram: “Esse homem está blasfemando!” 4Mas Jesus, conhecendo os pensamentos deles, disse: “Por que tendes esses maus pensamentos em vossos corações? 5O que é mais fácil, dizer: ‘Os teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘Levanta-te e anda’? 6Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder para perdoar pecados, — disse, então, ao paralítico — “Levanta-te, pega a tua cama e vai para a tua casa”. 7O paralítico então se levantou, e foi para a sua casa. 8Vendo isso, a multidão ficou com medo e glorificou a Deus, por ter dado tal poder aos homens.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

A cura é sinal de perdão e amorMateus, como ocorre diversas vezes, resume uma narrativa anterior já presente no Evangelho de Marcos para adaptá-la ao plano de seu próprio Evangelho. Assim acontece com esta cura do paralítico. Mateus a inclui em um bloco de dez milagres, buscando um efeito de persuasão para o discurso apostólico que apresentará em seguida. A doença era associada ao pecado e representava uma impureza. A purificação deveria ser feita no templo, mediante ofertas em nome de Deus. Tocado pela fé tanto do paralítico como do grupo que o carregava, Jesus chama-o de "filho" e proclama o perdão de seus pecados. Ao se irritarem e acusarem Jesus de blasfêmia, os fariseus e mestres da Lei pretendem condená-lo por ter desconsiderado o espaço privilegiado do templo. A cura do paralítico é sinal do perdão dos pecados, fruto do amor misericordioso de Jesus.

A igreja celebra hoje: São Bernardino Realino

Diante da vida do santo de hoje, poderíamos afirmar que nada tinha para chegar aos altares, até que passou a ter tudo, pois decidiu-se por Jesus. Bernardino Realino nasceu em Capri, próximo a Nápoles, em 1530, numa família religiosa que o promoveu para os estudos de Direito, o qual exerceu Nápoles. Como era de costume da época, o jovem andava armado com um punhal, até que diante de um desentendimento feriu gravemente um adversário, e por isso fugindo de complicações jurídicas e vingança, foi para o Norte da Itália. Ao entrar na carreira política e administrativa, Bernardino progrediu, chegando a ser prefeito em muitas cidades. Jesus entrou em sua vida através de um sacerdote Jesuíta, que o falou sobre a riqueza da vida cristã e seus deveres. Desta maneira, Bernardino começou a rezar com empenho o Santo Terço, que o arrancou de todo indiferentismo religioso. Durante sua linda caminhada de fé e testemunho, descobriu sua vocação, renunciou a tudo e entrou com 35 anos na Companhia de Jesus. Encaminhou-se ao Sacerdócio, e o exerceu na cidade de Lecce. Como exemplo e reflexo do Bom Pastor, São Bernardino no confessionário, pregação e direção espiritual salvava almas para Deus e com Deus, que o levou para o Céu com 86 anos.

São Bernardino, rogai por nós!

Evangelho (Mateus 8,28-34)

13ª Semana Comum

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 28quando Jesus chegou à outra margem do lago, na região dos gadarenos, vieram ao seu encontro dois homens possuídos pelo demônio, saindo dos túmulos. Eram tão violentos, que ninguém podia passar por aquele caminho. 29Eles então gritaram: “Que tens a ver conosco, Filho de Deus? Tu vieste aqui para nos atormentar antes do tempo?”30Ora, a certa distância deles, estava pastando uma grande manada de porcos. 31Os demônios suplicavam-lhe: “Se nos expulsas, manda-nos para a manada de porcos”. 32Jesus disse: “Ide”. Os demônios saíram, e foram para os porcos. E logo toda a manada atirou-se monte abaixo para dentro do mar, afogando-se nas águas. 33Os homens que guardavam os porcos fugiram e, indo até a cidade, contaram tudo, inclusive o caso dos possuídos pelo demônio. 34Então a cidade toda saiu ao encontro de Jesus. Quando o viram, pediram-lhe que se retirasse da região deles.
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Libertação e anúncioNo Evangelho de Marcos, anterior ao de Mateus, esta narrativa está mais desenvolvida. Aí, o núcleo é o homem que foi libertado do demônio e passou a anunciar os feitos de Jesus. O demônio é associado à Legião, divisão militar romana. Mateus o omite. E nada diz sobre os dois homens (um só em Marcos) que foram libertados. As multidões que acorrem da cidade vêm para ver Jesus e não os homens libertados, como em Marcos. O interesse de Mateus é a manifestação de poder de Jesus, de maneira a fortalecer a confissão de fé messiânica, da tradição do judaísmo. Jesus é verdadeiramente o Filho de Deus (os próprios demônios o confessam) que vem com poder para derrotar os demônios. Em Marcos, em uma perspectiva universalista, este episódio revela Jesus libertador de toda opressão e solidário com os excluídos e oprimidos.

A igreja celebra hoje: Santos Processo e Martiniano

Com muita alegria lembramos neste início de mês de dois grandes mártires que fizeram parte do grupo dos protomártires que celebramos no dia de ontem. Santos Processo e Martiniano se destacam dos demais não porque são mais testemunhas de que os outros, mas sim por muito bem representarem a fibra dos cristãos de Roma. Segundo o Papa Gregório Magno foram eles pagãos e soldados que trabalhavam no Cárcere Mamertino, lugar frio, úmido e apertado, mas privilegiado com a presença de um preso todo especial: São Pedro. Processo e Martiniano diante do testemunho do chefe da Igreja e firme pedra de Jesus, foram abertos a evangelização e recepção do Batismo, encontrando assim a salvação e felicidade.Depois do martírio de São Pedro em 67, estes Santos que de pagãos não tinham mais nada, não conseguiram ficar indiferentes e se declararam cristãos. Pegos pelo juiz receberam ameaças e até mesmo muitas torturas, até que na Via Aurélia foram condenados ao martírio e desta forma entraram com a palma da vitória nas mãos!

Santos Processo e Martiniano...roguem por nós!

Sacramento da Comunhão - Composição: Nelsinho Corrêa

video

Senhor, quando te vejo no sacramento da comunhão

Sinto o céu se abrir e uma luz a me atingir

Esfriando minha cabeça e esquentando meu coração

Senhor, graças e louvores sejam dadas a todo momento

Quero te louvar na dor, na alegria e no sofrimento

E se em meio à tribulação, eu me esquecer de ti

Ilumina minhas trevas com Tua luz

Jesus, fonte de misericórdia que jorra do templo

Jesus, o Filho da RainhaJesus, rosto divino do homem

Jesus, rosto humano de Deus

Chego muitas vezes em Tua casa, meu Senhor

Triste, abatido, precisando de amor

Mas depois da comunhão Tua casa é meu coração

Então sinto o céu dentro de mim

Não comungo porque mereço, isso eu sei, oh meu Senhor

Comungo pois preciso de ti

Quando faltei à missa, eu fugia de mim e de Ti

Mas agora eu voltei, por favor aceita-me

Jesus, fonte de misericórdia que jorra do templo

Jesus, o Filho da Rainha

Jesus, rosto divino do homem

Jesus, rosto humano de Deus

Evangelho (Mateus 8,23-27)

13a Semana Comum


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 23Jesus entrou na barca, e seus discípulos o acompanharam. 24E eis que houve uma grande tempestade no mar, de modo que a barca estava sendo coberta pelas ondas. Jesus, porém, dormia. 25Os discípulos aproximaram-se e o acordaram, dizendo: “Senhor, salva-nos, pois estamos perecendo!” 26Jesus respondeu: “Por que tendes tanto medo, homens fracos na fé?” Então, levantando-se, ameaçou os ventos e o mar, e fez-se uma grande calmaria. 27Os homens ficaram admirados e diziam: “Quem é este homem, que até os ventos e o mar lhe obedecem?”

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Tempestade acalmada

Temos neste Evangelho de Mateus uma segunda narrativa de travessia de um mar agitado e ameaçador.No Evangelho de Marcos encontramos também esta segunda narrativa. A narrativa, redigida no estilo de um milagre da natureza, caracteriza-se pelo seu sentido simbólico e remete à afirmação do poder de Jesus. No Primeiro Testamento, principalmente nos Salmos, são encontradas descrições de manifestações espantosas da natureza relacionadas com o poder de Deus. A comunidade de discípulos fica assustada e insegura diante das dificuldades que surgem. Para eles o "sono" de Jesus parece uma omissão. No fim, sentem-se confortados pela manifestação de poder dele. Percebe-se na narrativa uma interpretação de Jesus como fonte de poder, muito característica de Mateus. Esta compreensão é própria dos discípulos das comunidades oriundas do judaísmo. Contudo, Jesus, em seu convívio com todos, homens e mulheres, sempre inspirou confiança, transmitiu segurança e comunicou vida, através de seu amor sem limites. A segurança diante do temor não é dada pelo poder, mas sim pelo amor.

A igreja celebra hoje: Protomártires da Igreja de Roma

Depois da solenidade universal dos apóstolos São Pedro e Paulo, a liturgia nos apresenta a memória de outros cristãos que se tornaram os primeiros mártires da Igreja de Roma, por isso, protomártires. O testemunho dos mártires da nossa Igreja nos recorda o que é essencial para a vida, para o cristão, para sermos felizes em Deus. Principalmente nos momentos mais difíceis que todos nós temos.Os mártires viveram tudo em Cristo.No ano de 64, o Imperador Nero pôs fogo em Roma e acusou os cristãos. Naquela época a comunidade cristã vitima de pré-conceitos, era tida como uma seita, e inimiga, pois não adoravam o Imperador. Qualquer coisa que acontecia de negativo, os cristãos eram acusados. Por isso, foram acusados de terem posto fogo em Roma, e a partir daí, no ano 64, começaram a ser perseguidos.Os escritos históricos em Roma narram que os cristãos eram lançados nas arenas para servirem de espetáculo ao povo, junto às feras. Cobertos de piches, como tochas humanas e muitos outros atos atrozes. E a resposta era sempre o perdão e a misericórdia.O Papa São Clemente I escreveu: “Nos encontramos na mesma arena e combatemos o mesmo combate. Deixemos as preocupações inúteis e os vãos cuidados e voltemo-nos para a gloriosa e venerável regra da nossa tradição: consideremos o que é belo, o que é bom e o que é agradável ao nosso criador.”

Protomártires da Igreja de Roma, rogai por nós!

Tapete de sal

Grupo do Terço dos Homens de Areia Branca-RN

Recebi hoje esta linda foto do tapete de sal confeccionado pelo terço dos homens Mãe Rainha no dia de Corpus Christi. Parabenizo a todos os meus irmãos Areiabranquense e agradeço ao Coordenador Olivar José pela Foto enviada. Que o Senhor Jesus os abençoe e que Mãe Rainha os guarde de todos os perigos. Amém.

Evangelho (Mateus 8,18-22)

13a Semana Comum

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 18vendo uma multidão ao seu redor, Jesus mandou passar para a outra margem do lago. 19Então um mestre da Lei aproximou-se e disse: “Mestre, eu te seguirei aonde quer que tu vás”. 20Jesus lhe respondeu: “As raposas têm suas tocas e as aves dos céus têm seus ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. 21Um outro dos discípulos disse a Jesus: “Senhor, permite-me que primeiro eu vá sepultar meu pai”. 22Mas Jesus lhe respondeu: “Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

O seguimento de Jesus

O tema desta narrativa é o seguimento de Jesus, que Mateus insere em sua coletânea de dez milagres. O evangelista elabora sua narrativa a partir da mesma fonte (Q) que Lucas. Neste, os seguidores de Jesus seriam samaritanos, pois o episódio ocorre na Samaria. Em Mateus a cena se passa do outro lado do lago, em território gentílico. O primeiro personagem é um escriba que mostra disposição em seguir Jesus. A resposta deste é um chamado à consciência sobre a opção que está sendo feita. Afirma seu estilo de vida despojado, itinerante, sem segurança. Não se sabe a reação do escriba. Parece ter desistido, como no caso do jovem rico em outra narrativa. O outro personagem é um discípulo, já seguidor de Jesus, que quer interromper a caminhada para enterrar seu pai. Tomado ao pé da letra, o diálogo parece ser rude. Nesta fala, a figura do pai simboliza as tradições familiares que se perpetuam a fim de manter privilégios religiosos, sociais e econômicos, os quais favorecem as regalias e o enriquecimento de minorias e a subserviência de maiorias excluídas e oprimidas. Jesus propõe a ruptura com estas tradições.

A igreja celebra hoje: São Pedro e São Paulo Apóstolos

Hoje, a Igreja do mundo inteiro celebra a santidade de vida de São Pedro e São Paulo. Estes santos são considerados "os cabeças dos apóstolos", por terem sido os principais líderes da Igreja Cristã Primitiva, tanto por sua fé e pregação, como pelo ardor e zelo missionários.Pedro, que tinha como primeiro nome Simão, era natural de Betsaida, irmão do Apóstolo André. Pescador, foi chamado pelo próprio Jesus e, deixando tudo, seguiu ao Mestre, estando presente nos momentos mais importantes da vida do Senhor, que lhe deu o nome de Pedro. Em princípio, fraco na fé, chegou a negar Jesus durante o processo que culminaria em Sua morte por crucifixão. O próprio Senhor o confirmou na fé após Sua ressurreição (da qual o apóstolo foi testemunha), tornando-o intrépido pregador do Evangelho através da descida do Espírito Santo de Deus, no Dia de Pentecostes, o que o tornou líder da primeira comunidade. Pregou no dia de Pentecostes e selou seu apostolado com o próprio sangue, pois foi martirizado em uma das perseguições aos cristãos, sendo crucificado de cabeça para baixo a seu próprio pedido, por não se julgar digno de morrer como Seu Senhor, Jesus Cristo.Escreveu duas Epístolas e, provavelmente, foi a fonte de informações para que São Marcos escrevesse seu Evangelho.Paulo, que tinha como nome antes da conversão, Saulo ou Saul, era natural de Tarso. Recebeu educação esmerada "aos pés de Gamaliel", um dos grandes Mestres da Lei da época. Tornou-se fariseu zeloso, a ponto de perseguir e aprisionar os cristãos, sendo responsável pela morte de muitos deles.Converteu-se à fé cristã no caminho de Damasco, quando o próprio Senhor Ressuscitado lhe apareceu e o chamou para o apostolado. Recebeu o Batismo do Espírito Santo e preparou-se para o ministério. Tornou-se um grande missionário e doutrinador, fundando muitas comunidades. De perseguidor passou a perseguido, sofreu muito pela fé e foi coroado com o martírio, sofrendo morte por decapitação.Escreveu treze Epístolas e ficou conhecido como o "Apóstolo dos gentios".

São Pedro e São Paulo, rogai por nós!

2º Encontro de Formação Espiritual do Terço dos Homens Mãe Rainha em Apodi


Aconteceu domingo dia 28/06/09 na Cidade de Apodi, o segundo Encontro de Formação Espiritual do Terço dos Homens Mãe Rainha da Diocese de Mossoró. O encontro foi dividido em três parte, sendo a 1ª parte a Santa Missa Presidida Pelo Padre João Batista da Paróquia de São Paulo em Mossoró, a 2ª parte foi servido um belo cafe da manhã para os diversos grupos e a 3ª parte foi a formação espiritual que teve como formador o Pe. João Batista com o tema: A Importância do Engajamento dos Homens do Terço nas Pastorais. Após a palestra a palavra ficou aberta a todos e muitos foram os testemunhos de Fé, de mudança de vida e agradecimento as graças recebidas. O Encontro foi encerrado com a Benção do Santíssimo Sacramento.
Vejam Algumas Fotos:

Pe. João Batista do Nascimento da Paróquia de São Paulo Apóstolo de Mossoró.

A Igreja matriz de Apodi Totalmente lotada de homens de varias cidades da Diocese.
Jorge Câmara Coordenador do Zonal médio Oeste 1
Pe. João Batista no momento em que ministrava sua palestra.
Coordenação Diocesana do Terço dos Homens.

Grupos do Terço dos Homens Mãe Rainha.


Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição - Apodi-RN

Evangelho (Mateus 16,13-19)

SOLENIDADE DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!
Naquele tempo, 13Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”14Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”.15Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?”16Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”.17Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Pedro e Paulo

Este controvertido episódio da "confissão de Pedro" é encontrado nos três Evangelhos sinóticos. Marcos o situa no momento em que Jesus encerra seu ministério na Galiléia e nas regiões gentílicas vizinhas, iniciando o caminho para Jerusalém, em ambiente de exclusividade judaica, onde se dará o confronto final com os chefes de Israel. Marcos preocupa-se em mostrar que Jesus rejeita o título messiânico, indicativo de ambição e poder, afirmando-se como o "Filho do Homem", simples e humilde, humano e cheio do amor de Deus. Lucas, por sua vez, despreocupa-se com a situação temporal do episódio narrado, colocando-o em um momento de oração de Jesus. O evangelista conclui sua narrativa, como Marcos, registrando a rejeição sumária de Jesus ao título messiânico. Na narrativa de Mateus encontramos duas de suas características dominantes. Ele acentua a dimensão messiânica de Jesus e já apresenta sinais da instituição eclesial nascente. Escreve na década de 80, quando os discípulos de Jesus oriundos do judaísmo estavam sendo expulsos das sinagogas que até então freqüentavam. Ele pretende convencer estes discípulos de que em Jesus se realizam suas esperanças messiânicas moldadas sob a antiga tradição de Israel. Daí o acentuado caráter messiânico atribuído a Jesus por Mateus. Os cristãos, afastados das sinagogas, começam a estruturar-se em uma instituição religiosa própria, na qual a figura de referência é Pedro, já martirizado em Roma. Pedro é apresentado como o fundamento da Igreja e detentor das chaves do Reino dos Céus. Na primeira leitura, de Atos dos Apóstolos, Pedro é lembrado pelo seu testemunho corajoso diante da perseguição. Na segunda leitura, encontramos o destaque de Paulo como fiel missionário que cumpriu sua missão da proclamação da Boa-Nova.

A igreja celebra hoje:

Celebramos a memória do grande Bispo e Mártir, São Irineu, que pelos seus escritos tornou-se o mais importante dos escritores cristãos do século II. Nascido na Ásia Menor, foi discípulo de Santo Policarpo, que por sua vez conviveu diretamente com o Apóstolo São João, o Evangelista. Ao ser ordenado por São Policarpo, Irineu foi para a França e assumiu várias funções de serviço à Igreja de Cristo, que crescia em número de comunidades e necessidade de pastoreio. Importante contribuição deu à Igreja do Oriente quando foi em missão de paz para um diálogo com o Papa Eleutério sobre a falta de unidade na data da celebração da Páscoa, pois o Oriente corria ao risco de excomunhão, sendo fiel ao significado do seu próprio nome – portador da paz – logrou êxito nessa missão, já que isto nada interferia na unidade da fé.Ao voltar da missão deparou-se com a morte do Bispo Potino, o qual o havia enviado para Roma e, sendo assim, foi ele o escolhido para sucessor do episcopado de Lião. Erudito, simples, orante e zeloso Bispo, foi ele quem escreveu contra os hereges e sobre a sucessão apostólica. E, muito dos dados que temos, hoje, sobre a história da Igreja do século II. Este grande Bispo morreu mártir na perseguição do imperador Severo.

São Irineu, rogai por nós!