Painel informativo.

- TRÊS VEZES ADMIRÁVEL pela grandeza de sua posição junto à Trindade, como filha predileta do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo. Também por ser Mãe de Deus, Mãe do Redentor e Mãe dos Remidos.'

MISTERIOS DE

O Santo Rosário compreende a meditação dos vinte mistérios da Fé Católica, divididos em quatro grupos de cinco mistérios - denominados Terço - e nos leva diariamente ao estudo e meditação profunda da Palavra Sagrada da Bíblia e das passagens mais importantes do Evangelho. Aos mistérios originais, recentemente o Papa João Paulo II instituiu novas meditações, sendo que os mistérios do Santo Rosário são:
Mistérios Gozosos - Natalidade e crescimento de Jesus
Mistérios Dolorosos - Agonia, sofrimento e morte: Amor aos pecadores
Mistérios Gloriosos - Vitória, Salvação, Proteção
Mistérios Luminosos - A humildade, os milagres e o eterno Amor

VOCÊ É ESPECIAL!

Pesquisar neste blog

ORAÇÃO OFICIAL DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA





Evangelho (Marcos 12,38-44)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 38Jesus dizia, no seu ensinamento, à multidão: “Tomai cuidado com os doutores da Lei! Eles gostam de andar com roupas vistosas, de ser cumprimentados nas praças públicas; 39gostam das primeiras cadeiras nas sinagogas e dos melhores lugares nos banquetes. 40Eles devoram as casas das viúvas, fingindo fazer longas orações. Por isso eles receberão a pior condenação”. 41Jesus estava sentado no Templo, diante do cofre das esmolas, e observava como a multidão depositava suas moedas no cofre. Muitos ricos depositavam grandes quantias. 42Então chegou uma pobre viúva que deu duas pequenas moedas, que não valiam quase nada. 43Jesus chamou os discípulos e disse: “Em verdade vos digo, esta pobre viúva deu mais do que todos os outros que ofereceram esmolas. 44Todos deram do que tinham de sobra, enquanto ela, na sua pobreza, ofereceu tudo aquilo que possuía para viver”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Os ricos e a pobre viúva
Nos Evangelhos são freqüentes as críticas à classe dirigente do templo e da Judéia: os escribas, os fariseus, os sacerdotes e os latifundiários. Neste Evangelho de Marcos, temos a advertência de Jesus sobre a hipocrisia dos fariseus. Lucas (16,14) caracteriza os fariseus como amigos do dinheiro. A seguir, a cena desloca-se para o Tesouro do templo, diante do qual Jesus senta-se. Ele chama a atenção sobre a exploração à pobre viúva. Os ricos, aliados e beneficiados pelo sistema do Templo, davam uma parte supérflua de suas riquezas, acumuladas a partir da exploração dos pobres. O pobre sacrificava tudo que possuía, submisso à ideologia religiosa de um sistema desumano de domínio, dedicado à acumulação de riquezas. Muitas vezes o sacrifício dos pobres para o sustento de grupos religiosos é exaltado como agradável a Deus.

A igreja celebra hoje: São Norberto, Bispo.

Neste dia, lembramos a vida de santidade do fundador da Ordem Premonstratenses, conhecidos também como os Monges Brancos. São Norberto nasceu na Alemanha, em 1080, numa família nobre de muita influência. Jovem simpático, elegante, dado aos esportes, à caça, à vaidade e aos jogos da época. Era considerado um homem de Igreja, porém na vida não testemunhava o seguimento ao Cristo. Aconteceu que, certa vez, ao passear de cavalo pegou um temporal que atingiu seu animal com um forte raio, que o matou e lançou o santo no chão desacordado. Ao voltar em si, tomou consciência pela graça divina do triste estado em que andava sua alma. A partir deste fato, entrou num forte processo de conversão.São Norberto renunciou tudo aquilo que o fastava de Deus e dos irmãos, trocando toda a riqueza pela pobreza de um pregador penitente e itinerante. Tornou-se sacerdote e monge. Muitas vezes, foi perseguido pelas suas fervorosas pregações, mas em tudo teve a bênção do Papa, tanto assim que foi escolhido e ordenado Bispo, e em seguida Arcebispo de Magdeburgo. Morreu com 54 anos, sendo considerado o maior reformador do século XII.

São Norberto, rogai por nós!

Evangelho (Marcos 12,35-37)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 35Jesus ensinava no Templo, dizendo: “Como é que os mestres da Lei dizem que o Messias é Filho de Davi? 36O próprio Davi, movido pelo Espírito Santo, falou: ‘Disse o Senhor ao meu Senhor: senta-te à minha direita, até que eu ponha teus inimigos debaixo dos teus pés’. 37Portanto, o próprio Davi chama o Messias de Senhor. Como é que ele pode então ser seu filho?” E uma grande multidão o escutava com prazer.
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Surgimento da tradição messiânica
A compilação final do Primeiro Testamento, no período do pós-exílio, sob o poder dos sacerdotes sadoquitas, faz convergir a história da salvação para Davi e para o templo de Jerusalém. Nesta perspectiva, surge a tradição messiânica. Aguardava-se a vinda de um ungido (messias, do hebraico; cristo, do grego) à semelhança do antigo rei Davi, chamado "filho de Davi". Seria um líder nacionalista que traria aos judeus a glória e o poder que a tradição atribuía ao rei Davi como chefe de um império. Tratava-se de uma sólida ideologia nacionalista elaborada pela antiga corte real, cultivada pela casta sacerdotal e, por estas, disseminada entre o povo. Jesus remove esta compreensão a partir do texto de um salmo atribuído a Davi (Sl 110,1). Deus e seu ungido são chamados de "senhor" pelo salmista. Assim este ungido, com o qual é identificado Jesus, é senhor e não filho de Davi. A imagem de Jesus como messias glorioso e poderoso ressuscitado foi incorporada na tradição cristã, favorecendo o estilo de Igreja imperial. Toda a vida de Jesus foi a revelação de que a humanidade, na sua condição de fragilidade, humildade e pobreza, unida pelos laços do amor e da fraternidade, é assumida por Deus em sua própria vida divina e eterna

A igreja celebra hoje: São Bonifácio

Com alegria, celebramos vida de total entrega a Deus, do cristão que se tornou o Apóstolo da Alemanha. São Bonifácio nasceu em 675 e recebeu o nome de batismo de Winfrido e com o passar da vida, no seguimento do Divino Mestre, tornou-se monge beneditino. O coração de Bonifácio era sereno como o dos seus irmãos monges, porém inquieto por causa do seu ardor missionário, sendo assim ao se apresentar ao Papa recebeu sua investidura de missionário, fato que mudou sua vida e seu nome de Winfrido para Bonifácio, em memória de um grande mártir. Ordenado Bispo, São Bonifácio soube proporcionar elo do Cristianismo nascente na Alemanha com Roma, assim como bem evangelizou os quatro cantos de sua região, através de muitos mosteiros e dioceses que nasceram por sua causa.Docilidade e firmeza, timidez e coragem, oração e ação estavam presentes em sua pessoa e fecundo apostolado, que não se resumiu na Alemanha, pois ao estabelecer sede episcopal, deixou tudo nas mãos de outro Bispo e foi evangelizar o Norte da Europa. Aconteceu que ao ir para Dokkin a convite para celebrar o Crisma, São Bonifácio e outros cristãos foram atacados e mortos por pagãos, isso em 754.
São Bonifácio, rogai por nós!

Evangelho (Marcos 12,28b-34)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 28bum mestre da Lei aproximou-se de Jesus e perguntou-lhe: “Qual é o primeiro de todos os mandamentos?” 29Jesus respondeu: “O primeiro é este: Ouve, ó Israel! O Senhor nosso Deus é o único Senhor. 30Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e com toda a tua força! 31O segundo mandamento é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo! Não existe outro mandamento maior do que estes”. 32O mestre da Lei disse a Jesus: “Muito bem, Mestre! Na verdade, é como disseste: Ele é o único Deus e não existe outro além dele. 33Amá-lo de todo o coração, de toda a mente, e com toda a força, e amar o próximo como a si mesmo é melhor do que todos os holocaustos e sacrifícios”. 34Jesus viu que ele tinha respondido com inteligência, e disse: “Tu não estás longe do Reino de Deus”. E ninguém mais tinha coragem de fazer perguntas a Jesus.
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus e o escriba
Depois de muitos embates com os chefes religiosos do judaísmo, Marcos nos apresenta este diálogo de Jesus com um escriba. Embora aparente certa harmonia, Jesus o encerra com alguma prudência: o escriba não está longe do Reino de Deus. As tradições de Israel haviam acrescentado 613 mandamentos à Lei. Diante de tal carga legalista, entre os doutores da lei se debatia sobre qual seria o principal deles. O diálogo conduz à conclusão de que o mandamento do amor a Deus não se separa do mandamento do amor ao próximo. Porém, não basta saber disto. É necessário praticá-lo. Pela semelhança que há com o diálogo com o homem rico, observante dos mandamentos (Mc 10,17-27), percebe-se que falta o ato fundamental da conversão. "Vai, vende o que tens, dá o dinheiro aos pobres... Depois, vem e segue-me".

A igreja celebra hoje: São Crispim

Neste dia lembramos o primeiro santo canonizado pelo Papa João Paulo II: São Crispim, que nasceu em Viterbo, na Itália em 1668. Chamado a vida religiosa, recebeu a formação jesuíta mas acabou entrando para a família franciscana, despertado pela piedade dos noviços. Ocupou cargos de grande simplicidade dentro da comunidade, como a horta, a cozinha, e tantos outros serviços onde ele testemunhava em tudo o amor de Deus.Falava e vivia a seguinte frase: “Quem ama a Deus com pureza de coração, vive feliz e morre contente”Crispim deixou essa marca da pureza e da alegria. Que dia de marca estou deixando nessa vida?Ele viveu tudo com pureza de coração, foi feliz e morreu contente em 1748.Que nosso caminho seja marcado pelo amor e pela verdadeira alegria.
São Crispim, rogai por nós!

Evangelho (Marcos 12,18-27)


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 18vieram ter com Jesus alguns saduceus, os quais afirmam que não existe ressurreição e lhe propuseram este caso: 19“Mestre, Moisés deu-nos esta prescrição: Se morrer o irmão de alguém e deixar a esposa sem filhos, o irmão desse homem deve casar-se com a viúva, a fim de garantir a descendência de seu irmão”.20Ora, havia sete irmãos: o mais velho casou-se e morreu sem deixar descendência. 21O segundo casou-se com a viúva e morreu sem deixar descendência. E a mesma coisa aconteceu com o terceiro. 22E nenhum dos sete deixou descendência. Por último, morreu também a mulher. 23Na ressurreição, quando eles ressuscitarem, de quem será ela mulher? Porque os sete se casaram com ela!” 24Jesus respondeu: “Acaso, vós não estais enganados, por não conhecerdes as Escrituras, nem o poder de Deus? 25Com efeito, quando os mortos ressuscitarem, os homens e as mulheres não se casarão, pois serão como os anjos do céu. 26Quanto ao fato da ressurreição dos mortos, não lestes, no livro de Moisés, na passagem da sarça ardente, como Deus lhe falou: ‘Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó’? 27Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos! Vós estais muito enganados”.
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus liberta da lei do levirato
Os saduceus eram membros de um partido religioso-político que abrigava membros de famílias ricas de latifundiários. Ao contrário dos fariseus, eles não acreditavam na ressurreição e eram colaboracionistas com o poder romano. Pela lei do levirato (Dt 25,5-10), o homem devia tomar como esposa a viúva de seu falecido irmão. Tal lei visava garantir que a família do falecido permanecesse na posse dos seus bens. Pelo direito de posse da mulher e por sua liberdade não havia nenhuma consideração. No caso anedótico proposto, a mulher casa-se com sete irmãos. Jesus, de maneira direta, afirma o erro e a incompreensão dos saduceus. O casamento e a mulher estão instrumentalizados em função da posse de bens. O que permanece para a eternidade são os atos de amor que constroem a vida, e não os interesses econômicos com seu apego aos bens materiais.

A igreja celebra hoje: Carlos Lwanga e Companheiros

Neste dia, celebramos a memória destes grandes mártires que na África testemunharam o nome de Jesus. Carlos Lwanga era chefe dos pajens, que serviam na corte do rei Muanga da Uganda. Acontece que a entrada da evangelização na África, sofreu muito pelas invasões dos homens brancos, por isso os missionários tinham que ser homens verdadeiramente de Deus, ou seja, de caridade, pois facilmente eram confundidos com colonizadores. Depois da entrada dos padres que fizeram um lindo trabalho de evangelização que atingiu Carlos Lwanga e outros, o rei se revoltou e decretou pena de morte para os que rezassem. São Carlos, depois de muito se preparar como seus companheiros, se apresentou diante do rei com o firme propósito de não negarem a fé, por isso foi queimado vivo diante de todos. Seguindo o irmão na fé, nenhum deles recusou, até que em 1887 o último deles morreu afogado, como parte dos corajosos mártires da Uganda na África.
São Carlos Lwanga e companheiros, rogais por nós!

Evangelho (Marcos 12,13-17)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 13as autoridades mandaram alguns fariseus e alguns partidários de Herodes, para apanharem Jesus em alguma palavra. 14Quando chegaram, disseram a Jesus: “Mestre, sabemos que tu és verdadeiro, e não dás preferência a ninguém. Com efeito, tu não olhas para as aparências do homem, mas ensinas, com verdade, o caminho de Deus. Dize-nos: É lícito ou não pagar o imposto a César? Devemos pagar ou não?”15Jesus percebeu a hipocrisia deles, e respondeu: “Por que me tentais? Trazei-me uma moeda para que eu a veja”. 16Eles levaram a moeda, e Jesus perguntou: “De quem é a figura e a inscrição que estão nessa moeda?” Eles responderam: “De César”. 17Então Jesus disse: “Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”. E eles ficaram admirados com Jesus.
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário ao Evangelho

Conflito com as autoridades

Após seu ministério na Galiléia e nos territórios gentílicos vizinhos, tendo atravessado a Samaria, Jesus encontra-se em Jerusalém, em um confronto com o sistema do templo, que o levará à morte. É assediado pelos chefes religiosos, que vêem nele um líder que ameaça seu prestígio e poder, e procuram motivo para condená-lo diante do Império Romano. Provocam-no para ver se ele se manifesta contra o pagamento do imposto a César. Se ele se mostrasse a favor do pagamento, ficaria desacreditado diante do povo que sofria com esta opressão. Se ele se mostrasse contra o pagamento, seria denunciado e condenado pela autoridade romana. É pela sua moeda que o império exerce dominação. Diante da moeda romana, com a inscrição de César, Jesus fala em devolvê-la, e não em pagar. Devolver a César o que é de César é deixar de ser conivente com o império e sua sede de poder. Devolver a Deus o que é de Deus é restaurar a vida e a dignidade do povo oprimido e explorado.

A igreja celebra hoje: Santos Marcelino e Pedro

Hoje, a Igreja torna célebre a santidade de dois homens muito populares em Roma, pois com a fidelidade radical a Cristo, deram o lindo e marcante testemunho do martírio. Os santos de hoje faziam parte do clero romano, no início do século IV. Os dois viveram num tempo em que Diocleciano estava perseguindo duramente aos cristãos, e também se tornaram alvo da perseguição. No ano 304, foram presos, e quanto maiores eram os tormentos, tanto mais fortes se tornavam as oração deles pelos perseguidores, pois consolados pelo Espírito, conseguiam misteriosamente viver tudo na alegria e tranqüilidade. Os santos Marcelino e Pedro souberam que o chefe do presídio estava muito triste; ao questionarem o porquê dessa tristeza, descobriram que sua filha sofria com ataques demoníacos. Sendo assim, apresentaram-lhe o Cristo e testemunharam o Seu poder de libertar a criança. Então, partiram para a casa do chefe do presídio, e desta forma Jesus pôde libertá-la e converter a família e muitos outros. O chefe convertido foi preso e morto por causa da fé e logo após serem capturados, foram Marcelino e Pedro levados para o chamado Bosque Floresta Negra, que tornou-se com o martírio dos santos, o bosque do testemunho de fé e amor a Jesus, O Mártir.

Santos Marcelino e Pedro, rogais por nós!

1ª ROMARIA DO TERÇO DOS HOMENS

A Romaria do terço reuniu centenas de homens e mulheres ao Santuário do Lima em Patú-RN. Após a caminhada houve a Santa missa presidida por Dom Mariano Manzana que demonstrou entusiasmo pela grande quantidade de romeiros e manifestou sua grande vontade em conhecer a nível de Diocese quantos homens participam do terço. A romaria contou com a participação de todos os zonais.
A missa presidida pelo Bispo Diocesano Dom Mariano Manzana e concelebrada pelos Padres DOMINGOS (Reitor do Santuário do Lima), TARCÍSIO (Santuário do Lima), e Padres FRANCISCO DAS CHAGAS e ERIVON.
Da esquerda para direita Morales representando José Roberto Coordenador do Zonal Mossoró, Dom Mariano Manzana, França Coordenador Diocesano, Jorge Luiz Coordenador Zonal Médio Oeste I, Unilton Coordenador Zonal Médio Oeste II e Willame Coordenador Zonal Alto Oeste.


Dom Mariano Manzana - Bispo da Diocese de Mossoró-RN, que muito fortalece e apoia o Apostolado do Terço dos Homens Mãe Rainha em toda a Diocese.


Evangelho (Marcos 12,1-12)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo; segundo Marcos
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus começou a falar aos sumos sacerdotes, mestres da Lei e anciãos, usando parábolas: “Um homem plantou uma vinha, cercou-a, fez um lagar e construiu uma torre de guarda. Depois arrendou a vinha a alguns agricultores, e viajou para longe. 2Na época da colheita, ele mandou um empregado aos agricultores para receber a sua parte dos frutos da vinha. 3Mas os agricultores pegaram no empregado, bateram nele, e o mandaram de volta sem nada. 4Então o dono da vinha mandou de novo mais um empregado. Os agricultores bateram na cabeça dele e o insultaram. 5Então o dono mandou ainda mais outro, e eles o mataram. Trataram da mesma maneira muitos outros, batendo em uns e matando outros. 6Restava-lhe ainda alguém: seu filho querido. Por último, ele mandou o filho até aos agricultores, pensando: ‘Eles respeitarão meu filho’. 7Mas aqueles agricultores disseram uns aos outros: ‘Esse é o herdeiro. Vamos matá-lo, e a herança será nossa. 8Então agarraram o filho, o mataram, e o jogaram fora da vinha. 9Que fará o dono da vinha? Ele virá, destruirá os agricultores, e entregará a vinha a outros. 10Por acaso, não lestes na Escritura: ‘A pedra que os construtores deixaram de lado, tornou-se a pedra mais importante; 11isso foi feito pelo Senhor e é admirável aos nossos olhos’?”12Então os chefes dos judeus procuraram prender Jesus, pois compreenderam que havia contado a parábola para eles. Porém, ficaram com medo da multidão e, por isso, deixaram Jesus e foram-se embora.
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Crítica aos chefes religiosos
Esta parábola, contada por Jesus como crítica aos chefes religiosos do templo de Jerusalém, sacerdotes e proprietários de terras, parte da imagem de um conflito social entre um latifundiário e os agricultores. É, assim, bem inteligível para estes chefes religiosos. Na aplicação da parábola, apesar da prepotência e violência nela contida, Deus pode ser entendido como o proprietário da vinha. A vinha, conforme a tradição profética, é o povo amado por Deus. Os agricultores violentos são os chefes religiosos, que oprimem, exploram o povo e procuram eliminar quem busca libertação. Eles entenderam que Jesus falava deles. Irritam-se e procuram prendê-lo.

A igreja celebra hoje: São Justino

Nós entramos neste mês do Sagrado Coração de Jesus, no qual em seu primeiro dia contemplamos a vida do São Justino, que ao encontrar-se com a verdade que brota do Coração do Senhor entregou-se de corpo e alma a vida para Deus. São Justino, grande filósofo cristão, nasceu em Flávia Neápolis ( Palestina), onde começou desde cedo sua caminhada em busca da fé. Este santo nasceu no paganismo e levado pelo desejo da verdade enveredou-se primeiramente na doutrina de Aristóteles, depois seguiu o pensamento de Platão, que começou ir de encontro aos seus anseios, porém perdia-se no 'mundo das idéias', pois foi-lhe apresentado um Deus abstrato. Aconteceu que Justino conheceu um velho judeu cristão que, de maneira ungida e simples, acompanhou a busca deste até as portas da 'Verdade', que lhe foram abertas pela chave da fé, a qual é dada como dom aos corações desejos de Deus. Depois de batizado, Justino foi para Roma onde dedicou a formar discípulos de Cristo através de uma escola de catequese: 'Filosofia Cristã'. Escreveu, defendeu e argumentou em favor do Cristianismo, que na época não era nem compreendido, por isso considerado de tal modo ilegal que ele foi vítima da denúncia de um filósofo pagão, o qual levou-o ao tribunal e à morte por decapitação, isto em 165.
São Justino, rogai por nós!

Evangelho (João 20,19-23)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos
— Glória a vós, Senhor.

19Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco”.20Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. 21Novamente, Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. 22E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo. 23A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos”.
- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Comentário do Evangelho
O Espírito move os discípulos ao anúncio e missãoEncontramos uma semelhança entre esta narrativa de João e a narrativa paralela de Lucas 24,36-39, o que sugere que ambos recorreram à mesma fonte para a elaboração de seus textos. No Evangelho de Lucas, há apenas a comunicação da paz, pois o dom do Espírito é transferido para o episódio de Pentecostes, em Atos, com a teofania das línguas de fogo que pousam sobre os discípulos (primeira leitura). O "soprar" (enephysêsen) é o mesmo ato de Deus ao infundir a vida ao homem, na criação. Agora, o Espírito Santo é o animador da nova criação. É a força da comunicação da vida na missão. O batismo de João, na água para a conversão à justiça, é completado com o batismo no Espírito para o dom da vida eterna. O Espírito é a plenitude do amor. O fruto do amor é a união. Pelos atos de comunicação, misericórdia, perdão, solidariedade, partilha, serviço, unimo-nos em um só corpo. Um só corpo, com muitos membros, com diversidade de funções e carismas (segunda leitura). Um só corpo, com membros sadios, que usufruem os bens deste mundo, e com membros doentes, excluídos, pobres, sofrendo privações. A vida deste corpo deve irradiar-se ao corpo todo, comunicando vida plena a todos seus membros. Recebendo o Espírito, os discípulos passam a exercer o ministério da misericórdia e do perdão. O Espírito move os discípulos galileus ao anúncio, à missão. A fala em todas as línguas sugere a missão universal, a todos os povos. A permanência no pecado é a recusa do amor e da misericórdia de Deus e a rejeição à conversão à prática da justiça.

A igreja celebra hoje: Visitação de Nossa Senhora

Sabemos que Nossa Senhora foi visitada pelo Arcanjo Gabriel com esta mensagem de amor, com esta proposta de fazer dela a mãe do nosso Salvador. E ela aceitou. E aceitar Jesus é estar aberto a aceitar o outro.O anjo também a comunicou que sua parenta Santa Isabel já estava grávida. Aí encontramos o testemunho da Santíssima Virgem no Evangelho de São Lucas no capitulo 1, quando depois de andar cerca de 100km ela se encontrou com Isabel. Nesta festa também vamos descobrindo a raiz da nossa devoção a Maria. Ela cantou o Magnificat, glorifcando a Deus. Em certa altura ela reconheceu sua pequenez, e o porquê deveríamos ter essa devoção, que passa de século a século.“Porque olhou para sua pobre serva, por isso desde agora me proclamarão bem-aventurada todas as gerações.” São Lucas 1, 48A Palavra de Deus nos convida a proclamarmos bem-aventurada aquela que por aceitar Jesus, também se abriu à necessidade do outro.É impossível dizer que se ama a Deus, se não se ama o outro. A visitação de Maria a sua prima nos convoca a essa caridade ativa. A essa fé que se opera pelo amor. Amor que o outro tanto precisa. Quem será que precisa de nós? Peçamos a Virgem Maria que interceda por nós junto a Jesus para que sejamos cada vez mais sensíveis á dor do outro, mas que a nossa sensibilidade não fique no sentimentalismo, mas se opere na caridade.Virgem Maria, Mãe da visitação, rogai por nós!